Sindipetro NF denuncia: P-40 e P-43 estão sem condições de habitabilidade e segurança

Também há relatos sobre pressão excessiva das gerências e impactos sobre a saúde mental

[Da imprensa do Sindipetro NF]

O Sindipetro-NF recebeu neste final de semana relatos dramáticos de trabalhadores das plataformas P-40 e P-43, na Bacia de Campos, sobre o comprometimento das condições de habitabilidade e segurança a bordo. Também há relatos sobre pressão excessiva das gerências e impactos sobre a saúde mental.

Na P-40, uma das principais denúncias é a da precariedade do serviço de hotelaria, especialmente em relação à alimentação. Trabalhadores relatam que as proteínas acabam antes do horário de almoço e de jantar, e, nos lanches, vários ítens também acabam. Além disso, em razão de obras na cozinha, uma cozinha improvisada não atende às condições sanitárias. Na unidade, há precariedade ainda nos banheiros, alguns deles sem condições de uso.

“A situação aqui está insustentável. Estamos com muita dificuldade com a hotelaria. Estamos próximos de um colapso com relação ao serviço. A alimentação que já era de péssima qualidade agora ficou escassa. Chegando ao ponto de faltar proteína, sem pão ou bolo no café da manhã. Pouca variedade nos alimentos, preparo inadequado… resumindo: estamos à beira do colapso. Já conversamos com a liderança mas não obtivemos êxito. Seguimos com as mesmas falhas de forma recorrente”, relata um trabalhador.

Na P-43, há relatos sobre pressões que estão gerando impactos sobre a saúde dos trabalhadores. Neste fim de semana, um técnico desembarcou após três desmaios. “Muita pressão, cobranças não para realizações de trabalho, mas para cumprir metas de carteiras de programações completamente alienadas à realidade da unidade, além da pressão em fazer horas extras, embarque extras sem receber, pelo código 2040”, registra o relato.

A unidade também sofre com os problemas na alimentação e de precariedade das instalações: “os camarotes inundam frequentemente de água, os banheiros coletivos e dos camarotes minam água sabe se lá de onde, água escorre e pinga dos sensores de fumaça dos casarios. Comida só frango e porco, suco só de soja sabor maçã e morango, e só. Pouca quantidade”, relatam os trabalhadores.

De acordo com a Norma Regulamentadora número 37 (NR-37), sobre alimentação a bordo de plataformas, “a operadora da instalação deve garantir que os trabalhadores a bordo tenham acesso gratuito à alimentação de boa qualidade, preparada ou finalizada a bordo, fornecida em condições de higiene e conservação, conforme prevê a legislação vigente”.

Sobre o cardápio, a norma afirma que deve ser “a) variado e balanceado; b) elaborado por profissional nutricionista legalmente habilitado; c) de conteúdo que atenda às exigências nutricionais necessárias às condições de saúde dos trabalhadores; e d) adequado ao tipo de atividade laboral e assegurar o bem-estar a bordo.”

O Sindipetro-NF cobra da Petrobrás a resolução imediata dos problemas relatados pelos trabalhadores e mantém o diálogo com os trabalhadores para que mais relatos possam ser encaminhados para os órgãos fiscalizadores. As denúncias podem ser enviadas para [email protected].

NF cobra que parada de produção seja acompanhada de monitoramento ambiental

O Sindipetro-NF não foi convidado para acompanhar a parada programada na P-40, que está em curso e envolve a abertura de equipamentos. Diante disso, a entidade encaminhou ofício às gerências da UN-BC e UN-ES solicitando o cumprimento da cláusula 80 do ACT, que determina que esta atividade seja acompanhada de Monitoramento Ambiental, devendo a entidade sindical ser convidada para acompanhamento.

Por considerar que as atividades de paradas, alterações, comissionamentos e descomissionamentos, tem alto potencial de alterar a exposição dos trabalhadores e, em consequência, afetar sua saúde e segurança, a diretoria do NF solicitou informações relativas à realização de atividades de monitoramento ambiental durante a parada programada de P-40, bem como o planejamento dos monitoramentos ambientais para as demais paradas planejadas nas unidades da UN-BC (incluindo as terrestres) e UN-ES.

A NR 37 no item 37.5.3 determina que por ocasião das paradas programadas,  o PGR – Programa de Gerenciamento de Riscos seja revisado ou elaborado um programa específico. Havendo também tal necessidade quando ocorrer a modificação, ampliação, respectivos comissionamento ou descomissionamento.

Segundo relatos dos trabalhadores da unidade, o monitoramento ambiental durante a parada ou revisão do Programa de Gerenciamento de Riscos não estão sendo realizados. Por isso, o NF também solicitou à Petrobrás informações sobre as revisões do PGR ou programa específico quando da modificação, ampliação, respectivos comissionamento ou descomissionamento para as unidades da UN-BC e UN-ES.

O Sindipetro-NF lembra à categoria que acompanhará o caso e solicita que enviem relatos para o e-mail [email protected].