Imprimir esta página

"Direção da Petrobrás precisa ter lado na defesa do pré-sal", afirma coordenador da FUP

Quinta, 23 Julho 2015 11:34

Nada de aumento salarial, participação nos lucros ou aumento de benefícios. A 5ª Plenária Nacional da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que define a pauta de reivindicações da categoria, tirou como eixo central a defesa da Petrobrás e deixou de lado a pauta meramente corporativa.

A decisão incomum demonstra o compromisso com os trabalhadores e o quanto a federação confia no poder de recuperação da estatal que exerce papel fundamental para a economia brasileira.

Porém, conforme destaca o Coordenador da FUP, José Maria Rangel, a estatal precisa também acreditar nisso. O cara tem que ter firmeza, tem que chegar lá e dizer que a Petrobrás está preparada e tem competência para isso”, disse, referindo-se à postura dos diretores da empresa. Como diz a máxima popular, ajude-me a te ajudar.  

Rangel destaca que essa postura é fundamental para combater o projeto do senador José Serra (PSDB-SP), que propõe a retirada da companhia como operadora única do pré-sal, e motivará uma greve de 24 horas que os petroleiros realizam nesta sexta-feira (24).

Em entrevista ao Portal da CUT, Rangel defende ainda a retomada dos investimentos pela empresa, ameaçados pelo plano de ajustes do governo federal, e explica como essa manutenção pode representar ao Brasil um papel de protagonista político.

Os petroleiros decidiram neste ano não brigar por uma pauta trabalhista e definiu propostas econômicas para fortalecer a Petrobras e defender a empresa dos efeitos negativos da investigação da Lava-Jato. Por quê?


José Maria Rangel – Tivemos a clareza de entender que no momento pelo qual passa nossa empresa, com milhares de trabalhadores e prestadores de serviço perdendo seus empregos, não seria justo da nossa parte travar a disputa olhando para o nosso umbigo e deixar de olhar para esses companheiros que também contribuem para fazer a grandeza da Petrobras. Partimos para a discussão de uma pauta política que visa, basicamente, a retomada dos investimentos na Petrobras contrapondo o recente plano de negócios que ela apresentou.

Isso significa que os trabalhadores vão abrir mão do aumento e das reivindicações neste ano ou esse é só o ponto de partida?
Rangel – É o ponto de partida. Colocamos essa pauta política como prioritária para a Petrobras na última quarta-feira (15 de agosto) e vamos retomar no início do mês de agosto a pauta corporativa. Todas as conquistas e avanços que tivemos nos últimos 12 anos, oito anos de governo Lula e quatro anos de governo Dilma, foram fruto de uma Petrobras pujante, que gerava emprego, gerava renda, investia R$ 300 milhões no país por dia, caminhava para ser uma das maiores empresas de energia do mundo. A gente tem muito claro isso. Para voltar a ter nossas conquistas e vantagens, temos que retomar essa caminhada da Petrobras e, obviamente, também obriga a olhar para companheiro ao lado, o companheiro terceirizado e dizer para ele que terá um emprego e terá como chegar ao final do mês e dar o sustento para sua família.

É incomum uma categoria como os petroleiros se preocuparem mais com os efeitos sobre toda a população do que propriamente com seus salários. Alguns diriam que é fraqueza, outros diriam que é solidariedade. Como você definiria a postura dos petroleiros?
Rangel – Eu não teria coragem de olhar para meu companheiro terceirizado e ver no semblante dele a preocupação em ser demitido e eu ficar brigando por salário e vantagens. Não teria coragem de encarar esse companheiro, isso seria tudo, menos solidariedade de classe. Isso foi o que norteou nossos debates na nossa 5ª Plenária. Temos uma máxima que diz, somos todos petroleiros, e esperamos que o resultado das assembleias que fazemos em todo o país têm nos respaldado para isso, e aprovado nossos indicativos e encaminhamentos que a FUP fez.

A pauta é ousada, mas que, nesse momento, é a melhor atitude para sair dessa dificuldade que enfrentamentos. Estamos dispostos a sermos ousados para reverter esse quadro que se apresenta em nosso país, em queda de investimento, dos abutres querendo abocanhar a Petrobras. Agora, é necessário também que a Petrobras também tenha vontade para isso. Tenho participado de debates na Câmara dos Deputados e no Senado e os representantes da Petrobras que vão lá para falar sobre a Lei da Partilha ficam igual chuchu. Se você coloca camarão, o chuchu pega gosto de camarão, se você bota carne, pega gosto de carne. O cara tem que ter firmeza, tem que chegar lá e dizer que a Petrobras está preparada e tem competência para isso. Não ficar dizendo que vai cumprir a lei que for aprovada. Claro que terá de cumprir a lei, mas tem de assumir postura de empresa que alcançou destaque mundial não por acaso no segmento do petróleo.

A FUP apresentou ao governo uma pauta de reivindicações e vocês estão pedindo para que o Comperj (Complexo Petrolífero do Rio de Janeiro) seja concluído, o mesmo em relação à refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e que o governo também não parem as obras da indústria de fertilizantes para manter empregos. Qual a expectativa de vocês? Vão conseguir falar com a presidência da Petrobras e reverter essa decisão de cortar investimentos?
Rangel – Seguindo até a máxima da nossa Central, a gente vai mobilizar e negociar. Já estamos em um processo de mobilização nas bases da Federação Única dos Petroleiros, no próximo dia 24 faremos uma paralisação de 24 horas em todo o país contra plano de negócio da Petrobras. Fazendo um debate não só com os petroleiros, mas com a sociedade como um todo sobre quão pernicioso é o projeto do senador José Serra. Outra coisa é chegar até o governo. Já enviamos documentos para o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Já conversamos com o ministro Miguel Rossetto (Secretário-Geral da Presidência da República) para sermos recebidos pela e apresentarmos nossas propostas.

Temos propostas, queremos retomar as obras do Comperj sim, concluir Abreu e Lima, porque o Brasil vai continuar sendo importador de derivados se não concluir essas obras. Por mais que hoje o preço do derivado esteja baixo, o mercado de petróleo é uma coisa de maluco. Não é porque hoje está baixo que continuará o tempo todo. A Petrobras tem que concluir as obras também porque o custo de manutenção para que os equipamentos não se deteriorem é muito grande. Tem que concluir a obra da fábrica de fertilizantes que está 80% pronta no Mato Grosso do Sul. Tem que retomar obras nos estaleiros para construir plataformas para o pré-sal, navios para nossa frota de petroleiros. O governo é acionista majoritário na Petrobras, tudo que investir, receberá na frente em forma de dividendos. Tem que ter essa clareza e investir.

Temos propostas para que isso seja feito. Se o governo abre mão da sua parcela que vai para a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), deixaria de receber por ano mais R$ 6 bilhões. Se você falar em quatro anos, que é o tempo de validade do plano de negócios da Petrobras, estamos falando em R$ 24 bilhões. E isso vai ter de volta. Para a Petrobras, neste momento, teria um impacto bastante positivo e seria uma demonstração do governo de que, de fato, quer ajudar a Petrobras o caminho dos investimentos.

Você diz que a Petrobras passa por um momento difícil, mas continua muito forte. O que observamos todos os dias e ouvimos nas rádios, assistimos na TV é a Petrobras associada a denúncias de corrupção. Você acredita que é possível fazer a investigação, punir os corruptos e, ao mesmo tempo, não prejudicar a empresa?
Rangel – Eu não tenho dúvida que a sociedade brasileira clama pela punição das pessoas que fizeram algum mal feito, desviaram recursos da companhia. Isso é uma coisa. A outra coisa é que a sociedade brasileira também clama que a empresa não pare. Se você for analisar hoje, quem está pagando o preço por todas essas denúncias na companhia são os trabalhadores, que estão perdendo o emprego. Não tenho dúvidas em afirmar que tudo isso é uma estratégia muito bem montada para enfraquecer a empresa. Não é por acaso, por exemplo, que passado o período eleitoral, os senadores e deputados já entraram com um projeto para modificar a lei da partilha. E o ponto central é a fragilidade econômica da Petrobras, na visão deles. A mídia bombardeia a imagem da Petrobras e isso traz dificuldade em conseguir crédito. E na outra ponta você tem aqueles que sempre foram inimigos da empresa tentando mudar a lei da partilha, que possibilita à empresa operar o pré-sal e ter, no mínimo, 30% de cada campo.

Projeto de lei de partilha que é do senador José Serra (PSDB-SP), né, Zé Maria?
Rangel – O projeto do Serra foi o que caminhou mais rápido. Entrou com regime de urgência para ser votado, esse pedido foi aprovado pelos senadores, nós entramos em campo com a CUT e os movimentos sociais. Conseguimos reverter esse processo e hoje o projeto vai para uma comissão discutir, o que para nós é positivo, porque teremos a oportunidade de mostrar quem está por trás disso, sem afogadilho, com tempo para fazer o debate. Mas tem projetos do Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), do Jutahy Magalhães (PSDB-RJ) ainda piores.

Todos esses projetos têm por objetivo fazer com que a Shell e Esso tenham maior participação na exploração do pré-sal. Por que mexer nessa lei vai prejudicar o trabalhador comum, a dona de casa, o professor e o aluno?
Rangel – Até a década de 1970, as empresas que ditavam o ritmo da produção e o preço do barril de petróleo eram as chamadas sete irmãs (Royal Dutch Shell, APOC, Esso, Socony, Texaco, Chevron e Gulf Oil). Chegou à década de 1980, as empresas estatais tomaram à frente nesse processo, capitaneadas pela empresa estatal saudita, passaram a ditar ritmo de produção e preço do barril. E com a descoberta do pré-sal, se a Petrobras mantiver o ritmo de exploração, chega em 2020 como uma das empresas que estará também ritmo e preço. Uma empresa brasileira, num país que as empresas insistem em chamar de terceiro mundo.

Vai influenciar nas decisões políticas e internacionais.
Rangel – Exatamente. Isso para os entreguistas da nação é a morte. Daí que o mercado internacional, aliado aos entreguistas de plantão, liderados pelos tucanos, têm tanto ódio da Petrobras e querem destruir a empresa. Segundo ponto, quando você fala sobre a Lei da Partilha, se passa o projeto do Serra, a saúde e a educação vão perder recursos, porque metade dos royalties será destinada a esses dois setores, sendo 75% desse montante para a educação e 25% para a saúde. Todo o Plano Nacional de Educação está alicerçado em cima do dinheiro dos royalties. A Lei da Partilha diz que o bloco do pré-sal é ofertado, vai a leilão e a empresa que oferece ao governo, que é o dono do petróleo, o maior retorno de óleo ganha o leilão. Obviamente que para oferecer ao governo o retorno de alguma coisa, extrai os custos de produzir o petróleo. A Petrobrás produz petróleo a US$ 9, só perde para empresa saudita, que produz a US$ 6. Toda outra empresa que vier explorar não o fará por menos de US$ 20. O que vai ser ofertado ao governo depois de abatidos os custos de extração serão recursos muito menores. O que o governo, o trabalhador e o Brasil vão perder será algo monstruoso e por isso os profissionais da educação e os estudantes estão conosco nessa cruzada para derrubar o projeto do senador José Serra.

Você que tem 30 anos de experiência na Petrobras pode falar um pouco sobre o processo de revitalização da Petrobras nesses últimos 12 anos. O que mudou?
Rangel – Eu entrei na Petrobras em 1985 e era início do mandato do Tancredo Neves, que faleceu, e o Sarney assumiu o governo. Passamos pelo governo Fernando Collor de Mello, que começou a sucatear a companhia, pelo governo Fernando Henrique Cardoso e chegamos a 2002 com a empresa completamente pronta para ser vendida. Naquele momento, representava 2% do PIB nacional, tínhamos uma indústria naval completamente destruída, perdemos a expertise em construir navios e plataformas, investir em pesquisa e desenvolvimento. Ai o Lula ganhou a eleição e, no primeiro programa de televisão durante a campanha, fez no estaleiro de Angra dos Reis, entregue às moscas. Disse se ganhasse iria revitalizar a indústria naval.

E a diferença foi da água para o vinho. Ele deu uma guinada na nossa empresa e transformou numa das maiores de energia do mundo. Saltou para 13% do PIB, passou a investir R$ 300 milhões por dia no país, a indústria naval saiu de dois mil para 90 mil empregados, somos hoje a empresa de capital aberto que mais produz petróleo no mundo e levou sete anos para produzir 800 mil barris no pré-sal. Coisa que outras empresas levam 15 anos. Isso incomoda.

São quantos empregos atrelados à Petrobras hoje?
Rangel – Toda a esteira da Petrobras envolve hoje cerca de 1,5 milhão de empregos. E mais do que isso, é importante ressaltar que uma das questões colocada na Lei da Partilha é o conteúdo nacional. É você exigir na construção de um navio, na construção de uma plataforma dentro dessa instalação o mínimo de 60% dos equipamentos construídos no nosso país. Isso gera emprego e conhecimento para o nosso povo e o país foge da doença holandesa.

A Holanda produzia e vendia o petróleo, um dia acabou e ela ficou sem nada. Porque ela não conseguiu desenvolver sua indústria em torno do petróleo. O chororô da oposição é porque aqui é mais caro produzir navio do que em Cingapura. Claro, levamos mais de 20 anos sem produzir nada e perdemos o conhecimento. Mas isso é uma questão temporária, na medida em que formos desenvolvendo nossa pesquisa e tecnologia nos tornaremos menos dependentes do capital estrangeiro. E o melhor de tudo você vai empregando nosso povo.

Por isso, a Petrobras e o governo Dilma precisam entender que a empresa não pode aplicar esse plano de negócio que divulgou, uma redução de 40% nos investimentos, atrelada à venda de ativos. Esse é um receituário antigo e que nós já conhecemos. Na crise você corta salário, investimento, desemprega. Queremos ver o outro lado da moeda. Em 2009, amortecemos a grande crise do capital, com o  presidente Lula que apontou o potencial enorme que tem o país no mercado intero. Aumentou o salário, continuou investindo em bancos públicos, Caixa Econômica, Banco do Brasil, BNDES. Investiu pesado nos projetos da Petrobras e aí a gente conseguiu passar por aquele pior momento empregando nosso povo, desenvolvendo nosso país e gerando emprego e renda.

É para isso que estamos chamando a atenção, buscando uma reunião com a presidenta Dilma para levar nossas proposições de reverem o plano de negócios proposto pela Petrobras.

Você acha que uma das contrapartidas na pauta da FUP pode ser ampliar a participação dos trabalhadores nos espaços de decisão da Petrobrás?
Rangel – Nós já manifestamos essa nossa insatisfação com a ausência de participação há algum tempo, temos apenas um representante no Conselho de Administração da empresa e, apesar de entender que foi um passo significativo, um dos últimos do governo Lula, em 2010, á não é mais suficiente. Queremos estar presentes, se não na área de decisão da companhia, onde se discutem aspectos econômicos, que achamos ter competência para contribuir, em setores como saúde e segurança. Este ano estamos com 13 mortes, duas por mês. Essa é uma área central em que podemos contribuir. Além do mais, ninguém conhece mais a Petrobras que os trabalhadores. Os executivos enxergam somente números, não veem que uma decisão deles de cortar investimentos vai prejudicar e muito o social e é isso que queremos conversar com o governo. Da mesma forma que o governo editou agora o PPE (Programa de Proteção ao Emprego), que foi muito bem recebido pelos metalúrgicos, que se faça algo no mesmo sentido de preservação dos empregos no setor do petróleo. 

Ler 2927 vezes Última modificação em Quinta, 06 Agosto 2015 15:33
Publicado em ENTREVISTAS