Os trabalhadores associados ao Sindipetro Duque de Caxias efrentam nos próximos dias um processo eleitoral que será decisivo para a categoria. A FUP e seus sindicatos apoiam a Chapa 1:  Luta e Resistência, que traz em sua composição companheiros e companheiras de luta que nunca se omitiram ou fugiram à responsabilidade de exercer o papel de lideranças ativas, na defesa dos direitos da categoria petroleira, da soberania nacional e da democracia. 

A FUP e a atual direção do Sindipetro Caxias tentaram construir a unidade neste momento tão grave que os trabalhadores atravessam, com a Petrobrás no olho do furacão, mas a oposição continua apostando no divisionismo. "Nem mesmo a repressão do governo FHC, com as Forças Armadas ocupando as refinarias e intervindo nos sindicatos, foram capaz de deter o crescimento da luta, que culminou com a eleição de Lula para a Presidência da República, em 2002. Para esta eleição sindical, buscamos unidade com a oposição. Tentamos convergir dentro das nossas diferenças em prol da categoria petroleira. Infelizmente eles pregam uma coisa e fazem outra. O sectarismo impediu a criação de uma chapa unitária. Nós sabemos quem é o inimigo. Ele é Bolsonaro. Seguiremos com o trabalho que todos conhecem tão bem", afirmou o sindicato, em manifesto divulgado à categoria.

Fazemos, portanto, um chamado aos petroleiros e petroleiras de Duque de Caxias a participarem deste processo eleitoral, acompanhando e divulgando os materiais de campanha da Chapa 1, que pode ser acessado nas redes sociais abaixo:

Facebook:
https://www.facebook.com/lutaeresistenciacaxias

Instagram:
https://www.instagram.com/lutaeresistenciacaxias/

Eleição será de 28 a 31 de março

Na quinta-feira, 18, terminou o prazo de registro das chapas que concorrem à eleição da nova diretoria. Duas chapas foram inscritas. A Chapa 1, apoiada pela FUP, pela CUT e pelos sindicatos do campo fupista, tem à frente o atual secretário geral do Sindipetro, Luciano Leite Santos.

Conforme o calendário, a Comissão Eleitoral tem até o dia 21 de março para realizar a conferência da documentação entregue pelas duas chapas. Caso haja qualquer discordância com as exigências estatutárias, a chapa será impugnada.

A chapa impugnada deverá apresentar recurso até o dia 23 de março, sendo analisado pela CE até o dia 24 de março.

O período de votação ocorre entre os dias 28 e 31 de março, conforme calendário.

Os documentos relativos a eleição podem ser acessados em: http://sindipetrocaxias.org.br/eleicao-sindipetro-caxias-trienio-2021-2024/

Leia abaixo o boletim da Chapa 1:

O sindicato tá ON, a oposição tá OFF

Brecht tem razão, em tempos estranhos e sombrios temos que explicar e defender o óbvio. Mas tudo bem, é o papel do sindicato e da sua direção informar e esclarecer as trabalhadoras e os trabalhadores sobre os caminhos que são trilhados para que a instituição defenda os nossos direitos e para que a categoria se engaje na luta pela vida, por saúde e por benefícios. Então vamos lá!

Nesse estranho e tenebroso tempo em que o vírus da COVID-19 vai matar 300 mil brasileiros muito em breve, o povo brasileiro e, em especial, a classe trabalhadora, precisa reafirmar frente aos governos genocida e aos barões do mercado que a vida é um valor inegociável! Parece óbvio? Pois é, mesmo o sendo, precisamos reafirmar esse valor dentro das nossas fábricas. E por que? Sigamosos fatos e será possível evidenciar a razão.

As petroleiras e petroleiros da REDUC confiaram e permanecem seguindo os encaminhamentos e as direções que são apontadas dela atual diretoria e, por esta razão, estão acumulando resultados positivos e garantias que muitos outros colegas em diversas unidades não obtém.

Foi a atual direção que, com responsabilidade e estratégia coletiva, engajou a categoria na 2º maior greve nacional em fevereiro de 2020 à lutar por direitos e a defender os empregos; foi essa mesma direção que desde o início do golpe de 2016 tem afirmado que o discurso do ódio e o ataque do fascismo produziria perdas de diretos trabalhistas e desemprego, foi também a responsável por realizar diversas ações jurídicas que garantiram aos trabalhadores da base do Sindipetro Caxias a preservação dos seus salários e a manutenção dos benefícios durante a pandemia. Os registros nos boletins e nas mídias socias do sindicato atestam que o bom e valoroso trabalho dessa direção gerou e ainda vai gerar muitos resultados positivos e proteções para os trabalhadores da REDUC, do TECAM, da UTEGLB e da ECOMP de Arapeí.

Tá, mas isso não é óbvio? É. Mas um grupo de pessoas ligadas à FNP e a grupos partidários que apoiaram o golpe contra a classe trabalhadora ainda fomentam a retórica do ódio e espalham mentiras e boatos que geram descontentamento e dúvidas nos trabalhadores, mesmo que a informação oficial no site apresente justamente o contrário. Essas recorrentes atitudes irresponsáveis e levianas comprovam que a falta de um projeto para dirigir e organizar a categoria na base de Caxias se materializam em mensagens confusas e com conteúdo falso. Não bastasse a dor de muitos trabalhadores com as restrições impostas pela pandemia, com a dor pela morte de parentes, com o descaso das autoridades competentes e da gestão temerária da Petrobras, os trabalhadores ainda tem que digerir as fakes espalhadas por esse grupo que se denomina oposição, mas que não conseguem indicar um caminho consistente para vencer os desafios apresentados.

Atuam como matracas, que repetem o discurso de terra arrasada e não conseguem minimamente fazer a análise da conjuntura política, social e econômica do nosso município, do estado e do país. Enfim, criam uma realidade paralela, ignorando que TODOS os encaminhamentos defendidos por eles nesses últimos anos foram REJEITADOS pela base e criaram enormes problemas e obstáculos para os trabalhadores das bases da FNP, que são seus apoiadores.

O tempo, que é senhor da verdade e embaixador da sabedoria, revela a todos se as decisões e encaminhamentos foram sóbrios e estavam aderentes os interesses coletivos e da classe trabalhadora. Por isso, a atual direção continuará firme na luta por direitos e na defesa dos interesses da categoria petroleira na REDUC, no TECAM, na UTE-GLB e na ECOMP de Arapeí. Sigamos a verdade, o companheirismo e a luta organizada dos trabalhadores no Sindipetro Caxias para continuarmos a colher vitórias e conquistas.

Até a vitória!

Chapa 1: Luta e Resistência

Publicado em Movimentos Sociais

Nesta quinta-feira, 18, encerrou-se o prazo para inscrição de chapas para concorrer ao pleito da direção do Sindipetro Caxias no triênio de 2021-2024.

Foram inscritas duas chapas:

  • Chapa 1: Luta e Resistência
  • Chapa 2: Reage Petroleiro.

Conforme o calendário, a Comissão Eleitoral tem até o dia 21 de março para realizar a conferência da documentação entregue pelas duas chapas. Caso haja qualquer discordância com as exigências estatutárias, a chapa será impugnada.

A chapa impugnada deverá apresentar recurso até o dia 23 de março, sendo analisado pela CE até o dia 24 de março.

O período de votação ocorre entre os dias 28 e 31 de março, conforme calendário.

Os documentos relativos a eleição podem ser acessados em: http://sindipetrocaxias.org.br/eleicao-sindipetro-caxias-trienio-2021-2024/

Cuidado com as fake news

O Sindipetro Caxias esclareceu que já foi devidamente comunicado, através de ofício enviado à Comissão Eleitoral, que a Ficha de Inscrição que tem valor legal é aquela que foi protocolada na secretaria do sindicato no dia 10/03/21, no final da tarde.

O sindicato alerta a todos os sócios que queiram concorrer nesta eleição que não caiam em FAKE NEWS.

O sindicato já solicitou explicação aos membros da comissão de como foi feita uma ficha de inscrição com o logo do Sindipetro Caxias sem passar pela secretaria do próprio sindicato, mas até hoje não tivemos resposta. Até porque a comissão eleitoral não se reuniu nenhum dia na sede do sindicato.

Alertamos a categoria que qualquer ficha que não seja aquela publicada pelo sindicato em seu site e com o carimbo da secretaria será impugnada, pois não cumpre o Estatuto e propicia fraude.

O sindicato foi informado pela categoria de que foi criada uma página no Facebook “Comissão Eleitoral Sindipetro Caxias 2021”, que alega ser da Comissão Eleitoral e tem entre sua postagem uma Ficha de Inscrição falsa, que pode prejudicar os proponentes que queiram inscrever chapa.

A Ficha de Inscrição válida, autenticada pela secretaria do sindicato, está disponível no portal do Sindipetro Caxias, através do link: http://sindipetrocaxias.org.br/documentos/ficha-de-inscricao.pdf

[Da imprensa do Sindipetro Caxias]

Publicado em SINDIPETRO CAXIAS
Quarta, 17 Março 2021 12:33

Manifesto em defesa do Sindipetro Caxias

Foi em 1983, com a fundação da CUT ainda na ditadura, que nasceram os primeiros projetos de combate ao assistencialismo, fazendo surgir pelo país afora grupos engajados em defender os trabalhadores. Em Caxias, a primeira vitória cutista no Sindipetro ocorre em 1992. Essa vitória acontece depois da greve da REDUC, em 1989, que durou 56 dias e que, apesar das 32 demissões na refinaria, garantiu a implantação da 5ª Turma. Em 1994, a luta dos petroleiros se unificou nacionalmente com a criação da FUP. Assim como agora, entendemos que somente a UNIDADE NACIONAL pode defender a Petrobrás da privatização. Seja de FHC, seja de Paulo Guedes. A filiação do sindicato à CUT veio em 1995, depois dos 31 dias da primeira Greve Nacional dos Petroleiros contra a privatização da Petrobrás, marco histórico da luta da classe trabalhadora. Nem mesmo a repressão do governo FHC, com as Forças Armadas ocupando as refinarias e intervindo nos sindicatos, foram capaz de deter o crescimento da luta, que culminou com a eleição de Lula para a Presidência da República, em 2002. Para esta eleição sindical, buscamos unidade com a oposição. Tentamos convergir dentro das nossas diferenças em prol da categoria petroleira. Infelizmente eles pregam uma coisa e fazem outra. O sectarismo impediu a criação de uma chapa unitária. Nós sabemos quem é o inimigo. Ele é Bolsonaro. Seguiremos com o trabalho que todos conhecem tão bem.

Sindipetro Caxias, um sindicato de luta

O Sindipetro Caxias foi pioneiro na defesa do fortalecimento do Acordo Coletivo de Trabalho, de mais direitos e benefícios para a categoria e contra a privatização. Conseguimos a Aposentadoria Especial. Muitos não acreditavam, pois o governo FHC tinha extinguido esta possibilidade. Foi o trabalho da direção do Sindipetro Caxias que permitiu a articulação administrativa junto ao INSS reformulando o PPP que conseguiu retornar a aposentadoria especial. Foi essa mesma direção que conseguiu a luta pela prevenção do benzeno na REDUC. Fruto disso, foi conquistada a reforma e a construção de um novo laboratório que atendesse às normas de segurança. Foi esta direção sindical que, em 2013, promoveu a primeira ação coletiva de reconhecimento de aposentadoria especial no Brasil, pedindo o reconhecimento da Aposentadoria Especial para todos os trabalhadores dentro dos muros da refinaria. Outras conquistas: a criação da 5ª Turma, a higienização de uniforme, a hora-extra minuto a minuto para Regime de Turno e Administrativo, Equiparação Salarial, concurso público na Petrobrás, primeirização na Transpetro, fim dos descontos do IR nas férias, revisão de aposentadoria de comum para especial, Dedução do equacionamento da PETROS no IR (ação ganha em 1ª Instância ainda no prazo do recurso da União), entre tantas mais.

Pandemia: novos desafios para a luta sindical

Durante a pandemia também obtivemos vitórias, como a que garantiu a irredutibilidade dos salários dos trabalhadores do HA e do Turno que ficassem em home ofice, o retorno da Central de Ponto ao seu local de origem, os dados da Covid e a manutenção do pagamento da AMS no contracheque, por exemplo. A mais recente vitória ocorreu dia 9 de março, onde a direção sindical conseguiu executar a tutela para implantação da tabela de turno escolhida pelos trabalhadores. O não desconto dos dias de greve nas férias, a proibição de descontar o Saldo AF e a indenização pela supressão da hora extra são ações que ainda estão em trânsito. Estas ações coletivas, que a oposição minimiza ou diz que não existem, estão na página do sindicato e podem ser acompanhadas por todos.

A oposição e o golpe contra os trabalhadores

Com o golpe dado contra a democracia em 2015, que resultou no impeachment da presidente Dilma, a prisão do ex-presidente Lula, a Reforma Trabalhista e a ascensão de um governo de extrema-direita em nosso país , vários direitos da categoria ficaram ameaçados. O sindicato sempre denunciou que o verdadeiro objetivo do impeachment era atacar os direitos dos trabalhadores e entregar o patrimônio nacional à iniciativa privada. A oposição sindical, ao contrário, naquele momento levantou a bandeira do Fora Todos!, dividindo a categoria, apoiando o golpe e fortalecendo a luta da direita contra o povo. Agora, escondem esse fato e posam de bons moços, querendo taxar a direção do sindicato de “golpista”. Mas foram eles que falavam que “não teve golpe”, que “o impeachment de Dilma era um processo democrático”, “que o lugar de Lula era na cadeia”. A toda hora insistindo em mentiras e disseminando o ódio, tentando manipular os trabalhadores.

Seguir na luta

Por tudo isso, não podemos permitir que a mentira, a manipulação e o falso discurso controle o sindicato. Queremos manter o Sindipetro Caxias na unidade nacional FUP e CUT. Queremos defender a Petrobrás como uma ESTATAL. Queremos lutar para que haja o retorno da democracia e tenhamos um governo que respeite a classe trabalhadora. Queremos que a legislação trabalhista seja reestabelecida. Para isso, precisamos do apoio da categoria. Queremos seu voto na eleição do sindicato, que ocorrerá de 28 a 31 de marco de 2021. De que lado da história você estará? Nosso histórico você conhece, fizemos e queremos continuar fazendo.

Publicado em Movimentos Sociais

Depois de quatro dias de votação, com o processo eleitoral iniciado em 12 de janeiro e encerrado nesta sexta, 15, às 17 horas, a chapa do pleito para a nova diretoria do SINDIPETRO-RN, denominada “Unidade e Resistência” foi eleita com 1.096 votos(97,25%). A eleição teve em sua totalidade, 1.127 votos, entre eles 24 em brancos e 07 nulos, de acordo com a Comissão Eleitoral.

A apuração dos votos das 19 urnas(fixas e itinerantes) começou por volta das 18 horas desta sexta, 15/01, na sede e subsede do Sindicato em Natal e Mossoró. Às 20 horas do mesmo dia, foi anunciada a conclusão da contagem e o resultado da eleição pela Comissão Eleitoral.

Com este resultado, a chapa “Unidade e Resistência” vai dirigir o SINDIPETRO-RN no triênio 2021-2024. Uma escolha democrática dos associados da entidade, que votaram com a mais ampla segurança e responsabilidade oferecida pelo Sindicato afim de evitar possível contaminação pela COVID 19.

Para o Coordenador da Comissão Eleitoral, Paulo César, a eleição foi realizada conforme o esperado e sem problemas registrados. “Todo o processo eleitoral, desde a publicação do edital de convocação, logística e contabilização dos votos saíram como esperados pela comissão”, informa Paulo.

O Coordenador Geral reeleito do SINDIPETRO-RN, Ivis Corsino, agradece a todos os trabalhadores da ativa, terceirizados e aposentados, pelo esforço em fortalecer e respaldar a eleição da nova diretoria, principalmente neste momento atípico que vivemos com a pandemia da COVID 19.

“Quero agradecer a todos os companheiros e companheiras que, mesmo enfrentando a pandemia, tiveram a coragem e iniciativa de registrar sua escolha para a nova direção do SINDIPETRO-RN. Em nome de toda a diretoria agradeço por todos os votos e confiança depositados”.

Ivis ainda agradece a todos os apoiadores que ajudaram no sucesso da chapa eleita. “O nosso muito obrigado também vai para a FUP, CTB, CUT e todos os movimentos sociais que apoiaram na construção e deliberação da nova diretoria. São anos difíceis, mas estaremos aguerridos e fortalecidos para enfrentar qualquer problema. Estamos juntos!”.

O diretor da FUP e secretário-geral reeleito, Pedro Lúcio, também declara sua satisfação com o pleito, e se diz pronto para continuar a luta em defesa dos trabalhadores e trabalhadoras potiguares.

“Nos últimos anos enfrentamos diversas lutas na área sindical. Direitos trabalhistas rebaixados, previdência pública retalhada, privatizações e o avanços do fascismo e da violência que mata e adoece o nosso país, espalhando miséria e desigualdade por onde passa. Tendo em vista esse cenário nefasto que nos encontramos, me alegro em saber que a categoria petroleira potiguar respaldou de forma democrática a nova diretoria. Sem dúvidas vamos honrar cada voto a nós confiados. SINDIPETRO-RN, na luta!”, diz o dirigente.

Medidas de Segurança: Durante toda a eleição a Comissão Eleitoral e a direção do Sindicato, reunirão diversos esforços e recursos para assegura a saúde dos mesários, motoristas, apoiadores e eleitores. Todos os trabalhadores do pleito foram treinados e fizeram uso de equipamentos de segurança individual e álcool em gel.

As cédulas de votação, canetas e todo o material da eleição também foram higienizados para garantir o máximo de proteção possível durante o pleito. O uso de máscara e obedecer ao distanciamento social, foram algumas das recomendações de segurança feitas pelos mesários aos eleitores durante a votação.

[Da imprensa do Sindipetro-RN]

Publicado em SINDIPETRO-RN

O primeiro dia de votação das eleições para a nova diretoria do SINDIPETRO-RN(triênio 2021-2024) ocorreu em plena tranquilidade e atendeu as expectativas, segundo o coordenador da comissão eleitoral, Paulo César.

De acordo com Paulo, até o fechamento das urnas, nenhum problema foi registrado pela comissão. “Durante todo o dia a coordenação manteve contato com todos os mesários para monitorar a votação. Nenhuma ocorrência foi registrada nas urnas fixas em Natal e Mossoró, bem como nas itinerantes que estão colhendo os votos nos ativos da Petrobrás, empresas privadas e residências dos aposentados. A expectativa é que esse bom desempenho se mantenha até o fim da contagem dos votos na próxima sexta”, explica Paulo.

Sobre a segurança e higiene na eleição, César destaca que todos os mesários, motoristas e apoiadores estão portando Equipamentos de Proteção Individual, álcool em gel e mantendo o distanciamento social. “Todos os colaboradores que estão atuando na campanha foram orientados a seguir com rigidez os protocolos de segurança para evitar possível contaminação pela COVID 19 durante o pleito”, informa.

Neste sentido, a eleição continua até sexta-feira(15) até às 17 horas.  Para vota o sindicalizado precisa apresentar um documento oficial aos mesários das urnas fixas e itinerantes para fins de comprovação de vinculo ao Sindicato.

Em Natal são duas urnas fixas para essa finalidade, sendo a primeira na sede do Sindicato, localizada na avenida Prudente de Morais, 357, Petrópolis, e a segunda na subsede da Cidade da Esperança, Avenida Euzebio Rocha, número 12, Sala 8.

Em Mossoró a urna fixa está na subsede da entidade na Rua Venceslau Bras, 400, bairro Paredões. Também estão sendo disponibilizadas dezesseis urnas itinerantes que vão circular pelos ativos da Petrobrás, empresas privadas e residências de aposentados.

Dúvidas/Informações

Sede Natal: 84 33446800/99660-2063(Whatsapp)

Subsede Mossoró: 84 33172034/996601656(Whatsapp)

[Da imprensa do Sindipetro-RN]

Publicado em SINDIPETRO-RN

Seguindo as recomendações apresentadas pela Comissão Eleitoral, o SINDIPETRO-RN realizou a limpeza e desinfecção dos locais de votação para que ocorra de forma segura as eleições da nova diretoria da entidade para o triênio 2021-2024.

Além do processo de limpeza, o Sindicato também vai providenciar todo material recomendado para garantir um processo eletivo livre de contaminação pelo COVID 19. Todos os mesários e motoristas foram treinados e farão uso de Equipamentos de Segurança Individual (EPI’s) e álcool em gel para manter o pleito seguro para a categoria.

Durante o período das eleições (de 12 à 15 de janeiro de 2021), o atendimento de rotina será feito apenas de forma virtual. O acesso presencial às sedes e subsedes funcionarão somente para o fim das eleições, e com acesso controlado.

Por tanto, o Sindicato convoca todos os trabalhadores da ativa, aposentados e pensionistas para exercer o importante papel de cidadania e de compromisso com a continuidade da luta pela defesa de direitos para comparecer nas eleições do Sindicato, que acontecem de terça à sexta dessa semana.

Para este processo, serão disponibilizadas dezenove urnas, sendo três urnas fixas, no horário das 7 às 17 horas, distribuídas na sede do sindicato em Natal (na Av. Prudente de Morais, 357 Petrópolis); na subsede no bairro Cidade da Esperança (Av. Euzébio Rocha, 12 – Sala 8) e na subsede Mossoró (Rua Venceslau Brás, 400 Paredões).

As outras dezesseis urnas (itinerantes) estarão circulando nas empresas privadas, bases da Petrobrás e residenciais de aposentados e pensionistas. As urnas intolerantes obedecem a horários específicos definidos pela Comissão Eleitoral.

? Assista o vídeo da Comissão eleitoral: https://www.facebook.com/460730030772422/posts/1787807151398030/

? Saiba mais no link: https://www.sindipetrorn.org.br/noticia/sindipetro-rn-divulga-mais-duas-resolucoes-encaminhadas-pela-comissao-eleitoral/

? Confira o Edital de Convocação: https://www.sindipetrorn.org.br/noticia/sindipetro-rn-publica-edital-e-conclama-categoria-para-eleicao-da-nova-diretoria/

? Chapa Registrada: https://www.sindipetrorn.org.br/noticia/comissao-eleitoral-anuncia-registro-de-chapa-para-pleito-do-sindipetro-rn/

[Via Sindipetro-RN]

Publicado em SINDIPETRO-RN

Por Deyvid Bacelar, coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros - FUP

Você, petroleiro e petroleira, já se perguntou de onde vieram os direitos consolidados no Acordo Coletivo de Trabalho? Não caíram do céu, nem nos foram dados. Cada cláusula do ACT foi conquistada na luta, fruto da capacidade de organização da classe trabalhadora.

Agora eu te pergunto, o que a FNP construiu em prol dos petroleiros? Por que em quase 15 anos de existência essa divisão sindical jamais conseguiu negociar uma só cláusula do ACT? A resposta talvez esteja na maneira com que seus dirigentes tocam as campanhas reivindicatórias: não fazem greve, não negociam, são contra o que a FUP constrói na negociação, indicam rejeição do ACT e depois assinam o mesmo Acordo.

Inércia sindical

Por trás da inércia sindical da FNP está a total incapacidade de organização dos trabalhadores. E isso se reflete na maior base do Sistema Petrobrás, que é o Rio de Janeiro, onde está o comando da empresa. O baixo grau de filiação do sindicato é o sinal claro de que há um grave problema de representatividade. Há mais de uma década, as direções sindicais são eleitas basicamente com votos dos aposentados. A greve de fevereiro deste ano, uma das mais importantes da história da categoria petroleira, foi protagonizada pela FUP em uma base da FNP, através da ocupação do Edise.

Se não é capaz de organizar os trabalhadores além das bravatas, como a FNP vai conseguir negociar com responsabilidade e efetividade o Acordo Coletivo? Cada conquista e direito da nossa categoria tem por trás a força de sua organização sindical. Entre 2005 e 2013, o ACT passou de 113 para 186 cláusulas. Apesar da sua importância e abrangência, ele vem sofrendo duros ataques que vão além dos gestores do Sistema Petrobrás.

Ataques ao ACT

Desde que foi criada, a FNP atua contra o nosso ACT, indicando a sua rejeição em todas as campanhas reivindicatórias, sem jamais apresentar alternativas viáveis para a categoria. O roteiro é o mesmo há mais de uma década. O Acordo cresceu de tamanho, os petroleiros acumularam ganhos reais e avanços significativos nas condições de trabalho e benefícios, mas, os sindicatos que integram a FNP sempre se posicionaram contra, sem acrescentar uma única cláusula sequer. 

Com as mudanças conjunturais a partir 2016, o Sistema Petrobrás começou a sofrer o maior desmonte da sua história, com perda de diversos ativos que foram privatizados, desinvestimentos, redução drástica dos efetivos próprios, demissões em massa de terceirizados e uma série de ataques aos direitos da categoria. As resoluções 22 e 23 da CGPAR são parte desse projeto político imposto.

É evidente que este ACT não é o que gostaríamos de ter pactuado, mas foi o melhor acordo possível dentro da atual conjuntura. A FUP jamais iludiu a categoria, como sempre faz a FNP e fez de novo nesta campanha, colocando em risco milhares de trabalhadores. Nas bases do Sindipetro-RJ, por conta das irresponsabilidades da direção do sindicato, houve perdas de 70% da gratificação de férias e a Petrobrás aplicou acordos individuais para cerca de 7 mil trabalhadores.

Sabemos que o Acordo Coletivo está aquém do que queríamos, mas é o que nos dará respaldo para manter a AMS, impedir demissões sem justa causa e preservar a essência dos nossos direitos históricos.

Quem é o inimigo?

Ao contrário de muitos companheiros da FNP, temos o entendimento claro de que o inimigo não é quem nos faz oposição sindical e sim os que conduzem o projeto fascista ultra liberal, seja dentro ou fora da Petrobrás. É dessa turma que partem os ataques contra os direitos dos trabalhadores, contra o patrimônio público, contra a soberania nacional e contra a democracia.

Para enfrentar e derrotar o inimigo, o front de batalha tem que ser unitário. E a FUP jamais fugiu a essa responsabilidade, sempre protagonizando a construção de frentes de lutas contra as privatizações e em defesa do pré-sal. Não é de hoje que alertamos a categoria de que não há salvação individual. A luta contra esse desmonte tem quer ser coletiva. Até quando a FNP vai continuar batendo bumbo, sozinha na praça, nos tratando como inimigo, enquanto o verdadeiro inimigo avança?

Publicado em Movimentos Sociais

Encerrou na noite desta terça, 25 de agosto, o processo eleitoral que elegeu a Chapa 1 para a nova direção do Sindipetro-NF e Conselho Fiscal para o período de 2020 a 2023. Através de um processo inédito por conta da pandemia de Coronavírus, a eleição aconteceu toda de forma online no período de 21 a 25 de agosto.

Participaram do processo eleitoral 1900 pessoas que elegeram a Chapa 1 com 92% dos votos válidos. Foram 1751 votos para a Chapa 1 e 149 votos em branco. A apuração foi feita de forma eletrônica, com o sistema de votação criptografado, pela Junta Eleitoral e funcionários do sindicato na sede da entidade em Macaé.

Logo após o resultado o presidente da Junta Eleitoral, o petroleiro Luiz Alves, deu posse ao Coordenador da Chapa 1, Tezeu Bezerra (veja vídeo abaixo) a frente de todos os membros da Junta composta também por Luciano Vaz, Pedro Nogueira, Eliane Martins e André Tavares.

“Esse tempo todo viemos conduzindo o processo eleitoral para que tivesse uma eleição presencial, mas não foi possível devido à pandemia. A eleição veio para o virtual, mas correu tudo bem com a segurança que a tecnologia nos dá e hoje terminamos a apuração e dou parabéns ao Coordenador Tezeu pela eleição da Chapa. São mais três anos para enfrentar os desmandos desse governo” – afirmou Luiz Alves.

Tezeu Bezerra agradeceu a todos os petroleiros e petroleiras que votaram e lembrou dos desafios a frente da entidade. “Agradeço a toda lisura e tranquilidade que a Junta teve e aos companheiros e companheiras que participaram desse processo eleitoral. Temos que lembrar que esse sindicato é da categoria petroleira do Norte Fluminense e ela é totalmente soberana. Vemos um cenário de três anos muito difíceis, mas que com certeza vamos enfrentar com muito vigor cada um desses momentos. Lembrando que juntos não somos nada, mas sozinhos nós somos fortes!” – conclui o coordenador Tezeu Bezerra.

A nova diretoria está reunida em reunião colegiada que acontece nesta quarta, 26 através da plataforma Zoom para definir os próximos passos da gestão e da luta.

As eleições

Esse ano, além da votação totalmente digital apenas uma chapa se inscreveu para concorrer às eleições do Sindipetro-NF. O processo aconteceu das 9h do dia 21 de agosto, às 16h do dia 25 de agosto de 2020 através de uma plataforma segura de votação, onde os sindicalizados tinham acesso por link a uma plataforma segura, depois de confirmar seus dados pessoais. 

 

CHAPA ELEITA

 

COORDENADOR GERAL:

TEZEU FREITAS BEZERRA

COMUNICAÇÃO:

RAFAEL CRESPO RANGEL BARCELLOS

MARCELO NUNES COUTINHO

THIAGO HENRIQUES CABRAL

APOSENTADOS:

FRANCISCO ANTONIO DE OLIVEIRA SANTOS DA SILVA

ANTONIO ALVES DA SILVA

ANTONIO CARLOS MANHÃES DE ABREU

ANDRÉ DE LIMA COUTINHO

FORMAÇÃO:

CONCEIÇÃO DE MARIA P. A. ROSA

LUIZ CARLOS MENDONÇA DE SOUZA

DEBORAH SANTOS CORREA SIMOES

CULTURA:

GUILHERME CORDEIRO FONSECA

JONATHAS EMANOEL MAIA FRANÇA

LEONARDO DA SILVA FERREIRA

SETOR PRIVADO:

EIDER COTRIM MOREIRA DE SIQUEIRA

JANCILEIDE ROCHA MORGADO

VITOR LUIZ SILVA CARVALHO

JOHNNY SILVA DE SOUZA

FINANCEIRO:

TADEU DE BRITO OLIVEIRA PORTO

JOSÉ MARIA FERREIRA RANGEL

SERGIO BORGES CORDEIRO

SAÚDE E SEGURANÇA:

ALEXANDRE DE OLIVEIRA VIEIRA

BARBARA SUELY DA SILVA BEZERRA

GUSTAVO FIGUEIREDO MORETE

ADMINISTRATIVO:

VALDICK SOUZA DE OLIVEIRA

BENES OLIVEIRA NEVES JUNIOR

MATHEUS SANTOS GAMA NOGUEIRA

JURÍDICO:

ALESSANDRO DE SOUZA TRINDADE

EWERSON CARDOSO JUNIOR

SILVANDO BISPO NASCIMENTO

 

CONSELHO FISCAL:

– TITULAR:

MAGNUS FONSECA DE SOUZA

MARCOS FREDERICO DIAS BREDA

SAMUEL HENRIQUE PEREIRA DOS SANTOS

JORGE TADEU ALCANTARA DA COSTA

CLAUDINO CARDOSO DE SOUZA

-SUPLENTES:

PAULO DE ALMEIDA E SILVA NETO

ANTONIO RAIMUNDO TELES SANTOS

GENUSA DE SOUZA DUTRA CARNEIRO

VANILDA MARIA RIBEIRO DA SILVA QUEIROZ

WILSON ROBERTO FERNANDES DOS SANTOS

[Via Sindipetro-NF]

Publicado em SINDIPETRO-NF

A Junta Eleitoral responsável pelo pleito para a diretoria e Conselho Fiscal do Sindipetro-NF, para a gestão 2020-2023, decidiu convocar as eleições para o período de 21 a 25 de agosto. Pela primeira vez a votação acontecerá de forma digital, por conta da pandemia da covid-19. Veja abaixo a deliberação da Junta Eleitoral e quem são os componentes da única chapa inscrita.

A diretoria do NF estimula que a categoria participe de modo massivo da votação, que será feita por meio de link no site da entidade. É muito importante manter grande participação dos petroleiros e petroleiras em todas as atividades sindicais, mesmo neste momento de pandemia.

Confira abaixo as informações sobre o pleito divulgadas pela Junta Eleitoral:

ELEIÇÃO PARA DIRETORIA COLEGIADA E CONSELHO FISCAL

PeIo presente, a Junta Eleitoral eleita estatutária e democraticamente, convoca os associados do Sindicato do Sindipetro-NF para a votação de escolha de sua diretoria e conselho fiscal.

CHAPA ÚNICA

Por intervenção do Judiciário, que suspendeu o processo em parte, os associados da entidade contaram excepcionalmente com 50 dias para realizar inscrição de chapas. Ainda assim, apenas uma chapa se inscreveu ao pleito.

VOTAÇÃO DIGITAL

Considerando a faculdade instituída pelo artigo 5° da lei 14.010/20, e a disposição do artigo 542 da CLT, e dadas as condições excepcionais de restrição ao contato social devido à COVID-19, será realizada votação digital, nos termos abaixo:

1 – Período – das 9h do dia 21 de agosto, às 16h do dia 25 de agosto de 2020;

2 – Procedimento – Basta acessar o link que será disponibilizado no site do SindipetroNF (www.sindipetronf.org.br) e confirmar os dados pessoais para habilitação ao sistema de votação online.

CHAPA: DEMOCRACIA E LUTA

COORDENADOR GERAL:

TEZEU FREITAS BEZERRA

COMUNICAÇÃO:

RAFAEL CRESPO RANGEL BARCELLOS

MARCELO NUNES COUTINHO

THIAGO HENRIQUES CABRAL

APOSENTADOS:

FRANCISCO ANTONIO DE OLIVEIRA SANTOS DA SILVA

ANTONIO ALVES DA SILVA

ANTONIO CARLOS MANHÃES DE ABREU

ANDRÉ DE LIMA COUTINHO

FORMAÇÃO:

CONCEIÇÃO DE MARIA P. A. ROSA

LUIZ CARLOS MENDONÇA DE SOUZA

DEBORAH SANTOS CORREA SIMOES

CULTURA:

GUILHERME CORDEIRO FONSECA

JONATHAS EMANOEL MAIA FRANÇA

LEONARDO DA SILVA FERREIRA

SETOR PRIVADO:

EIDER COTRIM MOREIRA DE SIQUEIRA

JANCILEIDE ROCHA MORGADO

VITOR LUIZ SILVA CARVALHO

JOHNNY SILVA DE SOUZA

FINANCEIRO:

TADEU DE BRITO OLIVEIRA PORTO

JOSÉ MARIA FERREIRA RANGEL

SERGIO BORGES CORDEIRO

SAÚDE E SEGURANÇA:

ALEXANDRE DE OLIVEIRA VIEIRA

BARBARA SUELY DA SILVA BEZERRA

GUSTAVO FIGUEIREDO MORETE

ADMINISTRATIVO:

VALDICK SOUZA DE OLIVEIRA

BENES OLIVEIRA NEVES JUNIOR

MATHEUS SANTOS GAMA NOGUEIRA

JURÍDICO:

ALESSANDRO DE SOUZA TRINDADE

EWERSON CARDOSO JUNIOR

SILVANDO BISPO NASCIMENTO

 

CONSELHO FISCAL:

– TITULAR:

MAGNUS FONSECA DE SOUZA

MARCOS FREDERICO DIAS BREDA

SAMUEL HENRIQUE PEREIRA DOS SANTOS

JORGE TADEU ALCANTARA DA COSTA

CLAUDINO CARDOSO DE SOUZA

-SUPLENTES:

PAULO DE ALMEIDA E SILVA NETO

ANTONIO RAIMUNDO TELES SANTOS

GENUSA DE SOUZA DUTRA CARNEIRO

VANILDA MARIA RIBEIRO DA SILVA QUEIROZ

WILSON ROBERTO FERNANDES DOS SANTOS

[Via Sindipetro-NF]

Publicado em SINDIPETRO-NF

De maneira inclusiva e integrada, terminou neste domingo (09) a primeira eleição majoritariamente digital para a nova direção do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP). Com mais de 90% dos votos válidos, a Chapa 1, que representa grande parte da atual diretoria, foi eleita para coordenar o sindicato pelos próximos três anos (2020-2023). 

No total, foram recebidos 1.246 votos de todas as bases do Unificado para a diretoria executiva e conselho fiscal, além de 548 para a diretoria do departamento de aposentados. Esses números representam mais de 40% dos petroleiros atuando e exercendo seu direito de voto durante o processo eleitoral. 

De modo inovador, o Sindipetro Unificado-SP buscou maneiras para garantir uma maior participação possível dos eleitores, respeitando as medidas de prevenção contra a covid-19. Para isso, além do recolhimento digital, urnas físicas também estiveram disponíveis para votação nas sedes de Campinas, Mauá e São Paulo. 

Voto com segurança e transparência

Com o objetivo de assegurar sigilo e confiabilidade dos participantes, o Unificado se utilizou de uma plataforma, integrada e própria para eleições sindicais, de uma empresa especializada no setor há mais de 30 anos. 

Para evitar fraudes, irregularidades e garantir que os petroleiros votassem somente uma vez, os dados dos eleitores foram previamente disponibilizados pelo Sindicato à ferramenta digital. Assim, o programa detinha de uma lista prévia dos que tinham direito ao voto.

O processo tecnológico utilizado para preservar a privacidade do participante foi o de criptografia homomórfica, que torna o voto secreto e inviolável.

Buscando uma maior segurança e endossando o livre exercício democrático, o Sindicato também contou com uma comissão eleitoral responsável pela contabilização de todos os votos. 

Confira os números:

  •  Direção Executiva e Conselho Fiscal

Chapa 1 – 1.126 votos
Brancos – 35 votos
Nulos – 85 votos
Total de votantes – 1.246 votos

  •  Direção do Departamento de aposentados, pensionistas e anistiados

Chapa 1 – 507
Brancos – 11
Nulos – 30
Total de votantes – 548 votos

[Via Sindipetro Unificado SP]

Página 1 de 3

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.