CUT convoca Dia Nacional da Luta, na próxima quarta, dia 11

Quarta, 04 Fevereiro 2009 22:00
Com a chamada "Querem lucrar com a crise. A classe trabalhadora não vai pagar esta conta"...

CUT

Com a chamada "Querem lucrar com a crise. A classe trabalhadora não vai pagar esta conta", a Central Única dos Trabalhadores (CUT) convocou para a próxima quarta-feira (11) um "Dia Nacional de Luta Pelo Emprego e pelo Salário".

Estão previstas mobilizações em diferentes regiões do País. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, haverá passeata e concentração em frente à sede administrativa da Vale do Rio Doce, uma das empresas que atualmente simbolizam o oportunismo de quem lucra muito dinheiro mas, aproveitando do clima de crise, defende demissões e redução de salários. Em Vitória, capital do Espírito Santo, vários sindicatos cutistas já começaram nesta quinta, dia 5, a panfletar vários locais da cidade com o Jornal da CUT. A panfletagem segue, diariamente, até o dia 11, preparando a atividade maior. Em São Paulo, a CUT do Estado planeja uma grande panfletagem no dia 11 e um ato para reivindicar que o Governo do Estado negocie com os trabalhadores ações para superação da crise e reversão das demissões. A CUT vem defendendo que os governos estaduais e municipais entrem no jogo para estimular investimentos produtivos e, portanto, promover emprego e renda.

Este Portal do Mundo do Trabalho solicita que os sindicatos e as CUTs estaduais que vão promover atividades de luta no dia 11 informem locais, horários e o formato das mobilizações. Os endereços para envio das informações são Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email e Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email . O telefone também pode ser usado: (11) 2108 9127, 9120 ou 9298.

O presidente da CUT, Artur Henrique, lembrou que todos os setores econômicos e as empresas ganharam muito dinheiro nos últimos anos em que o Brasil manteve crescimento econômico constante e que "o próprio mercado já aposta em crescimento de 4% do PIB em 2008, mesmo com crise. Portanto, é hora de empresários contribuírem. Manter os empregos e os salários é garantir que o mercado continue em expansão".

A CUT avalia que a mobilização será uma resposta firme "à proposta da Fiesp e de alguns empresários que andaram dizendo que os trabalhadores precisavam aceitar redução de salário. É uma proposta burra, indecente porque esconde que, na verdade, o que eles querem é aumentar a exploração e os lucros. Burra porque, com menos dinheiro no bolso do trabalhador, menos consumo e menos crescimento".

Entre as reivindicações apresentadas pelo presidente cutista está a de usar o superávit primário para garantir programas sociais e investimentos em obras que gerem empregos, uma vez que "o governo federal mantém mais de R$ 130 bilhões guardados para garantir pagamento da dívida interna, dívida que pertence a 0,04% das famílias brasileiras, ou seja, especuladores iguais aos que criaram a crise internacional"; redução drástica da taxa básica de juros; queda do spread; fim da rotatividade no emprego; liberação do crédito e redução da jornada sem redução de salário. Artur também propõe atenção especial aos investimentos públicos: "é essencial que o governo federal, através do BNDES, Banco do Brasil, Caixa  Econômica Federal e do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) mantenha e até amplie os investimentos em obras que gerem emprego e renda. Contrapartidas sociais - o governo precisa exigir que todas as empresas que receberem isenção de impostos ou empréstimo com dinheiro público se comprometam a não demitir, sob pena de punição".

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram