À LUTA COMPANHEIRAS E COMPANHEIROS!

Segunda, 07 Dezembro 2015 14:36

O ambiente político brasileiro alcançou uma fase de seríssima ameaça a nossa jovem democracia. Há um ano que o país sofre os ataques do sistema oposicionista de direita. Inconformados pela quarta derrota consecutiva para o projeto progressista de Lula-Dilma, conflagraram desde então um estado de ameaça golpista permanente.


Taticamente patrocinam o quanto pior melhor e nessa direção propagandeiam o terrorismo econômico e a instabilidade política. Uma operação, com aparato jurídico-policial-midiático desvirtuada, seleciona os alvos e cria uma ambiência de responsabilizar o Governo Dilma por todas as práticas condenáveis de corrupção.

O fato mais recente é que o Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, um notório corrupto e chantagista, disparou institucionalmente o rito de um golpe através daquela casa.

Diante disso a centralidade política é defender o Estado Democrático de Direito, que na prática é respeitar o resultado eleitoral e o mandato da presidenta Dilma Rousseff.

Portanto, não se trata, frente a esse grave perigo, de um julgamento sobre o exercício de um mandato presidencial, mas de garantir uma conquista pela qual muitos tombaram com suas próprias vidas: a democracia no Brasil.

Nesse contexto dirijo-me a combativa categoria petroleira. Esta que há pouco tempo, através de uma vigorosa paralisação nacional, elevou o debate programático no país em defesa de uma Pauta pelo o Brasil. Quem trava a defesa pela soberania nacional é porque já tem a consciência do que está em disputa neste momento.

Em sintonia com essa percepção, evitemos a dispersão, reativemos com força militante as nossas entidades, os nossos aliados, o nosso povo, ou seja, acionemos todos os meios e esforços que há pouco articulamos.

Não permitiremos que o Brasil retorne a ser governado por ultraliberais e ultrajes como Eduardo Cunha, Aécio Neves, Fernando Henrique, José Agripino e outros. Eles não passarão!

Por isso, em todo o país já se realizam e organizam protestos populares. Ainda hoje, as centrais sindicais juntamente com outras organizações sociais e personalidades políticas, definirão uma agenda nacional unitária para interrompermos a tradição golpista dessa apátrida direita brasileira.

Segue abaixo a resolução política do PCdoB sobre essa situação atual. Um importante referencial político e um instrumento de mobilização social.

Mãos à obra!

Venceremos!

São Paulo, 07 de dezembro de 2015.

Divanilton Pereira é membro do comitê central do PCdoB, da Federação Única dos Petroleiros e do SINDIPETRO-RN.

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram