Protestar sim, golpismo não!

Quinta, 12 Março 2015 15:17

 

alt

Manifestação pró-impeachment que a mídia incita é patrocinada por empresários e pela extrema direita

alt

Primeiro foram as vaias e xingamentos durante a Copa. Agora, o “panelaço” nos bairros nobres de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, aos gritos de “fora vaca". Protestos pontuais da elite, mas que têm sido repercutidos pela mídia com grande estardalhaço e incitação ao ódio de classe. E novamente, o PIG sai em campo incentivando a manifestação de domingo, convocada nas redes sociais por grupos financiados por empresários e por setores que fazem oposição a Dilma, com uma pauta claramente golpista.

 

Para fazer funcionar sua estratégia de conquistar o que não obtiveram nas urnas, a oposição e a imprensa precisam que a pressão social alcance todas as regiões do país, ou pelo menos a maioria das capitais”, explica o jornalista Luciano Martins Costa, em artigo publicado no Observatório da Imprensa.

Um dos grupos que promovem os atos do dia 15 é o “Vem Pra Rua”, cujo domínio na internet, segundo reportagem do site de notícias Brasil 247, foi registrado em nome da Fundação Estudar, do milionário Jorge Paulo Lemann, dono da Ambev, um dos empresários mais ricos do Brasil. Também estão por trás da manifestação o “Movimento Brasil Livre (MBL)”, que defende publicamente o impeachment;  o “Legalistas”, vinculado a militares da reserva, e o “Revoltados Online”, que vende um kit pró-impeachment, com camiseta, adesivos e boné, por R$ 175,00.

“O trabalhador brasileiro precisa ficar de olhos abertos. Questionamos a política econômica aplicada neste momento pelo governo e propomos mudanças. Mas não é isso que a onda conservadora está querendo fazer”, alerta o presidente da CUT, Vagner Freitas. “Esses que querem o impeachment da presidenta não estão preocupados com trabalhadores e com o Brasil, mas só com um terceiro turno das eleições”, afirma.

Fonte: FUP

Última modificação em Sábado, 14 Março 2015 02:27

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram