O Sindicato fechou uma parceria com a rede Produtos da Terra PR para oferecer à categoria petroleira e comunidade local itens de alimentação orgânicos e com valores justos cultivados por pequenos produtores rurais em áreas destinadas à reforma agrária. 

A partir do dia 03 de outubro, e sempre aos sábados, haverá a feira agroecológica no estacionamento da Sede do Sindipetro PR e SC, em Curitiba. O funcionamento será das 09h00 às 14h00. 

A iniciativa visa promover a cultura da alimentação saudável aliada à valorização da produção dos agricultores em assentamentos ou acampamentos. 

Cabe ressaltar que durante a pandemia serão tomados todos os cuidados necessários. O uso de máscara é obrigatório, será disponibilizado álcool em gel e o número de pessoas vai ser limitado para evitar aglomerações. É aconselhável o uso de ecobags para transportar as compras e ajudar na preservação do meio ambiente. 

Conexão Campo-Cidade

Produtos da Terra PR é uma rede colaborativa gerida coletivamente pela CCA - Cooperativa Central da Reforma Agrária do Paraná e pelo empreendimento Sinergia Alimentos Saudáveis. Também é um dos projetos abarcados pela Rede Mandala – Rede Paranaense Campo-Cidade de Economia Solidária e tem como objetivo fortalecer o vínculo campo-cidade, conectando quem produz cooperativamente com quem consome conscientemente. 

Dados da Reforma Agrária no Paraná

O Paraná tem 330 assentamentos, formados por cerca de 30 mil famílias, e aproximadamente 80 acampamentos, onde vivem mais de 7 mil famílias. A produção e comercialização de alimentos têm como bases 21 cooperativas e 51 agroindústrias, que trabalham com a industrialização de mais de 50 produtos. 

 :: Serviço

Feira de Agroecologia do Sindipetro PR e SC

Quando? Aos sábados (a partir de 03/10)

Local: Estacionamento da Sede do Sindicato

(R. Lamenha Lins, 2064, Rebouças – Curitiba)

Horário: 09h00 às 14h00

[Via Sindipetro-PR/SC]

Publicado em SINDIPETRO-PR/SC

[Com informações do Brasil de Fato]

reintegração de posse de algumas áreas do Acampamento Quilombo Campo Grande, em Campo do Meio (MG), foi executada nesta sexta-feira (14) após ação violenta da Polícia Militar do estado contra as famílias que resistiram ao despejo por quase 60 horas.

No início da tarde, os acampados foram alvejados por bombas de gás lacrimogêneo e dispersados do local. Segundo o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), as casas e plantações foram destruídas poucas horas depois.

A Escola Popular Eduardo Galeano, onde crianças, jovens e adultos eram alfabetizados, foi destruída por um trator no dia anterior


Entenda: Policiais ateiam fogo em acampamento do MST durante despejo em MG


O desfecho do despejo se deu após três dias de resistência dos acampados, que ocupam o local há 22 anos. Cerca de 450 famílias vivem na área da usina falida Ariadnópolis, da Companhia Agropecuária Irmãos Azevedo (Capia), que encerrou as atividades em 1996. 

Os agricultores estão em constante disputa com os proprietários da Companhia, que reivindicam posse do local recuperado ao longo dos anos pelos sem-terra desde a ocupação e revitalização das terras a partir de 1998.  


Conheça: Café agroecológico Guaií transforma a vida de assentados no Sul de Minas Gerais


Com larga escala de produção agroecológica, as famílias são produtoras do famoso Café Guaií e também são responsáveis por outros tipos de cultivos, como milho, feijão, mel, hortaliças, verduras, legumes, galinhas, gado e leite.

De acordo com o MST, só no último ano, as famílias produziram 8,5 mil sacas de café e 1.100 hectares de lavouras com 150 variedades cultivadas, sem o uso de agrotóxicos. 



Lavouras agroecológicas estão sendo destruídas, denuncia MST / Foto: MST MG

Despejo ilegal

O tamanho da área alvo reintegrada é questionada pelo MST. A primeira ordem judicial afirmava que a área a ser reintegrada era de 26 hectares. Mas, a decisão de Roberto Apolinário de Castro, juiz da Vara Agrária do TJ-MG, ampliou para 52 hectares o total a ser reintegrado. Sete famílias foram diretamente afetadas com o despejo.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Esther Hoffmann, da coordenação nacional do MST, definiu a reintegração como ilegal. Segundo elas, as famílias já haviam deixado a área prevista na decisão judicial.

“A polícia continua ameaçando avançar para além da decisão judicial, que são os lotes familiares, que não estão contidos dentro do processo dessa liminar de despejo. O que eles querem é despejar ilegalmente as famílias que produzem, moram, tem suas construções e famílias nessa área há mais de 20 anos", afirmou.


Leia também: ONU recebe denúncia sobre violência em despejo de acampamento do MST em MG


"Nos colocaram em uma situação de risco, fazendo o despejo em meio à pandemia, nos forçaram estar aqui. Com uma aglomeração causada pela PM, colocando as famílias em risco de contaminação”, denunciou Hoffmann horas antes da reintegração.

De acordo com a dirigente, a Defensoria Pública do estado e o próprio Ministério Público notificaram a Vara Agrária do Tribunal de Justiça de Minhas Gerais (TJ-MG) que a área prevista na decisão já havia sido desocupada. 


Sem-terra resistiram ao despejo por 50 h / Foto: MST MG

Entenda o conflito 

Os acampados atingidos pela reintegração de posse vivem na área da usina falida Ariadnópolis, da Companhia Agropecuária Irmãos Azevedo (Capia), que encerrou as atividades em 1996. Ao falir, os donos da empresa deixaram dívidas trabalhistas e as terras em situação de completo abandono. 

Após a ocupação e revitalização das terras a partir de 1998, os agricultores estão em constante disputa com os proprietários da Companhia, que reivindicam posse do local recuperado ao longo dos anos pelos sem-terra. 

O Quilombo Campo Grande conta com 11 acampamentos organizados na área. São plantados, em média, 600 hectares de terra anualmente.

Leia mais: Oposição pede a Maia prioridade para votar PL que suspende despejos durante pandemia

Do outro lado, quem pede o despejo das famílias é o empresário Jovane de Souza Moreira, que tenta reativar a usina falida para cumprir um acordo comercial com a Jodil Agropecuária e Participações Ltda. O proprietário da empresa em questão é João Faria da Silva, considerado um dos maiores produtores de café do país.

O juiz Walter Zwicker Esbaille Junior, do Tribunal de Justiça de Minhas Gerais (TJ-MG) chegou a determinar a reintegração de posse em novembro de 2018 em primeira instância. Entretanto, o desembargador Marcos Henrique Caldeira Brant suspendeu a decisão.

Reportagem da Repórter Brasil, publicada em novembro 2018, registra que após pedir recuperação judicial da Usina, o documento firmado entre Jovane e Faria prevê o arrendamento de parte dos 4 mil hectares da terra para o plantio de café, enquanto outra parcela seria destinada ao cultivo da cana-de-açúcar.

O despejo iniciado nesta quarta-feira (12) foi determinado pelo juiz Roberto Apolinário de Castro em fevereiro e afeta diversas famílias que ocupam a área da sede da Usina.

Mas, conforme reitera o MST, a questão que agrava a situação é o limite entre as áreas do Quilombo e a área que o proprietário da antiga usina alega ser de sua propriedade. De acordo com o movimento, a área que o dono da Usina reivindica legalmente não é dele de fato. Apesar disso, o despacho mais recente, de fevereiro desse ano, aumentou a área da reintegração de posse para 52 hectares.  

Publicado em Movimentos Sociais

[Da imprensa do Sindipetro Unificado-SP]

Na próxima terça-feira (28), no Dia do Agricultor, o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP) lança um mini documentário denominado “O elo da semente”. O curta-metragem de nove minutos apresenta a parceria construída com integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), com o objetivo de contribuir com a venda e distribuição de alimentos orgânicos cultivados em assentamentos da região de Campinas (SP).

A partir do diagnóstico de que a distribuição era o gargalo da cadeia de produção da reforma agrária, petroleiros e voluntários decidiram criar um grupo de WhatsApp, desde agosto de 2017, para potencializar a venda de orgânicos da Cooperativa da Agricultura Familiar de Americana, Cosmópolis, Limeira e Piracicaba (Cooperflora).

Semanalmente, os participantes se inscrevem para comprar uma cesta com cinco quilos e uma variedade de sete verduras e legumes orgânicos, selecionados a partir da colheita, pelo valor de R$ 28. Os alimentos podem ser retiradas na sede do Sindipetro Unificado-SP ou recebidos em casa, por meio de um serviço de entrega.

Em todas as etapas (produção, distribuição e consumo) desse processo, destaca-se o papel das mulheres. Uma delas é a agricultora do Assentamento Milton Santos, Ariele Caroline Contrigiani, que explica o significado da frase “se o campo não planta, a cidade não janta”, comum de ser escutada nas marchas do MST.

“Eu defendo muito que o alimento tem um papel fundamental nessa batalha das ideias. Hoje a logística é difícil, não é uma coisa simples. As pessoas da cidade não entendem o quanto são importantes para todo esse processo. Isso é uma tarefa de todo mundo”, opina Ariele.

Publicado em Trabalho

[Da Página do MST]

Os movimentos populares e demais organizações que compõem a Via Campesina Brasil, vem a público denunciar o violento ataque contra trabalhadores e trabalhadoras rurais do Acampamento sem terra Lagoa Nova Carajás [no município de Parauapebas, no Pará], promovido no dia 21 de junho de 2020 por agentes da empresa de segurança PROSEGUR, agindo a serviço da mineradora Vale.

O acampamento, onde vivem 248 famílias há 5 anos, é organizado pela Fetraf-PA e está localizado no município de Parauapebas, no estado do Pará. O fatídico episódio deixou vários trabalhadores e trabalhadoras feridos, incluindo crianças e idosos.

Não podemos permitir que a postura reiterada da Vale de cometer crimes continue impune. Basta de crimes como os praticados pela Vale e suas subsidiária em Mariana e Brumadinho, que vitimaram dezenas de trabalhadores e trabalhadoras. Não contente com o que já fez no Brasil, a Vale, que se tornou também uma das maiores latifundiárias do sudeste do Pará, continua promovendo atos violentos contra trabalhadores rurais que buscam seus direitos de acesso à terra para produzir e viver com dignidade.

Cobramos ao Governo Federal, ao Estado do Pará e as demais autoridades competentes a efetivação das políticas de Reforma Agrária, que garanta terra para quem nela trabalha e evite massacres desta natureza.

Em pleno período de pandemia onde a COVID-19 já matou mais de 51 mil pessoas no Brasil ainda somos obrigados a conviver com insanidades como esta. É urgente que a vida seja colocada acima do lucro e reafirmamos que lutar não é crime. Exigimos que os responsáveis pelo ataque ao acampamento Lagoa Nova Carajás e a Vale sejam responsabilizados e punidos.

#Lutar não é crime! #Reforma Agrária Já!

[Via MST]

Publicado em Movimentos Sociais

No dia 13 de junho, o Sindipetro PR/SC e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realizaram mais uma grande ação solidária nestes tempos difíceis de pandemia, doando alimentos e gás de cozinha para famílias carentes da periferia de Curitiba.

Foram distribuídos 15 toneladas de alimentos produzidos nos assentamentos do MST e 500 botijões de gás doados pelos petroleiros do Paraná e Santa Catarina.

A ação de solidariedade representa a aliança de classe entre trabalhadores do campo e da cidade e nasceu quando dirigentes do MST e do Sindipetro-PR/SC fizeram o desafio de aumentar o número de doações de itens essenciais para famílias que estão em vulnerabilidade social.  

As cestas básicas e botijões de gás foram distribuídos a famílias da Ocupação Portelinha, na Escola de Samba Embaixadores da Alegria, no Santa Quitéria; e da Ocupação Sabará, através da Associação da comunidade, no Complexo da Cidade Industrial de Curitiba.

Confira o minidocumentário produzido pelo Sindipetro-PR/SC: 

Publicado em Cidadania

Em apenas um mês de campanha, ação solidária coordenada por trabalhadores da Petrobras já distribuiu 577 cestas de produtos orgânicos, totalizando mais de 2,5 toneladas de alimentos produzidos através da agroecologia em assentamentos e acampamentos do MST.

Nessa segunda-feira, dia 11, foram distribuídas 150 cestas em 9 organizações espalhadas pela cidade de Campinas. A região que mais recebeu foi a dos bairros Monte Cristo, Oziel e Gleba, onde se encontram a CUFA (Central Única das Favelas), o Quilombo Urbano e a sede da Associação da ex-ocupação Joana D’Arc.

Pela proximidade com o dia das mães, também foram incluídos nessa semana kits com produtos de higiene feminina. Pessoas que trabalham com famílias carentes relatam que esse tipo de produto raramente tem doação. Professoras relatam que alunas chegam a faltar da escola por não terem de absorvente.

A comunidade da EMEF Pr. Emílio Miotti também tem feito trabalho de levantar as famílias que enfrentam mais necessidades nesse período e distribuir as cestas recebidas.

A ação está sendo coordenada pela Sindicato dos Petroleiros e quem quiser doar pode fazer por cartão, boleto, transferência bancária ou pagamento recorrente através da página: https://sindipetrosp.org.br/apoie-a-luta-dos-petroleiros/ 

[Via Carta Campinas]

Publicado em Movimentos Sociais

A quarta live promovida pelo Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo (Sindipetro-SP) desde o início do período de isolamento social reuniu na tarde desta sexta-feira (8) o jornalista e escritor Alceu Castilho, a dirigente do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), Kelli Mafort e o diretor da FUP (Federação Única dos Petroleiros) e do Sindiquímica Gerson Castellano.

Em pauta, a forma como o rolo compressor do agronegócio, com a chancela do governo Jair Bolsonaro (sem partido) e de boa parte do Congresso Nacional, tem avançado sobre os direitos campesinos, prejudicando a biodiversidade e a qualidade do alimento que vai à mesa dos brasileiros.

Autor dos livros “O protegido – por que o país ignora as terras de FHC” e “Partido da Terra – Como os políticos conquistam o território brasileiro”, Alceu Castilho iniciou com um diagnóstico da forma como as propriedades são distribuídas no país e de que maneira isso se reflete nas relações políticas.

“Os políticos de todo o país, inclusive do Sul e Sudeste, são grandes proprietários de terra e concentram suas terras na Amazônia e no Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), região de expansão da agropecuária. Regiões onde existem muitas terras da União e por meio da bancada ruralista tentam, ao longo de tempo, regularizar essas terras. Esse é um processo histórico que vem de todos os governos e que se acirrou com o golpe de 2016 do presidente Temer e está se acelerando durante governo Bolsonaro”, explicou.

Ele explica que um bom exemplo desse pé no acelerador do governo é a Medida Provisória 910, proposta pelo Executivo federal, que propõe regularizar terras públicas e é a joia da coroa da bancada ruralista, que tem diferenças com o governo federal, mas está segurando o apoio porque quer ver projetos como esse aprovados. Um grupo, conforme destacou Castillo, decisivo para derrubar Dilma, segurar Temer e eleger o atual presidente.

O problema é que a regularização em questão refere-se a terras obtidas por meio de grilagens, um processo violento de rouba que traz graves prejuízos ambientais e sociais.

““No Brasil não se prevê terra coletiva, de uso comum. Aqui as terras de uso de camponeses de fundo de pasto, nos faxinais, vão sendo aos poucos apropriadas pelo Capital num processo de roubo à base de violência e expulsão inclusive em diálogo com a face legal do Estado, com despejos, reintegração de posse, mesmo que a empresa tenha roubado a terra.”, afirmou.

Dirigente do MST, Kelli Mafort reforça o estrago que a MP da grilagem pode causar caso seja aprovada. “São 70 milhões de hectares de terras públicas que podem ser entregues para o agronegócio. O governo e a bancada ruralista vendem a ideia de que a medida vai favorecer gente muito simples e pobre, mas isso é mentira. Vai sim permitir que áreas até 2.500 hectares dentro da Amazônia legal sejam entregues a empresas. Áreas como a fazenda Santa Henrique, invadida pela Cutrale, em Bauru, no interior de São Paulo, maior exportadora de suco do país, se tornarão legais”, alertou.

Petrobrás não cumpre seu papel

Representante da FUP e do Sindiquimica-PR, Gerson Castellano ressaltou a série de crimes de lesa-pátria que foram cometidos por Michel Temer e Bolsonaro na condução da política da empresa.

O dirigente ressaltou que o fechamento das fábricas de fertilizantes da Bahia, Paraná e Sergipe faz com que o Brasil tenha de importar ureia, utilizada como suplemento para o gado, e que vem com formol para evitar que empedre. “Hoje a carne que o brasileiro consome está certamente contaminada com formal.”

Além disso, ele ressalta que com o encerramento das unidades, o país abriu mão de alta tecnologia, mão de obra especializada e encerrou um modelo de produção sem ter uma alternativa nacional.

A situação não é diferente no caso do gás de cozinha. Uma das bandeiras dos sindicatos de petroleiros é a venda a um valor justo, mas como a Petrobrás também abriu mão das distribuidoras, o produto passa pela mão de especuladores. “O valor hoje está extremamente alto por conta de especulação feita em cima dos pobres deste país, o nome disso é capitalismo. Em nossas campanhas nós vendemos a R$ 40 reais, que entendemos ser o preço justo. Queremos uma Petrobrás voltada a desenvolver a nação de forma igualitária e justa, porque sabemos que esse papel não caberá a setores como o do agronegócio”, criticou.

Cadê a comida?

A prova do que disse Castellano está nas campanhas que os ruralistas promovem, conforme aponta a dirigente do MST, Kelli Mafort.

“Nunca ouvimos falar que o agronegócio doou comida em uma campanha, porque o que eles produzem é soja e etanol. Quem produz comida é a cultura camponesa, mas todos os canais de acesso ao crédito para a agricultura familiar foram extintos pelo governo Bolsonaro e agora estamos diante de uma pandemia em é necessário garantir alimentação neste momento de crise. Mas estamos reféns dos grandes conglomerados, reféns da especulação”, pontuou.

Para piorar, o que é oferecido por esses grupos não garante uma alimentação de qualidade. “A falta de imunidade tem relação direta com a forma como nos alimentamos que, por um lado, conduz a um processo de desnutrição e fome por falta de condições de ter acesso a alimentos, e, na outra ponta à obesidade pela enorme propaganda de alimentos ultra processados”, explicou.

Na avaliação de Kelli, se realmente houver o desejo de construir um novo modelo de produção, relação e consumo, a reforma agrária será fundamental.

“A pandemia tem relação direta com modelo agrário e ambiental que se estabeleceu no mundo.
O agronegócio se hegemonizou e seu modelo é destruidor de florestas tropicais, balizador da criação de animais em larga escala, um modelo gerador de muitas pandemias. A reforma agrária defendida pelo MST e movimentos da terra defende que se distribua a terra, combata o latifúndio, um problema histórico no país, herança escravocrata, mas também desenvolva outra relação com bens naturais. Se não mudarmos a relação entre ser humano e natureza, que não pode servir apenas para atender o lucro do capital, vamos conviver com muitas pandemias.”

Como mudar consciências

Na luta para romper o véu das fake news e implementar um canal de diálogo capaz de levar uma informação diferente daquilo que é veiculado pela grande mídia conforme seus interesses econômicos, Alceu Castillo apontou o caráter estratégico dos sindicatos.

“O presidente sociopota e seu séquito de bajuladores não vão mudar, eles não tem escrúpulos. Quem pode fazer algo é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), do Senado, Davi Alcolumbre, da Procuradoria Geral da República, Augusto Aras, e, em nome de todos os 11 ministros, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli. Esses quatro senhores, além dos outros ministros, deputados e senadores, precisam ser lembrados por cada cidadão, cada movimento, cada sindicato. Estamos muitos distraídos em relação a isso. Precisam ser pressionados e expostos como cumplices desse genocídio. Precisamos enviar mensagens a eles perguntando, ‘e aí, qual a posição de vocês em relação ao genocídio que vemos no Brasil´?”

Ainda sobre o tema da comunicação, Kelli deu um exemplo de como funciona o modelo brasileiro da velha mídia. “Só o MST já doou 600 toneladas de alimentos, as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, que inclui vários sindicatos, já chegou à marcada de 1.500 toneladas e mais de 40 mil cestas básicas, mas isso não aparece, porque todos os canais de comunicação são ligados ao agronegócio e faltam com compromisso ético quanto ao direito de informação e comunicação. Para romper, estamos fazendo movimento importante de mídias populares tentando integrar, mas ainda temos deficiência nesse processo. Diante da avalanche de fake news que circula diariamente, a criação de canais mais diretos para desvincular mentiras torna-se essencial para a democracia.”, define.

Assista a íntegra: 

 [Via Sindipetro Unificado SP]

 

Publicado em Movimentos Sociais

Na contramão da campanha de desinformação promovida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e das medidas neoliberais do ministro Paulo Guedes contra os trabalhadores, a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo lançaram juntas, nesta terça-feira (31) a Plataforma Emergencial para Enfrentamento da Pandemia do Coronavírus e da Crise Brasileira, que conta com mais de 60 propostas.

A divulgação oficial do plano ocorreu no programa Bom Pra Todos, da emissora Rede TVT, com a presença de Carmen Foro, da Central Única dos Trabalhadores (CUT); Guilherme Boulos, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST); Iago Montalvão, da União Nacional dos Estudantes (UNE); e João Pedro Stedile, do Movimento dos Tralhadores Rurais Sem Terra (MST).

Os movimentos populares e estudantis, centrais sindicais, partidos políticos, tradições religiosas e entidades da sociedade civil denunciam que o governo Bolsonaro não assumiu medidas eficazes contra a propagação do coronavírus no Brasil, tornando-se a principal ameaça para a segurança e bem-estar da população brasileira.

As organizações também pautam medidas para diminuir as consequências da atual crise econômica e sanitária, uma vez que o próprio presidente atua contra as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O objetivo é, segundo as organizações, fortalecer “as vozes de milhões de brasileiros e brasileiras que têm manifestado diariamente seu repúdio ao presidente Jair Bolsonaro” e pautar medidas contra a pandemia do novo conoravírus, que já ultrapassa os 4.681 infectados e 167 mortes no Brasil.

“Nos pautamos pela defesa da vida, pela confiança no conhecimento científico e na consciência de que o egoísmo e o individualismo de nada valem para enfrentar essa crise. Todas as saídas passam pela submissão de interesses privados aos de toda a sociedade, pela ação coletiva, por união e solidariedade popular”, aponta o manifesto que estrutura a plataforma.

Garantia de direitos

O documento relembra que a atual crise econômica e política do país é anterior à epidemia e aponta que esta é decorrente das ações do governo, que foca apenas no setor privado e não valoriza o Estado como garantidor de direitos humanos e sociais.

“Nossa economia é controlada pelo capital financeiro e por corporações transnacionais que, mesmo antes do coronavírus, já vinham impondo as piores condições de vida ao nosso povo. O vírus chega ao Brasil em um momento de estagnação econômica, desmonte de serviços públicos, aumento da pobreza, da desigualdade social. O mercado de trabalho está fortemente precarizado, com alto desemprego e com grande parcela dos ocupados em empregos informais, sem proteção social.”

Dessa maneira, o manifesto ressalta que a permanência do governo Bolsonaro, orientado por interesses particulares e empresariais, dificulta a superação dessa situação do país e pontua eixos considerados essenciais pelas organizações para a proteção do povo.

Entre eles, “condições básicas para salvar nosso povo, promoção e fortalecimento da saúde pública; garantia de emprego e renda para os trabalhadores; proteção social, direito à alimentação e à moradia para todos; direito à alimentação para todas as pessoas; direito à moradia digna e reorientação da economia e da destinação de recursos públicos”.

A apresentação das mais de 60 propostas visa reunir a sociedade brasileira para reverter o quadro atual de pandemia e crise. Além de mobilizar os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário para acolher as medidas.

Clique aqui para conferir a Plataforma Emergencial para Enfrentamento da Pandemia do Coronavírus e da Crise Brasileira na íntegra.

[Via Brasil de Fato]

 

Publicado em Movimentos Sociais

O adolescente Rayuan Feitosa Maia, de 14 anos, mora no assentamento Gabriela Monteiro, em Brazlândia (DF), há cerca de três anos. Convivendo diariamente com as maravilhas do cerrado, ele conta que o cenário é um respiro para quem vive na zona rural e trabalha na roça.

“É uma sensação boa. Você se sente livre, no seu espaço e conectado com a natureza. Me faz muito bem”, conta o adolescente, que ajuda a família nas plantações de milho, feijão, mandioca e hortaliças. “Tudo orgânico. Nada de adubo químico ou veneno”, ressalta, ao contar com orgulho que aguarda o crescimento de uma agrofloresta recentemente plantada.

Ao vislumbrar o futuro das novas gerações, Rayuan diz esperar que seja “um tempo mais saudável e com mais natureza”, trazendo novas perspectivas para aqueles que ainda não vieram ao mundo.

A experiência do jovem está em consonância com o plano nacional "Plantar Árvores, Produzir Alimentos Saudáveis", do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que prevê o plantio de mais de 100 milhões de novas árvores nos próximos dez anos no Brasil. O lançamento do plano no Distrito Federal, no último sábado (14), é parte de uma rodada de eventos estaduais que ocorrem desde o fim de novembro.

“Eu acho que vai ser uma coisa boa, que vai influenciar não só nós, das futuras gerações, como as pessoas que estão com a gente [hoje]. Fazendo isso, acho que a gente vai inspirar outras pessoas. Vai ser bom futuramente. Vai mudar muita coisa”, acredita Rayuan.

 

Militantes do MST em ação de plantio de mudas, durante o lançamento do plano "Plantar Árvores, Produzir Alimentos Saudáveis", no DF (Foto: Adonilton Souza)

 

A militante Bárbara Loureiro, da coordenação estadual do MST-DF, explica que a ideia é fazer um contraponto ao movimento de desmonte ambiental promovido pelo grande capital, cuja atividade predatória está intimamente relacionada à devastação das florestas.

“A reforma agrária sempre foi um projeto de enfrentamento à degradação do modelo do latifúndio, que sempre deixou terras degradadas a partir do monocultivo, mas também [de enfrentamento] aos elementos conjunturais de acirramento da crise estrutural do capital e de como ela tem avançado no sentido da privatização dos bens comuns”, aponta, citando a preocupação com o aumento do desmatamento no governo Bolsonaro.

Em outubro, por exemplo, houve um salto de 212% na devastação da Amazônia, principal foco do problema, segundo levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).  

O agrônomo Gabriel Brigueti, coordenador do Setor de Produção do Centro de Formação Gabriela Monteiro, conta que o Distrito Federal tem vantagens que devem facilitar a implementação local do plano. Entre elas, está a curta distância dos assentamentos para a capital federal.  

“Estar próximo a uma cidade muito grande faz você ter mais acesso a vias comerciais, principalmente porque vai ter mais acesso a viveiro de mudas, sementes. Além disso, o DF é pequeno, então, você consegue fazer uma gestão maior de pessoas. Você consegue, em um curto espaço, garantir que uma grande massa trabalhe em determinada área”, explica, acrescentando que o MST terá a tarefa de articular pessoas e grupos em torno do projeto.  

Segundo o movimento, não há uma meta específica de reflorestamento para cada estado, mas o DF deve dar sua contribuição ao país com plantios de pequi, tamarindo, pitanga, jatobá, baru, entre outros cultivos típicos da região do cerrado.

O objetivo é recuperar áreas que foram devastadas, produzindo e comercializando os cultivos resultantes do reflorestamento. Os cerca de 25 assentamentos e 15 acampamentos do MST na região do DF e do entorno devem se envolver diretamente na execução do plano.

“Ao mesmo tempo em que vamos dialogar com a sociedade sobre o caminho insustentável que a humanidade está tomando, a gente vai também conseguir um retorno socioeconômico pras famílias que estarão envolvidas nesse processo de cultivo e comercialização”, explica o dirigente nacional do MST Marco Baratto.

[Via Brasil de Fato]

Publicado em Movimentos Sociais

A ameaça de despejo contra o Centro Paulo Freire, espaço de formação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na cidade de Caruaru (PE) foi suspensa.

A decisão da ordem de reintegração de posse favorável ao Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) foi emitida no último mês de setembro e na última terça (15) o cumprimento da decisão foi suspenso pelo desembargador Manoel Erhardt, do TRF5, cancelando a decisão do juiz da 24a Vara Federal de Pernambuco, de Caruaru, que determinava a desocupação do Centro.

De acordo com a defesa, o caso está suspenso por tempo indeterminado, já que a finalização do caso depende da decisão da turma do TRF5, a suspensão foi uma ação individual do desembargador, que a partir do processo percebeu a irreversibilidade de um possível despejo. A suspensão dos efeitos da antiga decisão vai até a decisão final do agravo, que será feita pela Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5.

O assentamento Normandia recebeu em 2013 petroleiros de várias regiões do Brasil, durante a IV Plenária Nacional da FUP, que teve  como tema "Trabalhadores do campo e da cidade em defesa da democracia" (saiba mais). 

Na área vivem 41 famílias, que têm como espaço coletivo o centro de capacitação, três agroindústrias, 52 alojamentos, salas de aula, auditório para 700 pessoas, centro comunitário, quadra esportiva, academia pública para atividades físicas, creche e refeitório. A Associação dos Trabalhadores do Assentamento Normandia (ATRANOR) havia pedido para ingressar no processo de execução, com o objetivo de defender a posse e a propriedade de todos esses bens das famílias assentados, que seriam imensamente prejudicados com a reintegração de posse, caso ocorresse. Esse pedido também foi acolhido pelo desembargador.

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) comemora a decisão. Para o dirigente Jaime Amorim, a medida acalmará os ânimos para uma conciliação “Nós esperamos a decisão mais correta, que é anular todo o processo. Os trabalhadores não foram ouvidos, o Ministério Público também não. Essa decisão foi importante porque anula qualquer possibilidade de reintegração de posse à força e joga expectativa na possibilidade de negociação. E nós já decidimos, negociação só se for pra não dar nenhum passo atrás. Vamos continuar reestruturando o Centro e vamos manter nosso processo de vigilância permanente, mas no aguardo da decisão”.

[Via Brasil de Fato]

Publicado em Movimentos Sociais
Página 1 de 3

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram