Trabalhadores marcham a Brasília para registrar o candidato do povo

Segunda, 13 Agosto 2018 12:56

A Marcha Nacional Lula Livre, com mais de 5 mil integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e de outros movimentos da Via Campesina, teve início sábado (11) e está cada mais perto de Brasília, onde, na quarta-feira (15), os militantes vão acompanhar o registro da candidatura do ex-presidente Lula a Presidência da República.

A Marcha faz parte do calendário de lutas pela libertação de Lula, mantido preso político desde 7 de abril, na sede da Superintendência da Polícia Federal em, Curitiba; e também em defesa dos direitos da classe trabalhadora do campo e da cidade, e pela manutenção das políticas públicas, principalmente nas áreas de educação e saúde, as mais afetadas pelo congelamento dos gastos determinado pelo golpista e ilegítimo de Michel Temer (MDB-SP).

Os militantes partiram de três pontos diferentes – Formosa (GO), Luziânia (GO) e Engenho das Lages (DF) – e cada uma das colunas vai percorrer entre 50km e 90 km, com paradas em cidades no trajeto para conversas com a população local. A Coluna Prestes, que saiu de Luziânia e conta com militantes do Sul e do Sudeste; a Coluna Tereza de Benguela partiu do Engenho das Lajes com trabalhadores das regiões Norte e Centro-Oeste; e a Coluna Ligas Camponesas, formada por militantes de oito estados do Nordeste saiu de Formosa.

A partir desta segunda-feira (13), quanto mais próximos da capital federal estiverem, os militantes esperam ter mais interação com a população, o que é “muito importante porque a gente entra em um processo de diálogo mais intenso com a sociedade — vamos pegar uma parte da cidade mais populosa, uma parte mais densa da marcha”, diz o integrante da direção nacional do MST, Marco Barato. Além disso, diz o dirigente, hoje os organizadores iniciam a preparação para outro momento importante da Marcha Lula Livre, que é o encontro das três colunas nesta terça-feira (14).

"Estamos passando por um momento crítico em que há uma prisão arbitrária do presidente Lula, há mais de cento e vinte dias. Estamos imersos em uma crise política e nos aproximando das eleições presidenciais e a Marcha é um momento para dialogar com a população brasileira sobre o que está acontecendo no nosso país", analisa Ceres Hadich, da direção nacional do MST no Paraná.

Segundo os organizadores, a marcha chega a Brasília na quarta-feira (15).

Nobel da Paz acompanha a marcha

O ganhador do Prêmio Nobel da Paz e ativista pelos Direitos Humanos, Adolfo Pérez Esquivel, está acompanhando a marcha desde a manha desta segunda e afirma que está presente na mobilização em solidariedade ao povo do Brasil e pela liberdade de Lula.

"Temos que ter em conta que esta política, que tentam retirá-lo das eleições, está sendo replicada em todo o continente Latino Americano, como em Honduras e Paraguai, por exemplo. A extrema-direita está avançando na dominação dos povos. Por isso gritamos "Lula Livre", e que o povo brasileiro decida quem tem que governá-lo".

"A Marcha Nacional Lula Livre é uma forma de demonstrar que o povo tem sua força, sua organização e seu projeto”, explica Antônia Ivoneide, também da direção do MST. “E esse projeto enxerga em Lula a possibilidade real de reverter as maldades que o Golpe de 2016 trouxe para o povo pobre: fome, desemprego, ataques à saúde e educação, aumento da violência e entrega das riquezas nacionais”. 

[Com informações do MST, CUT e Rede Brasil Atual]

Última modificação em Segunda, 13 Agosto 2018 16:16

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram