updated 11:39 AM BRT, Sep 20, 2017
Quarta-Feira, 20 de Setembro de 2017

Proposta da Petrobrás não contempla. Petroleiros intensificam as mobilizações!

A FUP discutirá nos dias 14 e 15, os próximos encaminhamentos da campanha salarial...

Imprensa da FUP

Em reunião com a FUP nesta quarta-feira, 11, a Petrobrás apresentou uma proposta salarial aquém das possibilidades da empresa e dos recordes de produção alcançados com o empenho dos trabalhadores. A Petrobrás propõe reposição da inflação do período pelo IPCA, ganho real de 2% sobre a RMNR (Remuneração Mínima por Nível e Regime) e gratificação de 80% sobre uma remuneração normal. A empresa não se manifestou sobre a reivindicação da FUP de atualização e melhorias na tabela de reembolso do Programa Jovem Universitário e continua sem avançar na implantação de um mecanismo de proteção das verbas rescisórias dos trabalhadores terceirizados. Quanto às cobranças de mudanças na gestão de segurança, a Petrobrás propõe a realização de um fórum nacional, com participação da FUP e sindicatos, para discutir a política e as diretrizes da empresa em relação ao SMS. 

Para a Federação, a proposta da Petrobrás está incompleta e não contempla a categoria. A Direção Executiva discutirá nos dias 14 e 15 os próximos encaminhamentos da campanha salarial, durante o Seminário Nacional dos Aposentados e Pensionistas, que será realizado em Salvador. A FUP orienta os sindicatos a intensificarem as mobilizações que tiveram início na segunda-feira, 09, e prosseguem até o dia 13, com uma parada de advertência de duas horas em todas as unidades do Sistema Petrobrás. Mais do que nunca, a categoria deve estar mobilizada para pressionar a empresa e apontar sua indignação. Vamos, portanto, intensificar a participação nos atos, concentrações e atrasos realizados pelos sindicatos.

Semana de mobilizações

No Sindipetro Unificado de São Paulo, as mobilizações começaram na manhã de segunda, no Terminal de São Caetano do Sul, com a participação de 450 trabalhadores próprios e terceirizados. Na terça-feira, 10, a concentração foi no Terminal de Barueri, com cerca de 250 petroleiros próprios e terceirizados, que realizaram um ato com duas horas de atraso do expediente. Nesta quarta-feira, 11, foi a vez dos trabalhadores do Terminal de Guararema participarem da mobilização. Até sexta-feira, 13, serão realizados atos e atrasos nas demais bases do sindicato.

Na Bahia, já foram realizados atrasos no COFIP e no prédio sede da Petrobrás, em Pituba, onde os trabalhadores  fizeram uma concentração, atrasando duas horas a entrada do expediente. Ontem, a mobilização foi realizada no trevo da Resistência, envolvendo trabalhadores da Transpetro e da Rlam e nesta quinta-feira, 12, o foi realizada uma assembleia pela manhã, na base de Taquipe, onde houve rejeição total dos trabalhadores à proposta da Petrobrás.

No Rio Grande do Norte, também na quarta-feira, 11,  houve manifestação com atraso de embarque no Ativo de Produção do Alto do Rodrigues. De acordo com declarações dos representantes do Sindipetro-RN, os trabalhadores demonstraram unidade e força reunindo cerca de trezentos petroleiros e petroleiras dos setores público e privado, numa paralisação que durou cerca de duas horas.Durante o ato, os sindicalistas também destacaram

a contradição entre a aparente queda nos números de acidentes de trabalho com afastamento e o aumento no número de mortes, o que claramente aponta para uma manipulação das estatísticas.

No decorrer da semana, novos atos serão realizados em outras bases do Sistema Petrobrás, até esta sexta-feira, 13, cobrando da empresa respeito à categoria e o atendimento da pauta de reivindicações. No dia 16, a FUP e seus sindicatos darão continuidade às mobilizações por segurança, durante atos e manifestações em memórias dos trabalhadores mortos na explosão da Plataforma de Enchova.

Mídia