Ao longo destes últimos dois dias, a FUP buscou junto à gestão da Petrobrás a construção de uma alternativa para os pontos da proposta de regramento da PLR que não tiveram os avanços necessários por conta de exigências da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST), segundo alegações da empresa. Em carta compromisso enviada à FUP nesta sexta, 11, a Petrobrás se compromete a continuar discutindo uma solução para o regramento da PLR na PBio e atuar junto à SEST em relação à exigência de lucro líquido.

Após dois dias de avaliação e debate, o Conselho Deliberativo da FUP indica a aceitação da proposta, considerando os avanços alcançados no processo de negociação, que resultaram um novo modelo de regramento que supera em muito a primeira proposta da Petrobras e subsidiárias, apesar de uma conjuntura política e econômica extremamente difícil para os petroleiros e a classe trabalhadora. A FUP orienta os sindicatos a realizar assembleias até o dia 23 de dezembro, indicando à categoria a aprovação da última proposta da empresa.


> Acesse as minutas da proposta e a carta compromisso no final da matéria


O regramento da PLR foi intensamente discutido pela FUP com a Petrobrás e subidiárias, mesmo com o curto prazo imposto pela SEST. Foram nove reuniões de negociação realizadas desde o fechamento do Acordo Coletivo, onde a FUP buscou o atendimento de pontos considerados estratégicos para os trabalhadores.

Fruto desse processo, avançamos em pontos fundamentais, como o estabelecimento de um piso para a PLR, de forma que os resultados construídos coletivamente possam ser distribuídos de forma mais igualitária entre os trabalhadores. Garantimos um acordo de regramento de dois anos e o retorno do adiantamento da PLR no início do ano, como era praticado anteriormente. Outra conquista importante foi não permitir redução de PLR por perseguições políticas, estabelecendo na cláusula de penalidades o mesmo conceito de conflito de interesses que é previsto na legislação. Veja abaixo esses e outros pontos que avançaram no regramento da PLR.

Principais mudanças na proposta da Petrobrás, em relação à anterior:

>Piso que beneficia os trabalhadores que ganham menos – PLR de até duas remunerações para salários abaixo de R$ 5 mil; PLR de até R$ 10 mil para trabalhadores que recebem entre R$ 5 mil e R$ 10 mil; para trabalhadores que recebem acima de R$ 10 mil, a PLR será de uma remuneração.

>Acordo por dois anos (exercícios de 2021 e de 2022)

>Retorno da antecipação no início do ano do exercício vigente

>Redução do peso do indicador financeiro e mudança do indicador de venda de óleo e derivados para o de reutilização de água, como foi proposto pela FUP

>Alteração na redação da cláusula de penalidades, onde o conceito de conflito de interesses fico mais claro, conforme previsto na legislação

Pontos cobrados pela FUP e respondidos em carta compromisso:

> Exigência de lucro líquido –a Petrobrás se compromete a continuar tratando essa questão em negociação com a FUP e ações junto à SEST.

>Exclusão da PBio - a empresa alega que a SEST não permite negociação de PLR em empresas estatais com prejuízos acumulados. A FUP reforçou a necessidade de garantir um regramento, independentemente do valor em si da PLR. Na carta compromisso, a Petrobras e a PBio se comprometem a continuar as negociações em 2021, com gestões políticas junto à SEST.

MINUTAS DA PROPOSTA:

> Minuta com a proposta da Petrobras

Carta compromisso da Petrobrás

> Minuta com a proposta da Transpetro

> Minuta com a proposta da TBG

> Carta compromisso da PBio

[Imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

A nova proposta de regramento da PLR apresentada hoje pela Petrobrás é ponto de pauta do Conselho Deliberativo da FUP, cuja reunião prossegue na sexta.  O posicionamento da FUP e de seus sindicatos só será definido amanhã.

A proposta da empresa atende parte das reivindicações apresentadas pela FUP no Grupo de Trabalho que vem discutindo o regramento da PLR desde o fechamento do Acordo Coletivo. No entanto, há pontos estratégicos apresentados pelos petroleiros que não foram contemplados.

Leia aqui a matéria publicada com os principais pontos da proposta.

[Imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

A Petrobrás apresentou nesta quinta-feira, 10, uma nova proposta de regramento que atende parte das reivindicações apresentadas pela FUP no Grupo de Trabalho. No entanto, há pontos estratégicos que não foram contemplados.

A empresa mantém a condicionante de que é preciso haver lucro líquido para ter PLR, mesmo após ter alterado a regra para a distribuição de dividendos aos acionistas. Isso faz com que os trabalhadores sejam impactados pelos impairments, o que foi questionado pela FUP desde o início do GT. A FUP cobrou a retirada deste conceito, mas não foi atendida.

Outro ponto sensível é em relação à reivindicação de que o regramento seja extensivo aos trabalhadores de todas as subsidiárias. O RH da Petrobras afirmou que a Transpetro, TBG e a Termo Macaé enviarão as minutas do acordo, mantendo os principais pontos da proposta apresentada pela holding. No entanto, o RH informou que não houve acordo com a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST) em relação à PBio, em função do alto prejuízo acumulado pela subsidiária. A FUP reiterou que é fundamental que todas as empresas tenham um regramento pactuado.  

A nova proposta de regramento da PLR será analisada pela direção da FUP e dos sindicatos filiados em reunião virtual hoje à tarde do Conselho Deliberativo da entidade.

Inconveniente político

No decorrer da negociação desta quinta com a Petrobrás, a FUP foi surpreendida pela presença na reunião do presidente do Sindmestre, sindicato que nada tem a ver com os petroleiros e que disputa a representação de bases da empresa que hoje são representadas pelo Sindicato dos Marítimos. A composição da mesa de negociação sempre é previamente discutida e anunciada no início das reuniões, o que não aconteceu nesta quinta. O fato foi veemente questionado pela FUP, dada a gravidade política da situação criada pelo RH da Petrobrás. Os petroleiros ameaçaram deixar a reunião, até porque os marítimos são representados por outros sindicatos que não estavam presentes e sequer foram convidados pelo RH. Perante o questionamento da FUP, o presidente do Sindmestre deixou a reunião e os representantes da Petrobrás admitiram o equívoco e pediram desculpas pelo incoveniente político.

Principais mudanças na proposta da Petrobrás, em relação à anterior:

>Piso que beneficia os trabalhadores que ganham menos – PLR de até duas remunerações para salários abaixo de R$ 5 mil; PLR de até R$ 10 mil para trabalhadores que recebem entre R$ 5 mil e R$ 10 mil; para trabalhadores que recebem acima de R$ 10 mil, a PLR será de uma remuneração.

>Acordo por dois anos (exercícios de 2021 e de 2022)

>Retorno da antecipação no início do ano do exercício vigente

>Redução do peso do indicador financeiro e mudança do indicador de venda de óleo e derivados para o de reutilização de água, como foi proposto pela FUP

>Alteração na redação da cláusula de penalidades, deixando mais claro o conceito de conflito de interesses, conforme previsto na legislação

[Imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Em resposta à cobrança feita pela FUP na última reunião do Grupo de Trabalho que vem discutindo o regramento da PLR 2021, a Petrobrás dará continuidade à negociação nesta quinta-feira, 10. A reunião será realizada pela manhã, através de videoconferência.   

A FUP continuará buscando avanços nos pontos considerados estratégicos pelos trabalhadores. É fundamental que seja definido um piso para a PLR, no sentido de que os resultados construídos coletivamente sejam distribuídos da forma mais igualitária possível entre os trabalhadores, sem o foco apenas na remuneração individual, como quer a gestão da empresa.

Outro ponto reforçado pela FUP no GT é que a Petrobrás volte a fazer o adiantamento da PLR no início do ano, como sempre foi praticado.

Os trabalhadores também querem que o acordo do regramento tenha validade por dois anos, assim como foi conquistado no ACT, garantindo previsibilidade e estabilidade para todos.

[Imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Em reunião com a Petrobrás nesta quinta-feira, 03, na sede da empresa, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) tornou a reforçar a necessidade de avanços no processo de negociação, que resultem na construção de um regramento da PLR que atenda os principais pontos elencados pelas representações sindicais no Grupo de Trabalho.

A primeira proposta apresentada pela Petrobrás e suas subsidiárias foi amplamente rejeitada pela categoria petroleira. A FUP cobrou a continuidade da negociação e o agendamento de novas reuniões o mais rápido possível, para fazer avançar os pontos considerados estratégicos pelos trabalhadores.

É fundamental que seja definido um piso para a PLR, no sentido de que os resultados construídos coletivamente sejam distribuídos da forma mais igualitária possível entre os trabalhadores, sem o foco apenas na remuneração individual, como quer a gestão da empresa.

Outro ponto reforçado pela FUP é que a Petrobrás volte a fazer o adiantamento da PLR no início do ano, como sempre foi praticado. 

Os trabalhadores também querem que o acordo do regramento tenha validade por dois anos, assim como foi conquistado no ACT, garantindo previsibilidade e estabilidade para todos.

A FUP aguarda resposta da gestão da Petrobrás e das subsidiárias.

[Imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Após a rejeição massiva da proposta apresentada pela Petrobrás e subsidiárias para a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) referente ao exercício de 2021 (com pagamento a ser feito em 2022), a FUP cobrou a retomada das negociações para buscar avanço nos principais pontos defendidos no Grupo de Trabalho que discutiu o regramento da PLR. O RH da empresa agendou para quinta-feira, 03/12, uma nova reunião com a Federação.

Ontem, no Encontro com a categoria, debate semanal transmitido ao vivo pela internet, os diretores da FUP que participam do GT relembraram o processo de negociação e destacaram os principais pontos do regramento que serão reiterados na negociação com a Petrobrás. Veja abaixo a íntegra do programa.

Nas sete reuniões realizadas pelo Grupo de Trabalho que discute a PLR, os representantes sindicais reforçaram que o regramento tem que atender a todos os trabalhadores do Sistema Petrobrás, independentemente da função que ocupe e da empresa em que atue. A FUP também cobrou que não haja impacto dos impairments (desvalorização de ativos) nos indicadores utilizados e que a PLR tenha um piso para que os resultados construídos coletivamente sejam distribuídos da forma mais igualitária possível entre os trabalhadores, sem o foco apenas na remuneração individual, como quer a gestão da empresa.

Outro ponto que a Federação deixou claro no GT foi que não pode haver redução de PLR por perseguições políticas e que o texto de penalidades deve deixar explícito que conflito de interesses é o que está previsto na lei, para que não haja distorção do conceito. Também foi cobrado que a Petrobrás volte a fazer o adiantamento da PLR no início do ano, como sempre foi praticado, e que o acordo do regramento tenha validade por dois anos, dando uma estabilidade para todos, assim como conquistamos no ACT.

Além disso, a FUP condenou a discrepância entre a política de remuneração dos acionistas, que receberão dividendos mesmo quando não houver lucro contábil, e a recusa da gestão da Petrobrás em manter o mesmo critério para os trabalhadores, como vigorava no antigo regramento da PLR. 

[Da imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

No programa Encontro com a categoria desta terça, 01/12, os diretores da FUP irão discutir os próximos passos da negociação da PLR com as empresas do Sistema Petrobrás. A live terá início às 19h, nos canais da FUP no Youtube e Facebook (veja abaixo).

Participam do Encontro, os diretores Cibele Vieira, Fernando Maia e Cláudio Nunes, que representam a FUP no Grupo de Trabalho que vem tratando da PLR com a Petrobrás e as subsidiárias. A mediação do debate será feita por Tadeu Porto, diretor de Comunicação da Federação.

Nova rodada de negociação começa quinta, 03/12

Após a rejeição massiva da proposta apresentada pela Petrobrás e subsidiárias com regras referentes à PLR de 2021 (com pagamento a ser feito em 2022), foi cobrada a retomada das negociações para buscar avanço nos principais pontos defendidos no GT. O RH da empresa agendou para quinta-feira, 03/12, uma nova reunião com a FUP.

Relembre como foram as reuniões anteriores

Nas sete reuniões anteriores do Grupo de Trabalho que discute a PLR, os representantes sindicais reforçaram que o regramento tem que atender a todos os trabalhadores do Sistema Petrobrás, independentemente da função que ocupe e da empresa em que atue. A FUP também cobrou que não haja impacto dos impairments (desvalorização de ativos) nos indicadores utilizados e que a PLR tenha um piso para que os resultados construídos coletivamente sejam distribuídos da forma mais igualitária possível entre os trabalhadores, sem o foco apenas na remuneração individual, como quer a gestão da empresa.

Outro ponto que a Federação deixou claro no GT foi que não pode haver redução de PLR por perseguições políticas e que o texto de penalidades deve deixar explícito que conflito de interesses é o que está previsto na lei, para que não haja distorção do conceito. Também foi cobrado que a Petrobrás volte a fazer o adiantamento da PLR no início do ano, como sempre foi praticado, e que o acordo do regramento tenha validade por dois anos, dando uma estabilidade para todos, assim como conquistamos no ACT.

Além disso, a FUP condenou a discrepância entre a política de remuneração dos acionistas, que receberão dividendos mesmo quando não houver lucro contábil, e a recusa da gestão da Petrobrás de manter o mesmo critério para os trabalhadores, como vigorava no antigo regramento da PLR.

Para assistir e participar do Encontro com a categoria, acesse os canais da FUP abaixo. A live começa às 19h e ficará gravada. 

YOUTUBE | https://youtu.be/khz42aCU3Xg

FACEBOOK | https://www.facebook.com/fupetroleiros/posts/3644781492246185

[Imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Os trabalhadores do Sistema Petrobrás atenderam ao indicativo da FUP e rejeitaram massivamente a proposta apresentada pela empresa para regrar a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) referente ao exercício de 2021, com pagamento a ser feito em 2022. A Federação cobrará a retomada das negociações para buscar avanço nos principais pontos defendidos no Grupo de Trabalho.

Nas sete reuniões realizadas com a gestão da Petrobrás e suas subsidiárias, a FUP reiterou que o regramento da PLR tem que atender todos os trabalhadores, independentemente da função que ocupe e da empresa em que atue no Sistema. As representações sindicais também cobraram que não haja impacto dos impairments (desvalorização de ativos) nos indicadores utilizados e que a PLR tenha um piso para que os resultados construídos coletivamente sejam distribuídos da forma mais igualitária possível entre os trabalhadores, sem o foco apenas na remuneração individual, como quer a gestão da empresa.

Outro ponto que a FUP reforçou no GT foi que não pode haver redução de PLR por perseguições políticas e que o texto de penalidades deve deixar explícito que conflito de interesses é o que está previsto na lei, para que não haja distorção do conceito. Também foi cobrado que a Petrobrás volte a fazer o adiantamento da PLR no início do ano, como sempre foi praticado, e que o acordo do regramento tenha validade por dois anos, dando uma estabilidade para todos, assim como conquistamos no ACT.

Além disso, a FUP condenou a discrepância entre a política de remuneração dos acionistas, que receberão dividendos mesmo quando não houver lucro contábil, e a recusa da gestão da Petrobrás de manter o mesmo critério para os trabalhadores, como vigorava no antigo regramento da PLR.

[Imprensa da FUP | Foto: Recap]

Publicado em Sistema Petrobrás

A diretoria do Sindipetro Bahia, após receber sugestões dos trabalhadores da base, suspendeu a segunda seção da Assembleia Geral Extraordinária, que iria   apreciar e deliberar sobre a proposta de regramento da PLR 2021, apresentada pela Petrobrás e o indicativo da FUP de rejeição dessa proposta, marcada para essa segunda (16). A AGE, que acontecerá através do aplicativo de videoconferência ZOOM,  foi remarcada para o dia 19/11 (quinta-feira), às 20h em primeira convocação e às 20h30 em segunda e última. No dia do evento, a diretoria enviará para  a categoria o link de acesso à sala da AGE.

As sugestões de dia, hora e forma de realização da AGE chegaram  através de questionário do google, disponibilizado pela direção do sindicato e também de e-mail. 52 pessoas participaram da enquete.

Na assembleia também será objeto de apreciação e deliberação a  proposta de minuta apresentada pela Petrobrás para o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), especifica para tratar da tabela de turno, com autorização ao Sindicato para assinatura em caso de aprovação.

Outro ponto de pauta é a apreciação e deliberação sobre o desconto assistencial de 2% (dois por cento) sobre o salário líquido para custear uma campanha nacional unificada de mídia contra a privatização das empresas públicas e em defesa dos serviços públicos, sendo 1,0% (um por cento) repassado para o  Sindipetro Bahia e 1,0% (um por cento) para a FUP, a ser descontado em folha de pagamento de todos os empregados do Sistema Petrobras durante os próximos quatro meses, com direito de oposição.

A AGE foi remarcada para o dia 19/11 para que fosse possível cumprir o prazo jurídico que determina a divulgação do edital de convocação 72 horas  antes da realização da assembleia. 

Clique aqui para ler o edital de convocação

[Da imprensa do Sindipetro BA]

Publicado em SINDIPETRO-BA

Os sindicatos da FUP iniciam esta semana as assembleias para deliberar sobre as propostas da Petrobrás e das subsidiárias referentes ao regramento da PLR de 2021. O indicativo definido pelo Conselho Deliberativo da FUP é de rejeição da proposta e continuidade das negociações com a empresa para buscar um modelo de regramento mais equânime e que atenda todos os trabalhadores do Sistema.

Além da Petrobrás, as subsidiárias também formalizaram suas propostas, encaminhando à FUP nos últimos dias as minutas do acordo. A orientação é de que os sindicatos realizem as assembleias até o dia 20 de novembro para que a Federação retoma o quanto antes as negociações com a empresa.

O Conselho Deliberativo reiterou que o regramento tem que atender a todos os trabalhadores, independentemente da função que ocupe e da empresa em que atue no Sistema. Essa foi a premissa defendida pela FUP no Grupo de Trabalho, que discute o regramento com a Petrobrás e as subsidiárias.

As representações sindicais também reiteraram que os indicadores têm que refletir todas as áreas da empresa, pois os resultados são construídos coletivamente pelos petroleiros e petroleiras. Da mesma forma, o lucro obtido deve ser repartido entre todos os trabalhadores, da forma mais igualitária possível. Daí a importância da PLR ter um piso.  

Outro ponto que a FUP reforçou no GT foi que não pode haver redução de PLR por perseguições políticas e que o texto de penalidades deve deixar explícito que conflito de interesses é o que está previsto na lei, para que não haja distorção do conceito. Além disso, os petroleiros querem que a empresa volte a fazer o adiantamento da PLR no início do ano, como sempre foi praticado, e que o acordo do regramento tenha validade por dois anos, dando uma estabilidade para todos, assim como conquistamos no ACT.


Leia também: > Petrobrás aprova dividendos sem lucro contábil para os acionistas, mas nega PLR para os trabalhadores


Rejeitar a atual proposta de PLR apresentada pela Petrobrás é o primeiro passo para que a FUP e os sindicatos possam voltar à mesa de negociação e buscar um modelo de regramento com menos distorções e que atenda todos os trabalhadores do Sistema.

Contribuição assistencial

As assembleias também irão discutir a aprovação de uma contribuição assistencial durante os quatro primeiros meses de 2021.

Mobilização dia 11 contra as punições

Outra deliberação da FUP e dos sindicatos é a realização de uma mobilização nacional no dia 11 de novembro contra as punições e outras práticas antissindicais da gestão da Petrobrás, na tentativa de intimidar os trabalhadores e as organizações sindicais. Em menos de 20 dias, a empresa puniu quatro trabalhadores da Regap, todos eles diretores sindicais, sendo que dois também são cipistas. Além de ilegais, as punições têm caráter político, com objetivo claro de desmobilizar a categoria nas lutas contra as privatizações.

A FUP está denunciando as práticas antissindicais da Petrobrás ao Ministério Público do Trabalho e também à Organização Internacional do Trabalho.  

[Imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás
Página 1 de 2

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.