Segunda, 29 Junho 2020 15:36

Sindipetro denuncia censura na REDUC

Em reunião do grupo de trabalho que investiga o incêndio ocorrido na U-1210, a empresa propôs aos representantes dos trabalhadores a assinatura de um Termo de Confidencialidade onde constava que, por 20 anos, eles deveriam ficar caladinhos e não expor as falhas gerenciais diante do incêndio que quase matou diversos trabalhadores na área da U-1210.

Deveríamos fingir que não vimos, não ouvimos e não poderíamos dizer nada sobre o assunto

O representante do Sindipetro Caxias ignorou a solicitação por entender que esta era uma atitude de intimidação explícita a um representante da classe trabalhadora.

Todavia, o sindicato vê com preocupação a assinatura deste termo pela reapresentação eleita dos trabalhadores na CIPA.

Ressaltamos que a NR-5 dá autonomia à Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA para a investigação dos eventos desse tipo e que, sempre que necessário, a direção do Sindipetro Caxias garantiu esta autonomia, seja na luta política em defesa de saúde e segurança, seja recorrendo à justiça quando necessário, tendo inclusive decisão judicial favorável à investigação autônoma pela CIPA.

A NR-5 no item 5.16 alínea F, diz que cabe à CIPA: divulgar aos trabalhadores informações relativas à segurança e saúde no trabalho.

Um termo de confidencialidade não pode valer mais que uma norma regulamentadora, é dever dos cipistas informarem a categoria.

Quanto ao nosso acordo coletivo de trabalho, ele estabelece restrição quanto à divulgação do relatório, mas não de seu teor, tampouco se destina a restringir a liberdade de expressão dos diretores sindicais sobre os fatos ocorridos. O mesmo ACT garante que seja entregue cópia do relatório ao sindicato, CIPA e órgãos fiscalizadores.

Não aceitaremos mordaças! O Sindipetro Caxias continuará fazendo denúncias em defesa da vida, da segurança e da saúde dos trabalhadores.

As pessoas que assistiram aterrorizadas o fogo gigante e a fumaça negra cobrindo os céus de Duque de Caxias precisam no mínimo saber o que ocorreu para cobrar postura profissional dos gestores na garantia da segurança em uma refinaria altamente perigosa.

Os petroleiros e a comunidade no entorno da refinaria precisam da voz do Sindipetro Caxias, pois se depender da direção atual da companhia não saberiam de nada de terrível que acontece na REDUC.

[Via Sindipetero Caxias]

Publicado em SINDIPETRO CAXIAS

Esse filme não é novo. A história se repete 4 anos depois. Dessa vez sem mortos, mas poderia ter. Novamente a falta de manutenção causou pânico no entorno da REDUC. Em vídeo recebido na tarde de ontem, quando a U-1210 explodiu, uma criança chora e fala para sua mãe que está com medo ao ver o fogo misturado com a fumaça preta próximo de sua casa que fica ao lado da refinaria.

A data da última manutenção desta unidade foi há três anos e, de acordo com a N-13, ela deveria parar este ano, já que a REDUC estava sem a certificação do SPIE, que prorroga este prazo.

Assim como o teto do tanque corroído e sem manutenção no qual o Técnico de Operação Cabral pisou, caiu e morreu, o óleo combustível que estava vazando na linha que faz a circulação de resíduo de vácuo da T-103 com as bombas PS-116 A/B/C, não aguentou a pouca espessura do duto de 6 polegadas por onde corria a 350ºC e explodiu.

Foram 70 minutos de terror para a população do entorno da refinaria. Graças à corajosa atuação conjunta dos trabalhadores do SMS, Segurança industrial e da Brigada própria de incêndio o fogo conseguiu ser controlado.

Nesta tarde, 16/06, o diretor Luciano Santos participou da primeira reunião do GT de investigação, conforme determina o nosso ACT. Mas pela avaliação inicial o acidente ocorreu por falta de comprometimento da gerência de inspeção de equipamento no diagnóstico dos equipamentos e no respeito à periodicidade de avaliação dos ativos, conforme NR-13, para detectar e realizar a manutenção da tubulação.

Refinaria não é loja de departamento. Não é videogame. É uma bomba relógio, um vulcão prestes a explodir. Por isso, não dá pra brincar de inspecionar. A gerência precisa levar a manutenção a sério, pois existem muitas vidas no entorno e dentro da refinaria que dependem da ação responsável da gerência da REDUC na aplicação integral das normas de integridade. Os trabalhadores da Petrobrás sabem como fazer e onde atuar, por isso Castello Branco, DEIXA A EQUIPE DE MANUTENÇÃO e INSPEÇÃO TRABALHAR!!

 

Por Sindipetro Caxias

Publicado em Trabalho

Um incêndio de grandes proporções assustou os trabalhadores da Reduc na tarde desta segunda-feira (15), bem como os moradores que moram no entorno da refinaria, em Duque de Caxias. 

O Sindipetro Duque de Caxias recebeu a informação preliminar de que o incêndio teve início às 14:40h na U-1210 (Destilação atmosférica) da REDUC, devido ao rompimento de uma válvula de retenção (RV) com vazamento de combustível.

O incêndio teve duração de 1 hora e 10 minutos, graças ao trabalho conjunto do pessoal do SMS – Segurança industrial e da Brigada de incêndio que conseguiu controlar o fogo.

Até o momento a informação é de que não houve feridos.

A data de parada de manutenção da U-1210 vence este ano.

A direção do Sindipetro Caxias cobrará a participação no GT de investigação conforme ACT.

Veja abaixo vídeo gravado por um cinegrafista amador: 

Na tarde de hoje o fogo tomou conta da U-1210, na REDUC. Por sorte, ninguém ficou ferido e a Brigada de Incêndio conseguiu cessar as chamas. Mais informações em nosso site sindipetrocaxias.org.br

Publicado por Sindipetro Caxias em Segunda-feira, 15 de junho de 2020
Publicado em Sistema Petrobrás

Na tarde de sexta-feira, 31, às 15h20, durante o processo de partida operacional depois de passar por uma manutenção programada na unidade de Hidrotratamento (HDT) de QAV e Diesel (U-2700), ocorreu um vazamento de gás H2S na linha do flare da unidade.

Durante o acidente, uma equipe de profissionais estava abrindo a linha do flare para a instalação de uma raquete e quatro trabalhadores terceirizados da empresa Herbert Engenharia que estavam próximos desmaiaram na área, devido a contaminação pelo gás e foram removidos para o setor médico da refinaria.

No final do dia, o vazamento já tinha sido contido pela brigada de incêndio e pelos operadores da unidade. Os trabalhadores acidentados já estavam estáveis e fora de risco de morte.

Vale lembrar que os efeitos de intoxicação do H2S, ou gás da morte, são como aos do monóxido de carbono, porém mais intensos podendo causar danos permanentes.

Este gás tóxico paralisa o sistema nervoso que controla a respiração, incapacitando os pulmões de funcionar, provocando a asfixia.
Esses trabalhadores tiveram sorte desta vez.

A direção do Sindipetro Caxias alerta a todos os trabalhadores a prezarem por suas vidas, usem os equipamentos de segurança e usem seus direito de recusa ao perceber situações de risco. A direção continuará acompanhando a investigação para saber os motivos do vazamento.

[Via Sindipetro Duque de Caxias]

Publicado em Sistema Petrobrás
Página 2 de 2

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.