Imprimir esta página

Petroleiros protestam em Taquipe contra assassinato de vigilante

Segunda, 18 Fevereiro 2013 09:33

 

Sindipetro-BA

Trabalhadores da Petrobrás e das empresas terceirizadas paralisam nesta segunda (18) todas as atividades a partir das 6h, em Taquipe, no ato de protesto pela bárbaro crime que tirou a vida do vigilante Cláudio Alves da Silva, da MAP, na última sexta (15), durante o assalto ocorrido na Estação Almeida.

Apesar das reiteradas advertências do Sindipetro Bahia às autoridades públicas e à Segurança Patrimonial e Empresarial da Petrobras, desde 2011, nenhuma providência foi adotada contra a rotina dos assaltos e roubos de coletes e armas nas áreas da UO-BA. A tragédia anunciada, portanto, terminou ocorrendo, diante da omissão e descaso com a segurança e a vida dos trabalhadores.

Basta de mortes, chega de tanto desrespeito à vida dos trabalhadores.

MORTE ANUNCIADA

A direção do Sindipetro Bahia fez várias advertências e levou o caso até ao secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, mas nenhuma providência foi adotada, nem pela SSP, nem pela Segurança Patrimonial e GAPRE da Petrobrás.

Resultado: depois de muitos assaltos e roubos nas áreas da Petrobrás, a morte anunciada ocorreu, com o assassinato do vigilante Cláudio Alves da Silva, da terceirizada MAP, às 21h de sexta (15), na Estação Almeida. Cláudio tinha 40 anos, trabalhava na empresa há 3 e deixa órfão um filho adolescente de 15 anos.

CRIME

Ele estava no posto de serviço da Estação Almeida, sofreu uma emboscada dos marginais que lhe deram dois tiros na cabeça e um no abdômen, matando-o quase que instantaneamente; depois roubaram a arma. O outro vigilante, que era parceiro do turno de Cláudio, o encontrou agonizando no chão, por volta de 21h, após retornar de uma manobra operacional acompanhado com o operador da estação.

 

Segundo um ISI, Cláudio não teve chances de reação; mesmo com a ajuda dos companheiros e levado ao hospital, não sobreviveu. Os diretores Deyvid Bacelar, Gilson Sampaio, Romilson Soares e o presidente da CUT, Cedro Silva, logo que souberam do fato foram ao local e acompanharam os familiares de Cláudio Alves da Silva, prestando a ajuda necessária, durante toda a madrugada.

Sindicato denuncia omissão da SSP

Diante de tanto descaso com a vida e a segurança dos trabalhadores, a direção do Sindipetro  tomará todas as providências jurídicas, políticas e institucionais para que as gerências da Petrobras efetivamente adotem as medidas necessárias para por fim a todo esse descalabro que se tornou a (in) segurança nas áreas da UO BA, nos campos terrestres de produção da Bahia. Chega de mortes. Chega de desrespeito com a vida dos trabalhadores.


O Sindipetro Bahia manifesta solidariedade à família neste momento de dor e sofrimento e adverte aos gestores da Petrobrás que este e outros crimes não podem continuar impunes.

Publicado em SINDIPETRO-BA