A categoria petroleira de Minas Gerais se reuniu nesta quinta-feira, dia 18, na portaria da Refinaria Gabriel Passos (REGAP), em Betim, para alertar a população e articular a luta contra a venda das refinarias e o aumento abusivo dos preços dos combustíveis.  

O ato faz parte de uma mobilização nacional nas principais unidades operacionais do Sistema Petrobrás, em dia nacional de luta convocado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP).

O movimento nacional foi impulsionado pelo avanço nas negociações em torno da venda da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia. Em protesto contra as consequências da privatização para os trabalhadores e para a sociedade, petroleiros da Bahia iniciam nesta  quinta-feira, 18, greve por tempo indeterminado.

De acordo com o coordenador do Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro/MG), Alexandre Finamori, a venda da RLAM  vai  aumentar ainda mais os preços da gasolina, diesel e gás de cozinha, além do risco de desabastecimento. 

“É a primeira refinaria da Petrobrás, uma das maiores e que deu mais lucro durante a pandemia por causa do óleo para navio. Se vender com facilidade uma refinaria que tem histórico de luta como a da Bahia, o que vai acontecer quando [a privatização] chegar às outras?”, questiona o petroleiro.

O ato contou com a participação de outros sindicatos e movimentos sociais, como Sind-UTE/MG, Sintect-MG, Sindieletro-MG, CUT, MST, MAB, MTD, MLC e CSP-Conlutas, além da vereadora de Contagem, Moara Saboia (PT).

Preços abusivos

O atual governo adota como política de preços o Preço de Paridade de Importação (PPI). Essa política determina que o valor dos derivados do petróleo varie conforme o mercado internacional e a cotação do dólar. Assim, os combustíveis sofrem reajustes mais frequentes e abusivos.

Além do PPI, a atual gestão da Petrobrás reduziu a produção nas refinarias próprias da empresa e anunciou a venda de oito unidades. Tudo isso faz parte da política de sucateamento da Petrobrás com o objetivo de vender seus ativos.

Venda a preço de banana

A RLAM está sendo vendida ao Fundo Mubadala por US$ 1,65 bilhão. De acordo com o Ineep, a  refinaria valeria entre US$ 3 bilhões e US$ 4 bilhões. Ou seja, a RLAM está sendo vendida pela metade de seu real valor.

Junto com a RLAM estão sendo entregues 669 quilômetros de oleodutos e os terminais Madre de Deus, Candeias, Jequié e Itabuna.

Na contramão de grandes petrolíferas, o Governo Bolsonaro e a gestão da Petrobrás abrem espaço e incentivam a criação de um oligopólio nacional e monopólios regionais privados e sem competitividade.

[Da imprensa do Sindipetro MG]

Publicado em Sistema Petrobrás

Primeiro dia de greve dos petroleiros da Bahia foi marcado por ato nacional na Rlam e mobilizações pelo Brasil afora, nas principais unidades operacionais do Sistema Petrobrás, em dia nacional de luta convocado pela FUP

[Da imprensa do Sindipetro Bahia]

A greve dos petroleiros da Bahia começou às 5h30, dessa quinta (18), com uma boa adesão (aproximadamente mil trabalhadores). Não houve troca de turno na Refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada no município de São Francisco do Conde, no Recôncavo baiano. Os trabalhadores – próprios e terceirizados – permaneceram do lado de fora da unidade.

A Petrobrás manteve na refinaria operadores que já tinham terminado o seu turno de trabalho, o que segundo a assessoria jurídica do Sindipetro Bahia configura-se cárcere privado. A estatal também tentou interferir no legítimo exercício de greve da categoria, com pressão, atitudes antissindicais e o uso da polícia.

A luta da categoria é por direitos, empregos, soberania e contra a insegurança, a pressão e o assédio moral. Os petroleiros também reivindicam o cumprimento de cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho.


Leia também: Petroleiros de todo o Brasil se mobilizam contra privatizações e em apoio à greve na Bahia


O coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, explica que “além de garantir os empregos e os direitos dos trabalhadores próprios e terceirizados da Petrobrás que vão ser afetados com a venda da Rlam, nosso objetivo com a greve e com os atos que promovemos hoje em todo o país é denunciar os impactos negativos para a população das privatizações das refinarias, terminais e sistema logístico que a atual gestão da Petrobrás está promovendo. A venda da RLAM e de outras refinarias pode criar monopólios regionais privados, e isso vai aumentar ainda mais os preços dos combustíveis”.

Ato em defesa da Rlam mostrou união da classe trabalhadora

Por volta das 7h petroleiros de todo o Brasil, dirigentes das centrais sindicais, a exemplo da CUT, de movimentos sociais e de diversas categorias, além de parlamentares, se juntaram aos grevistas em um grande ato em defesa do Sistema Petrobrás e contra a venda da Rlam, que deve ser adquirida pelo fundo árabe Mubadala por U$ 1,65 bilhão, sem a sua devida valoração (cálculos realizados pelo Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) apontou que apontou que a refinaria valeria entre US$ 3 bilhões e US$ 4 bilhões).

Participaram do ato, o presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, o presidente da IndustriALL, Aroaldo Oliveira da Silva, a presidente da CUT-Bahia Maria Madalena Oliveira (Leninha) e representantes de outras centrais sindicais como a CSPConlutas. Toda a diretoria da FUP também esteve presente, assim como um representante da FNP.

Estavam presentes ainda representantes de confederações e federações de trabalhadores e trabalhadoras de empresas públicas e estatais e de movimentos sociais e da juventude, a exemplo do MST, MAB, MPA e Levante Popular da Juventude. Além de dirigentes de diversos sindicatos filaidos à CUT e outras centrais sindicais.

Também participaram da mobilização, que durou cinco horas e reuniu cerca de mil pessoas, dirigentes das Frentes Brasil Popular e do Povo sem Medo, além de parlamentares como o deputado estadual, Joseildo Ramos (PT-BA) e o deputado estadual Hilton Coelho (PSOL).

Os diretores dos Sindipetros de todo o Brasil denunciaram o desmonte do Sistema Petrobras, se colocaram contra a venda das refinarias da estatal e defenderam a soberania nacional. Os sindicatos da FUP também realizaram atos simultâneos em suas bases, em apoio à greve dos petroleiros da Bahia.

Para o presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, “é urgente que o movimento sindical se reúna para construir uma grande luta nacional em defesa do emprego e da vida. É uma vergonha que o país até agora só vacinou 5,5 milhões de brasileiros. O momento é grave e o caminho é esse, o caminho da luta que os petroleiros da Bahia estão apontando para a classe trabalhadora brasileira”.

Adilson Araújo, presidente nacional da CTB, ressaltou a importância da greve dos petroleiros e falou sobre o sucateamento da Petrobras. “O governo federal investe em uma política de desnacionalização da nossa economia e isso tem repercussão no processo de desindustrialização do país, mais ainda quando faz valer a sua agenda ultraliberal de entrega do patrimônio nacional”.

Já o metalúrgico Aroaldo Oliveira da Silva, presidente da IndustriALL Brasil falou sobre as consequências do desmonte da estatal para todo o país. “Quando a Petrobrás acabou com a sua política de conteúdo local no governo Temer a gente sentiu diretamente na nossa categoria, nos metalúrgicos, muitas empresas quebraram porque já não participavam mais desse sistema. Por isso a importância da Petrobrás e da luta para impedir esse desmonte que vem acontecendo e pode gerar milhões de desempregados pelo Brasil”.

O diretor de comunicação do Sindipetro, Radiovaldo Costa, acredita que “a greve dos petroleiros da Bahia e o ato que reuniu trabalhadores de todo o Brasil podem ser o pontapé para um grande e forte movimento nacional. O povo e a classe trabalhadora são a maioria nesse país. Temos de despertar para nossa força. A Petrobrás é nossa, esse país é dos brasileiros e não do “mercado” e nem das empresas multinacionais”.

Para o coordenador do Sindipetro Bahia, Jairo Batista, o ato em defesa da Rlam e da Petrobrás abriu a greve da categoria petroleira na Bahia, “mostrando a força da classe trabalhadora, que pode ditar outros rumos para o nosso país, para que voltemos aos trilhos na construção de uma nação justa, com igualdade social e respeito aos cidadãos e aos direitos trabalhistas”.

SERGIO-NBRE
policia
grevistas
JAIRO
DEYVID
edd7fd95-5b51-4dc5-90df-f78ba7b6d99a
0cdfdb18-d219-4af7-9285-8e90a2e10c2e
SANTIAGO3
SANTIAGO2
db08ff21-0880-4921-932a-2fccece78031
fd92c820-9c02-4767-adf0-ff4b279bc2a3
tadeu
fe3a2bfd-bd54-4fcd-b87d-b610954b3026
TEZEU
3bfbbc7e-f3d4-472c-a9ec-8ef7e615353f
a754541c-edbd-423b-9ccf-678cbe3058db
f5e949cf-e45c-4594-9667-4ebefa31f672
397280ef-009b-48b6-bb91-320a84f58e22
cdcb57d1-7c41-40a6-9d7c-5be08742b63f
c9d6f06e-6c45-4a48-b438-9c68521c6bc6
c6a531fe-21ce-43d5-b7c2-8774bc0af0c5
afacd444-0757-4a9f-bc90-bbd94bfcd873
aef2eab5-bc52-494a-a517-322358c6d7d9
a073ddbc-6bdb-4ada-9b3c-0f72f756b8d3
79684139-4171-494d-94d5-893cf2763158
dd455935-35a1-43ab-b680-457eba18ea89
49927360-f5be-4402-b819-a0869f517658
8041eaa4-f6de-48f4-bc49-3a956763cd29
7228bebe-7e40-4387-b69b-3eaebd514b0f
985bddf1-9c62-463f-90eb-932f4c5537dc
694f8b3e-5061-40ff-8424-7c4dfa996934
335a8279-0690-4b09-9ea7-8ddc28530c16
96cf157a-98aa-461c-bcd9-7b0d3e04da0a
79c63438-8a0e-4bf0-ad38-c668d54c1691
36b12a26-43f3-4217-a046-2d41d2040237
67e5ce1a-fdb7-4469-b6fd-f3c0be705078
9f07613a-bd6f-4fe6-b407-f4501e974657
7f3fc224-0de0-46da-9404-b679bc6a69fd
09ccfcf9-9fcb-429b-a3d0-c95ab790c3d6
04adf832-f485-4d6d-b1fa-900b7d467c00
2e1b3333-8e6c-4884-b4e0-9912b8d2502d
2d2cd6e8-15dc-424f-acc5-addd48e0f485
1cc0fe43-2313-4c5d-a77c-0596b142d444
0a4926d6-e7e6-46f5-a227-c7a04ac9560b
SERGIO-NBRE policia grevistas JAIRO DEYVID edd7fd95-5b51-4dc5-90df-f78ba7b6d99a 0cdfdb18-d219-4af7-9285-8e90a2e10c2e SANTIAGO3 SANTIAGO2 db08ff21-0880-4921-932a-2fccece78031 fd92c820-9c02-4767-adf0-ff4b279bc2a3 tadeu fe3a2bfd-bd54-4fcd-b87d-b610954b3026 TEZEU 3bfbbc7e-f3d4-472c-a9ec-8ef7e615353f a754541c-edbd-423b-9ccf-678cbe3058db f5e949cf-e45c-4594-9667-4ebefa31f672 397280ef-009b-48b6-bb91-320a84f58e22 cdcb57d1-7c41-40a6-9d7c-5be08742b63f c9d6f06e-6c45-4a48-b438-9c68521c6bc6 c6a531fe-21ce-43d5-b7c2-8774bc0af0c5 afacd444-0757-4a9f-bc90-bbd94bfcd873 aef2eab5-bc52-494a-a517-322358c6d7d9 a073ddbc-6bdb-4ada-9b3c-0f72f756b8d3 79684139-4171-494d-94d5-893cf2763158 dd455935-35a1-43ab-b680-457eba18ea89 49927360-f5be-4402-b819-a0869f517658 8041eaa4-f6de-48f4-bc49-3a956763cd29 7228bebe-7e40-4387-b69b-3eaebd514b0f 985bddf1-9c62-463f-90eb-932f4c5537dc 694f8b3e-5061-40ff-8424-7c4dfa996934 335a8279-0690-4b09-9ea7-8ddc28530c16 96cf157a-98aa-461c-bcd9-7b0d3e04da0a 79c63438-8a0e-4bf0-ad38-c668d54c1691 36b12a26-43f3-4217-a046-2d41d2040237 67e5ce1a-fdb7-4469-b6fd-f3c0be705078 9f07613a-bd6f-4fe6-b407-f4501e974657 7f3fc224-0de0-46da-9404-b679bc6a69fd 09ccfcf9-9fcb-429b-a3d0-c95ab790c3d6 04adf832-f485-4d6d-b1fa-900b7d467c00 2e1b3333-8e6c-4884-b4e0-9912b8d2502d 2d2cd6e8-15dc-424f-acc5-addd48e0f485 1cc0fe43-2313-4c5d-a77c-0596b142d444 0a4926d6-e7e6-46f5-a227-c7a04ac9560b

Publicado em Sistema Petrobrás

Os combustíveis tiveram um novo reajuste no último dia 09. O litro da gasolina nas refinarias da Petrobras passou a custar, em média, R$ 2,25, um aumento de 22% só nesse início de 2021. O diesel teve uma alta de 10,9% e está valendo cerca de R$ 2,24 por litro.

"Estamos falando aqui dos preços dos combustíveis revendidos pelas refinarias da Petrobrás. Obviamente que esses valores vão chegar bem mais altos para o consumidor final na bomba do posto de abastecimento", alerta Rosângela Buzanelli, representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás. "O reajuste vai gerar aumento de quase tudo, porque o custo do combustível tem influência direta na inflação, em especial nos alimentos e nas bebidas, e afeta, principalmente, o setor de transportes", explica em artigo publicado em seu blog.

Leia a íntegra:

Por que os combustíveis sobem tanto e chegaram a preços tão altos para os brasileiros?

A resposta está na política adotada em 2016, no governo Temer, pelo então presidente da Petrobrás Pedro Parente e continuada com pequenas mudanças pelo governo Bolsonaro. É uma estratégia que vincula o preço interno ao mercado internacional, por meio de um mecanismo chamado PPI (Paridade de Preços Internacionais), que nada mais é do que o valor cobrado lá fora, transformado em real pela taxa de câmbio, mais 5%.

Ou seja, o nosso combustível é negociado de acordo com os preços internacionais e essa política faz com o brasileiro pague mais caro do que poderia pagar. Afinal, somos quase autossuficientes na produção e refino do petróleo. Importamos muito pouco petróleo bruto e derivados. Temos um parque de refino – composto por 13 refinarias, que se complementam no sentido de garantir o abastecimento de todo Brasil -, com capacidade de suprir cerca de 80% das nossas necessidades.

O alinhamento incondicional dos preços do mercado interno aos do mercado externo é ruim para a sociedade como um todo. A definição dos valores dos combustíveis deve levar em consideração vários outros fatores e não somente o preço praticado no mercado internacional. Características conjunturais e estruturais do nosso país, tais como a extensão territorial, modal de transporte de cargas, volume importado de petróleo e derivados, tipo de derivado e seu impacto econômico no país e na sociedade, entre outras, devem entrar na balança para uma política de preços mais justos que beneficie a todos, sociedade e acionistas.

A atual estratégia foca principalmente os acionistas privados da Petrobrás, os importadores de derivados e os compradores das nossas refinarias, afinal ninguém as compraria para praticar preços inferiores aos do mercado internacional. À sociedade brasileira caberá pagar a conta. Além disso, essa política de preços cria uma instabilidade econômica, em virtude da constante e frequente variação dos preços ao longo do tempo.

Como o valor do petróleo no exterior está subindo, a tendência é que os preços no mercado interno continuem crescendo nos próximos meses, ultrapassando em muito a inflação. A Petrobrás pratica hoje o preço de uma empresa privada, quando poderia (e deveria) praticar um preço mais justo, exercendo sua função de empresa estatal, que atenda aos interesses da população brasileira.


Leia também:

Aumento no valor dos combustíveis é culpa da política de preços da Petrobrás, apontam especialistas

Diretor do Sindipetro-RN explica por que gasolina, diesel e gás de cozinha estão tão caros

Attuch: O que os caminhoneiros ainda não entenderam é que da prisão de Lula ao aumento do diesel, tudo se conecta

Pressionada, Petrobrás altera periodicidade do reajuste dos combustíveis, mas mantém paridade internacional

INEEP: Política de preços da Petrobrás ignora estrutura de mercado no Brasil em relação a outros países

Bolsonaro acentua alta dos combustíveis iniciada por Temer. Reajustes ficaram até oito vezes acima da inflação


 

Publicado em Sistema Petrobrás

Desde muito cedo uma grande fila de carros e motos se formou no Posto BR Apache, no Dique do Tororó, local turístico de Salvador, escolhido pelo Sindipetro para realizar a ação de venda de gasolina a preço justo, na manhã dessa terça (16).

Foram beneficiados os primeiros 150 motoristas que chegaram ao posto. Eles puderam abastecer seus veículos com 20 litros de gasolina pagando o preço justo de R$ 3,50 por litro. A ação beneficiou também 50 motociclistas que abasteceram suas motos com 5 litros de gasolina.

O diretor de comunicação do Sindipetro, Radiovaldo Costa, explica que o valor R$ 3,50 foi definido a partir de um estudo elaborado por técnicos e economistas contratados pela entidade sindical. “Eles estudaram os preços e custos da Petrobrás para poder encontrar um preço que garanta lucratividade à empresa que produz a gasolina, ao distribuidor e ao revendedor e não penalize a sociedade. Então, hoje, o preço justo da gasolina seria em torno de R$3,50, o diesel a R$ 3,00 e o botijão de gás de cozinha a R$ 45,00”.

Teve motorista que chegou ao local antes mesmo do sol nascer para “não perder essa grande oportunidade”. A motorista de aplicativo Rosemary parabenizou o Sindipetro pela campanha. “Nós não temos condições de ficar rodando com gasolina a R$ 5,20. É muito importante que toda a sociedade se sensibilize com isso”, afirmou.

Alison Ramos também foi beneficiado pela ação do sindicato. Ele que trabalha como entregador estava revoltado com o alto preço do combustível. “As entregas estão em baixa. E com essa gasolina cara não tenho como sobreviver mais”.

Com ampla divulgação feita pela imprensa, os petroleiros, mais uma vez, conseguiram pautar esse assunto importantíssimo que é a politica de preços da Petrobrás. “Foi uma ação educativa e de conscientização. Conversamos com os consumidores que entenderam o que está acontecendo no Brasil. Entenderam o absurdo de se ganhar o salário em real e ter de pagar o combustível ao preço do dólar, que é o que está acontecendo por causa da política de preços adotada pela Petrobras, que atrela os preços dos combustíveis no Brasil ao valor do barril de petróleo no mercado internacional”, ressaltou o coordenador do Sindipetro, Jairo Batista.

O comerciante Mário Augusto entendeu o recado. “Mesmo que a Petrobrás tenha uma politica de acompanhar o mercado externo, a produção dela é em real e ela tem de entender isso e procurar viabilizar o preço do combustível para a população brasileira porque nós somos donos da Petrobrás e temos de ter benefícios sobre isso”, afirmou.

O motorista de aplicativo Wellington Reis, também lamentou o fato de “morar na Bahia e pagar gasolina a preço de dólar.” Com essa campanha, “o Sindipetro fortaleceu grandão aqui”. Reis afirmou que ele é mais um a entrar nessa luta “fazendo a diferencial aqui na nossa terra”.

“Ficamos muito satisfeitos com o resultado da ação. É isso que queremos: provocar o debate e incorporar mais gente a essa luta para que consigamos pressionar a Petrobrás a aplicar o preço justo, o que é muito necessário, principalmente em um momento como esse de pandemia e de empobrecimento da população”, pontuou Radiovaldo.

Ações vão acontecer também nas cidades de Alagoinhas e Feira de Santana

Na quarta-feira, 17/02, os moradores das cidades de Alagoinhas e Feira de Santana também serão beneficiados com ações de venda de gasolina a preço justo.

Em Alagoinhas, a ação acontece, às 7h, no Posto Laguna, localizado na Avenida Dantas Bião. Os 120 primeiros carros vão poder abastecer 20 litros do combustível e as 50 primeiras motos que chegarem ao local, terão direito a abastecer 5 litros de gasolina.

Em Feira de Santana, a ação será realizada, às 13h, no Posto Modelo / Posto BR, localizado na Avenida Visconde do Rio Branco, 18. Ao lado da praça de alimentação da Getúlio Vargas. A campanha vai atender os 100 primeiros motoristas que chegarem ao local que vão poder abastecer seus veículos com 20 litros de gasolina e as 130 motos, com 5 litros do combustível.

O litro da gasolina será vendido por R$ 3,50.

[Da imprensa do Sindipetro-BA]

Publicado em SINDIPETRO-BA

O Sindipetro Bahia e os petroleiros dão início, nessa semana, a mais ações de venda de gasolina a preço justo. As atividades, que antecedem a greve da categoria, marcada para essa quinta-feira (18), acontecem nas cidades de Salvador e Alagoinhas.

O objetivo é mostrar à sociedade que é possível vender os derivados de petróleo a um preço justo, levando-se em consideração o custo de produção nacional, mantendo o lucro das distribuidoras, revendedoras, da Petrobrás e a arrecadação dos impostos dos estados e municípios.

Veja onde acontecem e como vão funcionar as ações

Salvador – A ação vai acontecer na terça-feira (16), às 7h, no Posto Apache, no Dique do Tororó. Os 150 primeiros motoristas que chegarem ao posto vão poder abastecer seus veículos com 20 litros de gasolina pagando o preço justo de R$ 3,50 por litro. A ação beneficiará também os 50 primeiros motociclistas que vão ter o direito de abastecer suas motos com 5 litros de gasolina.

Alagoinhas – A ação será na quarta-feira (17), às 7h, no Posto Laguna, localizado na Avenida Dantas Bião. Os 120 primeiros carros vão poder abastecer 20 litros do combustível e as 50 primeiras motos que chegarem ao local, terão direito a abastecer 5 litros de gasolina. O litro da gasolina será vendido por R$ 3,50.

É importante ressaltar que se o consumidor quiser, por exemplo, encher o tanque do seu carro ou moto, pagará o preço justo do litro do combustível proposto pelo Sindipetro apenas para os 20 litros (veículo) e 5 litros (moto). Para o restante, o posto cobrará o valor aplicado nas bombas.

Com a atividade, os petroleiros também chamam a atenção para a politica de preços adotada pela Petrobrás e que segundo eles é a responsável pelos altos preços da gasolina, diesel e gás de cozinha. “Ao adotar o Preço de Paridade de Importação (PPI), a Petrobrás atrela os preços dos combustíveis no Brasil ao valor do barril de petróleo no mercado internacional, ou seja, a estatal produz em real, mas vende em dólar para o povo brasileiro”, denuncia o coordenador do Sindipetro, Jairo Batista.

O diretor de comunicação do Sindipetro, Radiovaldo Costa, alerta para as consequências da venda da Refinaria Landulpho, anunciada pela Petrobrás. “Os consumidores serão ainda mais atingidos, pois os preços dos combustíveis devem ficar ainda mais altos. E ainda será criado um monopólio regional privado e sem competitividade, como apontou estudo da PUC Rio ao analisar os efeitos da privatização das seis das oito refinarias colocadas à venda pela Petrobrás”.

[Da imprensa do Sindipetro Bahia]

Publicado em Sistema Petrobrás

Audiência pública da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobrás contou com a participação do diretor da FUP, Mário Dal Zot, que denunciou a gestão da Petrobrás por colocar à venda ativos estratégicos, como refinarias e campos de petróleo, “a preço de final de feira”, abrindo mão de lucros líquidos e certos enquanto aumenta absurdamente o valor dos combustíveis. O debate, realizado por videoconferência, foi transmitido ao vivo pelo Facebook da FUP

[Da Agência PT]

Parlamentares, especialistas e representantes dos trabalhadores da Petrobras culparam a política de preços da Petrobras, atrelada ao valor internacional do petróleo, como a grande responsável pelos consecutivos aumentos no preço dos combustíveis no País. O assunto foi debatido nesta sexta-feira (12) durante audiência pública convocada pela Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobras, presidida pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN), e que também contou com a participação dos deputados petistas Bohn Gass (RS) e Carlos Zarattini (SP). 

Durante a reunião, o coordenador-técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) e pesquisador da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Rodrigo Leão, explicou que é falsa a ideia disseminada pelo presidente Jair Bolsonaro de que o valor do ICMS cobrado pelos estados é o culpado pelo aumento dos combustíveis.

Segundo ele, a escalada de aumento nos preços dos combustíveis está totalmente ligada a mudança ocorrida desde 2016, quando no governo Temer, a Petrobras – comandada por Pedro Parente – decidiu adotar a Política de Preço de Paridade Importação (PPI), atrelando o valor dos produtos a variação no mercado internacional.

“Depois que o Brasil adotou o PPI, os preços passaram a oscilar de acordo com preços internacionais, com variações diárias. É como se a gente não tivesse petróleo e não tivéssemos capacidade de refino e precisássemos importar tudo. No final quem paga essa variação de preço é o consumidor, na ponta”, explicou.

Segundo o especialista, a onda atual de aumento dos combustíveis começou em maio do ano passado, com a conjunção do aumento do valor do petróleo no mercado internacional, aliado a desvalorização do real frente ao dólar. Ele explicou ainda que essa política de paridade de preços dos combustíveis adotada pela Petrobras não encontra paralelo entre países que já são autossuficientes ou mesmo entre exportadores de petróleo.

“A Dinamarca, por exemplo, é autossuficiente em petróleo assim como o Brasil, e os Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, exportadores, adotam uma política de preços diferenciada do Brasil”, citou. A Dinamarca tem uma política própria para manter os preços sobre controle, e os Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, mantem seus preços desde o último ano congelados. “Já a Austrália, que importa petróleo, adota um PPI em relação a Singapura, que é comprador. Ou seja, adota o PPI apenas países que importam petróleo”, esclareceu.

Já o professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fespsp) e coordenador técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, William Nozaki, ressaltou que além da política de preços atrelada ao mercado internacional, a redução da capacidade de refino da Petrobras e a importação de derivados também estimulam o aumento constante nos valores dos combustíveis.

Ele destacou que atualmente na Agência Nacional de Petróleo (ANP) existem mais de 300 importadoras cadastradas, a maioria delas a partir de 2016, e muitas ligadas a petrolíferas estrangeiras. “O que está ocorrendo no Brasil agora é uma política de substituição de importações ao contrário, com o Brasil deixando de produzir derivados a partir do refino para comprar lá fora, beneficiando produtores internacionais e importadores”, denunciou. Isso também, segundo William Nozaki, traz impactos aos consumidores, que adquirem combustíveis e derivados que acompanham o preço do mercado internacional de petróleo. 

Críticas à política de preços da Petrobras

O senador Jean Paul Prates alertou que o aumento atual no valor dos combustíveis no Brasil, além do componente da política de preços adotada pela Petrobras, também poderá ser agravado no futuro com a privatização da estatal e sua substituição por um monopólio privado do petróleo no País.

“Esse monopólio privado seria incontrolável. O Brasil não tem nem mesmo legislação para regular isso. Hoje, as refinarias da Petrobras atuam em um sistema onde uma complementa a produção da outra, e o que se propõe é que elas possam competir entre si, o que não existe em lugar nenhum do mundo. O Brasil, que é autossuficiente em petróleo, não pode ficar dependente da variação de preço internacional do petróleo. Esse tipo de política beneficia apenas quem compra os ativos da Petrobras na bacia das almas, fundos de investimentos e traders internacionais que lucram na compra de ações da companhia”, acusou.

Na mesma linha, o deputado Bohn Gass destacou que é preciso mobilizar a população contra os aumentos constantes nos combustíveis. “Estamos aqui para levantar a voz, tirarmos a população dessa anestesia, como disse o Lula, que ocorre desde o golpe, e tentarmos impedir que o monopólio privado acabe com a soberania energética brasileira, que é o que faz com que os combustíveis e derivados se tornem inviáveis para a população, como no caso da gasolina, em média, a R$ 5, botijão de gás a quase R$ 100, e o diesel a R$ 3,50, na média. E tudo isso influencia no preço dos alimentos, uma vez que os combustíveis incidem em até 12% no custo de produção da agricultura”, lembrou.

Já o deputado Carlos Zarattini, líder da Minoria no Congresso, classificou a política de preços da Petrobras para os combustíveis como “criminosa”. “Essa política de preços da Petrobras revela um claro interesse de favorecer as multinacionais do petróleo, fundos de investimentos que investem no setor e que lucram às custas do povo. A nossa luta é denunciar tudo isso, dizer que essa política de preços da Petrobras é criminosa, que vai levar ao empobrecimento do País e do povo brasileiro, e que tenta levar a Petrobras a ser propriedade de interesse financeiros de grandes empresas estrangeiras”, denunciou.

Trabalhadores contra a política de preços dos combustíveis

Os representantes dos trabalhadores da Petrobras afirmaram que vão se mobilizar contra o desmonte da companhia e enfrentar a política de preços em relação aos combustíveis. O representante da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Eduardo Henrique, disse que além a sua entidade, a Federação Única dos Petroleiros(FUP) e a CUT precisam se unificar nessa luta.

“É preciso unificarmos a nossa luta para retirarmos essa política da Petrobras que visa criar monopólios privados no petróleo. Se hoje já temos dificuldade com os preços dos combustíveis, imagine quando todo o mercado estiver em mãos da iniciativa privada. Não dá para esperarmos 2022, temos que organizar essa luta agora”, defendeu.

Na mesma direção, o representante da FUP, Mário Dal Zot, acusou o governo Bolsonaro de tentar entregar seus ativos como refinarias e poços terrestres “a preço de final de feira”, abrindo mão de lucros líquidos e certos enquanto aumenta absurdamente o valor dos combustíveis.

“O somatório dessas perdas chega a R$ 6 bilhões por ano, em um cálculo subestimado, porque pode ser muito mais”, destacou. Além da mobilização em defesa da Petrobras, Mário também propôs a realização de investigações sobre porque a empresa abre mão desse lucro, além de uma campanha pelo fim da atual política de aumento do preço dos combustíveis.

 

 

Publicado em Petrobrás Fica

Por Pedro Lúcio Góis e Silva, diretor da FUP e Secretário Geral do Sindipetro-RN

O preço da gasolina, do diesel e do gás de cozinha estão tão altos no Brasil porque a Petrobrás adotou uma política de preços que segue o dólar e o preço internacional do barril de petróleo, apesar de produzirmos e refinarmos tudo nacionalmente.

Há três motivos principais para que o presidente da República, Jair Bolsonaro adote essa política de preços, afinal ele poderia alterá-la no momento que quisesse.

Primeiro, a pressão das importadoras de derivados¹, aquelas empresas que trazem de fora para vender aqui dentro do Brasil. São empresas milionárias que aumentam seu lucro cada vez que a Petrobrás sobe o preço da gasolina, por exemplo.

Segundo, a pressão dos acionistas minoritários² – o majoritário é o povo brasileiro – pelo máximo de lucros e dividendos no curtíssimo prazo em detrimento das necessidades de médio e longo prazo da população, afinal é só isso que essa política absurda causa. Esses acionistas são, em sua maioria, os grandes bancos e uma meia dúzia de famílias em Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, ou de fora do país, nos EUA.

Terceiro, a pressão pela privatização da Petrobrás, iniciando pelas suas refinarias³. Quando o governo decide dobrar as pernas para o mercado na política de preços da Petrobrás ele está sinalizando para os “gaviões” que estão de olho na privatização da Estatal, afinal, nenhuma multinacional que comprar vai querer o governo interferindo na sua política de preços, elas vão querer cobrar o mais caro possível.

Qual a solução? Baixar os impostos? Os impostos são os mesmos desde 2015, nada mudou. Pelo contrário, pode apostar que no momento seguinte à redução dos impostos, o preço subiria novamente, afinal o mercado não quer perder.

Então a solução é: alterar a política de preços da Petrobrás e utilizá-la pensando no povo brasileiro; colocando suas refinarias pra funcionar; cancelando as privatizações e adotando um critério nacional e não internacional de preços, afinal, como já disse, a Estatal produz, refina e vende nacionalmente.

E agora? De que lado você vai ficar? A favor da indústria nacional que valoriza seus insumos para baratear o diesel, gasolina, gás de cozinha e mais uma dezena de produtos. Ou do lado do presidente que privatiza pra gente pagar mais caro?

Fontes:

1 – https://fup.org.br/ultimas-noticias/item/26204-porque-a-abicom-o-ibp-e-a-cni-afrontam-os-caminhoneiros

https://forbes.com.br/forbes-money/2021/01/abicom-diz-que-petrobras-tem-precos-predatorios-e-recorre-ao-cade/

2 – https://ineep.org.br/nova-conselheira-ve-petrobras-na-contramao-das-tendencias-do-setor333651/

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/11/petrobras-preve-distribuir-ate-us-35-bi-em-dividendos-em-5-anos.shtml

3 – https://www.infomoney.com.br/mercados/preco-de-venda-de-refinaria-pela-petrobras-fica-abaixo-do-esperado-e-ja-reflete-receio-de-ingerencia/

Publicado em Petrobrás Fica

Em artigo esta semana, o editor do Brasil 247, o jornalista Leonardo Attuch, foi categórico: "O golpe contra Dilma e a prisão de Lula tiveram como motivo principal a mudança no modelo de exploração do petróleo no Brasil, com o objetivo de esmagar o produtor brasileiro e premiar as petroleiras e os investidores internacionais"

[Por Leonardo Attuch, no Brasil 247]

Por que a ex-presidente Dilma Rousseff foi derrubada? Por que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi preso? Terá sido porque a elite do atraso brasileira não gosta de ver pobre em aeroporto? Ainda que isso seja parcialmente verdade, é simples demais para explicar a destruição da democracia brasileira. O motivo real pode ser encontrado em algumas notícias desta semana, que estão todas relacionadas. A começar pelo aumento de 6,2% no diesel e 8,2% na gasolina, a partir da manhã desta terça-feira. O "despresidente" Jair Bolsonaro bem que ameaçou reagir à atual política de preços da Petrobrás, que indexa os combustíveis ao valor internacional do barril e à cotação do dólar, mas foi rapidamente enquadrado pelas forças de mercado. Na noite de ontem, ao apresentar o ex-presidente Fernando Collor como seu novo assessor para temas econômicos, disse que os preços dos combustíveis não podem ser tabelados no Brasil. Antes disso, um de seus ministros havia dito que os caminhoneiros precisam "desmamar" do governo.

Um dia antes, a Petrobrás, que está sendo privatizada aos pedaços, sem nenhuma transparência e sem nenhum controle do Tribunal de Contas da União, anuncia a venda de uma de suas maiores refinarias, na Bahia, a um fundo árabe. Segundo os petroleiros, por um valor subfaturado em pelo menos 50%. Coisa de bilhão de dólares, que podem ter escoado para algum paraíso fiscal. Mais grave do que isso, no entanto, é a formação de um monopólio regional privado no refino de combustíveis.

Todas essas duas notícias se conectam com o golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff, que, como todos sabem, não foi derrubada por "pedaladas fiscais". Caiu porque pretendia fazer do pré-sal brasileiro um passaporte para o desenvolvimento, com a geração de recursos para investimentos em saúde e educação. Mas países que não têm "café no bule", como disse o ex-presidente Lula, ao se referir à incapacidade nuclear brasileira, ou não têm apreço pelo conceito de soberania nacional, nem deveriam se aventurar no mundo do petróleo, que tantas guerras provocou ao longo dos anos. Como o pré-sal foi a maior descoberta de óleo e gás do mundo nos últimos cinquenta anos, rapidamente despertou a cobiça das petroleiras internacionais. E foi assim que começou a ser planejada a guerra contra o Brasil.

De um lado, a Operação Lava Jato destruiu a imagem e a reputação da Petrobrás. De outro, o PSDB pressionava pela mudança no modelo de exploração do petróleo e pela volta das concessões às empresas internacionais. Numa das falas mais sintomáticas após sua delação premiada, o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, que antes defendia mais refinarias no Brasil, declarou que "a política de preços" do governo Dilma causou mais danos à estatal do que a corrupção em si. Foi este o pedágio que Paulo Roberto Costa teve que pagar ao discurso neoliberal. Não por coincidência, nesta terça-feira, o jornal O Globo publica editorial em defesa da política de preços determinada pelo tucano Pedro Parente na Petrobrás após o golpe de 2016.

Mas o que era a política de preços da Petrobrás do governo Dilma? Uma política que simplesmente libertava a economia brasileira da volatilidade das cotações do petróleo e da taxa de câmbio. Os preços eram corrigidos a cada três meses, de acordo com uma média desses fatores – o que garantia maior previsibilidade à economia. E por que esta política foi alterada? Porque o objetivo principal do golpe foi justamente garantir a entrega do pré-sal e dos principais ativos da Petrbrás aos operadores internacionais, seguindo o modelo de "Petrobrax", que já era defendido no final do governo Fernando Henrique Cardoso. Também por isso, não há nenhuma surpresa no fato de FHC jamais ter sido molestado pela Lava Jato, apesar de os procuradores terem encontrado batom na cueca nos pedidos financeiros de seu instituto para a Odebrecht.

O que os caminhoneiros ainda não entenderam é que da derrubada de Dilma em 2016 ao aumento de hoje do diesel, passando pela prisão de Lula em 2018 e a venda de uma refinaria da Petrobrás no dia de ontem, tudo se conecta. O Brasil descobriu a maior reserva de petróleo do mundo, mas foi impedido por forças nacionais e internacionais de usá-lo em benefício da sua população. O petróleo bruto é exportado pelas cotações internacionais, os derivados são cada vez mais importados, plataformas que poderiam ser produzidas no Brasil são encomendadas no exterior, refinarias são liquidadas, fundos de investimentos internacionais são premiados e os caminhoneiros, assim como os trabalhadores nacionais, são penalizados. Será que um dia o Brasil acordará deste pesadelo?

Publicado em Petrobrás Fica

A Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobrás realiza nesta sexta-feira, dia 12, uma audiência pública virtual para debater a os preços dos combustíveis no Brasil (veja as informações no final do texto). A audiência contará com a participação da FUP e de seus sindicatos, que vêm há quatro anos denunciando os impactos da política de preços dos derivados que as gestões neoliberais da Petrobrás impuseram ao povo brasileiro.

Desde 2016, a empresa pratica o Preço de Paridade de Importação (PPI), que varia conforme o sobe e desce do valor do barril de petróleo no mercado internacional e as oscilações do dólar e dos custos de importação, o que faz com que os reajustes sejam frequentes e abusivos. “É um absurdo essa política de preço dolarizada, baseada em preço de importação de combustíveis, praticada desde o governo de Michel Temer. Essa ação afeta duramente os consumidores, que já estão lutando pela sua sobrevivência com essa pandemia”, alerta a Frente Parlamentar. 

Para o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, a tentativa da gestão bolsonarista de suavizar os reajustes é uma resposta às mobilizações populares e dos movimentos sindical e sociais. “Um dos principais papéis da Petrobrás é garantir o abastecimento do mercado nacional a preços justos para a população brasileira. A gestão da empresa precisa entender que é possível manter os preços domésticos alinhados com os preços internacionais, mas sem penalizar o brasileiro e a brasileira com reajustes diários dos preços dos derivados de petróleo”, ressaltou o líder petroleiro, lembrando que “se o governo federal e atual gestão da Petrobras adotassem uma política de preços baseada nos custos nacionais de produção, mesmo com alguns ajustes para atender critérios internacionais, os derivados de petróleo seriam bem mais baratos sem precisar responsabilizar os tributos que têm a finalidade de atender as demandas sociais do povo com serviços públicos de qualidade”.  


Leia também: Pressionada, Petrobrás altera periodicidade do reajuste dos combustíveis, mas mantém paridade internacional


A Frente Parlamentar alerta que o Brasil lutou décadas pela autossuficiência na produção de petróleo, preservando a hegemonia e o papel estratégico da Petrobras e que “o governo Bolsonaro joga toda essa conquista fora”.  Os parlamentares ressaltam ainda que a privatização das refinarias criará monopólio privado regional e “o que já é ruim, pode piorar muito mais, com os preços totalmente nas mãos de entes privados”.

Gás já aumentou mais de 130%

Estudo da subseção Dieese da FUP aponta que, desde julho de 2017, os derivados de petróleo sofrerem centenas de reajustes nas refinarias, acumulando aumentos de mais de 130%, no caso do gás de cozinha, de 60%, como aconteceu com a gasolina, e mais de 43% no que diz respeito ao diesel (saiba mais aqui). Esta semana, a Petrobrás realizou mais um reajuste nos preços dos derivados. A gasolina ficou 8% mais cara nas refinarias, o diesel aumentou 6,2% e o gás de cozinha, 5,1%. “Por conta dessa política, estamos sofrendo com aumentos descontrolados dos derivados de petróleo, o que inviabiliza setores estratégicos da economia, além de afetar massivamente a população", alerta o coordenador da FUP. 

Em suas redes sociais, o coordenador da Frente Parlamentar, senador Jean Paul Prates (PT-RN), criticou o viés financista da imprensa na cobertura do tema. Exemplo disso é a reportagem do Jornal Nacional que foi ao ar na segunda-feira, 08, sobre o efeito que a política de preços tem nas ações da Petrobras. O JN entrevistou apenas analistas financeiros que veem a Petrobras como empresa privada e não como uma empresa pública, criada para garantir o abastecimento com soberania nacional.

“O povo e os empreendedores estão preocupados é com o país que por 50 anos correu atrás de ser autossuficiente para agora vender suas refinarias na bacia das almas e impor preço internacional em dólar à sua economia”, disse o senador. “O povo passou o dia preocupado com o preço que está pagando pela gasolina, diesel e botijão e o Jornal Nacional tenta nos convencer que ser autossuficiente com preços dolarizados e voláteis é algo positivo. Só se for para os importadores”, completou.

Saiba como participar da audiência:

Quando: sexta-feira, 12 de fevereiro

Horário: 09h

Onde assistir: nos perfis do Facebook da Frente em Defesa da Petrobrás https://www.facebook.com/frentepetrobras/ e da FUP https://www.facebook.com/fupetroleiros

[Imprensa da FUP, com informações da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobras]

Publicado em Sistema Petrobrás

Direçãoda Executiva Nacional da Central convoca entidades filiadas a se manifestar contra mais esta negociata absurda feita pelo governo e a apoiar as lutas dos petroleiros

[Nota da CUT]

A Central Única dos Trabalhadores protesta veementemente contra duas atrocidades cometidas contra o Brasil e o povo brasileiro: a primeira barbaridade foi a venda a Refinaria Landulpho Alves (RLAM) por preço de banana, metade de seu valor real, anunciada nesta segunda-feira (8) pela direção da Petrobras. A segunda foi mais um aumento nos preços da gasolina, do óleo diesel e do gás de cozinha este ano, em vigor a partir desta terça-feira (9).

Localizada na Bahia, a RLAM e toda a infraestrutura de armazenamento e escoamento foram vendidas para o Fundo Mumbadala por apenas US$ 1,65 bilhão, quando estudo do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) revelam que a unidade baiana vale entre US$ 3 bilhões e US$ 4 bilhões.

A privatização irresponsável do governo está praticamente entregando para o fundo dos Emirados Árabes Unidos a primeira refinaria de petróleo, construída em 1950, que apenas nos últimos dez anos recebeu investimentos de R$ 6 bilhões somente em hidrotratamento.

A irresponsabilidade deste governo genocida não tem limites. Vende a preço de banana uma refinaria histórica e aplica mais um aumento absurdo nos preços da gasolina, do óleo dieesel e do gás de cozinha, em um momento de crescimento do desemprego, de redução dos salários e da renda das famílias. Medidas como estas, ao invés de propiciar a retomada do crescimento empurram o país para a recessão.

A CUT protesta e convoca todas as entidades filiadas a se manifestar contra mais esta negociata absurda feita pelo governo e a apoiar as lutas dos petroleiros, a quem o governo e a empresa não deixam outra alternativa senão a paralisação da produção e dos serviços como forma de protesto.

Direção Executiva Nacional da CUT

Publicado em Petrobrás Fica
Página 2 de 8

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.