CUT participa de debate para a Eliminação da Discriminação Etnico-Racial e Promoção da Igualdade

Segunda, 24 Maio 2010 21:00
Com o tema “Um chamado à ação”, a secretária de Combate ao Racismo da CUT Nacional...

CUT

Com o tema “Um chamado à ação”, a secretária de Combate ao Racismo da CUT Nacional, Júlia Nogueira, participou de 20 a 21 de maio, na Faculdade Morehouse, em Atlanta, na Geórgia-EUA, da reunião sobre o Plano de Ação Conjunta Brasil-Estados Unidos para a Eliminação da Discriminação Etnico-Racial e Promoção da Igualdade.

O Plano foi assinado em março de 2008 com o objetivo de eliminar a discriminação racial e étnica do cotidiano das respectivas sociedades, promovendo a igualdade de oportunidades nos dois países, que farão reuniões alternadas no sentido de envolver lideranças na resolução do grave problema.

“Foi uma reunião carregada de simbolismo, pois Atlanta é a cidade onde nasceu Martin Luther King Jr., o histórico líder do movimento pelos direitos civis nos EUA, assassinado por sua luta contra o racismo e a segregação”, relatou Júlia Nogueira, sublinhando que “ambos países vão ganhar com este intercâmbio”.

“De um lado temos a história de horrores e assassinatos da Ku kllux Klan e de um país que ainda tem universidades apenas para negros, devido ao arraigado e elevado preconceito existente. Do outro, temos o Brasil com o desafio de inserir os jovens negros no mercado de trabalho, com a negritude sendo ainda a principal vítima da violência e a maior parte da população carcerária”, explicou.

Luther King dá o nome há várias escolas e ruas na localidade, que inda guarda marcas profundas da segregação, como a delegação cutista, representada por Júlia Nogueira Telma Victor, secretária de Formação da CUT-SP e tesoureira do Inspir (Instituto Sindical Interamericano pela Promoção da Igualdade Racial), pode comprovar em suas visitas.

No museu que leva o nome do líder negro, um trecho de seu histórico discurso “Eu tenho um sonho – I have a dream” ecoa com força: “Eu não esqueci que alguns de você vieram até aqui após grandes testes e sofrimentos. Alguns de você vieram recentemente de celas estreitas das prisões. Alguns de vocês vieram de áreas onde sua busca pela liberdade lhe deixou marcas pelas tempestades das perseguições e pelos ventos de brutalidade policial. Vocês são os veteranos do sofrimento. Continuem trabalhando com a fé que sofrimento imerecido é redentor. Voltem para o Mississippi, voltem para o Alabama, voltem para a Carolina do Sul, voltem para a Geórgia, voltem para Louisiana, voltem para as ruas sujas e guetos de nossas cidades do norte, sabendo que de alguma maneira esta situação pode e será mudada. Não se deixe caiar no vale de desespero”.

“São palavras que nos estimulam a seguir em frente, da mesma forma que o exemplo deixado por Zumbi dos Palmares, João Cândido e tantos outros dos nossos heróis negros”, enfatizou Júlia.

Em sua intervenção no evento o ministro Elói Ferreira, da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), ressaltou a relevância do acordo celebrado entre os dois países, destacando que o racismo é uma chaga que para ser eliminada necessita de políticas afirmativas e de mobilização das sociedades. Entre os pontos elencados como prioritários está a ênfase no combate à discriminação no local de trabalho.

Entre outros desafios, a delegação brasileira colocou em pauta a necessidade de incluir a juventude negra no mercado de trabalho; elaborar estratégias comuns para combater a violência e diminuir a morte de jovens negros; e ações para proteger as trabalhadoras domésticas, já que 58% delas são negras e muito poucas possuem a formalização do vínculo de trabalh

Após o painel “Empoderamento econômico e trabalho” houve a distribuição dos representantes em grupos de trabalho, onde a CUT e a AFL-CIO (central estadunidense) participaram como expositores no GT4: Organização Comunitária para uma Força de Trabalho Racialmente Diversa. Nesta mesa foi apresentado o debate construído no interior da Central, iniciado em 1992 com a criação da Comissão Nacional de Combate ao Racismo e a transformação desta comissão em Secretaria Nacional no 10ª CONCUT (2009), bem como as ações que serão desenvolvidas com base no planejamento realizado em 25 e 26 de fevereiro de 2010.

Integraram ainda a delegação sindical os companheiros da AFL - CIO William Lucy, Stan Gacek e Susan M. Washington.

Publicado em Últimas Notícias

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.