[[Atualizado às 20h30]

Nesta segunda-feira, 03, a greve dos petroleiros avançou para 13 estados do país e mais de 20 unidades do Sistema Petrobrás nas bases da FUP.

Nas refinarias Henrique Lages (Revap) e Presidente Bernardes (RPBC), no estado de São Paulo, os trabalhadores também estão mobilizados, realizando cortes na rendição do turno. 

Novas adesões devem ocorrer ao longo da semana, fazendo avançar a greve por tempo indeterminado, que entou hoje no terceiro dia.

Pela manhã, ocorreram atos e acampamentos em diversas unidades da Petrobrás por todo o país e também na sede administrativa da empresa, no Rio de Janeiro, onde a Comissão de Negociação Permanente da FUP segue há mais de 72 horas, cobrando interlocução com a gestão da empresa para suspender as demissões na Fafen-PR e outras medidas unilaterais que descumprem o Acordo Coletivo de Trabalho.     

Acompanhe a greve dos petroleiros pelas redes sociais da FUP:

Twitter (@FUP_Brasil)

Facebook (@fupetroleiros)

Instagram (@fupbrasil)

Divulguem as hastags:

#GreveDosPetroleiros

#PetrobrasÉdoBrasil

#FafenResiste

Quadro nacional nesta segunda – 03/02

Amazonas

Refinaria de Manaus (Reman) - sem rendição no turno desde às 23h30 de 31/01 

Ceará

Terminal da Transpetro em Mucuripe - adesão parcial dos trabalhadores nesta segunda (03)

Temelétrica TermoCeará - sem rendição no turno desde às 15h de 02/02

Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor) – sem rendição no turno desde às 23h de 31/01

Rio Grande do Norte

Polo de Guamaré - trabalhadores aprovaram indicativo de suspensão de PT's a partir das 00:00h desta terça, 04/02

Base 34 - trabalhadores em estado de greve

Paraíba

Terminal de Cabedelo - trabalhadores aderiram às mobilizações, com atrasos nesta segunda, 03/02

Pernambuco

Refinaria Abreu e Lima (Rnest) – sem rendição no turno desde a zero hora de 01/02 com 100% de adesão dos trabalhadores

Terminal Aquaviário de Suape - sem rendição no turno desde a zero hora de 01/02 com 100% de adesão dos trabalhadores

Bahia

Refinaria Landulpho Alves (Rlam) - sem rendição no turno desde às 23h de 31/01

Terminal Madre de Deus – sem rendição no turno desde as 07h de 01/02

Nos campos de produção, estão sendo realizados piquetes permanentes até às 15h, com adesão dos trabalhadores próprios e terceirizados

Espírito Santo

Base 61, polo de produção terrestre em São Mateus - 100% de participação dos trabalhadores terceirizados e próprios

Minas Gerais

Termelétrica de Ibirité (UTE-Ibirité) – sem rendição no turno desde a zero hora de 01/02

Refinaria Gabriel Passos (Regap) - sem rendição no turno desde às 23h30 de 31/01

Rio de Janeiro

Refinaria Duque de Caxias (Reduc) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

Norte Fluminense

Na noite desta segunda (03/02), os trabalhadores do Terminal de Cabiúnas, em Macaé, e das plataformas da Bacia de Campos, começam a seguir a orientação do sindicato de entregar a operação das unidades para as equipes de contingência da Petrobrás.

Pela manhã, foram realizados atrasos de 2 horas em todas as bases de terra. Desde sábado, mais de 15 plataformas já vinham realizando levantamentos de pendências de segurança, efetivo e se houve embarque de equipes de contingência a bordo.

São Paulo

Terminal de Barueri – adesão dos trabalhadores na manhã do dia 03/02

Refinaria de Paulínia (Replan) - sem rendição no turno desde às 23h30 de 31/01

Refinaria de Capuava, em Mauá (Recap) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos (Revap) – cortes alternados nos turnos

Presidente Bernardes, em Cubatão (RPBC) – cortes alternados nos turnos

Paraná

Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

Fábrica de Xisto (SIX) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FafenPR/Ansa) – sem trabalhadores da operação e da manutenção no interior da unidade. Acampamento na porta da fábrica prossegue desde o dia 21/01

Terminal de Paranaguá (Tepar) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

Santa Catarina

Terminal de Guaramirim (Temirim) - trabalhadores aderiram à greve nesta segunda (03/02)

Terminal de São Francisco do Sul (Tefran) -  trabalhadores aderiram à greve nesta segunda (03/02)

Base administrativa de Joinville (Ediville) -  trabalhadores aderiram à greve nesta segunda (03/02)

Rio Grande do Sul

Terminal de Niterói (Tenit) – adesão à greve na manhã de 03/02

Refinaria Alberto Pasqualini (Refap) – sem rendição no turno desde as 07h de 01/02

8504528729140999952792544057300981413576704o
8495031529140998652792676596996116556808192o
8430089329141001419459062449747052402311168o
8391029929141002852792258111556873963962368o
8371569329141002019459005730710825090416640o
8353358729141003352792205015338783051087872o
8349817429141000752792465040870001393795072o
8348668129140999252792616420428164182310912o
f0b4dc81-990b-4948-b5a6-4b9f3cbc78f3
c60f9f22-35f9-4e3f-a9b8-18cbc3a78312
b06d370b-a199-4044-888a-cc4ca9d764e1
7392df0e-07da-461f-aac2-f785624aefd6-1
1083e4db-f716-4ba6-900c-cb955e8cbb31
0838aca8-4d92-4684-b7fa-6f4e4b16d8c0
98f42c68-88f9-479a-bdc2-7eed6913cfa3
34bb3672-55ec-4baf-903b-342a0348b578
1dfaa7f8-1e5c-4b82-b12c-42e78a4dfed7
fa735dc2-35b6-4411-b8dd-63136961a0aa
756259a8-0e2f-4efb-89ca-dbc90256374a
419efdc9-22e5-4545-9b5e-a1091d297d56
3b6d9f4a-276e-483e-b4fa-3bcc4f3350f4
GERAL-REFAP
d9799feb-8d61-45ee-bb7b-fd84f0b3a349
d0fccf09-c676-4ecf-92c5-7ab244b0219e
ce9aead7-5272-4771-9b81-e5d11c809e08
b76722fa-07ee-4c0b-b1ba-3cf80ec43a6c
7bb848ca-bdf0-4d97-974c-771a86c8d498
f38ca284-7580-4dd9-aa28-d435ef986108
e351a8c8-ec31-4525-b4c4-a9f9f159307c
e5a6c161-775c-4997-bbc3-a292ce5f2223
da100825-d969-4d34-ad14-655f6e82e626
b1eb3715-bb69-494b-b98c-47d5f26b5780
83701298-e2d3-45c1-a9ab-f57de0906550
5955eb53-44c0-4281-9686-c8bba5631545
3422fafa-c431-4130-8a4d-79805b3b4c25
1804f634-e902-41ec-bafc-10e753b43db1
817cb6c0-a560-4c96-9e3d-efb26983d1c5
84b33973-3811-4750-9b00-e5b1cb3b2a99
80c7075a-92fc-4150-be20-c79ef36a5b3a
7f5114e9-6067-41bb-90da-4a01fc12e9ce
2ad7442f-ff39-4fcf-8ced-d8147d9f8114
3fc5f6f4-960c-466d-afd1-b6cd8870c623
repar-geral
repar
pranagu
reaparrr
paranagua
fdb4d36b-ee3c-4091-8f32-5f68ebed7c38
fb35e964-7d46-4561-9e55-711503c985b6
e6ac75e3-bc87-40ab-a540-a2388e2f3493
db52734a-61a4-4212-aa55-f8fc59183872
d9912ccc-1ab6-4543-9019-17b4560a6df2
c7320ede-3f7b-49a7-83cb-c57c62b6d576
altorepar
92980892-1481-4bfb-b5e7-cad81d3e6ab8
692d53b3-11c7-4163-b46f-e17d0e11e6a9
114bbf06-9797-48db-82fc-fc1dc4c16ad3
68b7a868-7c74-4585-a62e-4734f9036cac
53bcdc1d-85b8-47d9-a16b-097dca106e73
36b215d3-41d3-46ad-8f99-4019d222a2de
5cf5394e-3b87-40a2-b6c6-72ad48b96678
05dbbcd6-30ed-474c-996d-7a3cd3947691
geral-NF
e34f5928-8060-4492-aa86-568f252e5e45
b48216a8-c061-4f2c-9885-059c18188b26
abb5e0a7-408f-4e13-b4ea-a26ac6fe3c0a
abb5e0a7-408f-4e13-b4ea-a26ac6fe3c0a-1
5171fda6-23e0-4ac0-ae32-ea4f42256763
9dc9ffea-1206-4f12-b1e4-e6882bff3978
9d1df7ec-4cb4-4c51-a954-3ff6307e65d2
geralzonaminas
geralminas
f9ccf147-6e7b-465c-997d-1daeb5751f3d
df6e6b62-2d2b-48b0-b745-c284b7e91b6c
d6383300-d514-41b9-934a-2bc4adc666d1
d2ed2344-faf3-44b1-a923-b3ff529f5c90
bca84efd-da37-4645-b216-19852568a4f7
b72910e6-d9a9-415e-b83d-3bfc720bc7d6
b3ef4d5e-155f-4bfe-8a58-d3d0720a9a1b
81d89910-a372-4131-8b3d-185dca1780f1
65f02698-6b72-4476-9500-f48b8fe39dd1
64ebcd8a-2cd7-41ea-a9c1-ce5a82188716
41da0386-563d-4650-b589-0a2852c8abe7
9f9ee647-c48a-495d-8cf3-eac7641d2f57
6c849bf6-111e-485d-af9d-30758ce7c2df
5c899c80-1ac7-47b1-ac25-5d3c32e38d1a
e4652260-bafb-4c36-b1dc-eca56a597ffe
d2933bba-e03a-4164-9254-401c16307602
base-61
b09b4662-6f5f-405a-997a-dc29c6713fcf
664690fa-9b9b-45c1-9504-8a3a8dabbc6f
634cd423-51f3-45f2-99bb-6edffabf0bba
0552daae-97fd-4da4-8bfa-744344edfd9f
266b3427-3f12-4775-af39-92b996df0366
2b548745-816d-48b5-9c4f-e5f084a2567f
geral-reman
f465cb60-7f11-4b20-b8b1-3314640fd709
37138cc8-14bb-4d03-8379-45b152fdfd45
2f6637f6-48c0-48f7-9667-6d8aaa10a64e
65ab16fb-31c6-42e8-842f-9c5a96f06b8b
reduc-aprova-continuargreve
geral-greve-reduc
geral
fb3e481e-8e16-4f0e-a63d-e16545243612
e500b38f-a20d-46e4-8b54-d06f0b54e5bf
a11d45bb-dc92-40e3-b466-bdabc6a8b24f
a9eb6fe5-b2a5-422d-b394-46a081bdd391
45318326-4527-43a3-bc69-477ff5090dfa
789987ba-9bac-4a2f-9b89-5690ae56f123
15afd7d5-bc91-43a3-a2ba-d05b2ad1d107
5fac6c74-3593-42f2-a481-d8f53631749c

Publicado em Sistema Petrobrás

Não bastasse deixar os petroleiros sem ventilação na sala de reunião 01 do quarto andar do Edise, a gestão da Petrobrás mpediu a entrega de alimento e água mineral para a Comissão de Negociação Permanente da FUP, que está instalada desde sexta, na sede da empresa, no Rio, no andar da Gerência de Recursos Humanos.

Vídeo divulgado neste domingo (02/02) mostra segurança da empresa impedindo que água e alimentos sejam entregues aos petroleiros que estão na sede da Petrobrás há mais de 48 horas. 

Em duas decisões consecutivas no sábado (01/02), a Justiça do Trabalho do Rio de janeiro negou liminar à Petrobrás, que pretendia expulsar a Comissão do prédio. A juíza Rosane Ribeiro Catrib autorizou a permanência dos petroleiros, enfatizando a legitimidade da Comissão de Negociação. A gestão da Petrobrás, no entanto, continuou apostando no confronto e desligou a energia elétrica e o fornecimento de água no andar onde estão os dirigentes da FUP.

A juíza expediu nova liminar, determinando o restabelecimento da luz e água, sob pena de multa de R$ 100 mil por hora de descumprimento. A gestão da empresa atendeu, parcialmente, a determinação, religando a luz e a água, mas ainda mantém o ar condicionado da sala desligado. A sala onde estão os petroleiros continua sem qualquer tipo de ventilação, apesar do calor escaldante do Rio de Janeiro.

A Comissão de Negociação Permanente da FUP não recuará e continuará na sede da Petrobrás até que a gestão da empresa apresente uma solução que evite a  demissão em massa dos trabalhadores da Fafen-PR e estabeleça negociações que de fato atendam ao que foi pactuado no Acordo Coletivo de Trabalho, em novembro do ano passado.

A greve dos petroleiros segue forte em todo o país, nas unidades operacionais, e ganhará reforço nesta segunda, com a adesão dos trabalhadores do horário administrativo.

Diversos atos estão previstos para o início da manhã nas bases do Sistema Petrobras e em frente à sede da empresa, no Rio de Janeiro, em solidariedade à luta dos petroleiros.

#GreveDosPetroleiros

#PetrobrasÉdoBrasil

#FafenResiste

#NaoAoDesmonte

#EstataisResistem

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

[Atualização às 16:15]

O segundo dia da greve nacional dos petroleiros segue forte neste domingo (02/020 nas unidades operacionais do Sistema Petrobrás e se ampliará na segunda, com a adesão dos trabalhadores do horário administrativo.

Diversos atos estão previstos para o início da manhã nas bases da FUP e em frente à sede da Petrobrás, no Rio de Janeiro, onde a Comissão Nacional de Negociação Permanente da FUP está instalada desde sexta-feira (31/01), ocupando a sala de reunião 01 do quarto andar do prédio, onde funciona a Gerência de Recursos Humanos.

Até o momento já são 17 as unidades operacionais da Petrobrás que estão sem rendição nos turnos. No Ceará e no Norte Fluminense, os trabalhadores das áreas de Exploração e Produção estão realizando operações padrões. Na Bahia, os trabalhadores do setor privado que atuam nos campos de produção terrestre da Petrobrás também estão mobilizados contra as demissões.

Na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen), petroquímicos e petroleiros seguem acampados com suas famílais em frente à unidade há 13 dias, na tentativa de impedir o seu fechamento e as mil demissões anunciadas pela gestão da Petrobrás para ter início no próximo dia 14. Após vazamento de amônia, os trabalhadores da operação e manutenção que estavam dentro da fábrica, sem rendição no turno, deixaram a unidade, após o Ministério Público do Trabalho constatar a insegurança da planta.

“Na Revap (Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos) e na RPBC (Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão), os petroleiros, mesmo sem indicativo imediato de greve dos sindicato locais, também estão se mobilizando, em solidariedade aos trabalhadores da Fafen-PR e contra o desrespeito aos Fóruns de Negociação do ACT, fazendo atrasos no turno e cortes de rendição, até que os sindicatos façam assembleias para aprovar e realizar a greve junto com as bases da FUP”, informa o diretor da FUP, Deyvid Bacelar. “Conclamamos também a categoria nas bases dos Sindipetros RJ, PA/MA/AP e SE/AL para estarem conosco, nessa greve nacional”, completa.

A greve dos petroleiros é pela suspensão das demissões na Fafen-PR e pelo estabelecimento de um processo de negociação com a Petrobras, que cumpra de fato o que prevê o Acordo Coletivo de Trabalho, com suspensão imediata das medidas unilaterais tomadas pela gestão e que estão afetando a vida de milhares de trabalhadores.

 

Quadro nacional da #GreveDosPetroleiros neste domingo – 02/02

 

Amazonas

Refinaria de Manaus (Reman) - sem rendição no turno desde às 23h30 de 31/01

 

Ceará

Usina Temelétrica, em Caucaia (TermoCeará) - sem rendição no turno desde às 15h de 02/02

Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor) – sem rendição no turno desde às 23h de 31/01

5 plataformas marítimas somente com liberação de serviços necessários para a segurança e habitabilidade.

 

Pernambuco

Refinaria Abreu e Lima (Rnest) – sem rendição no turno desde a zero hora de 01/02

Terminal Aquaviário de Suape - sem rendição no turno desde a zero hora de 01/02

 

Bahia

Refinaria Landulpho Alves (Rlam) - sem rendição no turno desde às 23h de 31/01

Terminal Madre de Deus – sem rendição no turno desde as 07h de 01/02

Nos campos de produção terrestre, estão sendo realizados piquetes permanentes, com adesão dos trabalhadores próprios e terceirizados

 

Minas Gerais

Termoelétrica de Ibirité (UTE-Ibirité) – sem rendição no turno desde a zero hora de 01/02

Refinaria Gabriel Passos (Regap) - sem rendição no turno desde às 23h30 de 31/01

 

Rio de Janeiro

Refinaria Duque de Caxias (Reduc) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

Terminal de Campos Elíseos (Tecam) 

Usina Termoelétrica Governador Leonel Brizola (UTE-GLB)

Norte Fluminense - 17 plataformas seguindo a orientação do Sindicato de realizar levantamento de pendências de segurança, efetivo e se houve embarque de equipes de contingência a bordo

 

São Paulo

Refinaria de Paulínia (Replan) - sem rendição no turno desde às 23h30 de 31/01

Refinaria de Capuava, em Mauá (Recap) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

 

Paraná

Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

Fábrica de Xisto (SIX) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FafenPR/Ansa) – sem trabalhadores da operação e da manutenção no interior da unidade. Acampamento na porta da fábrica prossegue desde o dia 21/01

Terminal de Paranaguá (Tepar) - sem rendição no turno desde a zero hora 01/02

 

Rio Grande do Sul

Refinaria Alberto Pasqualini (Refap) – sem rendição no turno desde as 07h de 01/02

 

[FUP]

geral-pe
dd3ae70b-1e62-4932-9b3b-54705869eb5d
818d5c85-472e-431b-98c8-e4945d93b3bd
174ce20e-b745-4a30-96aa-af8281647048
edise
2938894f-cb0b-4910-b994-bf5e58bc5d91
64c43255-3de9-4f36-8a4f-d22cdd7f3467
481047ca-a424-490b-bf89-c0e1af6b7218
d9789387-f9dc-46e5-984c-b9216901cf32
4916031b-1aa2-42f5-930f-fdb8765de66a
f10bb01a-8168-4b92-afdd-c50e7df85133
f8fe153d-19a6-4f16-ad57-0ce1e472f9a0
ebbaaad1-d09b-4b27-811a-3b39ab35ddf2
ddde3105-802e-4aa3-80fa-8aef1ee24271
c84b23d0-4e88-4c7b-998f-2cb8bce63188
49531612-2183-46ed-8e2c-b29939a4c1e4
67517bd0-8312-4f7b-ad00-0a32af344612
385fec9b-6e95-4973-944a-eec6610af678
0c8c429b-cbac-4542-a50d-957cf7166c34
replan-geral
replan6
replan5
reduc
pernambuco

Publicado em Sistema Petrobrás

Os 13 sindicatos filiados à FUP deliberaram por encaminhar todas as denúncias relativas ao descumprimento do direito de greve, bem como as reivindicações relacionadas ao movimento, para a Comissão Nacional de Negociação Permanente que está instalada desde sexta-feira (31/01) na sala de reunião 01 do quarto andar do edifício sede da Petrobras (Edise), onde funciona a Gerência de Recursos Humanos.

Em duas decisões consecutivas no sábado (01/02), a Justiça do Trabalho do Rio de janeiro negou liminar à Petrobrás, que pretendia expulsar a Comissão do prédio. A juíza Rosane Ribeiro Catrib autorizou a permanência dos petroleiros, enfatizando a legitimidade da Comissão de Negociação. A gestão da Petrobrás, no entanto, continuou apostando no confronto e desligou a energia elétrica e o fornecimento de água no andar onde estão os dirigentes da FUP.

A juíza expediu nova liminar, determinando o restabelecimento da luz e água, sob pena de multa de R$ 100 mil por hora de descumprimento. A gestão da empresa atendeu, parcialmente, a determinação, religando a luz e a água, mas ainda mantém o ar condicionado da sala desligado. A sala onde estão os petroleiros continua sem qualquer tipo de ventilação, apesar do calor escaldante do Rio de Janeiro.

A Comissão de Negociação Permanente da FUP não recuará e continuará na sede da Petrobrás até que a gestão da empresa apresente uma solução que evite a  demissão em massa dos trabalhadores da Fafen-PR e estabeleça negociações que de fato atendam ao que foi pactuado no Acordo Coletivo de Trabalho, em novembro do ano passado.

A greve dos petroleiros segue forte em todo o país, nas unidades operacionais, e ganhará reforço nesta segunda, com a adesão dos trabalhadores do horário administrativo.

Diversos atos estão previstos para o início da manhã nas bases do Sistema Petrobras e em frente à sede da empresa, no Rio de Janeiro, em solidariedade à luta dos petroleiros. 

#GreveDosPetroleiros

#PetrobrasÉdoBrasil

#FafenResiste

#NaoAoDesmonte

#EstataisResistem

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Os petroleiros iniciaram na madrugada deste sábado greve por tempo indeterminado no Sistema Petrobrás. A mobilização começou forte em nove estados do país.

A categoria cobra a suspensão das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen), que afetarão mais de mil famílias. Os petroleiros também querem o estabelecimento imediato de um processo de negociação com a empresa, que cumpra de fato o que prevê o Acordo Coletivo de Trabalho, com suspensão imediata das medidas unilaterais tomadas pela gestão e que estão afetando a vida de milhares de trabalhadores.

Entre as 23h de sexta (31/01) e a zero hora de sábado (01/02), não houve rendição nos turnos de 11 unidades de refino e produção de derivados de petróleo da Petrobrás, nem em três terminais da Transpetro. Veja quadro abaixo.

Pela manhã, os trabalhadores do Rio Grande do Sul, do Espírito Santo e do Norte Fluminense se somam à greve.  

Direção da FUP ocupa Edise para buscar interlocução com a Petrobrás

Uma comissão de negociação da FUP, formada por cinco dirigentes da entidade, está desde às 15h de sexta-feira (31/01), ocupando a sala de reuniões do quarto andar do edifício sede da Petrobrás, na Avenida Chile, no Rio de Janeiro (Edise).  O objetivo é  pressionar a gestão a negociar com a entidade alternativas que evitem as demissões na Fafen-PR e faça a empresa a abrir um canal de negociação que de fato resolva as pendências do ACT.

Gestão da Fafen-PR provoca acidente

Por volta das 22h45 de sexta (31/01), a sirene da Fafen-PR foi acionada, em função de um vazamento de amônia, que aumenta a insegurança dos trabalhadores e pode atingir a comunidade de Araucária. O acidente foi provocado pela decisão irresponsável da gestão de parar a caldeira que mantém a fábrica operando e, assim, acelerar a paralisação da unidade, à revelia dos alertas dos trabalhadores, que vêm ocupando há 12 dias a Fafen-PR para evitar o seu fechamento e as demissões que atingirão mil famílias. 

Onde os petroleiros já começaram a greve?

Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco (Rnest)

Terminal Aquaviário de Suape, em Pernambuco

Fábrica de Lubrificantes do Nordeste, no Ceará (Lubnor)

Refinaria Duque de Caxias, no Rio de Janeiro (Reduc)

Refinaria Presidente Getúlio Vargas, no Paraná (Repar)

Fábrica de Xisto, no Paraná  (SIX)

Terminal de Paranaguá, no Paraná (Tepar)

Terminal de São Francisco do Sul, em Santa Catarina (Tefran)

Refinaria de Paulínia, em São Paulo (Replan)

Refinaria de Capuava, em Mauá/São Paulo (Recap)

Refinaria Landulpho Alves, na Bahia (Rlam)

Refinaria de Manaus, no Amazonas (Reman)

Refinaria Gabriel Passos, em Minas Gerais (Regap)

Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados, no Paraná (FafenPR/Ansa)

O que querem os petroleiros?

> Suspensão da demissão em massa dos trabalhadores da Fafen-PR, prevista para ter início no dia 14 fevereiro;

> Suspensão das medidas unilaterais que contrariam o ACT e os fóruns de negociação:

# Implantação unilateral das tabelas de turno de 3x2, em ciclos de 5 dias

# Posicionamentos equivocados de cartões de ponto para apuração da hora extra da troca de turno

# Fim do interstício total e exigência dos trabalhadores chegarem na madrugada,

# Transferências de trabalhadores sem negociação com os sindicatos

# Ataques à AMS e à PLR, com imposições de decisões à revelia do ACT e da legislação

 > Estabelecimento imediato de um processo negocial sobre todos estes pontos, com duração mínima de 30 dias;

> Que não haja condicionamento de renúncia de direitos ao avanço das tratativas

A pauta de reinvindicações foi apresentada à Gerência de Gestão de Pessoas da Petrobrás em reunião na sexta (31/01).

Abastecimento garantido

Mesmo com a greve, os petroleiros garantem que vão manter o abastecimento de combustíveis, para não prejudicar a população. A categoria vai aproveitar o movimento e dar continuidade à campanha “Privatização da Petrobrás: isso é da sua conta”, iniciada em novembro de 2019, para alertar a sociedade sobre os prejuízos que a população vem amargando com o desmonte da empresa. A política de reajustes de combustíveis mantida pela atual gestão pesa no bolso dos consumidores, assim como o fechamento das fábricas de fertilizantes e a venda de refinarias, terminais, oleodutos, campos de petróleo, usinas de biodiesel e de diversos outros ativos do Sistema Petrobrás. 

#GreveDosPetroleiros

#DigaNãoàPrivatização

#PetrobrasÉdoBrasil

#PetroleirosLutam

#FafenResiste

#NaoAoDesmonte

[FUP]

geral-pe
dd3ae70b-1e62-4932-9b3b-54705869eb5d
818d5c85-472e-431b-98c8-e4945d93b3bd
174ce20e-b745-4a30-96aa-af8281647048
edise
2938894f-cb0b-4910-b994-bf5e58bc5d91
64c43255-3de9-4f36-8a4f-d22cdd7f3467
481047ca-a424-490b-bf89-c0e1af6b7218
d9789387-f9dc-46e5-984c-b9216901cf32
4916031b-1aa2-42f5-930f-fdb8765de66a
f10bb01a-8168-4b92-afdd-c50e7df85133
f8fe153d-19a6-4f16-ad57-0ce1e472f9a0
ebbaaad1-d09b-4b27-811a-3b39ab35ddf2
ddde3105-802e-4aa3-80fa-8aef1ee24271
c84b23d0-4e88-4c7b-998f-2cb8bce63188
49531612-2183-46ed-8e2c-b29939a4c1e4
67517bd0-8312-4f7b-ad00-0a32af344612
385fec9b-6e95-4973-944a-eec6610af678
0c8c429b-cbac-4542-a50d-957cf7166c34
replan-geral
replan6
replan5
reduc
pernambuco

Publicado em Sistema Petrobrás

Dirigentes da FUP estão ocupando desde às 15h desta sexta-feira (31) a sede da Petrobrás, na Avenida Chile, no Rio de Janeiro.  

O objetivo é pressionar a gestão da empresa a negociar com a entidade alternativas que evitem as demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná.

Os petroleiros também cobram negociação das pendências do Acordo Coletivo, com suspensão imediata das medidas unilaterais que estão afetando a vida de milhares de trabalhadores.

A ocupação foi anunciada pela FUP ao final da reunião desta sexta com a gestão da Petrobrás, onde os petroleiros ponderaram sobre a importância da empresa atender à pauta de reivindicações aprovada pela categoria nas assembleias que deliberaram sobre a greve que começa neste sábado em todo o país.  

O gerente de Relações com Sistema, Governo e Entidades Externas,  Fabricio Pereira Gomes, saiu da sala de reuniões, se comprometendo a levar o pleito da categoria para a Diretoria Executiva da Petrobrás e responder às representações sindicais o quanto antes.

A ocupação pacífica ocorre no quarto andar do prédio, onde está localizada a Gerência de Gestão de Pessoas.  “Ficaremos aqui por quanto tempo for necessário para que a direção da Petrobrás se sensibilize sobre a urgência de suspender as demissões na Fafen-PR, que afetam a vida de mais de mil famílias. Nosso objetivo é abrir um canal imediato de negociação com a empresa e estaremos aqui , dia e noite, dispostos a negociar”, afirma o diretor da FUP, Deyvid Bacelar, um dos petroleiros que estão na ocupação.

A partir da meia noite, os petroleiros das unidades operacionais do Sistema Petrobras iniciam a greve nacional da categoria, unificando a luta em defesa dos empregos, do Acordo Coletivo de Trabalho e da Petrobrás.

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Dirigentes da FUP estiveram reunidos na tarde desta sexta-feira, 31, com a gestão da Petrobrás, cobrando a suspensão das demissões dos trabalhadores da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná, empresa 100% Petrobrás. A Federação também quer o estabelecimento imediato de um processo de negociação que cumpra de fato o que prevê o Acordo Coletivo de Trabalho em relação a questões como regimes de turno, jornadas de trabalho, Assistência Médica de Saúde (AMS), bem como o cumprimento das novas regras para o pagamento da PLR.

Todos estes pontos foram aprovados pelos petroleiros nas assembleias que deliberaram sobre a greve por tempo indeterminado, a partir deste sábado, caso a Petrobrás não atenda às reivindicações.

No documento apresentado à empresa, a FUP e seus sindicatos ressaltam que, ao contrário do que tem afirmado a gestão, “há precedentes de absorção de pessoal de subsidiárias pela controladora e a situação em concreto em nada se confundiria com "burla" ao crivo constitucional do concurso público” e que  “a versão dos fatos narrados pela Petrobras em seus comunicados distorce a verdade”.

A FUP afirma, ainda, no documento que as medidas tomadas de forma unilateral pela gestão da Petrobrás ferem o Acordo Coletivo e demonstram “a verdadeira intenção patronal em realizar mudanças de forma unilateral para pressionar as entidades sindicais a renunciar direito da categoria, uma estratégia de diminuição de passivo trabalhista e tributário para facilitar a venda e privatização da empresa, o que definitivamente encontrará óbice nas Entidades Sindicais”.

O que querem os petroleiros e petroleiras:

> Suspensão da demissão em massa dos trabalhadores da Fafen-PR, prevista para ter início no dia 14 fevereiro;

> Suspensão das medidas unilaterais que contrariam o ACT e os fóruns de negociação:

# Implantação unilateral das tabelas de turno de 3x2, em ciclos de 5 dias

# Posicionamentos equivocados de cartões de ponto para apuração da hora extra da troca de turno

# Fim do interstício total e exigência dos trabalhadores chegarem na madrugada,

# Transferências de trabalhadores sem negociação com os sindicatos

# Ataques à AMS e à PLR, com imposições de decisões à revelia do ACT e da legislação

 > Estabelecimento imediato de um processo negocial sobre todos estes pontos, com duração mínima de 30 dias;

> Que não haja condicionamento de renúncia de direitos ao avanço das tratativas

 Veja a íntegra da pauta de reivindicações apresentada pela FUP à Petrobrás:

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Com ampla aprovação nas assembleias, a GREVE por tempo indeterminado no Sistema Petrobrás terá início no primeiro minuto de sábado (01/02).

O momento é de unidade, solidariedade e de reação.

Nem quem amargou perdas de direitos nos anos 90 passou por tanta humilhação e truculência, como acontece hoje no Sistema Petrobras. Nada chega perto da destruição que esse governo está fazendo.

A vida que tínhamos antes não existe mais. E vai piorar, se não reagirmos. São MIL DEMISSÕES sumárias na Fafen-PR. Uma fábrica 100% Petrobras. Gerente, supervisor, peão, sejam próprios ou terceirizados, TODOS foram chutados para o olho da rua. Com uma mão na frente e outra atrás.

Fizeram algo semelhante na BR Distribuidora, cuja privatização resultou em centenas de demissões e reduções drásticas de salários e direitos para os que ficaram.

Os próximos serão os trabalhadores das refinarias e terminais, que já estão com os dias contados.

O próprio gerente executivo de Gestão de Pessoas já havia avisado, em fevereiro do ano passado, que não terá lugar para todo mundo na Petrobrás. “Todo quadro de trabalho da companhia será reduzido. Dá para absorver todo mundo? Não dá. Algumas pessoas não ficarão na companhia”, afirmou na época, ao anunciar a desativação do Edisp.

Só a LUTA garantirá nossos empregos.

Esqueça qualquer teoria de salvação que os gestores e até mesmo alguns colegas repetem como mantras para tentar te acalmar.

Não há saída individual. Só JUNTOS poderemos mudar o rumo dessa história.

Ou reagimos agora ou será tarde demais. Não haverá uma segunda chance.

Vamos converter em luta toda a nossa indignação com os abusos desta gestão.

À greve, companheiros!

Federação Única dos Petroleiros - FUP

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A FUP e seus sindicatos apoiam e se solidarizam com os trabalhadores e trabalhadoras da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), que estão em greve por tempo indeterminado em mais de 20 estados e no Distrito Federal.

A paralisação ocorre em resposta ao processo de privatização da empresa, que é é responsável pela administração do sistema que processa todo o funcionamento da Previdência Social, desde o pagamento de mais de 34 milhões de benefícios previdenciários, a concessão de benefícios e o próprio funcionamento informatizado e interligado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além do Sistema Nacional de Emprego (Sine).

O governo Bolsonaro anunciou o fechamento de 20 unidades da Dataprev e a demissão de mais de três mil trabalhadores, que estão sendo coagidos a aderirem compulsoriamente ao Programa de Adequação de Quadros (PAQ).

Segundo a categoria, cerca de 500 funcionários já foram demitidos, quando poderiam ter sido realocados para o INSS, que está com atrasos de quase dois milhões de pedidos de aposentadoria e benefícios, por conta das mudanças causadas pela reforma da Previdência.

Em vez de buscar reforços de trabalhadores especializados, o governo anunciou a contratação temporária de 7 mil militares, o que poderá aumentar ainda mais as filas gigantescas. 

 

O fechamento das regionais da Dataprev e a demissão em massa na empresa ocorrem em meio a esse contexto e às denúncias da categoria sobre os ricos que a população correrá com a privatização da empresa.  Saiba mais: http://salveseusdados.com.br/

A Dataprev e o Serpro, as duas principais empresas nacionais de tecnologia da informação, junto com a Casa da Moeda, encabeçam a lista de privatização anunciada pelo governo Bolsonaro.

Os petroleiros, que aprovaram o indicativo da FUP de greve por tempo indeterminado, a partir de 01/02, manifestam total solidariedade aos trabalhadores e às trabalhadoras destas estatais, que, assim como a nossa categoria, lutam contra as demissões e o desmonte que o atual governo vem fazendo no setor público, privatizando empresas estratégicas para a soberania nacional.

Juntos, somos mais fortes.

Privatizar faz mal ao BRasil.

#EstataisResistem

Rio de Janeiro, 28/01/2020

Federação Única dos Petroleiros - FUP

 

Publicado em Trabalho

Os petroleiros e petroleiras seguem aprovando o indicativo da FUP de greve por tempo indeterminado, a partir do primeiro minuto de sábado (01/02). As assembleias já foram realizadas na maioria das bases do Sistema Petrobrás e serão concluídas nesta terça-feira, 28.

Nas unidades do Espírito Santo e na Araucária Nitrogenados (PR), onde a Petrobrás quer demitir todos os trabalhadores em função da hibernação da Fafen-PR, as assembleias já foram finalizadas e a greve, aprovada. Veja quadro abaixo.

No último dia 21, em reunião com a Gestão de Pessoas da Petrobrás, a FUP apresentou documento cobrando o cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho, que vem sendo reiteradamente desrespeitado pela empresa, tanto no que diz respeito aos fóruns de negociação, quanto a cláusula que protege os trabalhadores de demissões arbitrárias. É o caso da Cláusula 26 do ACT da Araucária Nitrogenados que impede a empresa de promover demissões em massa, sem negociação prévia com o sindicato.

A despeito do Acordo Coletivo, a Petrobrás anunciou a demissão sumária dos trabalhadores da Fafen-PR, que souberam do fato pela imprensa. Nem o sindicato, nem a FUP foram sequer informados sobre essa decisão arbitrária.

Esse não é um caso isolado de descumprimento de acordos pactuados com os trabalhadores. Menos de três meses após a assinatura do ACT, os gestores da empresa seguem reiteradamente desrespeitando o Acordo Coletivo. Atropelam legislações e o próprio processo de negociação ao impor decisões unilaterais, à revelia dos sindicatos e da vontade dos trabalhadores.  

Exemplos não faltam: tabela de turno, banco de horas, hora extra na troca de turno, relógio de ponto, interstício total, PLR, mudanças na AMS, transferências arbitrárias de trabalhadores... e agora a demissão em massa em uma empresa 100% Petrobrás, sem que fosse dada qualquer alternativa aos trabalhadores.

A indignação da categoria com tantos abusos será convertida em luta, através de uma greve forte e coesa em todo o Sistema Petrobrás a partir do dia 01/02, como estão apontando as assembleias.

Na quarta-feira, 29, a FUP e seus sindicatos estarão reunidos no Rio de Janeiro para deliberar sobre o resultado das assembleias e definir as próximas estratégias de ação.

Quadro parcial das assembleias

Amazonas – 63% dos trabalhadores estão aprovando a greve

Rio Grande do Norte – 80% dos trabalhadores a favor da greve

Pernambuco e Paraíba  – 89% dos trabalhadores estão aprovando a greve

Ceará e Piauí – 42% dos trabalhadores a favor da greve, 19% contrários e 39% de abstenções

Bahia – 60% dos trabalhadores estão aprovando a greve

Espírito Santo – assembleias concluídas e greve aprovada por 75% dos trabalhadores

Duque de Caxias – 84% dos trabalhadores estão aprovando a greve

Minas Gerais – 85% dos trabalhadores estão aprovando a greve

Norte Fluminense – 62% dos trabalhadores estão aprovando a greve

Paraná e Santa Catarina – 87% dos trabalhadores estão aprovando a greve

Araucária (Fafen-PR)  – assembleia concluída e greve aprovada por 100% dos trabalhadores

Rio Grande do Sul – 78% dos trabalhadores estão aprovando a greve

[FUP, com informações dos sindicatos]

uniicado
unificado2
pr2
pr
caxias
am
nf
fafen-pr
fafen2
es2
es3
pe
fafen-pr
ba3
es
ba2
ba1
REPAR2
RN
REPAR
NF-aeroporto
WhatsApp-Image-2020-01-22-at-094717
MG
WhatsApp-Image-2020-01-23-at-111605
uniicado unificado2 pr2 pr caxias am nf fafen-pr fafen2 es2 es3 pe fafen-pr ba3 es ba2 ba1 REPAR2 RN REPAR NF-aeroporto WhatsApp-Image-2020-01-22-at-094717 MG WhatsApp-Image-2020-01-23-at-111605

Publicado em Sistema Petrobrás
Página 8 de 37

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram