[Última atualização às 16:31 de 29/10]

Os trabalhadores do Sistema Petrobrás nas bases da FUP seguem aprovando a proposta de Acordo Coletivo apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho na última sexta-feira (25/10). As assembleias prosseguem até sexta-feira (01/11).

Nas baes dos Sindipetros Amazonas, Rio Grande do Norte, Pernambuco/Paraíba, Bahia, Espírito Santo, Duque de Caxias, Norte Fluminense, Unificado de SP, Ceará/Piauí e Sindiquímica-PR, o indicativo da FUP de aceitação da proposta está sendo aprovado massivamente na maioria das assembleias.

Mais de 80% dos trabalhadores do AM, RN, PE/PB, ES, NF, CE/PI e Unificado SP estão referendando o acordo conquistado pela FUP no processo de mediação com o TST.

Na assembleia realizada na manhã desta terça-feira (29) com os trabalhadores da Araucária Nitrogenados, os indicativos da FUP foram aprovados por unanimidade. À noite, o sindicato realiza a última consulta aos petroquímicos.

Nos sindicatos do Paraná/Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o resultado das assembleias só será divulgado quando forem concluídas.

No Sindipetro Minas Gerais, os petroleiros iniciaram a greve no sábado (26) e estão em assembleia para avaliar a suspensão do movimento e deliberar sobre a proposta do TST.

Negociação impulsionada pela aprovação da greve

Os ajustes conquistados na redação da proposta que o TST apresentou em setembro atendem a maioria dos pontos que foram referendados pela categoria nas assembleias das bases da FUP, realizadas entre os dias 07 e 17 de outubro.

Respaldada pela greve aprovada pelos petroleiros, a Federação pode avançar no processo de negociação com a Vice-Presidência do Tribunal e preservar a grande maioria das conquistas do atual Acordo Coletivo de Trabalho (veja quadro abaixo).

“Virar a página do ACT e centrar esforços na defesa da Petrobras”

“Nós temos que virar a página do Acordo Coletivo e centrar todos os nossos esforços na luta em defesa da Petrobrás. A proposta apresentada pela mediação do TST, mesmo que não seja a proposta dos nossos sonhos, nos garante direitos muito acima do que está previsto na lei e nos dá tranquilidade para passar por esse momento sombrio que estamos vivendo no país”, ressalta o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

Ele explica que a greve contra a privatização da Petrobrás já foi definida pela Federação e seus sindicatos, cuja data deverá ser definida pelo Conselho Deliberativo da entidade em sua próxima reunião, marcada para o dia 05 de novembro. “Toda categoria e toda a sociedade irão tomar ciência da data que estaremos indicando para a greve contra a privatização da Petrobrás”, afirmou.

[FUP]

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A categoria petroleira, na Bahia, em assembleias que começaram no domingo, 27/10, está aprovando os indicativos da FUP de aceitação da nova proposta intermediada pelo TST, após a inclusão de itens propostos pela Federação.

Os petroleiros também estão ratificando a decisão da suspensão da greve que seria iniciada no sábado 26/10, caso não houvesse avanços na negociação.

Os trabalhadores também estão aprovando a realização de uma greve, caso a direção da Petrobrás volte atrás e não  cumpra com o último acordo intermediado pelo TST, que só foi alcançado devido à mobilização da categoria e os esforços da FUP de dar continuidade às negociações.

As assembleias vêm sendo marcadas por muito debate e defesas contra e a favor dos indicativos da Federação e do Sindipetro Bahia. A categoria tem se mostrado disposta a participar das mobilizações e bastante preocupada com o futuro da Petrobras no Nordeste.

A categoria vem concordando com a direção do Sindipetro e a FUP de que é preciso virar a página do ACT para focar no que é mais importante: a luta para garantir os empregos e os postos de trabalho, seja de trabalhadores próprios ou terceirizados.

No edifício Torre Pituba, a assembleia foi marcada por muitas perguntas e pedidos de esclarecimentos feitos pelos trabalhadores. Foram cerca de três horas de debate antes da votação.

Veja abaixo como votaram os trabalhadores, por unidade, até o momento:

Torre Pituba

Votação do Indicativo da FUP aprovação acordo e suspensão da greve:

A favor – 350

Contra – 158

Abstenções – 07

 Indicativo de greve em caso de não assinatura:

A favor – 291

Contra – 85

Abstenções – 13

 Taquipe

Votação em bloco do Indicativo da FUP:

A favor – 97

Contra – 05

Abstenções – 03

 FAFEN ( UTE RA- BA 1)  Grupo D

Ratificar a suspensão da greve

A favor –  11

Contra – 06

Abstenção – 01

Aprovação da proposta de TST

A favor – 05

Contra – 12

Abstenção  -01

 Aprovação da Greve caso a Petrobras rejeite a proposta do TST

A favor – 11

Contra – 01

Abstenção-  07

 Veja abaixo, os pontos que foram assegurados e que proporcionaram uma melhoria no ACT

> Reajuste da AMS pelo índice VCMH, a partir de março de 2020, limitando em 30% a participação dos trabalhadores no custeio do plano.

> Garantir que a implantação do turno de 12h nas bases de terra seja feita somente mediante negociação regional entre a Petrobrás e os sindicatos.

> Limitar as horas extras a 2h por jornada; o excedente terá 50% pagos e o os outros 50% destinados ao banco de horas; criação de um Grupo de Trabalho Paritário para definir limites do banco de horas.

> Incorporação da cláusula que já consta no ACT da Transpetro sobre recolhimento e repasse das mensalidades sindicais

> Compromisso do TST em manter o mesmo teor da proposta de Acordo Coletivo para as subsidiárias e Araucária Nitrogenados

 Na Bahia, as assembleias prosseguem até a sexta-feira, 01/11 e serão realizadas em todas as unidades do Sistema Petrobrás.

 Clique aqui para ver o calendário de assembleias

[Via Sindipetro-BA]

 

Publicado em Sistema Petrobrás

Os sindicatos da FUP estão realizando assembleias para que os trabalhadores do Sistema Petrobrás avaliem a proposta de Acordo Coletivo apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho na última sexta-feira (25/10).

As primeiras consultas feitas aos trabalhadores apontam a aprovação da proposta nas bases do Amazonas, Rio Grande do Norte, Pernambuco/Paraíba, Bahia, Espírito Santo, Duque de Caxias e Norte Fluminense.

Nos sindicatos do Paraná/Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o resultado das assembleias só será divulgado quando forem concluídas.

No Sindipetro Ceará/Piauí, o resultado parcial não foi divulgado.

No Sindipetro Unificado-SP e no Sindiquímica-PR, as assembleias ainda serão iniciadas.

No Sindipetro Minas Gerais, os petroleiros iniciaram a greve no sábado (26) e realizam assembleia nesta segunda (28) para avaliar a suspensão do movimento e deliberar sobre a proposta do TST.

Negociação impulsionada pela aprovação da greve

Os ajustes conquistados na redação da proposta que o TST apresentou em setembro atendem a maioria dos pontos que foram referendados pela categoria nas assembleias das bases da FUP, realizadas entre os dias 07 e 17 de outubro.

Respaldada pela greve aprovada pelos petroleiros, a Federação pode avançar no processo de negociação com a Vice-Presidência do Tribunal e preservar a grande maioria das conquistas do atual Acordo Coletivo de Trabalho (veja quadro abaixo).

“Virar a página do ACT e centrar esforços na defesa da Petrobras”

“Nós temos que virar a página do Acordo Coletivo e centrar todos os nossos esforços na luta em defesa da Petrobrás. A proposta apresentada pela mediação do TST, mesmo que não seja a proposta dos nossos sonhos, nos garante direitos muito acima do que está previsto na lei e nos dá tranquilidade para passar por esse momento sombrio que estamos vivendo no país”, ressalta o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

Ele explica que a greve contra a privatização da Petrobrás já foi definida pela Federação e seus sindicatos, cuja data deverá ser definida pelo Conselho Deliberativo da entidade em sua próxima reunião, marcada para o dia 05 de novembro. “Toda categoria e toda a sociedade irão tomar ciência da data que estaremos indicando para a greve contra a privatização da Petrobrás”, afirmou.

[FUP | Foto: Milly Lima - Sindipetro-BA]

Publicado em Sistema Petrobrás

A categoria petroleira está em período de assembleias para avaliar os indicativos de aceitação da proposta de Acordo Coletivo de Trabalho apresentada pelo TST, conquistada após aprovação da greve que começaria no último dia 26.

As próximas assembleias serão na sede do sindicato em Campos dos Goytacazes, nesta quarta, 30, às 10h, e no Ginásio do Juquinha, em Macaé, na quinta, 31, com fechamento dos portões às 10h (reunindo as bases de Imbetiba, Imboassica e Edinc).

Os grupos de Cabiúnas realizam assembleias desde a sexta, 25. Realizaram os grupos E, C e D. Ainda têm assembleias os grupos B, A e ADM (veja calendário abaixo). Os petroleiros e petroleiras das plataformas participam de assembleias nos aeroportos de Campos (Bartolomeu Lisandro), Heliporto do Farol e Cabo Frio até o dia 01 de novembro.

Em vídeo divulgado para a categoria (aqui), o coordenador geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra, destacou que a proposta apresentada pela mediação do TST, fruto da pressão dos trabalhadores por meio da aprovação massiva da greve, trouxe o grande avanço de abranger a todas as empresas do sistema Petrobrás e garante uma espécie de guarda-chuva de proteção a direitos para que a categoria siga em luta.

“Nós sabemos que o Acordo Coletivo de Trabalho não foi o ideal. Porém, neste momento de fascismo em que vive o nosso país, nós vamos ter mais segurança para fazer as lutas que seguem. Uma grande greve vai vir no momento seguinte. E nós contamos do com todos. Porque a defesa do Brasil não é simplesmente a nossa defesa enquanto petroleiros e petroleiras. É a defesa do povo brasileiro, da soberania nacional e das futuras gerações”, afirmou Bezerra.

Indicativos

1) Aprovação da proposta apresentada pelo TST no dia 25/10, com suspensão da greve convocada para a 00h01 do dia 26/10/2019;
2) Se a Petrobrás não aprovar até o dia 03/11 a nova proposta apresentada hoje pelo TST, a greve pelo Acordo Coletivo será retomada, em data a ser posteriormente definida pela FUP.

Calendário de Assembleias

25/10 – Cabiúnas – 23h – grupo E
26/10 – Cabiúnas – 15h – grupo C
27/10 – Cabiúnas – 7h – grupo D
28/10 a 01/11 – Assembleias nos aeroportos de Farol, Cabo Frio e Campos
30/10 – Sede de Campos – 10h
31/10 – Ginásio do Juquinha – Imbetiba, Imboassica e Edinc – Fechamento dos portões às 10h
31/10 – Cabiúnas – 23h – grupo B
01/11 – Cabiúnas – 07h – Grupo A e ADM

[Via Sindipetro-NF | Foto: assembleia no Ginásio Juquinha dia 15/10]

Publicado em SINDIPETRO-NF
Sexta, 25 Outubro 2019 18:17

Greve aprovada gera nova proposta do TST

Diante da iminência da greve nacional dos trabalhadores do Sistema Petrobrás, convocada para este sábado (26/10), a Vice-Presidência do Tribunal Superior do Trabalho, que vem conduzindo a mediação do Acordo Coletivo da categoria, apresentou à FUP e aos sindicatos uma nova proposta nesta sexta-feira, 25.

O TST mantém os itens do Acordo proposto às entidades sindicais e à Petrobrás no dia 19 de setembro e faz aperfeiçoamento na redação, em relação à maioria dos pontos deliberados pelos petroleiros nas assembleias das bases da FUP para melhoria da proposta:

> Reajuste da AMS pelo índice VCMH, a partir de março de 2020, limitando em 30% a participação dos trabalhadores no custeio do plano.

> Garantir que a implantação do turno de 12h nas bases de terra seja feita somente mediante negociação regional entre a Petrobrás e os sindicatos.

> Limitar as horas extras a 2h por jornada; o excedente terá 50% pagos e o os outros 50% destinados ao banco de horas; criação de um Grupo de Trabalho Paritário para definir limites do banco de horas.

> Incorporação da cláusula que já consta no ACT da Transpetro sobre recolhimento e repasse das mensalidades sindicais

> Compromisso do TST em manter o mesmo teor da proposta de Acordo Coletivo para as subsidiárias e Araucária Nitrogenados


Confira aqui a íntegra do despacho do TST com os ajustes na proposta 


Luta e negociação

A nova proposta que o TST apresenta à categoria é resultado da mobilização dos petroleiros e petroleiras, cuja greve aprovada foi fundamental para que a FUP avançasse no processo de mediação com a Vice-Presidência do Tribunal, buscando até o último instante uma solução negociada para o impasse criado pela Petrobrás.  

Aliando mobilização e negociação, a FUP e seus sindicatos vêm desde maio lutando pela preservação do Acordo Coletivo de Trabalho no Sistema Petrobrás, que é referência para a classe trabalhadora no Brasil e em vários outros países. Uma luta difícil no atual cenário de desmonte dos direitos trabalhistas e sociais do país.

Desde o início da campanha reivindicatória, a gestão Castello Branco vem atuando para desmontar os direitos da categoria. Para isso, apostou no conflito, esvaziou o processo de negociação e atacou as representações sindicais, na tentativa de dividir e enfraquecer os petroleiros.

De forma propositiva, a FUP encaminhou às assembleias a aprovação da greve, mas também alternativas para a construção de uma saída negociada do conflito estabelecido pelos gestores da empresa. 

Os petroleiros não esmoreceram diante do assédio das gerências e aprovaram os indicativos da FUP nas assembleias, respaldando as representações sindicais para que seguissem adiante na busca por um Acordo Coletivo digno.

Este, portanto, é um momento decisivo para os petroleiros e petroleiras. Diante da nova proposta apresentada pelo TST, a FUP está indicando a sua aprovação, com suspensão da greve.

Se a Petrobrás não aprovar até o dia 03/11 a proposta, a greve pelo Acordo Coletivo será retomada com data a ser definida pela FUP.

Coordenador da FUP explica a proposta 

Assembleias começam já

A FUP orienta os sindicatos a realizarem assembleias a partir desta sexta-feira (25), até o dia primeiro de novembro, para submeter à avaliação dos petroleiros e petroleiras os seguintes indicativos:

> Aprovação da nova proposta apresentada pelo TST no dia 25 de outubro, com suspensão da greve convocada para o primeiro minuto deste sábado (26/10)

> Se a Petrobrás não aprovar até o dia 03/11 a nova proposta do TST, a greve pelo Acordo Coletivo será retomada com data a ser definida pela FUP

 

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Em mais um esforço para resolver o impasse do Acordo Coletivo dos Trabalhadores do Sistema Petrobrás, a FUP encaminhou nesta quinta-feira, 24, ao procurador-geral do Trabalho, Alberto Bastos Balazeiro, pedido de mediação de conflito.

No documento, a Federação "requer do Ministério Público do Trabalho, a promoção de entendimentos bilaterais, entre a Petrobrás e as entidades sindicais de seus empregados, com vistas à superação do impasse negocial".

A FUP elenca os pontos encaminhados ao TST no dia 26 de setembro para melhoria da proposta que a Vice-Presidência do Tribunal apresentou no dia 19 de setembro, após reuniões unilaterias de mediação, realizadas a pedido da Petrobrás. A empresa "se recusou a estabelecer qualquer forma de diálogo com os representantes dos trabalhadores", como é ressaltado no documento enviado à Procuradoria Geral do Trabalho.

Em assembleias realizadas nas últimas semanas, os petroleiros e petroleiras rejeitaram a proposta de Acordo apresentada pelo TST e aprovaram greve por tempo indeterminado, a partir do dia 26 de outubro, se não houver negociação dos pontos apresentados pela FUP para melhorar a proposta do Tribunal. 

[FUP]

 

 

Publicado em Sistema Petrobrás
Quinta, 24 Outubro 2019 12:42

Só a mobilização garante um acordo digno

No último dia 18, a FUP informou ao TST e à Petrobrás o resultado das assembleias e reiterou a importância da negociação dos pontos que foram referendados pelos trabalhadores nas assembleias para melhorar a proposta que o Tribunal apresentou para o Acordo Coletivo de Trabalho da categoria.

O prazo estipulado pela FUP para que a empresa respondesse aos itens apresentados esgostou-se no dia 22/10, mas a mediação da negociação ainda não foi encerrada pelo TST.

Em vídeo divulgado na manhã desta quinta-feira (24), o coordenador geral da FUP, José Maria Rangel, ressalta a importância dos petroleiros se manterem mobilizados para a greve que a categoria aprovou nas assembleias, caso as negociações não se consolidem.

No dia 22, a FUP e seus sindicatos enviaram à Petrobrás e subsidiárias comunicado, informando o início da greve a partir do zero hora do dia 26/10.


> Veja aqui a íntegra do documento com os itens encaminhados pela FUP ao TST em 26/09


[FUP]

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A FUP e seus sindicatos estão disponibilizando para os trabalhadores do Sistema Petrobrás e para quem mais se interessar uma cartilha produzida pela assessoria jurídica, onde são explicadas e detalhadas questões relativas ao direito de greve. 

Em assembleias realizadas nas últimas semanas, os petroleiros e petroleiras rejeitaram a proposta de Acordo Coletivo apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e aprovaram greve por tempo indeterminado, a partir do dia 26 de outubro, caso a negociação não prosseguisse. A data estabelecida para a Petrobrás responder à contraproposta apresentada pela FUP se esgotou na terça-feira, 22, sem que a empresa se manifestasse.

Ao longo dos últimos meses, a FUP e seus sindicatos tentaram de todas as formas buscar através do processo de negociação a solução do impasse criado pela gestão da Petrobrás ao insistir em retirar e reduzir direitos da categoria, desmontando o Acordo Coletivo, assedidando os trabalhadores e atacando a organização sindical. 

"Sem efetiva garantia do Direito de Greve, a Liberdade Sindical é manietada, e a Negociação Coletiva torna-se uma farsa. Isso não quer dizer que a Greve tenha que se fazer presente em todas as negociações coletivas. Porém, é fato que a mera possibilidade da greve, muitas vezes, é a real garantia de eficácia negocial. Negar a amplitude e importância da Greve, para o desenvolvimento histórico e social, é negar o compromisso que nossa sociedade estabeleceu com a justiça social", informa a assessoria jurídica da FUP no primeiro parágrafo da Cartilha.

Na publicação, são esclarecidas dúvidas sobre direito e limites de greve, com orientações claras e objetivas sobre cotas de produção e de produtividade, contrato suspenso, ilegalidades e coerções que venham a ser cometidas pelos gestores, perseguição aos grevistas, tentativas de sabotagem, entre outras situações que os trabalhadores petroleiros já viveram em greves anteriores.

 


> BAIXE AQUI A CARTILHA DE GREVE PRODUZIDA PELA ASSESSORIA JURÍDICA DA FUP


 

Publicado em Sistema Petrobrás

Após reunião nesta sexta-feira, 18, de seu Conselho Deliberativo, que reúne representações de todos os sindicatos filiados, a FUP comunicou à Petrobrás e ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) o resultado final das assembleias.  

Os trabalhadores rejeitaram a proposta apresentada pelo TST no dia 19 de setembro e aprovaram os indicativos da FUP de referendo dos itens que foram encaminhados ao Tribunal no dia 26/09 para melhorar a proposta, condicionamento de uma eventual assinatura do Acordo Coletivo (caso seja aprovado) à assinatura dos Acordos das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados e greve a partir do dia 26 de outubro, caso não ocorra a negociação.  

A FUP aguarda até o dia 22 (próxima terça-feira) um posicionamento do TST e da Petrobrás sobre os pontos encaminhados para melhoria da proposta.

 


> Veja aqui o documento enviado pela FUP nesta sexta (18/10) ao TST

> Veja aqui a íntegra do documento com os itens encaminhados pela FUP ao TST em 26/09


 

WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172015
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172013
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172013-1
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172010
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172012
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172009
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172009-1
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172007
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172006
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172006-1
greve-age
ediba-act-greve
fd9da32d-1869-4ad0-b788-008380f99490
d6214a37-f857-48cd-a8c2-dcc46384c0d1
d07812b0-8341-4132-9abe-129d052e20da
d6ed24a4-01f4-4357-b30a-198506c094f3
c6094db2-1016-4340-bdb1-52f31857dbd0
bahia-aprova-greve
c1d7b1e6-deee-41c5-b755-a40734d6a5b6
bahia-aprovaco
b1130dbf-8a7c-4624-b287-b1baf92704bc
b05a9366-1daf-47de-a415-42b2db73d097
b4e5cf93-1d02-4264-8b3c-d64931222971
assembleia-ba-outubro-act-petrobras
aprovacao-bahia-assembleias
abaa225c-17db-48bf-bd56-f3f46c34fd2d
a416e270-b0eb-492e-9380-dd4b560e047b
85142e0c-d394-4d53-9e71-3172aeeebf26
117211f1-7395-40c5-8b7a-9fb81c8f88fa
5103aeee-af7c-442e-8967-4902c321a4c1
9337f6bd-0742-4037-a203-e4657f0dcc42
92fce019-d630-4271-b108-789e451c986a
544fb69e-ef63-475d-a170-47b2ba48e44a
10a7b01d-540a-4d76-9e12-06132c276f1e
9ffb69be-607e-4153-99a6-d6ad698d5d0a
9c24c68f-0be3-401a-a67d-f03ab577d518
8ce8bb4a-c8b4-484e-b6c5-9b5f3c58ab5d
7aad8163-3bc6-48a8-8f82-269ab0909272
7a40df74-fe01-4b0f-b593-3f1d45baf434
5bbf1a64-5ebc-469d-a380-8945485cd4ca
4fa57515-9cc3-4e18-80b2-43c422fe1646
1bfea104-ac8d-4abe-abc0-c17aa0d57795
0bffd0c5-b5e4-42ac-9a79-fb7c252c947e
be99afa6-9dff-43c9-a302-778a3773b922
b39bd45e-2662-4f2c-a19d-ca4f43628357
4234a095-bf91-495f-b144-f39ee95dfcfc
9d1face7-db7a-4ff9-b8fd-fa9ab8022c70
03fed30a-ae88-4022-b0d4-07136e1790eb
0b995627-3f1e-4844-a474-0295bd53bc45
tezeu
NF-assembleia-outubro-petrobras-act
e8b0e8b3-e30b-44ef-9835-27b533f2f062
afe45bac-ebc2-4190-9052-140ac4dbcab1
af9a3ed0-d3a2-4c94-a63c-0e0fdcd04ffa
7273797124707929296411853261492035940515840o
7308469424702751696929614277993074145099776n
7268934524707919263079527413240765532340224o
7264344524707922529745866500479096085020672o
7259916724707919629746156860867478315073536o
725641492470792816307863596117730990489600o
7255948324707927296412058437341898691051520o
7248596524702750963596357795410722216738816n
84baf057-a29e-4b91-a623-d0c19fe5c24e
629c02cf-1fe0-419d-bc9e-dd37a4841d66
11c4b5ce-105a-4486-9851-62bc0cbbb8c6
6c498e38-0a06-4b6a-8197-54d878978d40
sp7
ze-assembleia-juquinha-outubro
sp6
sp5
sp4
sp3
sp2
sp00
sp
rs
rn
rn2
PR
pernambuco2
pernambuco
paran-auditorio-repar
paran
minas
mg3
mg2
mg00
es4
mg
es3
es2
es-00
es
caxias
bahia2
bahia
assembleia-bahia-petrobras
araucria-aprova-greve

Publicado em Sistema Petrobrás

Com mais de mil votos computados em 16 sessões deliberativas, feitas em áreas administrativas e operacionais da Petrobrás no Rio Grande do Norte, trabalhadores e trabalhadoras aprovaram os quatro itens indicados pela FUP e derrotaram mais uma vez o intenso trabalho de assédio imposto pelo alto comando da Companhia.

Em assembleias que ocorreram de 8 a 17 de outubro, além da rejeição à proposta apresentada pelo TST no dia 19/09, a categoria aprovou outros três indicativos defendidos pela FUP e seus Sindicatos: aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal; condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados; 

Veja, a seguir, o percentual do resultado final no RN:caso não ocorra negociação, greve a partir de zero hora do dia 26/10.

RESULTADOS DAS ASSEMBLÉIAS

A FAVOR

CONTRA

ABSTENÇÃO

ITEM 1 - Rejeição da proposta apresentada pelo TST no dia 19/09;

60,90%

34,89%

4,21%

ITEM 2 - Aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal;

67,78%

27,53%

4,68%

ITEM 3 - Condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados;

67,88%

27,44%

4,68%

ITEM 4 - Caso não ocorra negociação, greve a partir de zero hora do dia 26/10.

43,98%

40,73%

15,30%

[Via Sindipetro-RN]

 

Publicado em SINDIPETRO-RN
Página 2 de 26

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram