updated 6:16 PM BRST, Nov 24, 2017
Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017

FUP alerta participantes e assistidos do PP-1 sobre 'aventuras jurídicas' dos 'oportunistas de plantão'

Após o Conselho Deliberativo da Petros ter aprovado o equacionamento abusivo do deficit do Plano Petros-1, que foi recentemente referendado pelo Conselho de Administração da Petrobras, os participantes e assistidos estão apreensivos com as ameaças de cobranças indevidas de contribuições extraordinárias. A FUP orienta os petroleiros e seus familiares sobre as ações que estão em andamento para garantir os direitos da categoria.

O processo de equacionamento do déficit do PP-1 ainda precisa ser aprovado pela Secretaria das Estatais do Ministério do Planejamento (SEST). Caso seja aprovado até o próximo dia 05, a cobrança de contribuições extraordinárias deverá ocorrer no dia 20/12 e nos próximos meses durante quase 18 anos.

Os conselheireos eleitos pelos trabalhadores que integram o Conselho Deliberativo da Petros, entre eles, o diretor da FUP, Paulo Cesar Martin, votaram contra essa cobrança abusiva.

A FUP já ingressou com uma Ação Civil Pública (ACPU) cobrando a suspensão do plano de equacionamento aprovado pela Petros/Petrobrás.

Caso a justiça acate a solicitação da FUP, a decisão abrangerá todos os mais de 76 mil participantes e assistidos do PP-1, independentemente se são associados ou não às entidades sindicais filiadas.

A ACPU é a melhor e mais segura forma jurídica de encaminhar essa solicitação perante a Justiça, pois não há custas judiciais e sucumbência para o autor, no caso a FUP e seus substituídos, os mais de 76 mil participantes.

Portanto, caso algum participante ou assistido ingresse com ação individual ou coletiva, correrá riscos financeiros graves, caso venha a perder essa ação.

Somente as entidades sindicais podem ingressar com uma ACPU - Ação Civiil Pública: Sindicatos, Federações, Confederações e Centrais Sindicais.

Além disso, se tivermos sucesso na sua ACPU e algum participante ou assistido perder a ação individual, ele deixará de estar contemplado na ação da FUP.

Nesse sentido, a FUP alerta a todos os participantes e assistidos do PP-1 para que tenham cuidado com as aventuras jurídicas e os oportunistas de plantão.

Há advogados oportunistas, tentando se aproveitar do desespero dos petroleiros que poderão ser impactados pelo equacionamento do PP-1, e estão propondo um série de aventuras jurídicas.

"Se algum advogado lhe procurar com esse propósito, não assine nada e procure o seu Sindicato", alerta a Secretaria de Assuntos Jurídicos da FUP. 

 Portanto, não se deixe enganar: a ação individual deve ser a última via a ser utilizada!

FUP

Mídia