É justo esses senhores nos abandonarem à própria sorte?

Foto: Arquivo pessoal

Diante dos ataques sem precedentes que os aposentados e pensionistas do Sistema Petrobrás estão sofrendo, desde o golpe de 2016, principalmente em função do desmonte da AMS, o mais importante benefício da categoria petroleira, a FUP e seus sindicatos têm recebido depoimentos comoventes e indignados desses companheiros e companheiras.

Leia também: FUP inicia reuniões temáticas com a Petrobrás, reforçando que AMS é prioridade absoluta

Reproduzimos abaixo mensagem recebida da petroleira Davina, militante histórica da nossa categoria. Ela completará 80 anos no próximo mês, passando por essa situação revoltante que a gestão da Petrobrás tem imposto aos beneficiários da AMS, impactando, sobretudo, os aposentados e pensionistas, que são os mais afetados pelos descontos abusivos e pela reiterada campanha de sucateamento do plano de saúde, promovida pela empresa.

Íntegra do depoimento de Davina:

Queridas companheiras e companheiros do Sistema Petrobrás, gostaria de dividir com vocês a tristeza e espanto dos aposentados e pensionistas com os ataques que estamos sofrendo dos gestores da empresa, que agem como os senhores da Casa Grande, nos negando a cobertura de Saúde da AMS, hoje APS.

É JUSTO ESSES SENHORES NOS ABANDONAREM À PRÓPRIA SORTE?

No meu caso, farei 80 anos em outubro próximo, fiz concurso em 1974/75, passei e fui admitida na Grande Empresa Petrobrás, no EDISE, em 08.03.1976 – Dia Internacional da Mulher, em plena ditadura militar. São 46 anos, quase 50, como petroleira.

Eu sou aposentada por invalidez. Vá[email protected] [email protected] tiveram Covid e estão com sequelas, outros tiveram AVC e outras enfermidades e muitos tantos outros estão no Céu, abismados, sentindo o nosso sofrimento com as injustiças praticadas pelo Senhores do Poder na terra.

Sou nível médio, aposentada no Nível 226, que nem existe mais, e o meu salário gira em torno de 2.400 reais, com todos os descontos. Com a minha idade, nenhum plano de saúde me aceitará. Nenhum plano de saúde mercenário nos aceitará.

Nada é de graça. Nós pagamos o Grande Risco e “otras cositas más” e nos negam algo essencial para quem envelheceu, passou dos 60, 70, 80 e … O desrespeito e a miséria humana tomaram conta do Brasil.

Sou Davina Valentim da Silva, petroleira aposentada, nascida em 09.10.1942.