Petroleiros protestam no Rio e em todo o país contra a entrega da Petrobrás

Quinta, 26 Abril 2018 10:59

Os trabalhadores do Sistema Petrobras amanheceram nesta quinta-feira, 26, mobilizados para barrar o avanço da privatização que está desmontando a estatal, em tempo recorde. Em menos de dois anos, os golpistas já entregaram mais de 30 ativos estratégicos da petroleira e avançam agora contra as refinarias, terminais e oleodutos. Para acelerar a privataria, o governo Temer indicou para o Conselho de Administração da Petrobras ex-executivos de multinacionais que concorrem com a empresa. A nomeação deverá ser consolidada na Assembleia dos Acionistas, que acontece nesta quinta-feira, 26, na sede da estatal, no Rio de Janeiro.

Para denunciar esses e outros crimes de lesa-pátria, a FUP e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo realizam um ato público, agora pela manhã, na capital fluminense, com participação de petroleiros de outros estados, além de movimentos sociais e centrais sindicais. A manifestação teve início às 11h, na Av. Rio Branco, em frente ao metrô Carioca, de onde os trabalhadores sairão em caminhada em direção à sede da Petrobrás, na Avenida Chile. “A sociedade brasileira tem que saber de mais essa manobra do governo entreguista de Michel Temer e de seu capataz Pedro Parente”, destacou o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

Acompanhe pelo facebook da FUP a cobertura em tempo real do ato no Rio de Janeiro: https://www.facebook.com/fupetroleiros/

Mobilização também nas refinarias e campos de produção

Mais cedo, houve mobilizações em várias unidades do Sistema Petrobrás, como a Repar (PR), onde 100% dos trabalhadores próprios e terceirizados pararam por mais de duas horas, em protesto contra o anúncio da venda de 60% da unidade e o avanço da privatização nas demais unidades da empresa. Ao final da mobilização, os petroleiros caminharam juntos até a entrada da refinaria, carregando faixas contra o desmonte do Sistema Petrobrás.

Na Bahia, houve mobilizações no campo de produção de Miranga, uma das 50 áreas de exploração de petróleo em terra que foi posta à venda por Pedro Parente, a quem o governo golpista entregou o comando da Petrobrás. Além de lutar contra a privatização dos campos terrestres, os petroleiros da Bahia resistem ainda ao desativação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) e entrega de 60% da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) e dos oleodutos e terminais da Transpetro.

No Rio Grande do Sul, os petroleiros da Refinaria Alberto Pasqualine (Refap), que já sofreram na pele os efeitos da privatização, também se manifestaram na manhã desta quinta. No governo FHC, a refinaria teve 30% de seu controle entregue à multinacional Repsol e só voltou a ser 100% Petrobras dez anos depois, no governo Lula. Agora, a Refap está novamente na lista de privatização de Pedro Parente, que ameaça entregar 60% da unidade para a concorrência, junto com terminais e oleodutos.

Os petroleiros já viram esse filme antes e não querem reprise. A Refap foi sucateada durante anos, o que aumentou os acidentes, reduziu direitos dos trabalhadores e causou o esvaziamento econômico do polo petroquímico da região.

A privataria de Pedro Parente a serviço do golpe avançará ainda mais com a presença de ex-executivos de multinacionais no Conselho de Administração da empresa, onde são tomadas decisões estratégicas para a companhia e o país, com consequências diretas para a população. É o caso, por exemplo, da política de preços de derivados, que tanto tem afetado os consumidores, com aumentos seguidos da gasolina, do diesel e do gás de cozinha.

Acompanhe pelo facebook da FUP a cobertura em tempo real do ato no Rio de Janeiro: https://www.facebook.com/fupetroleiros/

[Texto e edição FUP/Fotos: Sindicatos e FUP]

  • f11ef242-4bae-4758-b3ef-3a99fa59f613
  • eb3fb216-08af-40d9-a15a-761014f8adc1
  • 36e068d7-fdae-47de-a3c2-3a43f4d287a8-1
  • 6eb44428-375b-4ede-9b0f-af9f32ed6981
  • 20d20b20-8f40-4380-b340-f04e712f4875
  • 6335e577-5cb2-47a8-a430-1fe9bd7e5e8a
  • 0cb79a4a-1ae2-4170-bec4-4e4de60602c4
  • 8edb8ab6-f29f-4974-90ca-945498a39564
  • 72b462c4-bf96-4149-936e-4c40ddd80b4d
  • 1051e0d0-62b5-42a1-b7d3-1b11bdd061e4
  • 488dc999-623c-4fca-a2d6-01bcd278ec9f
  • 03d900de-2df8-4c96-bb36-70c0d4a80172
  • 17da5450-7792-48bf-bac4-d02523fd6206
  • c2d48df9-3550-4b98-a09d-cd8be150a467
  • e6e7cb23-6780-49a0-ad7c-51ce3e827481
  • 206c74b1-831b-47d6-b1f1-f80b0665a441
  • f30c5078-cacd-4d7a-bf21-97669ba39b24
  • 26-04-REFAP
  • 26-04-REFAP2
  • 26-04-REFAPmulheres
  • 26-04-REFAP00
  • c3d9758e-adc8-4b96-97da-c9bc74df73e3
  • 8f18e91f-2024-4fd9-9ab2-3d474307c320
  • 5407852a-8137-4ced-93ef-f376d32e8603
  • 26-04-BAHIA
  • ad5ffa24-fe03-48f6-aa8b-a3102059936e
  • 26-04-ES
  • 54604d30-0609-4fc7-b57e-3bbf6fb06a76
  • 30380911-abb4-4579-aea0-cc4750e2553d
  • ad5ffa24-fe03-48f6-aa8b-a3102059936e-1
  • a80d5565-4533-4f59-acb1-f83c83a4c694
  • 26-04-REPAR
  • 4ed2e4c1-6667-4c71-a643-76f360bdb69a
  • 26-04-REPAR1
  • ceef5113-28db-4c4b-a82d-64e9cf62e508
  • e205605b-4ced-4b57-af7c-9a5bd8c951b9
  • 26-04-REPAR00
  • e6dad572-cc5f-4c5e-85e3-fc35e6ea9763
  • d9945f26-3a47-4af4-b3c1-cc7259c47e6e
  • a42a73c1-88dc-4a9c-aba4-6ac0d8c9b43c
  • a55728f0-bc4a-4c7b-8ff5-a1ca91bef57d
  • 9bd0afec-e91e-4af0-a32e-552abd9c8ce4
  • 25cc14c9-1a0e-4b94-a166-11b9f684a16b
  • 836936f8-17c9-496c-8468-07628a48c65d
  • 3c440896-985c-4408-9a69-db066dbde19f
  • 019deb4d-bd50-4398-be89-94c3f38ed021
  • e687fc42-f765-4349-af4f-b2be792d5448
  • 3134469518161734486906332811324071126499328o
  • 8c55ef08-ea2c-4c5e-9bc0-1df641486b5c
  • 4a9926e3-3ab0-4a7d-b10c-9618945b8c8f

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram