A Federação Única dos Petroleiros está contribuindo e construindo em parceria as Cozinhas Solidárias do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

Nesta quarta-feira (09/06), representantes da FUP visitaram a unidade Vila Santa Luzia, no bairro da Torre, Zona Oeste do Recife. Em maio desse ano, o MTST ocupou um ímovel pertencente à prefeitura que estava abandonado e iniciou a construção da 9ª Cozinha Solidária do Brasil. O movimento pretende construir cozinhas nos 26 estados do país onde tem atuação.

Segundo Vitória Genuíno do MTST, “esse é um projeto nacional, onde o MTST vai abrir cozinhas por todo o país. Essa parceria com os companheiros e companheiras da FUP vem de outras lutas e agora se concretiza ainda mais com as cozinhas. Sem essa parceria com a FUP as cozinhas não poderiam funcionar”.

 A cozinha de Santa Luzia vai atender cerca de 200 famílias com uma refeição diária gratuita, de segunda a sábado. Além disso, o projeto visa também a construção de hortas urbanas. Em entrevista ao Brasil de Fato quando a cozinha foi inaugurada, a coordenadora estadual do MTST Pernambuco, Juliana de Carvalho, explicou os motivos que sustenam esse projeto: “As cozinhas tendem a ser o coração das ocupações. Nesse contexto de volta ao mapa da fome e fragilidade das estruturas que sustentam a vida das pessoas, as cozinhas solidárias vêm como um caminho para demarcar o que é possível de ser feito para oferecer o mínimo de segurança alimentar às pessoas. A luta vai além da moradia. É por reforma urbana e por ações que criem condições de vida digna nas cidades”.


Deyvid Bacelar, coordenador geral da FUP, destacou a importância desta parceria: “Estamos lutando junto ao MTST e demais movimentos para defender a vida do nosso povo neste momento de pandemia, povo que sofre não só com a falta de vacina, mas de direitos básicos para vida digna, como a moradia. Por isso estamos juntos na construção das Cozinhas Solidárias, e sempre estaremos”.

Ao mesmo tempo, Bacelar destacou a importância da luta em defesa da Petrobrás: “Esse desmonte que o governo Bolsonaro está fazendo da Petrobrás, essas tentativas de privatização, são um ataque ao povo brasileiro, que sofre com o preço do gás e o preço dos alimentos. Num momento de crise como o que a gente vive, é quando vemos com maior clareza os impactos dessa política antinacional que precisamos derrotar”. O coordenador destacou ainda que a FUP continuará apoiando as iniciativas do MTST em outros estados do Brasil.

WhatsApp-Image-2021-06-09-at-114124-2ssa
WhatsApp-Image-2021-06-09-at-13504
WhatsApp-Image-2021-06-09-at-1141242

Publicado em Sistema Petrobrás

Com apoio da FUP e do Sindipetro-PE/PB, o técnico Luiz Araújo foi eleito o representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Companhia Pernambucana de Gás (Copergás). Ele será empossado na sexta-feira, 31, com a missão de tentar impedir a privatização da empresa, que tem 51% de seu capital acionário controlada pelo governo do estado.

A Gaspetro e a multinacional Mitsui detêm o restante das ações da Copergás, cada uma com 24,5% de participação na companhia.  A empresa japonesa também tem 49% da subsidiária da Petrobrás. A venda de ativos foi concluída em 2016, após uma série de denúncias da FUP e contestação na Justiça.

Eleito com mais votos do que a soma dos outros quatro candidatos que disputaram a vaga do CA, Luis Araújo pautou sua campanha pela defesa incondicional da Copergás como empresa pública, a serviço do estado e do povo pernambucano. Ele conquistou 53% dos votos dos 116 trabalhadores que participaram da eleição.

A companhia está na lista de privatização desde que o governo assinou em julho do ano passado um acordo de cooperação com o BNDES para definição do melhor modelo de desestatização da empresa.

Desde então, os trabalhadores e movimentos sindicais e sociais de Pernambuco vêm se mobilizando contra a privatização da Copergás, em uma luta conjunta contra a entrega dos ativos da Petrobrás no estado que foram colocados à venda, como é o caso da Refinaria Abreu e Lima e do Terminal de Suape.

"O resultado desta eleição foi um reflexo do envolvimento e da conscientização de toda a categoria em relação a importância de ter um representante dos empregados dentro do conselho, dando voz ativa aos anseios dos trabalhadores, assim como defender a Companhia da tentativa de privatização", afirma o conselheiro eleito.

"Toda a categoria está convicta do momento sombrio que o país vive, com o ataque direto à soberania nacional, com a crescente tentativa de privatizações das empresas públicas e do ataque aos direitos trabalhistas conquistados", ressaltou Luis Araújo, destacando a importância da FUP na resistência contra o golpe.  "A FUP tem tido papel fundamental na coordenação da união em defesa do sistema Petrobrás como uma das mais ativas e influentes frentes de resistência à tentativa de entrega das riquezas nacionais ao capital estrangeiro", declarou. 

Assim como os petroleiros, os trabalhadores da Copergás são representados pelo Sindipetro-PE/PB e têm sido bastante atuantes na luta em defesa da soberania energética. “Termos no CA da Copergás um trabalhador comprometido com as nossas lutas, que vai ter a oportunidade de discutir com a alta hierarquia da companhia os projetos e ações de gestão da empresa, é uma vitória importantíssima, principalmente nesse momento em que lutamos contra a privatização”, afirma o coordenador da FUP, Simão Zanardi.

A Copergás abastece mais de 30 mil consumidores residenciais no estado de Pernambuco e também atende a cerca de 500 empresas comerciais e industriais no estado. Em 2017, a companhia registrou lucro líquido de R$ 88,2 milhões, 22,3% superior ao ano anterior.

[FUP]

Publicado em Trabalho

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.