Greve na PBio: Atos nesta quarta marcam audiência de conciliação no TST

Terça, 01 Junho 2021 21:14

Em greve desde o dia 20 de maio, os trabalhadores da Petrobras Biocombustível (PBio) realizam nesta quarta-feira, 02, atos em diversas bases do Sistema Petrobrás, além das usinas de Candeias (Bahia) e de Montes Claros (Minas Gerais) e da sede da empresa, no Rio de Janeiro. A mobilização chama atenção para a legitimidade da luta dos trabalhadores em defesa dos empregos e dos investimentos da Petrobrás em biocombustíveis.

Os atos ocorrem no mesmo dia em que os sindicatos e representantes da subsidiária participam de uma audiência de conciliação com a ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Delaíde Alves Miranda Arantes, relatora do pedido de dissídio coletivo ingressado pela PBio. 

Os trabalhadores estão organizando ainda um tuitaço a partir das 14h para pressionar os representantes da subsidiária a abrir um canal de negociação com as representações sindicais. A mobilização nas redes massificará ao longo da tarde as tags #EuApoioGrevePBio #PetrobrasParaOsBrasileiros #SustentabilidadeNãoSeVende

O apoio aos trabalhadores da PBio também pode ser manifestado, adicionando o tema da greve ao avatar de seu perfil no Facebook. Acesse através do link: www.facebook.com/profilepicframes/?selected_overlay_id=163243305815726

Audiência busca acordo 

A audiência de conciliação, prevista para ter início às 16h, foi proposta pela própria ministra relatora do pedido de dissídio coletivo ingressado pela PBio. O objetivo é buscar um acordo entre as partes. Na pauta de reivindicação dos empregados está a incorporação dos cerca de 150 concursados da PBio por outras unidades da Petrobrás, caso a venda da usina de biocombustível seja concretizada. A direção da empresa se mostra irredutível e vem se recusando a abrir canal de negociação. 

“Será uma mediação no âmbito do dissídio coletivo de greve, ajuizado pela PBio contra os três sindicatos de trabalhadores, o da Bahia, Minas e Rio de Janeiro. Como a greve acontece em três estados, fica no âmbito no TST para decisão única”, explica o advogado Clériston Bulhões, que representa o Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro/BA), ligado à Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Enquanto o acordo não vem, a greve continua, entrando nesta quarta no seu 12º dia, e respeitando a liminar determinada pelo TST de manter 70% do efetivo nas unidades de Candeias e de Montes Claros para a garantia da segurança.

“A greve continua até que a solução seja dada, que é a garantia de realocação dos empregados concursados da PBio. A esperança é que isso aconteça nesta quarta”, afirma o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar.

“A greve é um direito do trabalhador. O sindicato continuará nessa mediação tentando uma solução negociada para que a pauta seja aceita”, acrescenta o advogado Bulhões, lembrando que a PBio não desenvolve atividade essencial ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade, como prevê a lei de greve.

Apesar disso, a direção da PBio dá demonstrações de intransigência. Em decisão antidemocrática e perseguidora, tomada na semana passada, a empresa dispensou das funções gratificadas 12 supervisores que aderiram à greve dos trabalhadores.

[Da comunicação da FUP]

Última modificação em Quarta, 02 Junho 2021 12:39
Publicado em Sistema Petrobrás

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.