Na próxima sexta-feira, 16, termina o prazo para que possíveis compradores se credenciem, na fase não vinculante, para compra de ativos nos segmentos de Gás Natural e Refino, disponibilizados no programa de desinvestimento da companhia, na verdade, entrega do nosso patrimônio. Neste pacote estão as refinarias Alberto Pasqualini ( REFAP), no Rio Grande do Sul, Presidente Getúlio Vargas ( REPAR), no Paraná, Landulpho Alves ( RLAM), na Bahia, e Abreu e Lima ( RNEST), em Pernambuco, além da Liquigás. O desinvestimento na área de refino inclui toda a infraestrutura do entorno, contemplando dutos e terminais.

O ato terá início às 11h, no Edifício Sede da Petrobrás, no Rio de Janeiro. A manifestação tem como objetivo denunciar a venda das refinarias da Petrobrás anunciada pela direção da estatal, assim como os prejuízos para o Brasil com a política de preços de combustíveis adotada pela empresa, de reajuste com maior periodicidade.

Grande parte da cadeia produtiva da indústria do petróleo está sendo adquirida pelos concorrentes da Petrobrás por obra deste governo entreguista e de sua direção na empresa, encabeçada por Roberto Castello Branco, um rentista neoliberal oriundo da Escola de Chicago.

O anúncio de venda de quatro refinarias, de um total de oito, a venda das malhas de dutos (NTS e TAG), da BR Distribuidora, da Liquigás, a hibernação das FAFENs e a intenção de venda da Transpetro, principal empresa de logística da Petrobrás, praticamente restringe a companhia somente ao ramo de extração do petróleo, abandonando o conceito de uma empresa de energia integrada.

Vale lembrar que refino e logística, incluindo, distribuição, perfazem 60,9% da fonte de receitas da Petrobrás. Ou seja, Bolsonaro, Paulo Guedes e Castello Branco querem deixar a Petrobrás operando somente com 30% de sua fonte de receitas obtidas através do E&P. Alguém tem ideia do custo social que isso terá com milhares de desempregados?

Mais entrega: a agenda se acelera

A Petrobrás deverá lançar, ainda em setembro, as etapas de divulgação (teasers) para venda dos 10% restantes de suas participações na Nova Transportadora do Sudeste (NTS) e Transportadora Associada de Gás (TAG), além do segundo pacote de refino, composto pela Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), no Paraná e pelas refinarias Gabriel Passos ( REGAP), em Minas Gerais, Isaac Sabbá ( REMAN), no Amazonas, e Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (LUBNOR), no Ceará. O planejamento de 2019 poderá incluir a ainda a divulgação do teaser da Gaspetro, no mês de dezembro. E, para o primeiro trimestre de 2020, está prevista a venda da fatia de 51% da Petrobras na Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG). O processo depende ainda da conclusão da chamada pública da ANP para contratação de capacidade de transporte de gás natural, referente ao gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol).

Participe do ato através do Facebook da FUP, que irá transmitir ao vivo a partir das 12h. 

Publicado em Sistema Petrobrás

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram