Terceiro dia de luta da FUP concentra mobilizações no E&P e termelétricas

Quinta, 01 Agosto 2019 17:00

Desde terça-feira (30/07), os trabalhadores do Sistema Petrobrás estão realizando paralisações, atrasos e atos nas unidades da empresa, atendendo a convocação da FUP.

As mobilizações integram o calendário de lutas da campanha reivindicatória e contra as privatizações.

Os petroleiros lutam pela manutenção dos direitos e empregos, conforme assegurado pelo atual Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

A preservação do ACT está diretamente ligada ao enfrentamento contra a desintegração do Sistema Petrobrás e privatização das unidades, como querem os gestores da empresa.

Nesta quinta-feira (01/08), as manifestações foram concetradas nas unidades de Exploração e Produção de petróleo (E&P) e nas termelétricas, envolvendo petroleiros da Bahia, Rio Grande do Norte, Ceará, Espírito Santo, Duque de Caxias e São Paulo.

Além destas bases, houve também atos e atrasos na unidade de processamento de xisto, a SIX, no Paraná; no Terminal de Cabiúnas, no Norte Fluminense; e no Terminal da Transpetro de Guararema (SP).

O coordenador da FUP, José Maria Rangel, participou do ato no Terminal de Cabiúnas, em Macaé, onde lembrou que os ataques contra o Acordo Coletivo da Petrobrás também atingem não só os petroleiros próprios, como os terceirizados e contratados.

“O nosso Acordo Coletivo tem cláusulas que tentam dar dignidade aos trabalhadores terceirizados e que a Petrobrás quer retirar, porque incomoda. Nós queremos garantir que o FGTS e o INSS sejam recolhidos e que o trabalhador receba suas verbas rescisórias no final dos contratos”, ressaltou, lembrando a importância do fundo garantidor, que é asegurado pela cláusula 101 do atual ACT, mas que a empresa quer extinguir. 

O coordenador da FUP também reforçou que o que está acontecendo hoje com o país já vem sendo alertado pela Federação e seus sindicatos desde 2015. "Avisávamos que, após o golpe, seria feita a reforma trabalhista, que iriam caçar os direitos dos trabalhadores, iriam mexer na previdência e que o Brasil se tornaria uma terra de ninguém", lembrou.

"Agora, minimamente, os trabalhadores têm que estar indignados com tudo isso que está acontecendo no país. Não é possível admitirmos 30 milhões de desempregados e subempregados. As mudanças nas regras da previdência atingem a todos nós. É preciso reação de toda a sociedade”, afirmou José Maria Rangel.

 As mobilizações prosseguem nesta sexta, nas usinas de biodiesel e bases administrativas. 

[FUP]


Leia também:

Mobilizações desta quarta foram nas refinarias e FAFEN´s
Petroleiros da Transpetro fortalecem luta contra desmonte e pelo ACT

ze-maria-cabiunas
Ato-em-Cabinas-1-de-agosto-15
58dfba44-6b3e-4668-9fd3-cb4e5255607b
410e8b56-9fdd-4aec-a30b-3eec822ac8fe
57bfc082-847b-4a47-a935-fc86f361d127
4c74d475-62f5-432b-b821-e3c37b3652a4
eedae55a-6531-4c5c-933f-e38b36ddc2b5
9af74d1e-51aa-43c7-8504-69cbb88cc6d4
e6c7f022-12c3-4416-bb63-522b03a8e7f8
ced94ac4-7eed-415c-bdc6-e049601696ae

Última modificação em Quinta, 01 Agosto 2019 17:57

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram