updated 8:55 PM BRST, Dec 8, 2017
Segunda-Feira, 11 de Dezembro de 2017

Para acelerar privatização da Petrobrás, Parente promete beijar o mercado

Em entrevista ao jornal britânico Financial Times, defendendo a aceleração da privatização da Petrobrás, Pedro Parente, diz que, "se o mercado sorri para nós, podemos ir até lá e dar um beijo nele".

A reportagem foi publicada nesta sexta-feira, 06. Leia alguns trechos: 

A Petrobras, empresa de petróleo controlada pelo Estado do Brasil, está acelerando os planos para o que se espera que seja uma das maiores privatizações do país, a listagem de seu negócio de postos de gasolina, para aproveitar as condições de mercado favoráveis.

Pedro Parente, diretor executivo da Petrobras, disse que não pode confirmar as expectativas do mercado para uma oferta pública inicial no último trimestre deste ano ou que o negócio valoraria a empresa entre R$ 30 bilhões (US$ 9,5 bilhões) para R$ 40 bilhões.

Mas o forte desempenho do mercado de ações do Brasil significou que a empresa estava preparando a BR Distribuidora para listar "o mais rápido possível".

"Temos de estar sempre preparados para que, se o mercado sorrir para nós, podemos ir até lá e dar um beijo", disse o Sr. Parente em uma entrevista.

A listagem da BR Distribuidora, proprietária da principal rede de postos de gasolina do Brasil, indicaria que o mercado de emissão de ações moribundas do Brasil está se recuperando.

Nomeado no ano passado para transformar a rodada da Petrobras após o escândalo de corrupção política conhecido como Lava Jato, o Sr. Parente está olhando a venda como parte dos planos para reduzir a dívida da empresa.

O índice de ações de referência do Brasil, Ibovespa, ganhou 28% ao longo do ano passado, quando o país se recupera da recessão mais profunda de sua história. As ações da Petrobras subiram 16 por cento durante o mesmo período.

O Sr. Parente disse que os artigos da associação da BR Distribuidora foram reescritos com planos para listar a empresa no Novo Mercado do Brasil, um segmento do mercado reservado para empresas com padrões de governança mais altos.

(...)

A dívida da Petrobras é estimada entre os mais altos em seu setor,cerca de US$ 89 bilhões. O Sr. Parente disse que pretende reduzir a alavancagem da empresa de 5,1-5,3 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização em 2015, quando a empresa chegou perto de um padrão padrão para 2,5 vezes, quando seu prazo atual provavelmente terminará em dezembro do próximo ano.

Para ajudar a alcançar isso, a Petrobras apontará US $ 21 bilhões em receita com as vendas de ativos neste ano e em 2018, depois de obter US $ 13,7 bilhões em desinvestimentos no ano passado. A dívida líquida para o ebitda é de cerca de 3,1-3,2 vezes. "Hoje, podemos ver que temos uma empresa completamente diferente", disse o Sr. Parente.

Outro passo importante para alcançar esse objetivo foi o estabelecimento de preços orientados para o mercado com base nos preços internacionais do petróleo, acrescentou.

Esta foi uma ruptura com os governos passados que mantiveram o controle político da determinação de preços em um país com uma grande população de pessoas de baixa renda que são particularmente sensíveis à inflação.

"A Petrobras não estabelece preços, não é um setter de preços, é um receptor de preços porque está operando com commodities", disse ele.

Uma melhor produtividade do que o esperado dos achados de petróleo offshore do Brasil, conhecido como pré-sal, também está ajudando a reduzir a dívida da Petrobras. Dez anos depois de sua descoberta ter sido anunciada, os campos produzem 30 por cento mais de petróleo por poço do que o esperado e os poços levam três meses para perfurar em vez de 11, disse ele. "Esta é uma das razões pelas quais são capazes de reduzir o capex sem reduzir a produção", acrescentou.

Tradução: Brasil 247

Mídia