Além de perseguir e assediar os trabalhadores por participação nos recentes movimentos grevistas - como a punição aplicada esta semana ao coordenador da FUP, Deyvid Bacelar, suspenso arbitrariamente por 29 dias, mesmo estando no exercício legal de seu mandato sindical -, a gestão da Petrobrás continua desrespeitando o direito constitucional de greve, na tentativa de intimidar a categoria.

Os trabalhadores que participaram dos recentes movimentos grevistas estão sendo pressionados com informes de gerentes, supervisores e coordenadores de que a empresa pode suspender o adiantamento do salário de abril, no próximo dia 10.

Diante de mais esta ameaça de prática antissindical, a assessoria jurídica da FUP faz as seguintes orientações aos trabalhadores que tiverem os descontos efetuados pela Petrobras:

> Tentar documentar ao máximo, seja com contracheques, ou até gravando de modo oculto o gerente falando a respeito;

> Obter quaisquer outros documentos que comprovem que todos receberão no dia 10, menos os grevistas;

> Caso comprovado, levar o caso ao Sindipetro que o represente, para que a entidade possa propor ação coletiva, para tentar garantir o pagamento;

> Guardar comprovantes de todas as contas e outros compromissos que venham a ser pagos em atraso, para futuras ações individuais pedindo danos morais e materiais.

Fiscalize o seu salário e denuncie as práticas antissindicais da Petrobrás ao seu sindicato.

Greve é um direito constitucional.

Lutar não é crime!

[Imprensa da FUP, com informações da assessoria jurídica]

Publicado em Sistema Petrobrás

Além da Bahia, a greve foi aprovada nas bases da FUP do Amazonas, de Pernambuco, do Espírito Santo, de São Paulo, de Minas Gerais e pelos trabalhadores da Usina de Xisto (SIX), no Paraná

[Com informações do Sindipetro BA]

A greve dos petroleiros da Bahia por empregos e direitos foi retomada na madrugada dessa sexta-feira (5), com denúncias de cárcere privado. Chegou ao conhecimento do Sindipetro que muitos trabalhadores permanecem no interior da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), mesmo após o final dos seus turnos de trabalho.

De acordo com o Sindipetro Bahia essa tem sido uma prática da Petrobrás durante os movimentos paredistas. “Na maioria das vezes esses trabalhadores são mantidos nas unidades contra a sua vontade”.

Os diretores do sindicato mantêm o piquete de convencimento nos diversos portões da RLAM, respeitando a distanciamento social e utilizando máscaras e álcool em gel. “Temos consciência do momento delicado que estamos vivendo com as disparadas de casos de infecção pela Covid-19 e estamos sendo muito cuidadosos, observando todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) no que diz respeito à prevenção, mas o mesmo não podemos dizer da gerência da RLAM que ao manter todos os funcionários dentro da unidade corre grande risco de aglomeração e consequente contaminação pelo vírus”, afirmou a entidade sindical.

Chamou a atenção o grande número de policias em frente à Landulpho Alves. Isso porque a Petrobrás enviou ofício ao Comando Geral da Polícia Militar solicitando esse efetivo que, na opinião do Sindipetro “é desproporcional e com o claro propósito de impedir o direito legítimo da greve, da manifestação e da organização sindical, inclusive desassistindo as populações de outras cidades. É uma vergonha uma empresa como a Petrobrás se utilizar de artifícios como esse”. 

A greve, que é por tempo indeterminado, inicialmente, acontece apenas na RLAM, onde há uma extensa pauta de reivindicações dos trabalhadores. Entre outras coisas, os petroleiros reivindicam que a Petrobrás envie ao Sindipetro Bahia, a cópia do contrato de venda da Refinaria Landulpho Alves para o fundo Árabe Mubadala ou apresente e coloque em discussão o cronograma de transição da operação da unidade, os prazos de transferências de trabalhadores, seus critérios e prioridades, além das regras que utilizará para indenizar as transferências desses trabalhadores. Eles querem a garantia da permanência dos postos de trabalho dos trabalhadores próprios e terceirizados e também de que não haverá redução salarial, retirada de direitos, de benefícios e vantagens.

Petrobrás encerrou negociação

No dia 18/02, o Sindipetro Bahia resolveu suspender a greve, que seria iniciada nessa data, para dar continuidade às negociações com o RH Corporativo da Petrobrás, uma vez que a estatal demonstrou publicamente o seu desejo de seguir com o processo negocial.

Após a suspensão da greve, aconteceram mais duas rodadas de negociação (já haviam ocorrido duas anteriormente) sem nenhum avanço, até que o Sindipetro foi surpreendido com a decisão da estatal de encerrar a mesa de negociação, não restando outro caminho a não ser o de retomar o movimento paredista.

A entidade sindical reafirma a sua disposição para a negociação, mas rechaça e denuncia o que vem acontecendo nas unidades da estatal em todo o Brasil: “assédio moral, pressão, ameças e política antissindical viraram ferramenta de gestão da atual diretoria da Petrobrás e isso não podemos tolerar”.

Movimentos regionais

Em outros estados também acontecem mobilizações e greves. O movimento paredista foi deflagrado regionalmente pelos Sindipetros do Espirito Santo, Minas Gerais, Amazonas, Pernambuco, São Paulo (Mauá e Campinas) e Paraná (SIX). 

Filiados à Federação Única dos Petroleiros (FUP) esses sindicatos também estavam negociando suas pautas reivindicatórias regionais diretamente com a Companhia. Os sete Sindipetros restantes estão realizando assembleias com as suas bases, e, em breve, decidem se também vão aderir à greve.

A Refinaria Landulpho Alves, localizada no município de São Francisco do Conde (Recôncavo baiano),tem cerca de 900 trabalhadores concursados e 1.700 terceirizados.

Outras reivindicações

A categoria reivindica a implementação de política efetiva de combate ao assédio moral nas unidades da Petrobrás; incorporação dos trabalhadores concursados da PBIO à Petrobrás, caso a Usina de Biocombustíveis de Candeias seja realmente vendida; fim das dobras de turno e das prorrogações de jornada; rever a política do efetivo mínimo do O&M (Organização e Método) nos diversos setores da estatal, em especial da RLAM.

Além da implantação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico da jornada de 12 (doze) horas diárias, já praticada desde 2020 e aprovada pela categoria em assembleia e o fim da exigência de quitação do passivo trabalhista anterior a fevereiro/2020 para firmar esse documento; iniciar discussão e tratamento para a situação das empresas contratadas, em especial dos contratos de trabalhos e direitos dos empregados terceirizados; apresentação pela Companhia, do passivo ambiental, dos acidentes de trabalho (tudo que envolva agentes de riscos aos trabalhadores, seus compromissos de pagamentos e de seus sucessores).

fed6f49d-0d1a-4062-8ecc-860fa0ef16d5
efe7178e-e44f-4cec-b511-90e5c31f2d8d
fea54ad1-8148-42bc-a121-2e2f4599dfee
d9fc1a11-0e7b-4dc5-bec1-0d24dc36a88b
aea5d8f1-3ad9-418b-8340-9daf9115fa95
5261549b-97c7-4f25-b217-582b9f093c7d
164261f5-1fe8-4dae-8d3f-e6c435ab30ac
62222ffa-57b9-41bb-8d8b-d46a0d7889d7
212ac2bd-55f4-4d5c-aac2-259df4ca417c
067f2996-f96b-4010-8f9c-15cf0b83afaa
24b4d1ed-9525-4b37-9e78-a83c2a92dbd6
9fd2666a-10ad-471d-9976-2c9185fac2cd
9eeac2b2-56f8-4ea2-8d6d-6be867c312e8
6cb10b5c-9337-45e9-aae7-49a6ab302bee
5c02ebc6-46f9-494d-90e7-c22d13f8b3e3
3bb3a550-a059-4726-b0a9-c8d64226847e
2176aae5-32af-4877-83d7-fd7385d25063
2dafcb09-80fa-4cf6-b521-7445ed9c0439
ab0231dd-2553-497b-a447-c369d44b7afd
843a51e2-8bca-4d99-b59f-c0c7587fd164
121cc03d-e487-4449-864b-9dc912f9b5c1
14f4583e-ff2b-4b1a-941d-7df788191d27
7572380d-ac80-4f33-a901-d6b5ade0aa03
67955220-f497-4ca7-9b8e-fe0317a1dc99
f845a6e5-6d7f-49f3-b96e-430d1fed2a13
af3ec1a7-1080-496f-aaa3-875b984f7999
fbfbf91c-8656-402e-a32f-adf372dd9642
331a1cd7-4b8b-4b64-89b3-4e26b556007a
5d579658-8be4-4824-b909-d04653ee6be9
1c870bab-3adb-4da8-9ec7-1db124360840
eebcb79f-2ebd-4291-8e34-534a3a715e41
f8d27e17-30db-465a-b49f-2c745b8d194f
02994ef8-9d02-4c8d-be6c-08459824cf2b
20c430c1-b451-4597-922b-2a825e82c497
4cab8f22-54ee-4bc2-bb83-41239c3ffb6c
9fc5d183-ebc3-4960-9af3-a89a57e99fdd
82c825dc-d284-4fa6-8932-8fc4a08841f6
694d985f-bf9c-4506-9908-150611e3d50d
d9e2ef16-c309-4014-b59b-9675b728547d
8ef6b144-bcab-422a-8fff-4c88295a9aa2-1
e2004167-ca78-4a86-a805-39d4080da22f-1
e5d2b2be-4b06-47fa-81a3-fd6dc440548e
c4a75ed1-ec4b-431f-bf0b-8e43b2362af8
beb739f4-1ba8-498f-8297-0faadc79d008
2b4c7170-8278-4a7e-a653-b6d1f1f7fe13
be76b69f-952f-457d-ab72-451a2822eb2f
fed6f49d-0d1a-4062-8ecc-860fa0ef16d5 efe7178e-e44f-4cec-b511-90e5c31f2d8d fea54ad1-8148-42bc-a121-2e2f4599dfee d9fc1a11-0e7b-4dc5-bec1-0d24dc36a88b aea5d8f1-3ad9-418b-8340-9daf9115fa95 5261549b-97c7-4f25-b217-582b9f093c7d 164261f5-1fe8-4dae-8d3f-e6c435ab30ac 62222ffa-57b9-41bb-8d8b-d46a0d7889d7 212ac2bd-55f4-4d5c-aac2-259df4ca417c 067f2996-f96b-4010-8f9c-15cf0b83afaa 24b4d1ed-9525-4b37-9e78-a83c2a92dbd6 9fd2666a-10ad-471d-9976-2c9185fac2cd 9eeac2b2-56f8-4ea2-8d6d-6be867c312e8 6cb10b5c-9337-45e9-aae7-49a6ab302bee 5c02ebc6-46f9-494d-90e7-c22d13f8b3e3 3bb3a550-a059-4726-b0a9-c8d64226847e 2176aae5-32af-4877-83d7-fd7385d25063 2dafcb09-80fa-4cf6-b521-7445ed9c0439 ab0231dd-2553-497b-a447-c369d44b7afd 843a51e2-8bca-4d99-b59f-c0c7587fd164 121cc03d-e487-4449-864b-9dc912f9b5c1 14f4583e-ff2b-4b1a-941d-7df788191d27 7572380d-ac80-4f33-a901-d6b5ade0aa03 67955220-f497-4ca7-9b8e-fe0317a1dc99 f845a6e5-6d7f-49f3-b96e-430d1fed2a13 af3ec1a7-1080-496f-aaa3-875b984f7999 fbfbf91c-8656-402e-a32f-adf372dd9642 331a1cd7-4b8b-4b64-89b3-4e26b556007a 5d579658-8be4-4824-b909-d04653ee6be9 1c870bab-3adb-4da8-9ec7-1db124360840 eebcb79f-2ebd-4291-8e34-534a3a715e41 f8d27e17-30db-465a-b49f-2c745b8d194f 02994ef8-9d02-4c8d-be6c-08459824cf2b 20c430c1-b451-4597-922b-2a825e82c497 4cab8f22-54ee-4bc2-bb83-41239c3ffb6c 9fc5d183-ebc3-4960-9af3-a89a57e99fdd 82c825dc-d284-4fa6-8932-8fc4a08841f6 694d985f-bf9c-4506-9908-150611e3d50d d9e2ef16-c309-4014-b59b-9675b728547d 8ef6b144-bcab-422a-8fff-4c88295a9aa2-1 e2004167-ca78-4a86-a805-39d4080da22f-1 e5d2b2be-4b06-47fa-81a3-fd6dc440548e c4a75ed1-ec4b-431f-bf0b-8e43b2362af8 beb739f4-1ba8-498f-8297-0faadc79d008 2b4c7170-8278-4a7e-a653-b6d1f1f7fe13 be76b69f-952f-457d-ab72-451a2822eb2f

Publicado em Sistema Petrobrás

"Os trabalhadores que estão desembarcando com suspeita de COVID-19 e aqueles já diagnosticados com a doença estão ficando isolados e sem acompanhamento médico num hotel de Vitória. E, pasmem, nem medicamentos são disponibilizados para os trabalhadores", denuncia o coordenador geral do Sindipetro ES, Valnisio Hoffmann. 

Segundo o sindicato, a Petrobrás alega que nenhum profissional da saúde pode ter contato com os trabalhadores no hotel, mesmo quando apresentam dor de cabeça, dor de garganta ou outros sintomas. Segundo a empresa informou, caso algum trabalhador tenha algum sintoma mais grave, é chamado uma ambulância, que o leva para um hospital.

"A Petrobras brinca com a saúde do trabalhador. Essa omissão e negligência pode custar a vida desses colegas que estão isolados no hotel. A desorganização é tamanha que mesmo aqueles trabalhadores cujo diagnóstico foi negativo acabam ficando até cinco dias no hotel aguardando liberação do setor médico", denuncia o coordenador.

O Sindipetro-ES informou que está tomando todas as medidas cabíveis para auxiliar os trabalhadores, que, além de contaminados pelo coronavírus, ainda sofrem com a negligência da Petrobrás.


Leia também:

> Surto de Covid-19 se alastra pela Bacia de Campos. Petroleiros relatam contaminação na P-18

Número de petroleiros infectados por Covid-19 em novembro é mais que o dobro de outubro

> Aumento de casos de Covid19 no Paraná e Santa Catarina deixa petroleiros em alerta


[FUP, com informações da Coordenação do Sindipetro-ES]

O site da campanha #PetrobrásFicanoES já está no ar! A Petrobrás tem realizado um verdadeiro desmonte de suas atividades pelo país, e não tem sido diferente no Espírito Santo. A empresa não tem levado em conta o interesse público e os impactos destas privatizações aos seus trabalhos, ao próprio Estado e aos municípios capixabas. Além disso, esse movimento de privatização não tem sido debatido com a sociedade e não tem passado pela aprovação do Congresso Nacional.

Capixaba, o que nos une é mais profundo. E essa chama não pode se apagar! Vamos juntos na luta pela permanência da Petrobrás no Espírito Santo.  Conheça e compartilhe as razões para resistir: https://www.petrobrasficanoes.com.br/ .

[Da imprensa do Sindipetro-ES]

Publicado em Petrobrás Fica

O Sindipetro-ES continua a frente e garente mais uma vitória na defesa dos direitos dos petroleiros e petroleiras capixabas. A Justiça do Trabalho do Espírito Santo deferiu medida liminar e suspendeu o Plano de Carreiras e Remuneração, imposto por meio de pressões internas aos trabalhadores.

Esse novo PCR veio como uma tentativa de substituir o PCAC (Plano de Classificação e Avaliação de Cargos), que é um direito adquirido no Acordo Coletivo de Trabalho. Mostrando-se mais uma manobra para enganar os trabalhadores e trabalhadoras, incentivar a privatização, reduzir direitos e desmontar a principal conquista dos petroleiros, que é o ACT.
 
A decisão liminar é clara ao dispor que o PCR não deve ser aplicado a qualquer petroleiro. Portanto, aqueles que aderiram ao PCR terão seus contratos de trabalho desvinculados do novo plano e aqueles não aderiam não poderão fazê-lo, enquanto a liminar tiver vigência.
 
Os efeitos retroativos (“extunc”) da liminar ficaram assim delineados:
 
“Em outras palavras, fica o Plano de Carreira e Remuneração PCR 2018 suspenso, com caráter extunc, sem produção de qualquer efeito jurídico, para todos os empregados da Companhia lotados no Espírito Santo.”
 
A principal linha de argumentação da decisão liminar está na lesão ao princípio do Concurso Público, pois a mobilidade entre cargos, pretendida pela empresa, é vedada na nossa Ordem Jurídica.
 
Veja-se esse trecho da liminar:
 
“Nesta conjuntura, considero que o Plano de Cargos e Remuneração da Petrobrás (PCR), na esteira das ADIs acima parcialmente transcritas, é inteiramente incompatível com os ditames do art. 37, II, da CF/88.”
 
Independente das visões individuais, o entendimento coletivo e cooperativo é de que não se pode permitir a aplicação de um plano de cargos e carreiras que não deixe plenamente claro os seus efeitos à categoria e que também altere o futuro profissional dos petroleiros.
 
Deixamos claro que o Sindipetro-ES não é contra uma revisão do Plano de Cargos, porém que seja feito de forma transparente e sem ferir os princípios constitucionais e sem tirar os direitos dos trabalhadores que foram conquistados com muita luta.
 
O Jurídico do Sindicato – Felix Porto & Advogados Associados – ficará a disposição para dirimir as dúvidas sobre o cumprimento da decisão liminar, o que ocorrerá por meio de novos informativos.

[Via Sindipetro-ES / Ilustração: Sindipetro-PR/SC]

Publicado em SINDIPETRO-ES

O Sindipetro-ES continua a frente e garente mais uma vitória na defesa dos direitos dos petroleiros e petroleiras capixabas. A Justiça do Trabalho do Espírito Santo deferiu medida liminar e suspendeu o Plano de Carreiras e Remuneração, imposto por meio de pressões internas aos trabalhadores.

Esse novo PCR veio como uma tentativa de substituir o PCAC (Plano de Classificação e Avaliação de Cargos), que é um direito adquirido no Acordo Coletivo de Trabalho. Mostrando-se mais uma manobra para enganar os trabalhadores e trabalhadoras, incentivar a privatização, reduzir direitos e desmontar a principal conquista dos petroleiros, que é o ACT.
 
A decisão liminar é clara ao dispor que o PCR não deve ser aplicado a qualquer petroleiro. Portanto, aqueles que aderiram ao PCR terão seus contratos de trabalho desvinculados do novo plano e aqueles não aderiam não poderão fazê-lo, enquanto a liminar tiver vigência.
 
Os efeitos retroativos (“extunc”) da liminar ficaram assim delineados:
 
“Em outras palavras, fica o Plano de Carreira e Remuneração PCR 2018 suspenso, com caráter extunc, sem produção de qualquer efeito jurídico, para todos os empregados da Companhia lotados no Espírito Santo.”
 
A principal linha de argumentação da decisão liminar está na lesão ao princípio do Concurso Público, pois a mobilidade entre cargos, pretendida pela empresa, é vedada na nossa Ordem Jurídica.
 
Veja-se esse trecho da liminar:
 
“Nesta conjuntura, considero que o Plano de Cargos e Remuneração da Petrobrás (PCR), na esteira das ADIs acima parcialmente transcritas, é inteiramente incompatível com os ditames do art. 37, II, da CF/88.”
 
Independente das visões individuais, o entendimento coletivo e cooperativo é de que não se pode permitir a aplicação de um plano de cargos e carreiras que não deixe plenamente claro os seus efeitos à categoria e que também altere o futuro profissional dos petroleiros.
 
Deixamos claro que o Sindipetro-ES não é contra uma revisão do Plano de Cargos, porém que seja feito de forma transparente e sem ferir os princípios constitucionais e sem tirar os direitos dos trabalhadores que foram conquistados com muita luta.
 
O Jurídico do Sindicato – Felix Porto & Advogados Associados – ficará a disposição para dirimir as dúvidas sobre o cumprimento da decisão liminar, o que ocorrerá por meio de novos informativos.

[Via Sindipetro-ES / Ilustração: Sindipetro-PR/SC]

Publicado em Sistema Petrobrás

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.