Petroleiros da Bahia decidem pela greve e rejeitam proposta para o ACT

Quinta, 17 Outubro 2019 16:53

Na Bahia a categoria petroleira já decidiu: é greve partir do dia 26/10. Os trabalhadores também rejeitaram a proposta intermediada pelo TST para o Acordo Coletivo de Trabalho. As decisões foram tomadas após intenso debate nas assembleias que aconteceram em todas as unidades da Petrobras no estado, nas últimas duas semanas. Em relação aos indicativos da FUP o resultado foi o seguinte: 65,76% votaram a favor, 28,97% contra e 5,27%. Já em relação aos indicativos do Sindipetro Bahia, 49,65% votaram a favor, 40,15% votaram contra e  10,20% se abstiveram.

A estratégia da Petrobrás de mandar a alta gerência para participar das assembleias e assim intimidar a categoria para que votasse  pela aprovação da proposta não deu resultado. Não adiantou a pressão e nem o assédio, os petroleiros votaram de acordo com as suas próprias consciências e a orientação do sindicato e da FUP.

Veja os indicativos aprovados

Indicativos da FUP
• Rejeição da proposta apresentada pelo TST no dia 19/09;
• Aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal;
• Condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados;
• Caso não ocorra negociação, greve a partir da zero hora do dia 26/10.

Indicativos Sindipetro
• Deflagração de greve, a partir da zero hora do dia 26/10, pela garantia do emprego, manutenção dos postos de trabalho e da dignidade dos trabalhadores
• Autorizar a entidade sindical a notificar o empregador na forma da Lei.

[Via Sindipetro-BA]

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram