Lava Jato: Conselho Nacional de Justiça dá razão à FUP

Quarta, 31 Julho 2019 14:43

Por Normando Rodrigues, assessor jurídico da FUP

Em março deste ano, a FUP denunciou, em ação popular, o acordo espúrio que disponibilizaria 2,5 bilhões de reais do patrimônio da Petrobrás para a turma de Moro e Deltan Dallagnol.

A partir da denúncia, a própria Procuradoria Geral da República (que, segundo Deltan, antes havia apoiado o pacto bilionário) reproduziu parte de nossa argumentação e também atacou o acordo com ação no STF.

Agora, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) abre investigação contra a juíza sucessora de Moro, que homologou tudo.

Como escrevemos em março, o juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba homologou o acordo:

- Sem processo, não sendo a Petrobrás parte processual, mas vítima;

E

- Sem autoridade jurisdicional, já que não se trata de matéria criminal, de competência daquela vara.

"Criaram-se mui peculiares mecanismos para se dispor de 2,5 bilhões de reais do patrimônio de uma empresa controlada pela União."

DELTAN NÃO ESCAPA

Após as revelações de The Intercept foi aberto procedimento no Conselho Superior do Ministério Público para apurar a conduta do líder da "farsa tarefa" da Lava Jato, incluindo sua participação no acordo.

 


Leia também:

Dallagnol cobrou até jabá pra família no Beach Park em troca de palestra sobre Lava Jato
Procuradores da Lava Jato fizeram acordo com Odebrechet para gerir fundo de R$ 6,63 bilhões
FUP alertou: CNMP vai apurar desvios de procuradores da Lava Jato
Acordo lesivo à Nação: FUP acerta e STF suspende fundo da Lava Jato
Réu em Ação da FUP, Dallagnol vai ser investigado pela PGR

 
Última modificação em Quarta, 31 Julho 2019 15:28

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram