Químicos da Bahia encerraram greve de 7 dias no último domingo, 31/01

Segunda, 01 Fevereiro 2010 22:00
No último domingo, 31/01, os trabalhadores petroquímicos da Brasil Ecodiesel retornaram...

Imprensa da FUP

No último domingo, 31/01, os trabalhadores petroquímicos da Brasil Ecodiesel retornaram ao trabalho, após sete dias de greve iniciada no dia 25/01. Apesar do movimento pacífico feito pelos trabalhadores, a gerência da empresa provocou tumultos, com direito a empurrão e bate-boca com os dirigentes sindicais e intimidação dos grevistas, através da convocação da Polícia Militar e interditos proibitórios, que foi negado pela juíza. Os comerciantes também se solidarizaram aos químicos e participaram de uma grande passeata realizada pelas ruas do centro da cidade de Iraquara (BA), no dia 29/01. Na ocasião, o Sindicato dos Químicos e Petroleiros da Bahia denunciou a atual situação dos trabalhadores e os reais motivos da greve à população.

Na rodada de negociação entre a empresa e o Sindicato, ficou acertado que a empresa não fará o desconto dos dias parados e a garantia de estabilidade no emprego por 90 dias. Porém, a maior conquista desta mobilização foi a garantia da implementação da escala de turno e folga do setor administrativo, no prazo de 30 dias.

Nesta quinta-feira, 04, na Superintendência Regional do Emprego e Renda, em  Salvador, a empresa e o Sindicato voltaram a negociar o caso dos 11 demitidos políticos e cipistas, o cumprimento  da Convenção Coletiva do Quimbahia e o pagamento de PLR.

A avaliação do Sindicato e dos trabalhadores, após a greve, é muito positiva, devido, inclusive, à postura intransigente da empresa que não aceitava negociar. Por conta disso, por várias vezes, o sindicato insistiu na negociação, mas como não houve resposta da empresa, encaminharam denúncias das irregularidades aos órgãos públicos. A vitória da greve mostra que é importante lutar por direitos e nunca abaixar a cabeça para o patrão.

 

Publicado em Últimas Notícias

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.