Sábado é dia de aumentar a pressão nas ruas por fora Bolsonaro

Quinta, 01 Julho 2021 12:49

O terceiro ato nacional da campanha Fora Bolsonaro, que acontece sábado (3), já foi confirmado em 180 cidades do Brasil e do exterior, segundo levantamento das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, que organizam a manifestação. Além de responsabilizar o presidente Jair Bolsonaro pelo avanço descontrolado da pandemia da covid-19 no país, que já resultou na morte de mais de meio milhão de brasileiros, a mobilização nas ruas é essencial para reforçar a pressão para que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) dê andamento ao processo de impeachment de Bolsonaro. 

As denúncias de corrupção na compra de vacinas pelo governo federal, que, conforme vem apurando a CPI, ocorreram com a anuência do presidente da República, reforçam os atos deste sábado. As manifestações têm ainda como motes de luta "vacina no braço" e "comida no prato", reforçando reivindicações como auxílio emergencial de R$ 600, empregos, fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), mais investimentos na educação, suspensão das privatizações e da reforma Administrativa.

Para as entidades que integram a campanha Fora Bolsonaro, somente com o fim deste governo, será possível pensar em um projeto de recuperação econômica para o país, com foco na geração de emprego e renda e em políticas de proteção social, principalmente para as camadas da população mais impactadas pela pandemia.

O coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, ressalta a importância dos trabalhadores e trabalhadoras do Sistema Petrobrás que estejam fora dos grupos de risco se somarem aos atos deste sábado, seguindo todas as recomendações de segurança dos sindicatos e dos movimentos sociais que organizam a mobilização: "Nós temos motivos de sobra para estarmos nas ruas de todo o Brasil". Veja o vídeo abaixo:

Impeachment: a hora é agora

Na quarta-feira, 30, a FUP participou do ato em Brasília que marcou a entrega na Câmara dos Deputados do superpedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Mais de 700 entidades de movimentos populares, sindicais e de organizações da sociedade civil assinam o requerimento de impeachment, que reúne em um só documento 24 atos cometidos por Bolsonaro, que indicam crimes de responsabilidade, sustentados por argumentos jurídicos de outros 120 pedidos de impeachment já apresentados. Somam-se a estes atos, as recentes denúncias de prevaricação na compra superfaturada da vacina Covaxin, que estão sendo investigadas pela CPI da Covid no Senado. Assinam também o requerimento 11 partidos políticos, entre eles, PT, PSOL, PC do B, PDT, PSB, Rede e Cidadania.

O superpedido de impeachment de Bolsonaro acontece em um momento político decisivo para o país e reúne a força dos atos que vêm sendo realizados desde maio em todo o Brasil cobrando a responsabilização do presidente por seus atos criminosos no enfrentamento à pandemia da covid-19.

A FUP e seus sindicatos estarão novamente presentes aos atos deste sábado, 03, reforçando a pressão nas ruas por Fora Bolsonaro.

As orientações de segurança são de que as manifestações sejam realizadas apenas em locais abertos e bem ventilados, sem aglomeração. Mesmo ao ar livre, deve ser mantido o distanciamento de dois metros e o uso de máscaras e álcool em gel. 

[Imprensa da FUP, com informações da CUT]

Publicado em Movimentos Sociais

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.