Meritocracia Bolsonarista na Petrobrás

Quarta, 03 Junho 2020 16:07

Pedro Parente, Claudio Costa, Bruno Motta e Castello Branco são alguns nomes de pessoas que ocupam ou ocuparam cargos de alto escalão na Petrobrás, por indicação política desde o golpe de 2016.

São pessoas indicadas pelos governos Temer e Bolsonaro para controlar a maior empresa do país.

É seguindo esta linha que o conselho de administração da Petrobrás aprovou esta semana uma mudança na política interna da estatal, para aumentar ainda mias as indicações de profissionais de fora da empresa para o alto comando da petroleira.

A medida eleva de 30% para 40% a proporção máxima de gestores oriundos do mercado nas gerências-executivas – e algumas poucas gerências gerais — ligadas diretamente às diretorias da companhia. Na prática, passou de 15 para 20 o total de funcionários que poderão ocupar posições executivas subordinadas à diretoria.

A empresa esclareceu, em nota, que a mudança possibilitará que uma parcela maior de gestores da Petrobras seja oriunda do setor privado, “agregando as competências desses profissionais às já existentes no corpo de empregados da companhia”. Ou no bom português, os profissionais internos, formados pela Universidade Petrobrás ou outras instituições financiadas pela empresa não têm competência suficiente para tais cargos. E o mais controverso, em um governo bolsonarista, que defende a não intervenção na política interna das empresas, cada vez mais participa das decisões e indicações na Petrobrás. 

Melhor contratar pessoas com experiência de mercado, como Flavia da Justa, que assumiu a gerência de comunicação no lugar de Bruno Motta (ex gerente da Shell, que ocupou o cargo na Petrobrás pouco mais de um ano apenas). Ela que tem ampla experiência com publicidade de academias de ginástica como a Body Tech.

Ou o ex-presidente Pedro Parente, que agregou toda a sua expertise de mercado introduzindo o desastre da política de reajustes dos derivados nas refinarias, estabelecendo a paridade de preços com o mercado internacional, sem qualquer mecanismo de proteção para o consumidor. À época a FUP denunciou que quem pagaria a conta seria o povo brasileiro e que o País estaria refém das crises internacionais de petróleo.

Nesta segunda-feira, a deputada federal Joice Hasselmann, PSL/SP (ex-apoiadora de Bolsonaro, atual opositora), questionou em sua conta no Twitter, se o presidente Jair Bolsonaro estaria incluindo a Petrobrás na divisão de cargos para os partidos que compõem o “Centrão”, no Congresso. Segundo ela, a mudança nas regras de indicação da estatal foi um pedido do governo.

Caro petroleiro de carreira, se você apertou o botão do PCR, ao contrário do que foi indicado pelo seu sindicato e pela FUP, prepare-se. Além de ser o faz tudo da empresa, se havia alguma esperança de ganhar letra nos próximos anos, esqueça. Os grandes cargos da empresa serão massa de manobra política do governo Bolsonaro. Além de mais um passo no caminho da privatização.  

Segundo o Estadão, o tema gerou divergência entre os conselheiros. Uma das principais contestações na reunião de sexta-feira foi quanto à possibilidade de a liberação dar margem à ingerência política na empresa se os cargos servirem a indicações partidárias. 

A Federação Única dos Petroleiros (FUP), representante de empregados da companhia, vai recorrer à Justiça para tentar barrar a medida. "A Petrobras é uma empresa pública. Não pode ficar sujeita a vontades pessoais ou ilegais da gestão Castello Branco (presidente da empresa). Também estamos preparando uma representação ao Ministério Público Federal para que apure ato de improbidade administrativa", afirmou Deyvid Bacelar, coordenador geral da FUP. A FUP mais uma vez alerta para os prejuízos desta mudança para o futuro da empresa.

FUP

Última modificação em Quarta, 03 Junho 2020 16:29

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram