Petroleiros nas ruas em defesa do pré-sal para a educação

Quinta, 30 Maio 2019 15:49

[Última atualização às 22h30]

Nesta quinta-feira, 30 de maio, a FUP e seus sindicatos estiveram novamente junto com estudantes, professores e trabalhadores da educação, ocupando as ruas do Brasil contra os cortes de verbas nas universidades e institutos federais, pretendidos pelo governo Bolsonaro. Foi mais um esquenta para a greve geral do dia 14 de junho, que contará com a participação da categoria.

Com seus jalecos laranja e faixas em defesa do pré-sal para a educação, os petroleiros se somaram às manifestações em vários estados, reafirmando a importância da Petrobrás para o povo brasileiro.  

Pela manhã, houve atos nas portas das unidades do Sistema Petrobrás, com assembléias que estão rejeitando por unanimidade a proposta da empresa de desmonte do Acordo Coletivo, o que pavimenta o caminho para a privatização.

Na Refinaria Duque de Caxias (RJ), os petroleiros participaram de uma aula com o historiador e professor da UERJ, Elder Molina, que destacou a importância da luta conjunta dos estudantes com a cartegoria em defesa da soberania, ressaltando a participação da juventude brasileira na construção da Petrobrás, através da campanha "O petróleo é nosso" no final da década de 50.

Nas ruas e em várias unidades do Sistema Petrobrás, faixas com os dizeres "A nossa riqueza deve ser investida na educação. O pré-sal é a única garantia do futuro" chamaram a atenção, em uma ação conjunta da FUP com seus sindicatos para ressaltar a importância do tema junto à sociedade.

Em Salvador, São Paulo, Vitória, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Natal, Recife, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Campinas (SP), Campos (RJ), os petroleiros estiverem presentes nas manifestações, destacando a importância das lutas conjuntas com os estudantes em defesa da democracia e da soberania.

No Rio, o coordenador da FUP, José Maria Rangel, frisou a importância dos estudantes, da classe trabalhadora e dos movimentos sociais continuarem nas ruas, lutando contra os retrocessos do governo Bolsonaro. Assista: 

Pré-sal é para a educação

Junto com os movimentos estudantis, as centrais sindicais e entidades organizadas da sociedade civil, os petroleiros têm lutado há décadas para que os recursos do petróleo sejam utilizados para resolver o histórico problema de desigualdade social do Brasil.

O Regime de Partilha de Produção do Pré-Sal e a destinação de 75% dos royalties e de 50% do Fundo Social do Pré-Sal para a educação foram conquistas fundamentais, garantidas na luta pela FUP e seus sindicatos, para que o Estado brasileiro pudesse investir em um ensino de qualidade e inclusivo para todas as crianças e jovens do país. 

O resultado imediato dessa luta foi o Plano Nacional de Educação (PNE), aprovado em junho de 2014, que estabeleceu diretrizes, metas e estratégias para ampliar o acesso às escolas e às universidades e garantir que até 2024 os investimentos públicos no setor sejam de, no mínimo, 10% do PIB.

Os recursos do pré-sal destinados à educação, acumulados de 2013 a 2018, já representam R$ 18,3 bilhões, entre royalties “carimbados” para a educação e 50% do Fundo Social. Isso, levando em conta o curto tempo de implementação da Lei da Partilha e os poucos campos de petróleo em produção neste regime. Nos próximos anos, esse valor tende a aumentar e muito.

Não por acaso, o ataque às universidades, às escolas e aos institutos federais acontece paralelamente ao desmonte da Lei de Partilha e da Petrobrás. Uma coisa está relacionada à outra.

Quando a Petrobrás perdeu a exclusividade da operação do pré-sal, no rastro do golpe de 2016, isso significou uma perda de R$ 1 trilhão para o povo brasileiro. Segundo estimativas da subseção do Dieese na FUP, esse é o valor que o Estado deixará de arrecadar com as empresas privadas operando o pré-sal, pois o custo de extração delas é bem maior do que o da Petrobrás.

Quanto maior o custo da operação do pré-sal, menos o Estado recebe, menos é investido em educação. O resultado dessa conta fica cada vez mais negativo, com o pré-sal sendo entregue a toque de caixa e a Petrobrás privatizada, como quer Bolsonaro.

Por isso a FUP vem se mobilizando em torno de uma ampla campanha nacional em defesa da Petrobrás e do pré-sal.

"A principal luta que temos que travar é com os trabalhadores e a sociedade, fazendo a disputa nas ruas para defender essa que é a maior empresa do nosso país. Só a Petrobrás tem a capacidade de fazer com que as riquezas do pré-sal sejam transferidas para a população, garantindo recursos para a saúde, educação e capacitando a nossa engenharia para gerar empregos e renda no Brasil, com a retomada da nossa indústria", afirma José Maria Rangel.

 
f1382089-ad80-4d70-9a95-332edea959e5
f8fad316-5af0-46c6-ae6d-4cbd2a80e607
d0b0bf3b-4cd5-4666-b3b4-b828f6e73232
cd6c5b04-d5d5-434c-b4f2-58f989328002
b1bbc57c-a903-4929-98de-c7a774dc5e75
7595935a-6b91-49e2-93fe-6e44c23ca5ad
65e470fc-c524-4c3f-a3a6-1da77c9f52bd
63251d01-19fb-44b1-98f5-86f15102f8db
9861db7d-ee38-4641-a3c2-52c66deba2c9
1600d895-216f-4ad3-9dde-121c280a8ee1
7cddf7a5-3980-452a-9ade-0b01683b0ca4
a34b624d-6b21-4bb5-8d31-b69c60f392c4
a8e25bb2-20d2-4d3b-918a-11babf77173f
17275bc4-cded-4f60-9e6a-74a1b4785bd2
6169257423802470619978865562198328692703232o
614216472380257925330133403279093879013376o
843d1a82-a507-49cf-bbca-b85b85c79e8a
ab14f939-3090-4385-a8d3-e76ecae98b77
d47779c3-b1e9-49fb-ade8-a3a5b84e2260
C1EFD09A-F3E3-4F71-9B7C-1956B6BC0B50
6720cd3f-7286-41bd-910a-9fe61a7ea6a3
f33982a5-4a28-4f4e-b129-be94015f317e
059993ea-1dc9-40be-b4d4-935cad9240ae
efa4a6f8-db58-4879-85d2-56293561192a
30-05-19-fup-bahia
e3a9f34d-e866-4cc0-9b50-c771e7602520
55233716-2212-48f6-b9f6-dc529cb39a1a
32170ec8-f6e6-4fd9-9920-ac3dee6b9197
93c83649-8197-455e-b331-538e156533f9-1
2441f0ef-6117-4ec2-bba6-795fa8b0fd65
92ada0c6-b868-470d-97ba-c32246ee2ff8
05ffa1a9-399d-4484-b6cc-cdd2abf2bcb9
7e3b5aaa-9e7d-401b-b227-4a4374cad0f5

Última modificação em Quinta, 30 Maio 2019 23:29

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram