Décimo terceiro dia de greve teve 'lockdown dos trabalhadores' na Bahia

Quarta, 17 Março 2021 15:44

Equanto a gestão da Petrobrás negligencia as condições de segurança nas unidades operacionais, fazendo os casos de Covid-19 na empresa explodirem, a direção do Sindipetro Bahia promoveu nesta quarta-feira, 17, um "lockdown da classe trabalhadora" na Refinaria Landulpho Alves (Rlam). Essa foi mais uma ação da greve da categoria, que completa hoje 13 dias no estado e também no Amazonas, Espírito Santo e São Paulo. O movimento denuncia os impactos das privatizações no Sistema Petrobrás, como a precarização das condições de trabalho, os riscos de acidentes e o avanço da Covid-19 nas instalações da empresa. 

Durante toda a manhã, o Sindipetro Bahia realizou ações de convencimento na entrada da refinaria, que tiveram o amplo apoio dos cerca de 1.500 trabalhadores próprios e terceirizados. "Ninguém entrou para trabalhar e todos retornaram para suas casas em segurança. Pelo menos hoje, não teremos novas contaminações na Rlam, pois fizemos o que a gestão da empresa já deveria estar fazendo há tempos. Mas o gerente geral da refinaria segue agindo de forma irresponsável, sem tomar as devidas medidas de segurança que nós estamos cobrando desde o ano passado", afirma o coordenador da FUP e também funcionário da Rlam, Deyvid Bacelar. 

Ele ressalta que só entre os trabalhadores próprios da Rlam, já são cerca de 90 contaminados e duas mortes por conta da Covid-19. "A gestão continua omitindo dados relacionados aos trabalhadores terceirizados. Esse é, inclusive, um dos pontos de pauta da categoria que a Rlam e a Petrobrás se negam a atender", explica.

Na Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Minas Gerais, onde a greve também foi aprovada, o Sindipetro continua exigindo a suspensão imediata das paradas de manutenção, em função do aumento de trabalhadores infectados pela Covid. Segundo o sindicato, foram confirmados nesta última semana mais de 78 casos de contaminação por coronavírus a Regap, entre trabalhadores efetivos e terceirizados. Somente em março, mais de 200 trabalhadores testaram positivo para Covid-19 na refinaria e mais de 10 trabalhadores, entre próprios e terceirizados, estão internados.

Além da Bahia, a greve segue mobilizando os traballhadores do Sistema Petrobrás na Refinaria de Manaus (Reman), onde, na manhã de hoje, os trabalhadores da empresa Liga cruzaram os braços em protesto pelo não pagamento dos salários.

Nas bases operacionais representadas pelo Sindipetro Unificado de São Paulo e pelo Sindipetro Espírito Santo, as mobilizações estão sendo feitas cada dia em unidades diferentes.  

Em Pernambuco, os trabalhadores da Refinaria Abreu e Lima também aprovaram a greve e têm participado de mobilizações preparatórias para o movimento. 

Na Usina de Xisto (SIX), no Paraná, a greve pode ser deflagrada a qualquer instante, pois a gestão da unidade não respondeu as demandas da pauta de reivindicações aprovada pelos trabalhadores e encaminhada pelo sindicato à empresa. 

Surtos de Covid

Surtos de Covid vêm sendo relatados pela FUP por seus sindicatos em diversas unidades do Sistema Petrobrás. Na Rlam, dois operadores morreram em um espaço de uma semana, após complicações geradas pela doença. Segundo o Sindipetro-BA, cerca de 90 trabalhadores já foram contaminados na refinaria nas últimas semanas. Por conta do avanço da pandemia no estado, o sindicato conseguiu que a Petrobrás suspendesse temporariamente as paradas de manutenção.

O mesmo aconteceu no Paraná, na Repar, onde o Sindipetro-PR/SC também convenceu a gestão a postergar para 12 de abril o início das paradas de manutenção. "Continuaremos atentos às condições sanitárias e às taxas de ocupação dos hospitais de Araucária e Região para verificar se a parada de manutenção poderá ser realizada na nova data apontada, visando a segurança de todos os trabalhadores", informou o sindicato. 

Ações solidárias por combustíveis a preços justos

Nesta quarta-feira, os Sindipetros Bahia e Espírito Santo realizaram novas ações solidárias de descontos para a população na compra de combustíveis, mobilização que a FUP e seus sindicatos realizam desde 2019 para debater com a sociedade a importância da Petrobrás enquanto empresa estatal e da urgência de uma política de Estado para o setor de óleo e gás, que garanta o abastecimento nacional de derivados de petróleo, com preços justos para os consumidores. 

No Espírito Santo, ação foi em Vitória, com distribuição de 200 cupons de desconto de R$ 2,00 para motoristas de carros e motocicletas que abasteceram os veículos com gasolina. Ao todo, foram subsidiados 3 mil litros do combustível.

Na Bahia, as ações solidárias estão ocorrendo desde segunda-feira, 15, no interior do estado e na sexta, será realizada na capital Salvador. Hoje, foi a vez da população de Catu ser contemplada com a distribuição de 2 mil litros de gasolina, vendidos a R$ 3,50 o litro para os primeiros consumidores que chegaram ao local da ação realizada pelo Sindipetro. Ao todo, o sindicato está subsidiando 12.300 litros do combustível.

Veja as fotos da greve e das ações dos sindicatos nesta quarta:

abre
16236162125477914355288274103694663731509191o
16195336225477914721954907431644749774888328o
16171291925477915188621524478660862941262522o
reman-abre
reman2
reman
ef248727-dc59-4d1a-9580-c9a85ee503de
ebb32c0f-30f2-4739-a08c-c9be84b64637
e5b42195-5dc9-4e7c-80b2-1d15ea79b1a8
d54e58c3-3159-4636-84dd-42daedb8c425
df5d1fbb-0b5d-4bf7-bf2e-4c859992e524
ad089a8e-a1f3-4cd3-9986-89b17f714b31
323803cf-9bcc-4183-967f-230730cd83b8
a87db7e9-6f32-437d-9ed3-9c6a32bae43d
48204b1b-d231-4c0f-9836-8a450877fc37
5630c817-9d7c-481b-b600-d284423e197e
734dcb11-b049-4edc-9f67-a7c45b999c58
126cba82-4961-4c1f-8a4d-cc3547797f25
98b95e06-d0a7-46ee-8663-df2f73685fb6
3fccb5b6-f40a-4a41-b95f-70a0d7fc7178
3af63a0b-0bfa-4434-9faf-92cc70395f3d
2a63942b-be34-491e-9625-b4992823f90c
0e648363-71dd-49da-b57d-b6dc20e4d366
abre 16236162125477914355288274103694663731509191o 16195336225477914721954907431644749774888328o 16171291925477915188621524478660862941262522o reman-abre reman2 reman ef248727-dc59-4d1a-9580-c9a85ee503de ebb32c0f-30f2-4739-a08c-c9be84b64637 e5b42195-5dc9-4e7c-80b2-1d15ea79b1a8 d54e58c3-3159-4636-84dd-42daedb8c425 df5d1fbb-0b5d-4bf7-bf2e-4c859992e524 ad089a8e-a1f3-4cd3-9986-89b17f714b31 323803cf-9bcc-4183-967f-230730cd83b8 a87db7e9-6f32-437d-9ed3-9c6a32bae43d 48204b1b-d231-4c0f-9836-8a450877fc37 5630c817-9d7c-481b-b600-d284423e197e 734dcb11-b049-4edc-9f67-a7c45b999c58 126cba82-4961-4c1f-8a4d-cc3547797f25 98b95e06-d0a7-46ee-8663-df2f73685fb6 3fccb5b6-f40a-4a41-b95f-70a0d7fc7178 3af63a0b-0bfa-4434-9faf-92cc70395f3d 2a63942b-be34-491e-9625-b4992823f90c 0e648363-71dd-49da-b57d-b6dc20e4d366

 

[Imprensa da FUP]

 

Última modificação em Segunda, 22 Março 2021 11:03

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.