Em 5 de outubro foi comemorado o Dia Nacional de Luta Contra a Exposição ao Benzeno. Os sindicatos da FUP estão distribuindo nas bases do Sistema Petrobrás o jornal editado pela Bancada dos Trabalhadores na Comissão Nacional Permanente do Benzeno (CNPBz), conscientizando os petroleiros sobre a importância de combater a exposição a esse produto químico, que é altamente cancerígeno. 

Em mais um ataque contra os direitos dos trabalhadores, o governo Bolsonaro acabou com a CNPBz e outras comissões tripartites, através da portaria 972, editada em 21 de agosto.

A Comissão funcionava há mais de 20 anos e foi protagonista do Acordo Nacional do Benzeno, firmado em dezembro de 1995.

“A Comissão foi extinta, mas a nossa luta continua", afirma o petroleiro Auzélio Alves, diretor do Sindipetro Unificado SP e membro da bancada dos trabalhadores na CNPBz.

"Estamos denunciando o descaso desse governo com a saúde dos trabalhadores, mantemos o site da CNPBz no ar e estamos nos articulando de forma independente para dar continuidade a esse trabalho, mesmo em um cenário mais difícil”, explicou. 

O site www.cnpbz.com.br continua ativo, com artigos e notícias sobre a luta contra a exposição ao benzeno e a defesa da saúdedo trabalhador.

Kappra, presente!

O Dia Nacional de Luta contra a Exposição ao Benzeno foi criado em homenagem ao técnico de operações Roberto Kappra, da Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão, que faleceu em 5 de outubro de 2004, vítima de leucemia mieloide aguda, doença ligada à exposição ao benzeno. Kappra trabalhou 11 anos na refinaria e morreu aos 36 anos, 22 dias após serem detectados os primeiros sintomas da doença. Na época, a Petrobrás se recusou a reconheceu o nexo causal e a CAT só foi emitida tempos depois. A história de Kappra tornou-se símbolo da luta contra a exposição a essa substância altamente cancerígena.

Os trabalhadores de toda a cadeia produtiva do petróleo e siderurgia, assim como os dos postos de combustíveis - estes não estão incluídos no Acordo do Benzeno - são altamente afetados pela exposição ao agente químico.

 

[FUP]

Publicado em Petróleo

Através da portaria 972, editada em 21 de agosto, o governo Bolsonaro eliminou, em uma única canetada, dezenas de comissões tripartites, muitas delas que atuavam para melhorar as condições de saúde e segurança dos trabalhadores.

Entre as comissões que foram extintas está a do Benzeno, de extrema importância para o setor petróleo

A Comissão Nacional Permanente do Benzeno (CNPBz) funcionava há mais de 20 anos e foi protagonista do Acordo Nacional do Benzeno, firmado em dezembro de 1995.

“A Comissão foi extinta, mas a nossa luta continua", afirma o petroleiro Auzélio Alves, diretor do Sindipetro Unificado SP e membro da bancada dos trabalhadores na CNPBz.

"Vamos manter as atividades do dia 5 de outubro, dia nacional de luta contra a exposição ao benzeno, denunciar o descaso desse governo com a saúde dos trabalhadores, manter o site da CNPBz no ar e nos articularmos de forma independente para dar continuidade a esse trabalho, mesmo em um cenário mais difícil”, explicou. 

O site www.cnpbz.com.br continuará ativo, com artigos e notícias sobre a luta contra a exposição ao benzeno e a defesa da saúdedo trabalhador.

[Com informações do Sindipetro Unificado SP]

Publicado em Trabalho

Em nota divulgada nesta terça-feira, 02/07, a bancada dos trabalhadores na Comissão Nacional Permanente do Benzeno (CNPBz) informa que não há previsão da retomada dos trabalhos da Comissão e "por isso a próxima reunião da bancada, marcada para dia 5 de julho em São Paulo está cancelada".

No dia 21 de março foi realizada em Brasília uma reunião extraordinária com os coordenadores das três bancadas da CNPBz - governo, empregadores e trabalhadores - para discutir o calendário de reuniões em 2019. No entanto, não se chegou a um consenso e nenhuma reunião da Comissão foi realizada este ano. 

Leia a íntegra da nota da bancada dos trabalhadores:

Governo Bolsonaro está destruindo CNPBz

Lamentamos que uma Comissão, como a CNPBz, que existe desde 1995 seja suspensa pelo atual governo. Esse fato demonstra a falta de preocupação dos atuais gestores públicos com as questões relacionadas à saúde e segurança dos trabalhadores.

Essa reunião aconteceria em junho, mas o Ministério da Economia, que assumiu as funções do Ministério do Trabalho, extinto por decreto pelo governo Bolsonaro, comunicou que “em função de ajustes na Agenda Regulatória” a reunião da CNPBz, estava cancelada.

No boletim “Em Linha” publicado em maio desse ano pelo Sindipetro Unificado de SP, o diretor e membro da CNPBz, Auzélio Alves  afirmou que esses cancelamentos “são um grande atraso e mais uma demonstração de que este governo está deliberadamente destruindo os órgãos de participação e representação dos trabalhadores, é uma forma de esvaziar o importante trabalho que a comissão vem desenvolvendo anos”. No mesmo boletim, o coordenador nacional da CNPBz, Carlos Eduardo, disse que há em curso uma mudança geral das comissões tripartite. “As coisas estão muito difíceis! A ideia do secretário é fazer uma mudança geral. Ainda não sabemos como serão essas comissões no futuro” – disse.

A CNPBz

A Comissão Nacional Permanente do Benzeno (CNPBz) foi produto de um processo negocial que culminou com a efetivação do Acordo Nacional do Benzeno, firmado em 20 de dezembro de 1995 e regulamentado através da Portaria SSST n.º 14 de 20 de dezembro de 1995, publicada no DOU de 22 de dezembro de 1995, com o objetivo de acompanhar a implementação do Acordo e do Anexo 13 – A da NR 15 – Atividades e Operações Insalubres.

​A CNPBz tem por princípio a busca de soluções consensuadas para a implementação do Acordo Nacional do Benzeno e é composta por representantes da Bancada do Governo, empresas e trabalhadores.

[Com informações da bancada dos trabalhadores na CNPBz]

Publicado em Trabalho
Terça, 09 Abril 2019 14:05

CNPBz passa por momento crítico

No dia 21 de março foi realizada em Brasília uma reunião extraordinária com os coordenadores das três bancadas da Comissão Nacional Permanente do Benzeno (CNPBz): governo, empregadores e trabalhadores. O objetivo foi discutir a realização das reuniões durante 2019, pois até o momento não ocorreu nenhuma, apesar do calendário elaborado em dezembro de 2018. No entanto, não se chegou a um consenso.

Devido ao impasse, a bancada do governo propôs nova reunião nos dias 25 e 26 de junho, com a participação de todos os membros oficiais das bancadas para debater uma proposta que será apresentada até o dia 7 de junho. “Esperamos chegar a um acordo viável para as três bancadas para prosseguirmos os trabalhos da Comissão em defesa da saúde e segurança dos trabalhadores e trabalhadoras”, destacou o coordenador nacional da bancada dos trabalhadores, Auzélio Alves, diretor do Sindipetro Unificado de São Paulo.

Convocatória

Para se posicionar em relação à proposta que será apresentada pelo governo, Auzélio convoca os dirigentes sindicais e GTBistas que acompanham essa comissão para uma reunião extraordinária no dia 14 de junho na sede do Sindipetro-SP, que fica na Viaduto 9 de julho, 160, conjunto 2E – centro de São Paulo (metrô Anhangabaú).

[Via Sindipetro Unificado SP]

Publicado em Trabalho

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram