Após reunião nesta sexta-feira, 18, de seu Conselho Deliberativo, que reúne representações de todos os sindicatos filiados, a FUP comunicou à Petrobrás e ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) o resultado final das assembleias.  

Os trabalhadores rejeitaram a proposta apresentada pelo TST no dia 19 de setembro e aprovaram os indicativos da FUP de referendo dos itens que foram encaminhados ao Tribunal no dia 26/09 para melhorar a proposta, condicionamento de uma eventual assinatura do Acordo Coletivo (caso seja aprovado) à assinatura dos Acordos das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados e greve a partir do dia 26 de outubro, caso não ocorra a negociação.  

A FUP aguarda até o dia 22 (próxima terça-feira) um posicionamento do TST e da Petrobrás sobre os pontos encaminhados para melhoria da proposta.

 


> Veja aqui o documento enviado pela FUP nesta sexta (18/10) ao TST

> Veja aqui a íntegra do documento com os itens encaminhados pela FUP ao TST em 26/09


 

WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172015
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172013
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172013-1
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172010
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172012
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172009
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172009-1
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172007
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172006
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172006-1
greve-age
ediba-act-greve
fd9da32d-1869-4ad0-b788-008380f99490
d6214a37-f857-48cd-a8c2-dcc46384c0d1
d07812b0-8341-4132-9abe-129d052e20da
d6ed24a4-01f4-4357-b30a-198506c094f3
c6094db2-1016-4340-bdb1-52f31857dbd0
bahia-aprova-greve
c1d7b1e6-deee-41c5-b755-a40734d6a5b6
bahia-aprovaco
b1130dbf-8a7c-4624-b287-b1baf92704bc
b05a9366-1daf-47de-a415-42b2db73d097
b4e5cf93-1d02-4264-8b3c-d64931222971
assembleia-ba-outubro-act-petrobras
aprovacao-bahia-assembleias
abaa225c-17db-48bf-bd56-f3f46c34fd2d
a416e270-b0eb-492e-9380-dd4b560e047b
85142e0c-d394-4d53-9e71-3172aeeebf26
117211f1-7395-40c5-8b7a-9fb81c8f88fa
5103aeee-af7c-442e-8967-4902c321a4c1
9337f6bd-0742-4037-a203-e4657f0dcc42
92fce019-d630-4271-b108-789e451c986a
544fb69e-ef63-475d-a170-47b2ba48e44a
10a7b01d-540a-4d76-9e12-06132c276f1e
9ffb69be-607e-4153-99a6-d6ad698d5d0a
9c24c68f-0be3-401a-a67d-f03ab577d518
8ce8bb4a-c8b4-484e-b6c5-9b5f3c58ab5d
7aad8163-3bc6-48a8-8f82-269ab0909272
7a40df74-fe01-4b0f-b593-3f1d45baf434
5bbf1a64-5ebc-469d-a380-8945485cd4ca
4fa57515-9cc3-4e18-80b2-43c422fe1646
1bfea104-ac8d-4abe-abc0-c17aa0d57795
0bffd0c5-b5e4-42ac-9a79-fb7c252c947e
be99afa6-9dff-43c9-a302-778a3773b922
b39bd45e-2662-4f2c-a19d-ca4f43628357
4234a095-bf91-495f-b144-f39ee95dfcfc
9d1face7-db7a-4ff9-b8fd-fa9ab8022c70
03fed30a-ae88-4022-b0d4-07136e1790eb
0b995627-3f1e-4844-a474-0295bd53bc45
tezeu
NF-assembleia-outubro-petrobras-act
e8b0e8b3-e30b-44ef-9835-27b533f2f062
afe45bac-ebc2-4190-9052-140ac4dbcab1
af9a3ed0-d3a2-4c94-a63c-0e0fdcd04ffa
7273797124707929296411853261492035940515840o
7308469424702751696929614277993074145099776n
7268934524707919263079527413240765532340224o
7264344524707922529745866500479096085020672o
7259916724707919629746156860867478315073536o
725641492470792816307863596117730990489600o
7255948324707927296412058437341898691051520o
7248596524702750963596357795410722216738816n
84baf057-a29e-4b91-a623-d0c19fe5c24e
629c02cf-1fe0-419d-bc9e-dd37a4841d66
11c4b5ce-105a-4486-9851-62bc0cbbb8c6
6c498e38-0a06-4b6a-8197-54d878978d40
sp7
ze-assembleia-juquinha-outubro
sp6
sp5
sp4
sp3
sp2
sp00
sp
rs
rn
rn2
PR
pernambuco2
pernambuco
paran-auditorio-repar
paran
minas
mg3
mg2
mg00
es4
mg
es3
es2
es-00
es
caxias
bahia2
bahia
assembleia-bahia-petrobras
araucria-aprova-greve

Publicado em Sistema Petrobrás

Com mais de mil votos computados em 16 sessões deliberativas, feitas em áreas administrativas e operacionais da Petrobrás no Rio Grande do Norte, trabalhadores e trabalhadoras aprovaram os quatro itens indicados pela FUP e derrotaram mais uma vez o intenso trabalho de assédio imposto pelo alto comando da Companhia.

Em assembleias que ocorreram de 8 a 17 de outubro, além da rejeição à proposta apresentada pelo TST no dia 19/09, a categoria aprovou outros três indicativos defendidos pela FUP e seus Sindicatos: aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal; condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados; 

Veja, a seguir, o percentual do resultado final no RN:caso não ocorra negociação, greve a partir de zero hora do dia 26/10.

RESULTADOS DAS ASSEMBLÉIAS

A FAVOR

CONTRA

ABSTENÇÃO

ITEM 1 - Rejeição da proposta apresentada pelo TST no dia 19/09;

60,90%

34,89%

4,21%

ITEM 2 - Aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal;

67,78%

27,53%

4,68%

ITEM 3 - Condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados;

67,88%

27,44%

4,68%

ITEM 4 - Caso não ocorra negociação, greve a partir de zero hora do dia 26/10.

43,98%

40,73%

15,30%

[Via Sindipetro-RN]

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A base do Sindipetro-NF encerrou no final desta tarde o período de assembleias da Campanha Reivindicatória. A categoria aprovou os indicativos de rejeição da proposta de Acordo Coletivo feita pelo TST no último dia 19 e de greve a partir do próximo dia 26, se não houver negociações.

Também foram aprovados os indicativos de aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal e o condicionamento da assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados.

A categoria realizou, desde o último dia 10, assembleias nos aeroportos, sedes do sindicato em Campos e Macaé e no Ginásio do Juquinha, com participação massiva dos petroleiros e petroleiras. Também foram realizadas reuniões setoriais nas bases para esclarecer a dúvidas sobre a situação jurídica das negociações no TST e os próximos passos da luta.
Para o próximo dia 22, às 18h, o NF convocou os trabalhadores e trabalhadoras das bases administrativas de Macaé para debater o cenário da Petrobrás e formas de mobilização, na sede da entidade em Macaé. Os petroleiros e petroleiras do administrativo têm um papel essencial no trabalho de conscientização da sociedade local sobre a importância da campanha contra a privatização da Petrobrás e a manutenção de direitos e empregos.
O sindicato volta a chamar a atenção para o fato de que, neste momento de guerra de contra-informações pela gestão bolsonarista da Petrobrás, é muito importante que a categoria esteja em sintonia com as suas entidades representativas, recebendo informações e debatendo estratégias junto aos que sempre estiveram ao seu lado.

A entidade parabeniza a categoria pela grande mostra de força. Mesmo com os assédios e práticas antissindicais da gestão bolsonarista da empresa, os petroleiros e petroleiras não se curvaram e fizeram valer a indignação contra os inúmeros ataques que tem sofrido.

Confira o resultado final:

  A favor Contra Abstenção
01 – Rejeição da proposta apresentada pelo TST no dia 19/09. 76% 20% 4%
02 – Aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal. 79% 8% 13%
03 – Condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados. 72% 10% 18%
04 – Caso não ocorra negociação, greve a partir do zero hora do dia 26/10. 70% 20% 10%

[Via Sindipetro-NF] 

Publicado em Sistema Petrobrás

[Última atualização 18/10 - 17h30] 

Com exceção do Sindipetro-PR/SC que ainda aguarda a realização da última assembleia, os outros 12 sindicatos da FUP concluíram a consulta aos trabalhadores sobre a proposta de Acordo Coletivo apresentada pelo TST e os indicativos da Federação.

Em média, 70% dos trabalhadores consultados rejeitaram a proposta que retira direitos e desmonta o ACT, facilitando a privatização das unidades do Sistema Petrobrás.

Os petroleiros aprovaram o indicativo da FUP de greve a partir do dia 26 de outubro, caso a Petrobrás não retome as negociações, em 11 dos 12 sindicatos que concluíram as assembleias (veja a tabela abaixo).

Também foram aprovados em todas as bases os indicativos da FUP de referendo dos itens encaminhados ao TST para melhorar a proposta e de condicionamento da assinatura do Acordo Coletivo (caso seja aprovado) à assinatura dos Acordos das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados.  

No Paraná e Santa Catarina, a única assembleia que falta ser realizada (Grupo 2 do turno e o adm da SIX) não altera o resultado parcial de aprovação de todos os indicativos da FUP. 

Nesta sexta-feira, 18, a FUP e seus sindicatos terão um novo Conselho Deliberativo para analisar os resultados das assembleias e traçar estratégias para os próximos passos da campanha. 

O TST deu prazo até a próxima terça-feira (22) para que a FUP encaminhe o resultado de todas as assembleias. 

Sindicato

Rejeição da Proposta

Aprovação da Greve

Amazonas

Sim

Sim

RN

Sim

Sim

Ceará/Piauí

Sim

Sim

PE/PB

Sim

Sim

Bahia

Sim

Sim

ES

Sim

Sim

Minas Gerais

Sim

Sim

Caxias

Sim

Sim

NF

Sim

Sim

Unif. SP

Sim

Não

PR/SC

em andamento

em andamento

Sindiqui - PR

Sim

Sim

RS

Sim

Sim

 

[FUP]

WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172015
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172013
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172013-1
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172010
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172012
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172009
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172009-1
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172007
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172006
WhatsApp-Image-2019-10-18-at-172006-1
greve-age
ediba-act-greve
fd9da32d-1869-4ad0-b788-008380f99490
d6214a37-f857-48cd-a8c2-dcc46384c0d1
d07812b0-8341-4132-9abe-129d052e20da
d6ed24a4-01f4-4357-b30a-198506c094f3
c6094db2-1016-4340-bdb1-52f31857dbd0
bahia-aprova-greve
c1d7b1e6-deee-41c5-b755-a40734d6a5b6
bahia-aprovaco
b1130dbf-8a7c-4624-b287-b1baf92704bc
b05a9366-1daf-47de-a415-42b2db73d097
b4e5cf93-1d02-4264-8b3c-d64931222971
assembleia-ba-outubro-act-petrobras
aprovacao-bahia-assembleias
abaa225c-17db-48bf-bd56-f3f46c34fd2d
a416e270-b0eb-492e-9380-dd4b560e047b
85142e0c-d394-4d53-9e71-3172aeeebf26
117211f1-7395-40c5-8b7a-9fb81c8f88fa
5103aeee-af7c-442e-8967-4902c321a4c1
9337f6bd-0742-4037-a203-e4657f0dcc42
92fce019-d630-4271-b108-789e451c986a
544fb69e-ef63-475d-a170-47b2ba48e44a
10a7b01d-540a-4d76-9e12-06132c276f1e
9ffb69be-607e-4153-99a6-d6ad698d5d0a
9c24c68f-0be3-401a-a67d-f03ab577d518
8ce8bb4a-c8b4-484e-b6c5-9b5f3c58ab5d
7aad8163-3bc6-48a8-8f82-269ab0909272
7a40df74-fe01-4b0f-b593-3f1d45baf434
5bbf1a64-5ebc-469d-a380-8945485cd4ca
4fa57515-9cc3-4e18-80b2-43c422fe1646
1bfea104-ac8d-4abe-abc0-c17aa0d57795
0bffd0c5-b5e4-42ac-9a79-fb7c252c947e
be99afa6-9dff-43c9-a302-778a3773b922
b39bd45e-2662-4f2c-a19d-ca4f43628357
4234a095-bf91-495f-b144-f39ee95dfcfc
9d1face7-db7a-4ff9-b8fd-fa9ab8022c70
03fed30a-ae88-4022-b0d4-07136e1790eb
0b995627-3f1e-4844-a474-0295bd53bc45
tezeu
NF-assembleia-outubro-petrobras-act
e8b0e8b3-e30b-44ef-9835-27b533f2f062
afe45bac-ebc2-4190-9052-140ac4dbcab1
af9a3ed0-d3a2-4c94-a63c-0e0fdcd04ffa
7273797124707929296411853261492035940515840o
7308469424702751696929614277993074145099776n
7268934524707919263079527413240765532340224o
7264344524707922529745866500479096085020672o
7259916724707919629746156860867478315073536o
725641492470792816307863596117730990489600o
7255948324707927296412058437341898691051520o
7248596524702750963596357795410722216738816n
84baf057-a29e-4b91-a623-d0c19fe5c24e
629c02cf-1fe0-419d-bc9e-dd37a4841d66
11c4b5ce-105a-4486-9851-62bc0cbbb8c6
6c498e38-0a06-4b6a-8197-54d878978d40
sp7
ze-assembleia-juquinha-outubro
sp6
sp5
sp4
sp3
sp2
sp00
sp
rs
rn
rn2
PR
pernambuco2
pernambuco
paran-auditorio-repar
paran
minas
mg3
mg2
mg00
es4
mg
es3
es2
es-00
es
caxias
bahia2
bahia
assembleia-bahia-petrobras
araucria-aprova-greve

Publicado em Sistema Petrobrás

A organização sindical da categoria petroleira completa 65 anos de existência nessa quinta-feira, 17 de outubro. São décadas de muita luta, sofrimento, alegrias, derrotas e, principalmente, conquistas.

Desde a década de 1950 foram muitos os petroleiros que abdicaram do convívio e aprendizado constante com os colegas no chão da fábrica para assumir um papel nada fácil: o de dirigente sindical.

Muitos sacrificaram suas vidas pessoais em nome do coletivo. Outros ajudaram na luta da forma que puderam. O certo é que hoje o sindicato dos petroleiros da Bahia é um dos maiores do Norte e Nordeste e, nacionalmente, a categoria é muito respeitada pela sua história de luta e vista como uma das mais fortes e combativas do Brasil.


Veja aqui a história nacional da organização sindical petroleira que deu origem à FUP


No maior estado do Nordeste, desde o seu primórdio, a história dos sindicatos dos petroleiros da Bahia se confunde com a própria história da luta pelo descobrimento e produção de petróleo no Brasil.

Foi em Salvador, na zona rural, no local onde hoje está localizado o bairro do Lobato, que em 1939, jorrou o petróleo pela primeira vez no Brasil. Mas foi só em 1941 que o óleo negro passou a ser comercializado, a partir da descoberta do poço Candeias 1.

O surgimento dessa nova riqueza incentivou, em 1953, a oficialização do monopólio estatal sobre a atividade petrolífera e a criação da empresa estatal “Petróleo Brasileiro S.A.”, mais conhecida como Petrobras. Até 1965, a Bahia foi o único estado nacional a produzir petróleo.

No processo de consolidação da descoberta e produção do petróleo, logo após a criação da Petrobrás, pelo governo Getúlio Vargas, surge em outubro de 1954 a Associação Profissional dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo no Estado da Bahia, que foi fundada em 17 de outubro, após a realização de sua primeira assembleia.

Em novembro de 1957, após cumprimento dos trâmites legais exigidos pela legislação da época, a associação se transforma em sindicato. Surge  o STIEP  Bahia (Sindicato dos Trabalhadores de Extração de Petróleo).

Antes mesmo da criação da Petrobras, Em 1948, começa a funcionar na Bahia a Refinaria de Mataripe (RLAM), porém, somente em 1959, no período de ampliação da refinaria é que surge o Sindipetro – sindicato dos petroleiros no refino.

De 1959 até 1996, estes dois sindicatos – STIEP e Sindipetro – representaram os petroleiros na Bahia.

Em 1996, com duas diretorias CUTistas, acontece a unificação do STIEP com o Sindipetro, nascendo o SUP – Sindicato Único dos Petroleiros da Bahia.

Na década de 1990, com a crescente ofensiva neoliberal e a junção de grandes empresas, a CUT propõe a implantação de sindicatos por ramos de atividades como forma de fortalecer as entidades sindicais e as categorias.

Foi seguindo o indicativo da Central que o SUP se unificou ao Sindiquímica. Em abril de 2000, foi reconhecida, oficialmente, a união dos dois sindicatos, surgindo o Sindicato dos Químicos/Petroleiros-Bahia.

Mas no ano de 2011, no mês de agosto, atendendo à reivindicação da categoria petroleira, os dois sindicatos se separaram, sendo criado novamente o Sindipetro Bahia, que hoje atua como sindicato cidadão, representando a categoria petroleira em todo o estado da Bahia, mas também se posicionando em todas as lutas que visam a garantia da igualdade, justiça social e soberania do Brasil.

Contaremos um pouco mais sobre a história da representação sindical dos petroleiros em outras matérias que serão publicadas em breve.

[Via Sindipetro-BA]

Publicado em Movimentos Sociais

Os trabalhadores da Araucária Nitrogenados, fábrica de fertilizantes da Petrobrás no Paraná, aprovaram nesta quarta-feira, 16, todos os indicativos da FUP. A proposta do TST para o Acordo Coletivo foi amplamente rejeitada e a greve a partir do dia 26, aprovada, caso a Petrobrás não dê sequência às negociações.

Ao todo, 260 trabalhadores da fábrica (65% do efetivo) participaram das assembleias realizadas ao longo do dia pelo Sindiquímica-PR.

Nas demais bases da FUP, as assembleias se encerram nesta quinta-feira, 17, com a grande maioria dos trabalhadores rejeitando a proposta do TST e aprovando a greve.

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

O Facebook tirou da rede na terça-feira (15) as páginas do Sindipetro Paraná/Santa Catarina e do Sindiqímica Paraná, filiados à FUP.

No mesmo dia, foram derrubadas também as páginas das CUT’s Brasília e Santa Catarina e as dos sindicatos dos Bancários do Mato Grosso e da Paraíba.

O Facebook se limitou a fazer uma breve notificação: “Sua página foi tirada do ar – parece que a atividade recente em sua página não segue as Políticas das Páginas do Facebook. Se você acreditar que a remoção da sua página foi um erro, poderá contestar esta decisão e analisaremos novamente a questão”.

No caso dos sindicatos da FUP, as páginas foram retiradas do ar após o compartilhamento de um video que desmascarava as mentiras ditas pelo presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, em uma audiência pública da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, na última terça-feira (8). 

"Será que as práticas antissindicais foram atualizadas? É muita coincidência as fanpages do Sindiquímica-PR e do SindipetroPR/SC saírem do ar simultaneamente", questiona o Sindiquímica-PR, em nota publica no site da entidade

Na página do Facebook do Sindipetro-PR/SC, a publicação já ultrapassava a marca de 70 mil pessoas alcançadas.

"O Sindicato vai contestar a decisão e se for preciso o fará até pelas vias jurídicas. Também não é possível descartar a hipótese de uma ação orquestrada de denúncias da publicação feitas por perfis falsos na rede, os chamados “robôs”, ou ainda uma manobra em massa dos apoiadores do atual governo, cujo o objetivo é entregar a Petrobrás e demais empresas estatais para o capital privado", informou o Sindipetro-PR/SC.

Para o dirigente do Sindiquímica-PR, Santiago da Silva Santos, o fato das páginas terem sido derrubadas após a postagem do vídeo é, no mínimo, suspeito. “Causa estranheza. Caso se confirme, só mostra como essa gestão trabalha. É bom que os trabalhadores percebam como esses caras têm medo de serem desmascarados”.

[FUP, com informações do Sindipetro-PR/SC e Sindiquímica-PR]

Publicado em Movimentos Sociais

A ameaça de despejo contra o Centro Paulo Freire, espaço de formação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na cidade de Caruaru (PE) foi suspensa.

A decisão da ordem de reintegração de posse favorável ao Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) foi emitida no último mês de setembro e na última terça (15) o cumprimento da decisão foi suspenso pelo desembargador Manoel Erhardt, do TRF5, cancelando a decisão do juiz da 24a Vara Federal de Pernambuco, de Caruaru, que determinava a desocupação do Centro.

De acordo com a defesa, o caso está suspenso por tempo indeterminado, já que a finalização do caso depende da decisão da turma do TRF5, a suspensão foi uma ação individual do desembargador, que a partir do processo percebeu a irreversibilidade de um possível despejo. A suspensão dos efeitos da antiga decisão vai até a decisão final do agravo, que será feita pela Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5.

O assentamento Normandia recebeu em 2013 petroleiros de várias regiões do Brasil, durante a IV Plenária Nacional da FUP, que teve  como tema "Trabalhadores do campo e da cidade em defesa da democracia" (saiba mais). 

Na área vivem 41 famílias, que têm como espaço coletivo o centro de capacitação, três agroindústrias, 52 alojamentos, salas de aula, auditório para 700 pessoas, centro comunitário, quadra esportiva, academia pública para atividades físicas, creche e refeitório. A Associação dos Trabalhadores do Assentamento Normandia (ATRANOR) havia pedido para ingressar no processo de execução, com o objetivo de defender a posse e a propriedade de todos esses bens das famílias assentados, que seriam imensamente prejudicados com a reintegração de posse, caso ocorresse. Esse pedido também foi acolhido pelo desembargador.

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) comemora a decisão. Para o dirigente Jaime Amorim, a medida acalmará os ânimos para uma conciliação “Nós esperamos a decisão mais correta, que é anular todo o processo. Os trabalhadores não foram ouvidos, o Ministério Público também não. Essa decisão foi importante porque anula qualquer possibilidade de reintegração de posse à força e joga expectativa na possibilidade de negociação. E nós já decidimos, negociação só se for pra não dar nenhum passo atrás. Vamos continuar reestruturando o Centro e vamos manter nosso processo de vigilância permanente, mas no aguardo da decisão”.

[Via Brasil de Fato]

Publicado em Movimentos Sociais

Mais uma assembleia confirma o resultado que vem se desenhando na Bahia desde a semana passada, quando começaram as assembleias nas unidades da Petrobras no estado para avaliar a proposta intermediada pelo TST para o Acordo Coletivo de Trabalho e os indicativos da FUP e do Sindipetro, entre eles a aprovação de greve a partir da zero hora do dia 26/10.

Na manhã dessa quarta-feira (16), os trabalhadores da turma 5 e adm da RLAM e turma B e adm doTemadre aprovaram os indicativos da FUP e do Sindipetro Bahia,  decidindo pela greve em nível nacional, mas também local.

Estavam presentes mais de 400 trabalhadores. Destes, 67,15% votaram a favor dos indicativos da FUP, 28,50% votaram contra e 4,35% se abstiveram. Já em relação aos indicativos do Sindipetro, o resultado foi o seguinte: 54,83% foram a favor, 38,65% contra e 6,52% se abstiveram.

Com uma boa participação da categoria, a assembleia teve duração de cerca de 4 horas devido ao debate sobre os temas que iriam entrar em votação. Muitos trabalhadores pediram a palavra e fizeram defesa a favor e contra as propostas. Como em todas as assembleias, foram registradas as presenças de vários gerentes, alguns visivelmente constrangidos por estarem ali obedecendo ordens da empresa.

Na hora da votação houve uma separação espontânea feita pela própria categoria: de um lado ficaram aqueles que se posicionaram a favor dos indicativos da FUP e Sindipetro, que foi a maioria. Do outro lado, os que acabaram votando no indicativo da empresa.

As assembleias prosseguem até quinta-feira (17), quando  divulgaremos o resultado final.

Na Bahia, acontecem duas assembleias: uma para deliberar sobre os indicativos da FUP e outra sobre as propostas do Sindipetro. Veja abaixo:

Indicativos Sindipetro
• Deflagração de greve, a partir da zero hora do dia 26/10, pela garantia do emprego, manutenção dos postos de trabalho e da dignidade dos trabalhadores
• Autorizar a entidade sindical a notificar o empregador na forma da Lei.

Indicativos da FUP
• Rejeição da proposta apresentada pelo TST no dia 19/09;
• Aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal;
• Condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados;
• Caso não ocorra negociação, greve a partir da zero hora do dia 26/10.

[Via Sindipetro Bahia]

Publicado em Sistema Petrobrás

Mais uma vez a categoria petroleira respondeu ao chamado do Sindipetro-NF, compareceu à assembleia no ginásio Juquinha do Tênis Clube de Macaé e aprovou os indicativos da FUP e sindicatos. Apesar do intenso calor, as pessoas permaneceram no local ouvindo as explicações dos diretores e das assessorias do sindicato. Essa assembleia emocionante reuniu trabalhadores das bases de Imbetiba, Imboassica, Edinc, Barra do Furado e Administrativo e Grupo D de Cabiunas.

Economista do Dieese, Iderley Colombini mostrou para a categoria como foi o andamento das negociações até aquele momento. Também comparou a remuneração dos trabalhadores da Petrobrás com outras empresas como a Shel , Total, BP e a Equinor, comprovando a queda na remuneração.

 “Entre 2017 e 2018, há queda na remuneração média anual dos trabalhadores da Petrobrás de 12%. Outras petroleiras mostram que há crescimento (entre 2 % e 7%) e queda de 2% só no caso da Shell” – afirmou Colombini.

O Coordenador do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra falou da importância do sindicato para a categoria e das conquistas da empresa que vieram com muita luta. “Todas as nossas conquistas garantidas no Acordo Coletivo tiveram a luta de muitas gerações envolvidas e garantiram ganhos enormes para a categoria. Essa construção é antiga e nós temos a obrigação de mantê-las”  – reafirmou.

Para o assessor jurídico Normando Rodrigues, a campanha salarial estava entrando num momento decisivo de falsas informações e de encaminhamentos de oportunistas, onde a solução era a luta conjunta..

“É verdade sim que no âmbito do direito individual a empresa não pode lesar os trabalhadores em tudo aquilo que está protegido pelo Acordo Coletivo. Por outro lado, o dissídio coletivo, eventualmente a ser julgado pelo TST, em caso de greve, não é a solução dos problemas. O empregado da Petrobras tem sua solução para esse momento fatídico de destruição da empresa e perda de direitos, na mobilização e na atuação coletiva para reconstrução do acordo coletivo de trabalho da categoria. Esse é o foco fundamental.Não há saída no direito individual não há saída no contrato individual e no dissídio coletivo. A saída é mobilização forçando uma nova negociação com a empresa” – disse Normando.

O Coordenador da FUP, José Maria Rangel, analisou o momento como um dos mais difíceis de sua vida sindical, com excesso de práticas antissindicais e a tentativa de destruir o ACT dos petroleiros por orientação política.  “Essa é uma das campanhas salariais mais diferentes das que já vivenciamos. Acredito que vamos passar por isso mantendo a unidade e fazendo a luta”.

A votação secreta aconteceu depois das falas da categoria e terminou por volta das 13h.

Confira o resultado dessa Assembleia:

  A favor Contra Abstenção
01 – Rejeição da proposta apresentada pelo TST no dia 19/09. 64,07% 30,01% 5,95%
02 – Aprovação dos itens encaminhados ao TST, em 26/09, como melhoria à proposta do Tribunal. 67,29% 11,93% 20,83%
03 – Condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados. 55,32% 15,58% 29,15%
04 – Caso não ocorra negociação, greve a partir do zero hora do dia 26/10. 60,56% 28,48% 10,82%

[Via Sindipetro-NF]

Publicado em Sistema Petrobrás
Página 1 de 24

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram