Uma categoria que sabe a força que tem não precisa ouvir seu presidente desqualificá-la e simplesmente, ficar quieta. Castello Branco julgou os petroleiros por si mesmo, baseado na sua falta de capacidade em comandar a maior empresa do país, e com o maior descaramento afirmou, segundo a Agência Câmara, que a Petrobras não tem capacidade de explorar campos maduros de petróleo, em terra e águas rasas.

Como uma empresa de petróleo com 66 anos de experiência, que começou sua trajetória exatamente em terra, na Bahia, entrou em águas rasas interiores na Baía de Todos os Santos, foi para o ambiente offshore raso em Sergipe, avançou em águas profundas e ultra profundas na Bacia de Campos, descobriu e colocou o Pré-Sal em produção, não tem capital humano qualificado e tecnologia para explorar e produzir em terra e águas rasas?

Onde ele estava que não viu ou não soube de tudo que a Petrobrás já fez pelo Brasil, por tudo que ela já construiu e contribuiu para o desenvolvimento tecnológico e social do país. Nem acessou o próprio site da Petrobrás que lista os prêmios que demonstram a relevância da empresa no cenário nacional.

-----

Amostra retirada do site da Petrobrás:

Marca que representa o Brasil - Conquistamos em 2017, pelo segundo ano consecutivo, o prêmio Folha Top of Mind, da Folha de S.Paulo, na categoria "Marca que representa o Brasil". Este reconhecimento reforça a importância da nossa presença no dia a dia da sociedade.

Líder em inovação no setor - O Prêmio Valor Inovação Brasil 2016, do jornal Valor Econômico, nos elegeu a empresa mais inovadora do país no segmento “Indústria de Base e Metalurgia”, entre empresas de óleo e gás, minério e cimentos.

Melhores & Maiores 2016 - O ranking anual Melhores e Maiores 2016 da Revista Exame nos posicionou como empresa que mais gera riqueza por empregado, demonstrando o empenho e o compromisso de nossa força de trabalho.

-----

A única explicação, para tamanha agressão à inteligência de quem o escuta, é a de que continua insistindo na representação burlesca à moda do presidente do Brasil, que se valeu da desinformação da massa para se eleger e instaurar o caos, mas que já não engana mais ninguém. Muito menos a categoria petroleira, que fez história na luta pela conquista de direitos dos trabalhadores e sabe que a soberania do Brasil é também sua responsabilidade.

“Vamos contar para o Castello que a Petrobras não é lugar de fazer paródia e que essa dinâmica de ir falseando o cotidiano prosaico, que reforça o improviso e a gambiarra, já deu e vamos desmascará-lo. Saudade das cartinhas do Pedro, pelo menos eram mais inteligentes! ”

 

 

 

Publicado em Sistema Petrobrás

Petroleiros de todo o país que estão em Belo Horizonte para a 8ª Plenária Nacional da FUP mandaram um recado para a gestão da Petrobrás: a categoria vai lutar até a última gota para defender a empresa e os direitos conquistados a duras penas. Esse foi o tom que marcou as falas das lideranças sindicais no ato da manhã desta sexta-feira, 24, em frente à Refinaria Gabriel Passos, uma das oito unidades que estão na lista de privatização anunciada pela direção da empresa. Ao final da mobilização, os petroleiros da Regap realizaram uma assembleia que aprovou por unanimidade a participação na greve geral do dia 14 de junho.

É a resposta da categoria aos gestores da Petrobrás, que apresentaram na quarta-feira, 22, uma proposta de desmonte do Acordo Coletivo de Trabalho, que aniquila direitos e benefícios sociais e ataca frontalmente as organizações sindicais.

“Não há saída individual. A luta é coletiva”

“Essa proposta de acordo coletivo é para pavimentar o caminho para a privatização. Só vamos mudar este quadro, se os trabalhadores entenderem que não há saída individual. A luta é coletiva”, afirmou o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

Também presente ao ato na Regap, o coordenador da FNP, Adaedson Costa, ressaltou a importância do engajamento de cada trabalhador e trabalhadora na luta em defesa da Petrobrás. “Nós aqui na linha de frente já estamos dia a dia, de norte a sul deste país, defendendo a Petrobrás, mas é com a participação ativa de cada petroleiro que vamos fazer a diferença da classe trabalhadora e reverter todas as mazelas que estão sendo impostas à categoria e à população”, declarou.

Construir a greve geral

As lideranças sindicais petroleiras enfatizaram que é fundamental que a categoria esteja junto novamente com os estudantes e profissionais da educação na mobilização do dia 30 e na greve geral do dia 14 de junho. “É na luta, como outras gerações fizeram, que iremos defender a nossa empresa, porque defender a Petrobrás não é defender o meu, o seu emprego. Defender a Petrobrás é defender um Brasil soberano”, afirmou o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

Imprensa da FUP | Fotos:  Paulo Neves, Maria João Palma (FUP) e Arthur Varela (Sindipetro-RN)

 

e6440164-9c2c-4e0f-9ad3-ee934b3033d7
f786d4af-0736-4055-908c-cdd847e56d4a
e87fdc0a-7a9a-497e-9a95-39668110e7c5
d70cdae0-864b-4432-bb8e-89b9634426c5
b1cd0d76-5099-4598-a684-18551c20e654
cc49b287-84fb-4898-8bea-9e74c0c75762
495966a0-a2e5-4d08-889f-2d2dfd4308f6
31122f5f-a90d-48fa-ba0b-8cfa7e322b1b
6289b4f1-3c48-46ff-b59a-684c543fbda2
98d8c1f7-6109-4b12-aad1-490539019bb7
77f02ce7-66a2-4fb3-9f12-4d600aa2ad16
070d5771-e0b5-4115-8d0d-c525c8e1cb7b
9eb9ced5-b902-4f93-9178-4e1785e16ea0
4f375cc1-9a40-488f-b48e-07169c9a3d8d
1f71aa41-6d96-4890-a279-caf8f09a7f1f
0f37ea7d-e5c1-4a3c-b8ac-795114544718
1b59ef12-0dd8-4e73-84b5-e51ab5157fec
eb32ca14-bda3-43d2-af22-27f5c1582e86
ff364e35-622f-401b-9b6c-b33b63c3f8a9
eb7f30b2-4160-4fe3-b539-a40b76dc15ac
dec144b9-7847-43ee-9d3f-f363e31e26aa
c75a38e1-e3bf-4e83-a9f0-9abbcb8b4d0a
c36a12a5-78d9-4dbf-ace8-832eb3e034ea
bc72c306-2d14-4398-996a-8925a2377bb7
bb0f90e8-46ba-4984-be66-894903b8598b
b63598fd-2176-41e1-9c10-0b63e960182b
aaa942f6-b5c4-44a7-9ea5-ad1208eeb453
aa4f844f-3833-42d6-a537-68c28388c73e
a087199b-eaa6-4328-80bd-810e812aee7d
a5058e89-2ef0-45b6-8f9c-66f72e633bd9
a88d7840-475d-4f45-8c09-790a374512ba
09345531-0388-4a91-8be5-e3cadb0d6c96
7998845f-212f-44c0-80be-ff8a82c5b60f
860117f0-ed62-4dd1-a24a-08dbb5f59282
0308918e-9811-4cf1-9f98-496f0ddac008
860117f0-ed62-4dd1-a24a-08dbb5f59282-1
7147c9fc-e262-497c-a754-2f750763df50
9529bdb1-123b-4f0c-8b21-e2c35f86be03
781fc781-68f4-4384-99b4-51cc35b128d4
426ad6ef-9800-494e-98d9-aa5e83ee2284
583e82e4-74fc-40e0-8e43-fd3173b22deb
84dedfb1-be9a-40be-a41e-dbe69271d03d
306ac5e4-8a20-4b43-87f8-f98144985e48
63f53b4c-4ffc-4a4d-8b5b-934c2deb339f
69df636c-99e7-4561-a86b-b96475403afc
55c55822-839c-415a-a893-f98f5c7befa0
57e6ba94-beaa-46c3-872d-0e16f9f5ac8f
54ccc8d3-61b0-469e-92eb-79012f9067bb
6ba5e11f-3025-47b6-88bf-a6ca8ba49e71
6f647fb7-e1b8-4871-8aa7-23c40994b82f
4fbb40fd-35ae-4329-81de-087564dfd55b
3e084a08-84af-4300-a519-5aa753a54980
4b4aa873-4af6-4ed1-9cce-05edaf2ad0f1
3a2d6eec-f668-4639-9207-18058b4dd739
2b4f8aca-c58c-4709-909c-d90bcf03ed98
0fd247ed-c985-4779-934f-fbc4648589a0
1c5012ba-ca7d-43e8-8faa-615258ea6e13
0ac8e685-4ba4-4a9e-95a3-479947e92b6d
0ebdea84-c41b-45f9-b81a-dc98f5805d33

 

Publicado em VIII Plena FUP

Os petroleiros presentes em Belo Horizonte para a 8ª Plenária Nacional da FUP participaram no último dia 22 de Audiência Pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), que culminou com o lançamento da Frente Parlamentar Mineira em Defesa da Petrobrás. Na próxima quarta-feira, 29, a FUP e seus sindicatos estarão em Brasília para o lançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobrás.  

Iniciativa do mandato da deputada estadual Beatriz Cerqueira (PT), a audiência denunciou os prejuízos irreparáveis que a gestão entreguista da Petrobrás está causando à população brasileira.  Foram abordadas questões como a política de preços de derivados que fez disparar a gasolina, o díesel e o gás de cozinha; a privatização de gasodutos, refinarias, campos de petróleo e outros ativos estratégicos da empresa; os desinvestimentos impostos pelos governo Temer e Bolsonaro, além de outros ataques à soberania nacional, que desmontaram a cadeia de óleo e gás do país.

Os petroleiros Tadeu Porto e Alexandre Finamori representaram a FUP e o Sindipetro MG na audiência, que contou também com a participação do secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT-MG), Jairo Nogueira Filho, da diretora da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Marilda de Abreu Araújo, e do engenheiro Paulo César Ribeiro Lima.

 

[FUP]

Publicado em VIII Plena FUP

A resistência contra a privatização da Petrobrás está diretamente ligada à luta pela preservação dos empregos e dos direitos dos trabalhadores, que estão sob ameaça de extinção nessa campanha reivindicatória. A importância da unidade no enfrentamento ao projeto ultraliberal do governo Bolsonaro marcou a fala das lideranças sindicais e políticas que participaram da solenidade de abertura da 8ª Plenária Nacional da FUP, quinta-feira, 23, à noite, em Belo Horizonte. 

“Essa é a Plenafup mais importante da história da nossa categoria. Os petroleiros já deixaram o seu nome marcado na história todas as outras vezes em que fomos chamados à luta em defesa da Petrobrás. Vamos continuar resistindo e venceremos novamente”, afirmou o coordenador do Sindipetro Minas Gerais, Anselmo Braga. Ele destacou a simbologia da 8ª Plenafup estar sendo realizada na Escola Sindical da CUT em Belo Horizonte, berço de tantas lutas e resistência.

O coordenador da FUP, José Maria Rangel, lembrou que a luta dos petroleiros para defender a Petrobrás não é de hoje.  “A Petrobrás sempre foi motivo de disputa e de cobiça. E isso aumentou ainda mais com a descoberta do pré-sal. A defesa da Petrobrás tem que passar pela conscientização dos trabalhadores de que a operação Lava Jato é uma farsa. Os fatos vêm mostrando, dia após dia, que o objetivo sempre foi destruir a empresa para entregar o pré-sal”, afirmou.

Márcio Nicolau, presente!

O ex-presidente do Sindipetro-MG, Marcio Nicolau Machado, morto em fevereiro em um trágico acidente de trânsito, foi homenageado na abertura da 8ª Plenafup.  Um documentário produzido pelo sindicato em parceria com o Midia Ninja emocionou os petroleiros, ao destacara a trajetória sindical do petroleiro e sua importância nas lutas travadas pelos movimentos sociais mineiros.

“A luta pela soberania, a luta pela Petrobrás que estamos travando hoje é a continuidade do legado de Marcio e a maior homenagem que podemos fazer a ele”, afirmou Leopoldino Martins, que esteve ao lado do petroleiro em diversas lutas no Sindipetro-MG.

O exemplo da Vale

Um dos convidados da solenidade de abertura da 8ª Plenafup, Joceli Andreoli, da Coordenação Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), enfatizou a relação direta entre a privatização da Vale e os crimes protagonizados pela empresa em Minas Gerais.  “Tudo isso aconteceu porque a empresa passou a ser gerida para atender aos interesses privados e à ganância do capital especulativo. O que aconteceu com a Vale é o que pode acontecer com o pré-sal e a Petrobrás, se não dermos conta da luta e do desafio desse momento histórico”, afirmou.

O deputado federal Rogério Correa (PT-MG) lembrou que desde que foi “entregue a preço de banana” no governo Fernando Henrique Cardoso, a Vale deixou de cumprir o papel de destaque que tinha para a economia brasileira. “A Vale é a segunda maior empresa privada do mundo, mas que não contribui em nada para o desenvolvimento do país. Envia todo o seu lucro para fora e só deixa aqui as tragédias que gera”, declarou.

Ele alertou que o processo de privatização do governo Bolsonaro vai além. “Não são só as empresas públicas que estão na lista de privatização do Paulo Guedes (ministro da Economia), mas também a previdência social, a educação e a saúde”, declarou, enfatizando que a greve geral do dia 15 de junho pode significar uma virada dessa conjuntura. "É no campo das ruas que vamos derrota-los. E o movimento sindical será fundamental nesse embate, como foi na década de 80", afirmou.

Com a participação de cerca de 200 trabalhadores de todo o país, a 8ª Plenafup prossegue até domingo (26), na Escola Sindical Sete de Outubro, em Belo Horizonte. Acompanhe as atividades e painéis de exposição pelas redes sociais da FUP.

Imprensa da FUP | Fotos: Arthur Varela (Sindipetro-RN)

e285f98f-3fb8-4458-acf3-0fdbe71b0c2f
e237a01b-f678-4cd0-970a-95cfa5e170da
dd1e9c40-a785-4db5-b619-2f5771555564
e74e45d5-755b-41de-9ce4-4d6aa2ced4b6
c6d27caa-a906-4e2b-99c2-2e18174413c8
b0fd86e1-b256-4ce7-bcb7-2175de687980
aba43c4d-107d-4c9b-8879-1f32e418a2af
83012504-1a37-4a3e-992d-9d8dab1cbb5b
250616a5-adbf-41a8-b373-11a9448e40fd
65011f79-02ed-45d9-a00e-fb84f58b8b56
9360f4fd-e57b-427c-b929-359aa4bb87a7
6586cd1b-1c27-4c60-bd77-aea9746fc7d4
7416ea44-05bf-4c63-8b7e-22a489e44a5c
503f0c88-3d92-48e9-b6a8-4e0d0d7e3582
233b3446-48c9-4a2e-994c-501a35698870
42db47ea-6833-47de-a8d7-2d09bf64d70f
37d8267f-4cef-48a9-9fa1-92645200d7b1
24c06edf-ae82-4b70-bbe5-1affe9b7e4bd
8e2c2e07-194c-48c0-9e29-182ed7275adb
4d8d383e-621d-48d6-8ec4-20b147a508e6
2e1f58df-2742-4fa9-95d3-b2156ae1754e
1c330f19-a579-4f4e-a77e-d101c5f80a70

Publicado em VIII Plena FUP

Em reunião nesta quarta-feira, 15, da Comissão de AMS, a FUP criticou a cobrança de R$ 119,5 milhões que a Petrobrás está impondo, unilateralmente, aos trabalhadores para cobertura do déficit causado pelo desequilíbrio na relação de custeio 70 x 30 durante o ano de 2018. A FUP questionou a forma arbitrária como o ajuste está sendo feito, sem discussão prévia na Comissão, em flagrante descumprimento do Acordo Coletivo. O ACT prevê que qualquer readequação de custeio da AMS só pode ocorrer mediante entendimento entre as representações sindicais e a empresa, como determina a cláusula 31, parágrafo primeiro.

O ajuste financeiro foi anunciado pela Petrobrás no início de abril, nove dias após a reunião da Comissão de AMS (realizada em 20/03), sem que a proposta fosse sequer apresentada ou discutida na reunião. O RH admitiu que não tratou essa questão com a FUP na Comissão, alegando que a empresa ainda não tinha os valores do déficit consolidados.

A FUP também questionou o fato da Petrobrás computar na equalização do custeio da AMS valores que deveriam ser de cobertura integral da empresa, como gastos com medicamentos de alto custo e despesas decorrentes de tratamentos de beneficiários vítimas de acidentes e de doenças do trabalho.

As direções sindicais ressaltaram o impacto que esse ajuste terá para os trabalhadores da ativa, aposentados e pensionistas. A FUP cobrou que sejam retirados do custeio da AMS os valores computados indevidamente e que haja um prazo maior para os beneficiários quitarem essa dívida, diluindo os valores em um número maior de parcelas. A proposta será analisada pela empresa.

Resoluções da CGPAR

A FUP, mais uma vez, questionou a Petrobrás sobre os efeitos que as resoluções 22 e 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR) terão sobre o Acordo Coletivo. O RH informou que ainda está discutindo essa questão com a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST) e tornou a afirmar que o entendimento jurídico da empresa é de respeitar o direito adquirido dos aposentados e pensionistas, seguindo norma da Agência Nacional de Saúde (RN 279).

Outro questionamento foi sobre a garantia da AMS para os trabalhadores que aderirem o novo PIDV lançado pela Petrobrás. Os representantes da empresa esclareceram que essa garantia está limitada à legislação vigente. Portanto, se o trabalhador não tiver direito adquirido e a AMS for modificada no Acordo Coletivo, valerá para ele a nova regra.

Pendências

A FUP tornou a cobrar a implantação do Programa Coração Saudável e solução para os problemas de inadimplência dos beneficiários que têm a renda comprometida pelo equacionamento da Petros (PED), por questões judiciais ou problemas administrativos, como a falta de cobrança em folha, em função de compatibilidade dos Sistemas da Petrobrás e da Petros.

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Em 05 de julho de 1983, os petroleiros da Replan (SP) iniciaram uma das mais importantes greves da categoria, que logo em seguida teve a adesão dos trabalhadores da Rlam (BA). Foram sete dias de enfretamento, em um movimento essencialmente político contra a ditadura, cujo estopim foi um decreto do general João Batista Figueiredo, para cortar direitos dos trabalhadores de estatais e reduzir efetivos.

Os militares ocuparam as refinarias, intervieram nos sindicatos, cassaram as direções sindicais e demitiram 358 petroleiros. Dez dias depois, em 21 de julho de 1983, cerca de três milhões de trabalhadores das mais diversas categorias cruzaram os braços na primeira greve geral da ditadura militar. Em agosto do mesmo ano, a CUT foi fundada, tendo como principais eixos de luta o fim da ditadura, a revogação da Lei de Segurança Nacional e a garantia de liberdade e autonomia sindical. 

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Nesta sexta-feira, 22, Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência, os petroleiros das bases da FUP se manifestaram em todo o país contra os ataques do governo Bolsonaro, que quer meter a mão na aposentadoria dos brasileiros, fazendo um ajuste fiscal às custas dos trabalhadores.

Outros ataques contra o povo brasileiro já estão em curso, como a Medida Provisória 873, editada durante o carnaval, cujo objetivo é asfixiar os sindicatos, que são as entidades que podem organizar e mobilizar os trabalhadores contra a retirada de direitos, as privatizações e demais ataques do governo Bolsonaro.

Os petroleiros são uma das categorias mais organizadas do país e, não foi por acaso, que os gestores do Sistema Petrobrás anunciaram a suspensão do desconto em folha das mensalidades sindicais no mesmo dia em que o presidente da empresa afirmou publicamente que a venda da estatal “foi sempre um sonho”.

Nos atos desta sexta-feira, os dirigentes da FUP enfatizaram que a luta contra o fim da Previdência Social está diretamente ligada à resistência aos ataques contra as organizações sindicais e as privatizações. 

> Veja as fotos abaixo

#LutePelaSuaAposentadoria

O que o governo está propondo não é reforma e sim o fim da previdência pública. Bolsonaro quer tirar da Constituição o direito à aposentadoria e a outros benefícios de seguridade social. O trabalhador terá que depositar parte de seu salário em um fundo individual que será administrado por bancos privados. Nem o governo e nem os patrões serão obrigados a contribuir. Os bancos, que já devem fortunas ao INSS, ainda receberão parte do salário dos trabalhadores para administrar o fundo. 

Os aposentados não terão a garantia de reajuste dos benefícios, como hoje é assegurado pela Constituição. E os que esperam se aposentar, terão que contribuir por 40 anos para poder garantir 100% do benefício.

Regime de capitalização levou chilenos ao suicídio

O regime de capitalização que o governo Bolsonaro quer aprovar ao acabar com a Previdência Social já fracassou em vários lugares do mundo. Pelo menos 18 países voltaram atrás e substituíram esse modelo. No Chile, o regime de capitalização, foi implantado em 1981, em plena ditadura militar, e o resultado é uma avalanche de suicídios entre os idosos que não conseguem sobreviver com os benefícios que recebem. Mais de 40% dos aposentados no Chile estão abaixo da linha de pobreza e 80% recebem benefícios de cerca de meio salário mínimo do país, o equivalente a R$ 694,00, que corresponde, em média, a 33% do salário quando estavam na ativa. 

Acompanhe aqui a cobertura da CUT, minuto a minuto, dos atos pelo país

709ce94a-7aa2-4986-9f78-9d9341ddc86e
2a9db6f7-7f28-4926-ab8c-8bede7f989a1
e4682832-7384-464d-98e8-9b7f1d70f1ef
34f4c7ee-cd24-4fb9-9cc3-dc3e2bdc08b9
f7ff30dd-cd6c-41be-8a76-55932206a6f5
c9a8ff4c-f0be-40af-bb25-a8b5cae8d74d
4ce912ac-41cf-4e4d-8386-85af69db8c9f
5588167722657445567814718929892222824873984o
5562887522657227401169868837446255824076800o
5559427322657082567851018945881939391283200o
5548018722657260201166586842916580897062912o
5443439722657021367857137825609320174714880o
533817402265703963452197290390787651272704o
fbda7faf-9001-4dca-8bdc-5b6b5159efdf
8aa272b9-407f-4fe3-a100-933c6aa5666a
0aab9e8d-0a0b-4416-b033-401a0a1ab6bb
b6d5e688-2748-4630-afda-12045889af03
aaae3e76-0cd6-49e6-a9ad-06745a6b0bb4
c5d5837f-7ae3-4055-82d4-bae53494b9e4
aaabca52-0b82-4a79-ab95-75cf881f2807
884a6c5b-7e28-43ef-bca5-f7f58065501b
848a8a71-1d74-42d4-a0b6-7a4ceae1e26d
43aa936a-7ed7-4f9f-8452-fb4722b06b3a
fcd1db3a-c3b7-4ff1-93ca-81e0b166f333
fcd1db3a-c3b7-4ff1-93ca-81e0b166f333-1
3140dc16-7822-4d39-967f-204ddbbf927e
0854f22d-4cbf-48bb-ab58-71ca3c32663f
4b7e3717-5f13-46de-bd05-73012ccc9417
4e18b811-2288-4910-bb2c-0c11026add68
e91950b0-ce7c-4f5a-8291-567a2f9ee69f
e808a409-31f9-43d9-91ca-48af647771fb
dc0d2a97-f94e-43f2-a0ad-8abbc57e01b9
add8de7a-4c39-4db9-a31e-855c698d9c36
88c6d9f9-bd58-4d66-b361-b5151b402690
fb3d48d5-6e5f-4998-9c96-5135d070cff2
907fe37f-eb6e-4359-a194-75fff9b9e98d
473a6db7-07f8-447d-8662-4b3c9d966d82
80ab1680-162c-4666-822b-ced9598629b3
1e214842-47ae-4fed-a243-90b0d5b861bf
fcd1db3a-c3b7-4ff1-93ca-81e0b166f333
e96dabbc-6d06-462c-a8a0-beda6013cd2c
3567e671-c696-4d56-af76-07e9aea2d457
873a028a-3c44-4308-a60c-34067f24aa39
062c4c34-bc0e-408d-81a3-a2d39c8f2713
8a40b03a-0f9c-4f8c-933a-be629a9bac32
2bdfa5b0-f043-4526-abca-7b9b913a6658
2b9bf9bf-11e3-4a9e-98b9-bac387ec3cac
894727cb-f7ce-46ab-9d9e-fa76e1888e03
be19ae45-72f1-431a-a312-f850457c84d2
84582b3f-187e-4b73-99e7-dc89ab996fed
54a0a290-2505-46c0-81bc-c107d99f0bcd
a103797c-0b4c-4da8-aa80-c974fcb3afec
f406bc21-4ddf-4b7f-acdf-9eafc5eb562a
6b743f30-ce03-4a07-89f6-04d6c83e39d1
1c9c8e016dccf7933176a62faab3df3f

Publicado em Movimentos Sociais

Na sexta-feira, 22 de março, Dia de Luta em Defesa da Previdência, os petroleiros da Bahia realizaram mobilizações na unidade de Taquipe, na FAFEN e no EDIBA.

Em Taquipe, o ato teve duração de três horas de duração e contou com a participação de trabalhadores diretos, e terceirizados em apoio à luta contra a reforma da Previdência, contra a privatização do Sistema Petrobrás, contra o fechamento da FAFEN e em defesa dos direitos e empregos.

Em Salvador, os petroleiros também participaram de outro ato, na Rótula do Abacaxi, em conjunto com diversas categorias, mostrando força e unidade, empunhando bandeiras e com gritos de luta contra a aprovação desse projeto de reforma da Previdência, que tornará inalcançável a aposentadoria e irá reduzir os benefícios.

Revolta e solidariedade

Nessas mobilizações foi consenso entre a categoria petroleira a insatisfação com o atual governo e a certeza de que os sindicatos devem ser fortalecidos para que possam enfrentar os ataques desse governo de extrema direita. Os petroleiros e petroleiras criticaram a Medida Provisória 873, que tem o claro objetivo de estrangular economicamente os sindicatos impedindo-os de fazer a luta contra a reforma da Previdência, contra a privatização da Petrobrás e pela garantia dos direitos dos trabalhadores.

Muitos petroleiros, associados ou não, procuraram os diretores do Sindipetro para poderem contribuir e fortalecer a entidade sindical. Segue abaixo os dados da conta para quem também quer contribuir.

 
Caixa Econômica Federal
Sindicato dos Petroleiros do Estado da Bahia
CNPJ – 15.532.855/0001-30
Agência – 0064
Op – 013
Conta Poupança – 00051133-2


[Via Sindipetro Bahia]

Publicado em SINDIPETRO-BA

Desde as primeiras horas da manhã desta sexta-feira, 22 de março, Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, os trabalhadores e trabalhadoras ocuparam as ruas do país contra a proposta de reforma da Previdência do governo de Jair Bolsonaro (PSL), que restringe o acesso à aposentadoria e reduz o valor do benefício, prejudicando milhões de pessoas, especialmente os que começam a trabalhar mais cedo, e os idosos que vivem em situação de miserabilidade.

É o esquenta para a greve geral que a CUT e demais centrais vão organizar se o governo insistir em manter a tramitação da proposta que acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição, impõe a obrigatoriedade de idade mínima de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres terem direito ao benefício.

A FUP e seu sindicatos estarão inseridos nas mobilizações e pela manhã realizaram atos e assembleias nas unidades do Sistema Petrobrás, alertando os trabalhadores para as perdas de direitos, privatizações e ataques do governo Bolsonaro às organizações sindicais.

Os metalúrgicos e metalúrgicas da Ford e da Mercedes-Benz realizaram assembleias, às 6h30, e aprovaram a participação na greve geral, que pode ser convocada pela CUT e demais centrais sindicais a qualquer momento para barrar a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 006/2019) da reforma da Previdência do governo. Em seguida, seguiram em passeata pelas ruas de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Panfletagens, assembleias no local de trabalho, diálogo com a população e atos ocorreram em diversas cidades do país, como em Fortaleza, onde se reuniram mais de 30 mil pessoas, e em Campo Grande, onde 10 mil pessoas protestaram contra a reforma e em defesa do direito à aposentadoria do povo trabalhador.

Os ônibus da capital paulista, de Salvador, de Natal e de Guarulhos não circularam por algumas horas na manhã desta sexta (22) porque os motoristas e cobradores decidiram mostrar que são contra a reforma da Previdência de Bolsonaro.

Já os trabalhadores e trabalhadoras dos ônibus que circulam na Região Metropolitana de Recife vão parar as atividades às 15h para se unir as demais categorias profissionais – metalúrgicos, bancários, professores, metroviários, servidores públicos federais, municipais e estaduais, entre outras – no ato em defesa da aposentadoria, na Praça do Derby, no centro da capital pernambucana.

A mobilização também ocorreu nas redes sociais, o que ajudou a fortalecer ainda mais a luta dos trabalhadores e trabalhadoras nas ruas. Minutos após ser postada, a hashtag #LutePelaSuaAposentadoria, criada pelos organizadores do Dia Nacional em Defesa da Previdência, já estava em primeiro lugar no trending topics do Twitter no Brasil, onde permanece há mais de duas horas.

E as mobilizações não acabaram. Ao longo de todo o dia ocorrerão atos em diversos locais. Mais de 126 cidades confirmaram ações neste dia 22 de março.

Acompanhe aqui a cobertura da CUT, minuto a minuto, e participe!

[Via CUT]

Publicado em Movimentos Sociais

Sindicatos e movimentos sociais realizam hoje, em todo o País, centenas de atos e outras formas de mobilização nas maiores cidades para chamar a atenção da população para os ataques às aposentadorias e pensões. No Norte Fluminense, o Sindipetro-NF chama a categoria a participar de atos em Campos dos Goytacazes, Macaé e Rio das Ostras.

Em Macaé, o protesto será às 10h, na Praça Veríssimo de Melo — com concentração em um café da manhã coletivo e diálogo com a população, seguido de passeata até a sede do INSS no município. Em Campos dos Goytacazes, haverá atos em dois horários: às 10h e às 16h, no Calçadão. E em Rio das Ostras, a manifestação será às 15h30, na Praça José Pereira Câmara.

No Rio de Janeiro diversas categorias irão se mobilizar, cada uma a sua maneira, desde as primeiras horas do dia para debater a pauta diretamente em suas bases e com a população em geral. Acontecerá um ato unificado no fim da tarde que caminhará da Igreja da Candelária até a Cinelândia, tendo início às 16 horas e previsão de término às 22h.

Os protestos desta sexta-feira fazem parte de um grande esforço para contrapor a propaganda do governo e da grande mídia de que a “reforma” da Previdência é necessária para o País. Confira abaixo alguns dos ataques embutidos na proposta enviada pelo governo Bolsonaro ao Congresso Nacional. Materiais de campanha e mais informações estão disponíveis no site reajaagora.org.br.

Os ataques

1 Exclui ou retarda o acesso à aposentadoria e demais direitos previdenciários.

2 Reduz o valor dos benefícios.

3 Transfere progressivamente parte ou todo o fundo público para o sistema financeiro privado e ampliar a desoneração do setor empresarial.

4 Prejudica principalmente os mais precarizados no mercado.

5 Ignora o enorme contingente de trabalhadores informais que hoje estão excluídos da previdência.

6 Aumenta as restrições de acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC).

7 Revê o pacto construído na sociedade na Constituição Federal de 88 (de universalidade, solidariedade, capacidade contributiva, financiamento tripartite (empregadores+ trabalhadores+ Estado), diversidade na base de financiamentos e consideração de desigualdades).

[Via Sindipetro-NF]

Publicado em SINDIPETRO-NF
Página 8 de 9

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram