Dono da Ambev indica diretora financeira para a Eletrobras

Segunda, 18 Fevereiro 2019 18:04

A Eletrobrás oficializou na última sexta-feira, 15, a nomeação de Elvira Baracuhy Cavalcanti Presta para a Diretoria Financeira e de Relações com Investidores da estatal. Segundo a agência de notícias Sportlight, Elvira é indicada do dono da cervejaria Ambev, Jorge Paulo Lemann, o homem mais rico do Brasil e que tem interesses na privatização da empresa.

O empresário, que tem uma fortuna estimada em R$ 90 bilhões, comprou a Cepisa, distribuidora do grupo Eletrobrás, que opera no estado do Piauí e foi privatizada nesta manhã. O valor do negócio foi de R$ 50 mil, preço de um carro usado, e a empresa usada para o negócio foi a Equatorial Energia, que deu lance único. Lemann, que é dono da Ambev, foi um dos apoiadores do golpe de 2016 e o movimento Vem pra Rua teve seu domínio registrado pela Fundação Estudar, que pertence ao bilionário.

A presença da nova diretora como preposta de Jorge Paulo Lemann veio de forma gradual. Em 27 de março de 2018, foi nomeada para o Conselho de Administração da Eletrobras pela gestora de recursos 3G Radar, de Lemann. No último 11 de janeiro, o Conselho de Administração escolheu Elvira para a diretoria financeira mas sem comunicar ao mercado. Dezoito dias depois da nomeação silenciosa, em 29 de janeiro, a Eletrobrás anunciou que a 3G Radar aumentou sua participação na empresa, antes na casa dos 10%, e que passou a deter naquela data 38.886.500 ações preferenciais, aproximadamente 14,65% das ações preferenciais da companhia", diz a Sportlight

Nesta segunda, 18, o deputado federal Paulão (PT-AL) criticou a interferência do executivo nos negócios da Eletrobras.  "O dono da AMBEV foi o principal articulador do golpe contra a Dilma. E agora começa no Governo do Capitão e do General a ganhar as benesses. Começa a capturar o Estado. É o famoso SUGADOR", escreveu o parlamentar no Twitter.

[Com informações do Brasil 247]

 

 

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram