Praias atingidas por óleo no Nordeste podem ter danos irreversíveis

Quarta, 09 Outubro 2019 16:26
A poluição por óleo de mais de 130 praias, em pelo menos 2.000 km no Nordeste do Brasil, é um desastre “sem precedentes” no país, diz Maria Christina Araújo, oceanógrafa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

 

Desde o início de setembro, grandes manchas de óleo de origem desconhecida mancharam praias paradisíacas da região, que depende muito do turismo.

Como se explica uma poluição dessa magnitude?

Maria Christina Araújo: Inicialmente, havia uma suposição de que seria um despejo ilegal no alto mar, mas, em vista da quantidade de petróleo, essa possibilidade é praticamente descartada. Seria um vazamento acidental. Uma coisa é certa: esse óleo não é de origem brasileira. É possível identificar a origem do óleo produzido em qualquer lugar do mundo através de análises químicas.

Agora, imagens de satélite estão sendo analisadas para tentar identificar a origem das manchas de óleo. Esta informação deve então ser cruzada com a trajetória da embarcação. Mas, por enquanto, temos mais perguntas do que respostas. Nunca vimos no Brasil um desastre de tal magnitude, que afeta uma área tão extensa.

Quais etapas precisam ser seguidas imediatamente?

MCA: Essa é uma situação extremamente complicada, justamente pelo tamanho das áreas afetadas, incluindo áreas praticamente desertas e de difícil acesso. É necessário, acima de tudo, remover as manchas que estão nas praias.

É um processo muito longo e caro, que exigirá um investimento não apenas financeiro, mas também em pessoal e logística. É impossível obter resultados a curto prazo e não podemos prever no momento em que tudo será limpo, porque notamos a presença de novas manchas nas praias.

MCA: O ecossistema costeiro do nordeste do Brasil é muito frágil, com manguezais, enseadas rochosas e recifes de coral. No manguezal, um ambiente com biodiversidade excepcional, é praticamente impossível remover o óleo. O dano pode ser irreparável e os ecossistemas levarão anos para se recuperar.

Também é um problema sério para a vida selvagem, especialmente as tartarugas, que não podem voltar à superfície. O impacto econômico e social é considerável, porque o Nordeste é muito dependente do turismo e já podemos ver que os turistas não querem mais ir às praias.

[Via Carta Capital, com informações da AFP]

 


Leia também:

Qual a capacidade do Brasil de lidar com óleo derramado no mar  

Manchas de óleo no litoral do Nordeste há um mês: governo ainda busca os culpados


 

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram