updated 10:01 PM CDT, May 24, 2018
Sexta-Feira, 25 de Maio de 2018

Petroleiros reagem à privataria de Parente e reforçam necessidade de greve

A resposta dos petroleiros à desintegração do Sistema Petrobrás será a aprovação de uma greve nacional. Este é o caminho que está sendo apontado nas assembleias setoriais que os sindicatos realizam ao longo desta semana, em atendimento aos indicativos do Conselho Deliberativo da FUP. O anúncio de privatização das refinarias, dutos e terminais feito ontem (19/04) pela diretoria da empresa reforçou o entendimento da categoria de que é preciso reagir de forma contundente ao desmonte que ameaça transformar a Petrobrás em uma empresa de escritório, com todos os segmentos privatizados.

Nas unidades que tiveram a venda anunciada por Pedro Parente, os trabalhadores estão indignados e a reação já começou, com atrasos e paralisações no início do expediente desta sexta-feira, 20. Na Repar (PR), Refap (RS), Rlam (BA) e Abreu e Lima (PE), os petroleiros atenderam ao chamado dos sindicatos e aderiram massivamente às mobilizações, deixando claro que não aceitarão a entrega das unidades.

Nos terminais da Transpetro, que também estão na lista de privatização, houve mobilizações em várias unidades do país, bem como em outras refinarias e demais unidades do Sistema Petrobrás, onde os trabalhadores estão reafirmando que essa é uma luta de toda a categoria e que não há salvação individual. O golpe atinge a todos e só há saída coletiva para essa situação caótica que vive o país.

“O Brasil e os trabalhadores estão pagando a conta amarga do golpe que foi dado em nossa democracia e que está ferindo de morte a nossa soberania nacional”, afirma o diretor da FUP, Deyvid Bacelar, que é trabalhador da Rlam e coordenador do Sindipetro Bahia. 

“Por trás do processo de privatização, sempre há redução de salários, perda de direitos e até demissão dos trabalhadores. Por isso, o ponto principal dessas assembleias será a discussão sobre a aprovação de uma greve no Sistema Petrobras contra a privatização e a retirada de direitos”, explicou Luiz Antonio Lourenzon, diretor do 
Sindicato dos Petroleiros de Pernambuco, aos trabalhadores que participaram das setoriais na Refinaria Abreu e Lima. Ele informou que as assembleias para avaliar a greve será realizada na primeira quinzena de maio.

“Os atos de hoje foram apenas o começo da guerra que temos pela frente contra Pedro Parente e os demais golpistas da direção da empresa e governo federal. As reuniões setoriais estão debatendo as formas de ação contra a privatização e logo em seguida serão convocadas assembleias para deflagrar uma grande greve por tempo indeterminado. Será o maior desafio da atual geração de petroleiros”, explica Mário Dal Zot, presidente do Sindipetro PR/SC e petroleiro da Repar.

“Mais do que nunca, agora é a hora de resistência, da unidade e da construção de uma grande greve, maior que a realizada em 1995, para barrar todas as tentativas desse governo entreguista”, afirma Fernando Maia, diretor da FUP, operador da Refap e presidente do Sindipetro-RS, que também é trabalhador da Refap. Ele lembra que os trabalhadores da refinaria lutaram mais de dez anos para reverter a privatização de FHC e não irão permitir que isto se repita. 

Rumo à greve

Entre os dias 30 de abril e 12 de maio, os sindicatos realizam assembleias para que a categoria petroleira se posicione sobre o indicativo de aprovação de uma greve nacional por tempo indeterminado, com data a ser definida pela direção da FUP. O indicativo foi definido durante o Conselho Deliberativo realizado no dia 12 de abril, em Curitiba. Só com uma reação contundente e coletiva, os petroleiros conseguirão estancar as privatizações no Sistema Petrobrás e as retiradas de direitos dos trabalhadores próprios e terceirizados.

rlam2
rlam
repar3
repar
repar2
es2
es3
es
sp8
sp7
sp6
sp5
sp4
sp3
sp2
sp
20-04-REGAP
rlam2 rlam repar3 repar repar2 es2 es3 es sp8 sp7 sp6 sp5 sp4 sp3 sp2 sp 20-04-REGAP

[FUP]

Mídia