Após cinco anos da primeira ação da operação Lava Jato, em março de 2014, o país ainda sente seus impactos na economia e ainda não se recuperou do desmonte do setor industrial do país.

O advogado Walfrido Warde Jr., autor do livro “O espetáculo da corrupção”, pontua que a Lava Jato instalou um novo paradigma de combate à corrupção, baseado na repressão, mas que não conseguiu agir nas causas do problema.

“Esse novo modelo traz uma revolução na detecção e na punição da corrupção, mas ao mesmo tempo pouca solução para empresas envolvidas. Ou seja, elas demoraram para virar a página e muitas delas ainda não viraram. E, de fato, isso causou um problema para a economia do país”.

Warde afirma que, embora a recessão econômica tenha outros fatores, a operação Lava Jato foi responsável pelo desmantelamento de praticamente todo o setor de infraestrutura do país. Nos primeiros três anos de operação, foram mais de 2,5 milhões de demissões ligadas ao paralisação de obras de empresas alvos da operação ou as que mantinham contratos com elas.

Em dezembro de 2013, por exemplo, a Petrobras tinha mais de 446 mil funcionários. Três anos depois, a estatal do ramo petrolífero contava com pouco mais de 186 mil – uma redução de 58%.

No setor privado, uma das empresas mais afetadas foi a Engevix. Entre 2013 e 2016, a  companhia demitiu 85% de seu quadro funcional. Em dezembro de 2013, ela empregava 17 mil pessoas. Três anos depois, tinha apenas 3 mil funcionários. 

O Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), afirma que, em 2018, houve uma redução de 5 mil empregos em estaleiros na comparação com o ano anterior. 

Este número representa uma queda de 64% em comparação a dezembro de 2014, pico da atividade no país, quando 42 estaleiros nacionais empregavam 84 mil trabalhadores. Hoje, o número é de apenas 25 mil. O setor ganhou fôlego com o início da exploração do petróleo da camada pré-sal, em 2010. 

Os cortes no setor continuam. A expectativa da entidade é que esse número seja reduzido ainda mais, para cerca de 6 mil pessoas até 2020. O sindicato relaciona a perda de postos de trabalhos à falta de investimentos na Petrobras.

A passos lentos

O ritmo de recuperação da indústria segue lento. A produção industrial cresceu 1,1% em 2018, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já a Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostrou que o faturamento do setor industrial em 2018 teve crescimento de 4,1% no acumulado de janeiro a dezembro, em comparação ao mesmo período de 2017. 

Esses índices de crescimento da produção industrial brasileira são pequenos e, inclusive, desacelerou. Em 2017, a produção industrial cresceu 2,6%, após três anos de recuos consecutivos. O que não recupera o período em que acumulou uma perda de 16,7%, entre 2014 e 2016. 

A taxa média de desocupação no país caiu de 12,7% em 2017 para 12,3% em 2018, depois de quedas consecutivas desde 2015. Mas a informalidade tem batido recordes e está no patamar mais alto da da série histórica iniciada em 2012 pelo IBGE. O número de empregados sem carteira assinada no setor privado, excluídos domésticos, chegou a 11,2 milhões. 

O presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM-CUT), Paulo Cayres, afirma que a operação evidenciou seu caráter de perseguição política, com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em abril de 2017, e a indicação de Sérgio Moro como ministro da Justiça. Segundo ele, a operação se mostrou como fraude. 

“É um absurdo. Você tem que punir CPF e não o CNPJ. Você não pode atacar as empresas, você teria que atacar o cara que é corrupto”. 

Perspectivas 

Cayres destaca que o desmantelamento da indústria nacional, principalmente em relação às estatais, entra em uma nova etapa com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL). 

“Nem os empresários que apoiaram o governo Bolsonaro têm perspectivas para a indústria. Ele não tem plano nenhum. Plano zero de pensar na indústria. O plano dele é privatizar tudo. Ou seja, entregar nossas indústrias, como já fizeram com a Embraer, estão fazendo com a Petrobras”, argumenta. 

Na mesma linha, Walfrido Warde Jr. acrescenta que ainda é cedo para falar em recuperação industrial e o rumo da política econômica do Brasil no governo de Jair Bolsonaro (PSL). 

“Nós temos mensagens que são contraditórias nesse governo. Nós temos tendências liberais em alguns personagens, mas temos também tendências nacionalistas e protetivas em outros”, diz. “Me parece concreto que nós não teremos um modelo liberal tradicional. O ministro Paulo Guedes parece ter planejado inúmeras atuações no estado e na economia. Temos que esperar um pouco para saber o que vai acontecer. Quais serão as políticas macroeconômicas adotadas por esse governo”. 

O advogado não identifica a superação de um modelo repressivo de combate à corrupção para um modelo que combate as causas. Ele ainda afirma que a organização empresarial concentrado, da maneira como é hoje, intensifica o problema. 

“Não há uma base acionária pulverizada, tradicionalmente, por de trás das empresas brasileiras. E isso torna muito mais difícil, diante de um problema de corrupção, resolver o problema separando o controlador, o administrador, de um lado; e a empresa de outro para tentar punir responsáveis sem destruir valor, empregos e a atividade empresarial de um modo geral. Eu acho que nós não conseguimos superar esse segundo problema”, avalia. 


Leia também:

:: Obra parada, trabalhador demitido: quem paga a conta da Lava Jato são os mais pobres ::

:: É possível combater a corrupção sem destruir a economia? ::

[Via Jornal Brasil de Fato]

Publicado em Economia

Fernando Haddad, candidato a vice-presidente pelo PT na chapa do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, defendeu nesta terça-feira, 28, a política de conteúdo local na indústria de petróleo e gás. Em um ato de campanha no Estaleiro Aliança, em Niterói, na região metropolitana do Rio, ele afirmou que o desmonte promovido pelo governo ilegítimo de Temer e do PSDB na indústria naval brasileira é responsável por milhares de desempregados no setor e pode significar o fim dos estaleiros no país.

“Uma comunidade inteira desempregada por causa de uma lei, que dispensa o componente nacional e acabou exportando os empregos para a Ásia. Lá estão sendo feitos navios e plataformas. É devastador”, lamentou.

Segundo Haddad, mudanças nas políticas de conteúdo local e nas decisões de investimentos da Petrobrás, feitas pelo governo Temer, levaram à contratação de navios e plataformas com fornecedores "da Ásia"

A crise instalada na indústria naval se deve à mudança na legislação que diminuiu a porcentagem de conteúdo nacional obrigatório na indústria petrolífera, aliada à mudança na tributação que baixou alíquotas de importação e facilitou que navios e plataformas sejam comprados no exterior. Desde a descoberta do pré-sal, a porcentagem mínima de conteúdo nacional era de 65% na primeira fase e de 70% na segunda etapa do programa.

Na prática, isso significava que, a cada R$ 100 aportados na construção de um navio, R$ 65 tinham que ser gastos, obrigatoriamente, no Brasil. Temer baixou para 40% e agora quer diminuir para 20% esse percentual, segundo Haddad. “Se continuar essa política, será o fim dos estaleiros. Até 2020, não haverá um emprego em estaleiro no país.”

Haddad ressaltou a importância do marco legal da Petrobras. “Com a Petrobras, você centraliza as encomendas e cria indústria. Ou terceiriza e os empregos vão pra fora. É toda uma estrutura de mercado que estamos perdendo. Não é só um estaleiro”, disse.

O candidato a vice lembrou que o Brasil tinha uma das maiores indústrias navais do mundo graças aos investimentos dos governos do PT, incluindo a descoberta do pré-sal. O país poderia estar hoje exportando navio e plataforma. “Mas não. Deram o golpe na Dilma, para deixar empresas estrangeiras explorar nossa riqueza sem dar satisfação. Desmontaram um paraíso de empregos, oportunidades e educação.”

O ex-ministro da Educação de Lula disse que a maior revolução que o povo pode fazer é apertar na urna o número certo. “No dia 7 de outubro, o povo tem um candidato testado e aprovado, um time testado e aprovado, para retomar o país para o povo. Então, é Márcia Tiburi, 13 é Lula 13. Vamos ganhar para retomar o Brasil. Nós já governamos, sabemos como faz. Lula tem 50 anos de estrada. Reviraram a vida dele e não acharam nada. Armaram pro cara não ser candidato. Se a gente batalhar, a gente ganhar a eleição, o Lula sobe a rampa do planalto e o Brasil ser feliz de novo.”

Na visita também estavam presentes a candidata do PT ao governo do Rio, Márcia Tiburi, o coordenador licenciado da FUP, José Maria Rangel, que disputa a vaga de deputado federal pelo PT/RJ, as deputadas federais Jandira Feghali (PCdoB) e Benedita da Silva (PT) e o presidente do PT do Rio, Washington Quaquá. Márcia Tiburi afirmou também que na época de Lula o país tinha emprego e desenvolvimento econômico para todas as classes. “Essa comparação, as pessoas estão fazendo. Agora, não tem mais salário e não tem emprego.”

[Com informações do portal lula.com.br | Foto: Nathália Gregory]

Publicado em Política

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram