Em mais um ataque aos trabalhadores da Araucária Nitrogenados, a gestão da Petrobrás volta a indignar a categoria petroleira ao divulgar na intranet uma série de mentiras para tentar justificar a decisão política de desativar a Fafen-PR e demitir arbitrariamente todos os trabalhadores, sem qualquer negociação prévia com o sindicato.

O ENGODO DO PREJUÍZO

A gestão da empresa fez uma escolha por encarecer a própria matéria prima para produzir os fertilizantes. Foi uma decisão política e não técnica. Vamos aos fatos:

1 - Para tentar justificar o fechamento da fábrica, a direção da Petrobrás mente quando afirma que o Resíduo Asfáltico (RASF), principal matéria-prima da Fafen-PR, tem um custo alto, pois o preço do produto acompanha o valor do mercado.

2 - O RASF que abastece a Fafen-PR é um refugo gerado pela Repar e, com a desativação da fábrica, passaria a ser utilizado na produção de Cimento Asfáltico de Petróleo (CAP), segundo informou a própria empresa. No entanto, o preço do CAP é inferior ao da ureia, o que contraria o argumento dos gestores de que o custo do RASF está em “tendência crescente” e o da ureia em “tendência decrescente”.

3 – A precificação que a Petrobrás faz do RASF é baseada no valor do petróleo bruto (WTI), produzido no Golfo do México, cujo preço é inferior ao do Brent.

4 – A Repar não terá o que fazer com todo o RASF que gera na produção de derivados.

5 - A hibernação da Fafen-PR é uma  decisão política. O objetivo dos gestores é encerrar as atividades da fábrica para zerar o passivo trabalhista e vender a unidade no futuro, contratando os trabalhadores em condições precárias e por salários muito abaixo do que é hoje praticado na empresa. Uma espécie de “dumping social”.

DEMISSÃO X TRANSFERÊNCIA

A gestão da Petrobrás mente ao tentar justificar a demissão sumária dos trabalhadores da Araucária Nitrogenados, alegando que não são concursados e que, portanto, não poderiam ser transferidos, nem aderir ao Mobiliza.

1 - Vários trabalhadores da Fafen-PR foram cedidos para outras unidades da Petrobrás ao longo dos últimos anos, assim como empregados da holding foram cedidos para a fábrica.

2 - A Araucária Nitrogenados é 100% da Petrobrás e seus trabalhadores não podem ser tratados como se fossem de uma empresa privada, sem qualquer vínculo com a estatal.

3 - Para quem não sabe (ou não lembra), até o início dos anos 90, a planta da Fafen-PR  integrava o Sistema Petrobrás como a subsidiária Ultrafértil, mas foi privatizada no governo Itamar Franco, passou pelo comando da Vale e, finalmente, retornou à estatal em 2013.

4 - A negociação feita pela Petrobrás previa a incorporação da fábrica, como comprovam os documentos da época.  A alegação da atual gestão de que os petroleiros da Fafen-PR  não são concursados é uma desculpa esfarrapada para justificar a decisão política de demitir sumariamente os trabalhadores.

DESCUMPRIMENTO DO ACT

A gestão da Petrobrás mente escancaradamente ao afirmar que a Araucária Nitrogenados comunicou o Sindiquímica-PR sobre a hibernação da fábrica, cumprindo “rigorosamente” o Acordo Coletivo. 

1 - O sindicato, assim como os trabalhadores da Fafen e de todo o Sistema Petrobrás, souberam da decisão da empresa pela imprensa. Foi também através de notícias publicadas pela mídia que a categoria foi informada sobre as demissões.  

2 - Somente após o fato já ser de conhecimento público, é que a gerência e o jurídico da fábrica enviaram documento ao Sindiquímica-PR, convidando para uma reunião com o objetivo de comunicar a hibernação da fábrica e a demissão dos trabalhadores no prazo de 30, 60 e 90 dias.  

3 - O sindicato ainda alertou a empresa sobre os riscos de hibernação da fábrica com os tanques repletos de produtos químicos, o que surpreendeu a gestão da Araucária, que sequer tinha conhecimento sobre a real situação da unidade.  Só então, a empresa se dispôs a discutir a segurança da unidade, chamando o sindicato para uma reunião no dia 16, cuja resposta da entidade foi que discutiria essa questão na audiência que já estava agendada com o MPT-PR no dia 20.

4 - Em momento algum, os gestores tentaram negociar a situação dos trabalhadores. Apenas comunicaram o fato já decidido e irrevogável, segundo eles mesmos afirmaram, da demissão de todos os empregados no prazo máximo de 90 dias.

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Contra demissões de trabalhadores próprios e terceirizados, fechamento e venda de unidades, petroleiros norte-rio-grandeses seguem aprovando movimento grevista a partir de 1º de fevereiro.

Nesta quarta-feira,22, a diretoria do SINDIPETRO-RN realizou assembleia deliberativa na base operacional Alto do Rodrigues e S7. A sessão contou com participação dos petroleiros Petrobrás e  apoio dos trabalhadores terceirizados.

De acordo com o diretor de comunicação do SINDIPETRO-RN, Márcio Dias, durante a sessão deliberativa foi feito um debate sobre a conjuntura política com ênfase nas questões relativas à situação da Petrobras e empresas terceirizadas.

“Relatamos sobre venda e fechamento de unidades, demissões de trabalhadores próprios e terceirizados nas bases da Petrobrás como é o caso da Fafen Araucária no Paraná, BR Distribuidora e Riacho da Forquilha no RN”, explicou o dirigente.

Ainda segundo Márcio, o sentimento nas bases é de “revolta, indignação e total descaso com os trabalhadores do setor petrolífero e contra o desenvolvimento nacional promovido pela Petrobrás nos últimos anos”.

A assembleia contou coma participação do Coordenador Geral do SINDIPETRO-RN, Ivis Corsino e dos diretores José Araújo, Jorge Luiz, Fátima Viana e Rafael Matos. Na oportunidade foram ouvidas denúncias sobre ingerência administrativas de representantes da Petrobrás nos contratos de terceirização entre outras questões específicas de interesse da categoria.

Ao final da sessão, foi colocado em votação o indicativo da FUP e Sindipetro's filiados sobre a greve por tempo indeterminado a partir a partir de 1º de fevereiro. O indicativo foi aprovado por unanimidade.

As assembleias prosseguem até o dia 28 de janeiro.

[Via Sindipetro-RN]

Publicado em SINDIPETRO-RN

Petroquímicos e petroleiros do Paraná ocupam desde a manhã de terça-feira, 21/01, a entrada da Araucária Nitrogenados (ANSA) para impedir que os gestores coloquem a Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR) em hibernação, o que significará a desativação da unidade e a demissão arbitrária de cerca de 1.000 trabalhadores.

A Fafen-PR integra o Sistema Petrobras, cuja gestão anunciou o fechamento da planta e comunicou a demissão sumária dos trabalhadores, que souberam da notícia pela imprensa. Esse fato, além de demonstrar a crueldade dos gestores, contraria o Acordo Coletivo de Trabalho dos petroquímicos, cuja cláusula 26 assegura que "a companhia não promoverá despedida coletiva ou plúrima, motivada ou imotivada, nem rotatividade de pessoal (turnover), sem prévia discussão com o Sindicato". 

Desde o ano passado, quando Roberto Castello Branco assumiu o comando da Petrobrás, defendendo a privatização total da empresa, sua gestão vem promovendo o maior desmonte da história do setor petróleo no mundo. As outras duas fábricas de fertilizantes nitrogenados (Fafen-BA e Fafen-SE) foram hibernadas e seus trabalhadores estão sendo deligados, via PDVs, ou transferidos sumariamente para outras unidades.

Aos trabalhadores da Fafen-PR, que é também 100% controlada pela Petrobrás, não foi dada sequer essa chance. A gestão da fábrica informou que serão todos demitidos 30 dias após a hibernação da unidade, com prazo até 90 dias para serem desligados da empresa.

Na BR Distribuidora, que já foi privatizada, os trabalhadores também foram sumariamente demitidos e os que ficaram sofrem assédio e pressão para se desligarem da empresa, com redução de salários e de benefícios. 

O mesmo acontecerá com os petroleiros das oito refinarias, dutos e terminais que estão em processo acelerado de venda pela gestão Castello Branco.

Para barrar as demissões em massa e os ataques que a direção da Petrobrás vem fazendo contra o Acordo Coletivo de Trabalho, os petroleiros estão aprovando o indicativo da FUP de greve nacional por tempo indeterminado, a partir de primeiro de fevereiro. As assembleias prosseguem até o dia  28. 

Em vídeo na porta da Fafen-PR, o diretor da FUP, Gerson Castellano, um dos mil trabalhadores da fábrica que estão sendo demitidos, explica a importância da resistência da categoria: 

fe482db1-0121-4dd7-8ce1-6ee4a29b0f2f
f7b9f8f1-a727-42fb-9302-a058c0872632
d1d94173-6ade-4c57-a520-b4217248ffc1
e252ee55-a1f5-4914-80dc-42c2b6aefb39
cb22d85c-d5c3-4d57-99bd-86e5d34f26f3
a1dfbebd-3a0f-410a-84f6-6e1b5d738e51
481392b4-8115-4c91-a956-6c74003a9b40
09364abc-4279-436b-9c69-6e3a1d6a1a6a
526cccac-a08a-4715-968c-37df6d77abf9
99a37254-9da1-43ff-892e-7d2b8782b47c
91acd509-bd1d-4431-964a-eca0c0fedbc2
89d1fa34-edf4-4d29-8dbb-f614203f0454
61bb59b5-6927-4bad-969e-925b5d07b8e6
27b8f328-d642-44ab-b10e-ca6fc2a11d33
46ed5b39-6d70-4cd2-8860-fa58b3520604
5eeac212-8d20-461c-ad6f-2789fad14821
3ace7faa-b4d8-40bd-af5e-64fb4b408ec2
2a68ad7e-7376-4842-97e4-16a8800ad9ef
2aecd8a6-f6f4-4d46-8c85-de724f9bf72d
fe482db1-0121-4dd7-8ce1-6ee4a29b0f2f f7b9f8f1-a727-42fb-9302-a058c0872632 d1d94173-6ade-4c57-a520-b4217248ffc1 e252ee55-a1f5-4914-80dc-42c2b6aefb39 cb22d85c-d5c3-4d57-99bd-86e5d34f26f3 a1dfbebd-3a0f-410a-84f6-6e1b5d738e51 481392b4-8115-4c91-a956-6c74003a9b40 09364abc-4279-436b-9c69-6e3a1d6a1a6a 526cccac-a08a-4715-968c-37df6d77abf9 99a37254-9da1-43ff-892e-7d2b8782b47c 91acd509-bd1d-4431-964a-eca0c0fedbc2 89d1fa34-edf4-4d29-8dbb-f614203f0454 61bb59b5-6927-4bad-969e-925b5d07b8e6 27b8f328-d642-44ab-b10e-ca6fc2a11d33 46ed5b39-6d70-4cd2-8860-fa58b3520604 5eeac212-8d20-461c-ad6f-2789fad14821 3ace7faa-b4d8-40bd-af5e-64fb4b408ec2 2a68ad7e-7376-4842-97e4-16a8800ad9ef 2aecd8a6-f6f4-4d46-8c85-de724f9bf72d

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás
Terça, 21 Janeiro 2020 18:08

Acordo é para ser cumprido

A FUP apresentou à Petrobrás nesta terça-feira, 21, documento cobrando o cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho, que vem sendo reiteradamente desrespeitado pelos gestores, tanto no que diz respeito aos fóruns de negociação, quanto a cláusulas que protegem os direitos dos trabalhadores. É o caso da Cláusula 26 do ACT da Araucária Nitrogenados (mesma redação da Cláusula 41 do ACT da Petrobrás), onde a empresa se compromete a não promover demissões, nem transferências, sem negociação prévia com o sindicato.

A despeito do Acordo Coletivo, a gestão da Petrobrás anunciou a demissão em massa dos trabalhadores da Fafen-PR, que souberam do fato pela imprensa. Nem o sindicato, nem a FUP foram sequer informados sobre essa decisão arbitrária.

Dois meses após a assinatura do ACT, a Gerência de Pessoas da Petrobrás segue descumprindo o que foi pactuado com os trabalhadores e desrespeitando os fóruns de negociação. Na reunião desta terça do Grupo de Trabalho sobre banco de horas, os representantes da empresa negaram-se, mais uma vez, a fornecer as informações cobradas pela FUP.

Tem sido assim em todos os GTs e comissões previstas no ACT. Os gestores da empresa descumprem o Acordo, atropelam legislações e o próprio processo de negociação ao impor decisões unilaterais, à revelia dos sindicatos e da vontade dos trabalhadores.  

Exemplos não faltam: tabela de turno, hora extra na troca de turno, relógio de ponto, interstício total, PLR, mudanças na AMS, transferências arbitrárias de trabalhadores... e agora a demissões em massa de 1.000 trabalhadores da Araucária Nitrogenados.

“É um descalabro após o outro e nossa resposta tem que ser dura. Não vamos deixar prevalecer a imposição e o autoritarismo de gestores que cumprem tarefas da alta administração da companhia, baixando a cabeça para os foram indicados pelo governo federal para desmontar a nossa empresa, tirar nossos empregos e minar nossa categoria. Se pensam que vamos nos acovardar como eles, estão muito enganados. Vamos honrar a nossa história e reagir à altura a esses ataques”, avisa o diretor da FUP, Deyvid Bacelar.

A resposta dos petroleiros e petroleiras está sendo dada nas assembleias, com a aprovação massiva do indicativo da FUP e dos sindicatos de greve por tempo indeterminado, a partir do dia primeiro de fevereiro.

Participe das assembleias e vamos juntos, de cabeça erguida, transformar nossa indignação em luta.   

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

O ritmo e a raiva; a raiva e o ritmo. Essa junção de sentimentos esteve presente nesta manhã (17), durante protesto em frente à Araucária Nitrogenados (Ansa/Fafen-PR). Ato aconteceu após comunicado da Petrobrás sobre o fechamento da unidade e a demissão sumária de mil trabalhadores.

A postura autoritária e cruel por parte da empresa fez com que se juntasse dois ingredientes fundamentais para uma grande mobilização: o ritmo (mesma sintonia contra a destruição do Sistema Petrobrás) e a raiva (diante das demissões em massa que atingirão os petroquímicos e suas famílias).

A direção da Petrobrás vai entender o recado, pois uma coisa é certa: haverá enfrentamento, aconteça o que acontecer. Toda arbitrariedade tem limite e essa gestão da empresa encerrou sua cota de desrespeito para com o trabalhador.

Diante disso, os petroquímicos e petroleiros, ao lado dos seus familiares, além de representantes de federações, centrais sindicais e sindicatos; junto com políticos, ex-políticos, movimento estudantil e secundarista; demonstraram sintonia: ninguém vai aceitar o fechamento da fábrica e as demissões em massa.

Em cima do ônibus da Federação Única dos Petroleiros (FUP), palavras e sentimentos eram lançados com emoção e sinceridade. O clima estava pesado, já que o momento é tenso, e os trabalhadores fizeram questão de deixar claro que isso não é um problema, mas sim um ingrediente.

O papo foi reto: “a única luta que se perde é aquela que se abandona. No nosso caso, não vamos desistir, vamos lutar até o fim. Não podemos temer, não temos nada mais a perder”, disse Gerson Castellano, dirigente da FUP e petroquímico.

E o ritmo continuou quente. “Lembremos aqui que muitos gerentes que estavam na fábrica fizeram o trabalho sujo, agora também terão que sair com uma mão na frente e a outra atrás”, completou Castellano.

A mensagem para a classe trabalhadora é que mais uma vez quem vai lutar pelo coletivo serão os sindicatos. O dirigente não se esqueceu de mencionar os trabalhadores da operação e da manutenção, assim como os terceirizados, que sempre estiveram e estão na luta ao lado do Sindiquímica-PR.

O momento chave do protesto foi a junção do compasso dos petroleiros, que saíram da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), fechada esta manhã pelos trabalhadores, rumo à Fafen-PR.

Enquanto acontecia a caminhada, o coordenador-geral do Sindiquímica-PR, Santiago da Silva Santos, lá no ônibus da FUP, desferia palavras sinceras em relação ao momento histórico dos petroquímicos.

Parecia que o movimento era orquestrado, pois, enquanto uma massa chegava ao protesto, Santiago intensificava sua fala.

O recado foi esse: “a mensagem hoje aqui não é de depressão, mas sim de transformar esse sentimento em raiva! Em fúria! Temos que jogar na cara desses gestores que hoje são eles que dependem de nós, trabalhadores”.

FUP

Os dirigentes da FUP e dos sindicatos filiados, de diversas partes do Brasil, estiveram em Araucária para mobilizar e fazer parte do grande coletivo de indignados com a atual gestão entreguista da Petrobrás. Para o diretor da Federação, Deyvid Bacelar, haverá muito enfrentamento nos próximos dias.

Ele deixou a seguinte mensagem: “levante a sua cabeça e siga em frente contra tudo isso que está acontecendo em nosso país. Entraremos em assembleia a partir de semana que vem e vamos aprovar uma greve nacional por tempo indeterminado contra as demissões em massa que aqui aconteceram”, disse Deyvid.

Além disso, foram realizados atos em diversos estados bases dos sindicatos filiados como PR/SC e
RS: REFAP; SP: REPLAN e RECAP; MG: REGAP; NF: Aeroporto do Farol (Campos); ES: TAVIT – Terminal da Transpetro em Vitória; BA: EDIBA (Edifício Torre Pituba); PE/PB: Refinaria Abreu e Lima e Terminal da Transpetro Suape; RN: Pólo Guamaré; CE/PI: LUBNOR e AM: REMAN

 

Publicado em Sistema Petrobrás

Sem negociação ou sequer comunicação prévia ao sindicato, a gestão da Araucária Nitrogenados anunciou o fechamento da unidade e a demissão sumária de mil trabalhadores. Arbitrária e cruel, a atitude da direção da Petrobrás é um chamado ao enfrentamento e acontece em meio a uma série de descumprimentos do Acordo Coletivo de Trabalho, que foi pactuado há menos de dois meses. 

A reação da categoria a esses ataques tem que ser contundente e imediata. “O que estão fazendo na Fafen-PR é um balão de ensaio para demissões em massa em todo o Sistema Petrobrás. Não há saída individual. Nossa resposta tem que ser na luta. É na resistência que iremos reverter as demissões e impedir que se alastrem para as demais unidades da empresa”, afirma o diretor da FUP, Deyvid Bacelar. 

Reunido no Paraná, o Conselho Deliberativo da FUP aprovou por unanimidade indicativo de greve por tempo indeterminado, a partir do dia primeiro de fevereiro, em todo o Sistema Petrobrás, contra as demissões na Fafen-PR e as imposições da gestão da empresa, que ataca deliberadamente os direitos dos trabalhadores, se negando a negociar questões previstas no ACT. 

As assembleias para que os petroleiros e petroleiras se posicionem sobre o indicativo de greve serão realizadas  entre os dias 20 e 28 de janeiro. No dia 29, a FUP e seus sindicatos voltam a se reunir no Conselho Deliberativo para definir os próximos encaminhamentos. 

Até lá, a FUP e o Sindiquímica-PR darão sequência às ações políticas e legais, para garantir os direitos dos trabalhadores da Fafen-PR e impedir a demissão em massa. 

O que os petroleiros reivindicam? 

> Cumprimento da cláusula 26 do Acordo Coletivo de Trabalho da Araucária Nitrogenados (FAFEN-PR):

"Cláusula 26 – Dispensa coletiva ou plúrima – “A Companhia não promoverá despedida coletiva ou plúrima, motivada ou imotivada, nem rotatividade de pessoal (turnover), sem prévia discussão com o Sindicato. Excetuam-se do previsto nesta cláusula os planos de demissão voluntária ou incentivada, bem como os processos de movimentação interna dos empregados."

 Que sejam aplicados para os trabalhadores da Araucária Nitrogenados os mesmos critérios de garantia de emprego e transferências implementados na hibernação da FAFEN-BA (acordo MPT-Petrobrás), sendo a empresa sucedida na relação de emprego pela controladora Petrobrás;

 > Respeito aos fóruns de negociações instituídos pelo ACT 2019:

 Suspensão das medidas unilaterais tomadas pela gestão da Petrobrás (tabelas de turno, HETT, banco de horas, PLR, transferências etc.) e aplicação do previsto no ACT, quanto aos debates e resoluções bilaterais.

[FUP | Foto: Paulo Neves]

Publicado em Sistema Petrobrás

Não é novidade que o Brasil ainda é um país majoritariamente agrícola. Também se sabe que o setor muitas vezes equilibra a economia brasileira. Trata-se de uma cadeia produtiva que gera lucro, emprego e renda.

Porém, recentemente, a Petrobrás anunciou o fechamento da Araucária Nitrogenados S.A (Ansa/Fafen-PR), uma subsidiária da Petrobrás que atende justamente o setor mais produtivo do Brasil.

A alegação: prejuízo.

Mas, diante de tão pouca informação passada pela empresa e da maneira como foi divulgado o fechamento, fica uma dúvida: será mesmo que esse “argumento” é verdadeiro?

Entidades que são contrárias à postura da atual gestão da Petrobrás estão desmascarando essa justificativa.

Ao que tudo indica, os únicos que terão prejuízo – após o fechamento da fábrica – serão os mais de mil trabalhadores (diretos e indiretos) demitidos, seus dependentes, o setor agrícola nacional, o município de Araucária-PR e o povo brasileiro.

Isso porque, com o fechamento da fábrica, o Brasil terá que importar 100% dos fertilizantes nitrogenados que consome. Isso sim é prejuízo.

Além disso, o Brasil ficará dependente da importação de ARLA 32, reagente químico produzido na Ansa/Fafen-PR e usado para reduzir a poluição ambiental produzida por veículos automotores pesados que utilizam diesel como combustível. Outro prejuízo!

Como quarta maior consumidora de fertilizantes do mundo, a economia nacional ficará ainda mais dependente das importações. Hoje o Brasil já importa mais de 75% dos insumos nitrogenados! Mais prejuízo.

E não para por aí: o município de Araucária-PR perderá R$ 75 milhões anuais em arrecadação. Em tempos de dificuldade financeira, esse valioso recurso colocará em risco políticas públicas do município.

É, achou que tinha acabado? Sabe de nada…

Tem mais!

A Petrobrás alega prejuízo, mas é ela mesma quem produz matéria prima que gerar ureia e amônia na unidade, já que o RASF (resíduo asfáltico utilizado para produzir Ureia e Amônia) é derivado da Repar, refinaria da estatal e que fica exatamente ao lado da Ansa/Fafen-PR, em Araucária-PR.

Ou seja, quem produz e precifica é a própria empresa! Cadê o prejuízo?

Portanto, foi a própria gestão da Petrobrás quem criou uma falsa justificativa para abandonar o setor de fertilizantes nitrogenados no Brasil, favorecendo as multinacionais, os importadores e criando empregos em outros países.

É esse o compromisso do atual governo e da gestão da Petrobrás com o povo brasileiro?

Para se ter uma ideia da importância da amônia e ureia na agricultura, sabia onde são aplicados esses insumos:

Amônia:

=> Fertilizantes: sulfato de amônio, fosfato de amônio, nitrato de amônio e ureia;

=> Produtos químicos: ácido nítrico (utilizado na preparação de explosivos);

=> Fibras e plásticos: nylon e outras poliamidas;

=> Produtos de limpeza: detergentes e amaciadores de roupa.

Ureia:

=> Fertilizante sólido utilizado na adubação de um grande número de plantas;

=> São grânulos brancos que contém 46% de Nitrogênio; é o fertilizante sólido de maior concentração de Nitrogênio e, por isso, é um tipo de composto que tem como principal função fornecer esse elemento para as plantas;

=> O Nitrogênio garante plantas com vigor e saudáveis;

=> A ureia é utilizada como repositor de Nitrogênio, para que a planta possa recuperar a vitalidade e continuar saudável.

Pois é…

A verdade é que o prejuízo com o fechamento da Fafen-PR não é da Petrobrás, mas sim do povo brasileiro; que, mais uma vez, será punido para que os interesses estrangeiros sejam atendidos.

Uma vergonha que merece o repúdio de toda a população.

[Via Sindiquimica-PR]

Publicado em SINDIQUÍMICA- PR

O Sindicato dos Petroquímicos do Estado do Paraná (Sindiquímica-PR) repudia com veemência a informação veiculada pela empresa Araucária Nitrogenados (Ansa/Fafen-PR, subsidiária da Petrobrás) de que houve discussão prévia sobre a hibernação e demissão em massa dos trabalhadores da fábrica.

A entidade que defende os petroquímicos afirma que a direção da empresa mente, principalmente porque, ao fazer um resgate da maneira como se deu o processo de fechamento da unidade, não resta dúvidas quanto ao autoritarismo e à crueldade contra os trabalhadores.

A verdade é que a atual gestão da Petrobrás apenas apresentou o “pacote de benefícios" ao Sindiquímica-PR, de forma unilateral, sem qualquer discussão sobre o tema.

O sindicato enfatiza que a postura da Petrobrás não só fere todo e qualquer princípio ético na relação negocial entre entidade de classe e empresa, como também descumpre o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) de 2019, documento referendado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e que proíbe demissão em massa sem prévia discussão com a entidade sindical.

Diante disso, o sindicato organiza ato em defesa da Araucária Nitrogenados (Ansa/Fafen-PR) nesta sexta-feira (17), às 6h30, em frente à unidade.

A resposta da categoria e da sociedade será dada lutando contra essa decisão arbitrária que atinge mais de mil trabalhadores (diretos e indiretos da unidade); além de impactar profundamente na economia da cidade de Araucária-PR.

Os impactos da venda da Fafen-PR

Inaugurada em 1982, a Araucária Nitrogenados (Ansa/Fafen-PR) tem capacidade de produção diária de 1.975 toneladas de ureia, 1.303 toneladas de amônia e 450 metros cúbicos de ARLA 32. A planta produz ainda 200 toneladas por dia de CO2, além de 75 toneladas de carbono peletizado e seis toneladas de enxofre.

Com o fechamento da fábrica, o Brasil terá que importar 100% dos fertilizantes nitrogenados que consome. Além disso, o país ficará dependente da importação de ARLA 32, reagente químico usado para reduzir a poluição ambiental produzida por veículos automotores pesados movidos à diesel.

Como quarta maior consumidora de fertilizantes do mundo, a economia brasileira, com o desmonte promovido pela gestão da Petrobrás, ficará ainda mais dependente das importações, o que compromete a soberania alimentar.
Atualmente, o país já importa mais de 75% dos insumos nitrogenados, na direção contrária de outras grandes nações agrícolas, cujos mercados de fertilizantes estão em expansão.

Serão menos fertilizantes produzidos no Brasil, mais importação e, provavelmente, aumento nos preços dos produtos agrícolas.

Além disso, o município de Araucária-PR sofrerá uma redução de R$ 75 milhões anuais em arrecadação, comprometendo seriamente a oferta de serviços e atendimentos à população.

Outra mentira contada pela atual gestão da Petrobrás é que a Ansa/Fafen-PR dá prejuízo. É falsa essa alegação, já que quem faz o RASF (resíduo asfáltico utilizado para produzir Ureia e Amônia) é a Repar, refinaria da Petrobras localizada ao lado da subsidiária. Ou seja, quem produz e precifica é a própria empresa!

Portanto, foi ela quem criou uma falsa inviabilidade para justificar sua política de desmonte do setor de fertilizantes no Brasil, favorecendo, assim, as multinacionais e criando empregos em outros países.

[Via Sindiquímica-PR]

Publicado em Sistema Petrobrás

Nesta sexta-feira, 17, a FUP e seus sindicatos realizam um grande ato nacional em Araucária, no Paraná, em frente à Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), que está na iminência de ser fechada pela gestão da Petrobrás, que já anunciou a demissão sumária de cerca de 1.000 trabalhadores da unidade. O ato contará com a participação de petroleiros de todas as unidades da Petrobrás do Paraná, além de diversas categorias e representantes das centrais sindicais e movimentos sociais do estado.

Nas demais bases da FUP, também haverá atos em diversas unidades do Sistema Petrobrás, contra as demissões e o fechamento da Fafen-PR. Já estão confirmados atos no Amazonas (Reman), no Ceará (Lubnor), no Rio Grande do Norte (Polo Guamaré), em Pernambuco (Refinaria Abreu e Lima e Terminal de Suape), na Bahia (Ediba), no Espírito Santo (Terminal de Vitória/Tavit), em Duque de Caxias (Reduc), no Norte Fluminense (Aeroporto do Farol/Campos), em Minas Gerais (Regap), em São Paulo (Replan e Recap) e no Rio Grande do Sul (Refap).

“É mentira o argumento de que a Fafen-PR dá prejuízos”

“A luta é para preservar os empregos e direitos dos trabalhadores e manter a unidade funcionando, pois não há justificativas para o fechamento da fábrica. É mentira esse argumento da direção da Petrobrás de que a Fafen dá prejuízos. A gestão da empresa fez uma escolha de encarecer a própria matéria prima para produzir os fertilizantes. Foi uma decisão política e não técnica”, afirma o diretor da FUP, Gerson Castellano, funcionário da Araucária Nitrogenados e diretor do Sindiquímica-PR.

Segundo o presidente do Sindipetro-PR/SC, Mário Dal Zot, a gestão da Petrobrás faz uma manobra contábil para tentar justificar o fechamento da Fafen, afetando a vida das mil famílias de trabalhadores da unidade e ignorando os impactos econômicos que esta decisão terá para a região de Araucária. “A empresa mente descaradamente ao afirmar que a Fafen dá prejuízo. Isso não acontece em hipótese alguma, pois a fábrica utiliza como matéria prima o RASF, um refugo da Repar (refinaria da Petrobrás em Araucária), ao qual agrega valor, transformando em ureia, um fertilizante do qual o Brasil é extremamente dependente”, explica.

Impactos na economia

Inaugurada em 1982, a Araucária Nitrogenados (Fafen-PR) tem capacidade de produção diária de 1.975 toneladas de ureia, 1.303 toneladas de amônia e 450 metros cúbicos de ARLA 32. A planta produz ainda 200 toneladas por dia de CO2, além de 75 toneladas de carbono peletizado e seis toneladas de enxofre.

Com o fechamento da fábrica, o Brasil terá que importar 100% dos fertilizantes nitrogenados que consome. Além disso, o país ficará dependente da importação de ARLA 32, reagente químico usado para reduzir a poluição ambiental produzida por veículos automotores pesados.

O Brasil é o quarto maior consumidor de fertilizantes do mundo e, com o desmonte da Petrobrás, tornou-se ainda mais dependente das importações, o que compromete a soberania alimentar. O país importa mais de 75% dos insumos nitrogenados, na direção contrária de outras grandes nações agrícolas, cujos mercados de fertilizantes estão em expansão.

“Com a Petrobrás saindo do setor de fertilizantes nitrogenados e ainda se sujeitando aos movimentos políticos dos EUA, o Brasil corre o risco de desabastecimento de fertilizantes. E isso tem impacto direto na alimentação. A ureia é utilizada na pecuária, na produção de cana, feijão e batata, que são alimentos básicos do povo”, alerta Gerson Castellano.

Soma-se a isso, os prejuízos que a desativação da Fafen-PR terá para o município de Araucária, que sofrerá uma redução de R$ 75 milhões anuais em arrecadação. Serão menos fertilizantes produzidos no Brasil e mais importação, com mais riscos à soberania alimentar e, provavelmente, aumento nos preços dos produtos agrícolas.


Ato nacional em defesa dos empregos e contra o fechamento da Fafen-PR

Sexta, 17/01, às 06h30, no Km 16 da Rodovia do Xisto


[FUP]

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A Central Única dos Trabalhadores vem manifestar seu repúdio contra a decisão da Petrobrás de fechar sua subsidiária Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados em Araucária, no Paraná e também prestar a nossa solidariedade aos 1.000 trabalhadores e trabalhadoras que vão ser diretamente atingidos por essa decisão arbitrária.

As alegações da Petrobrás, de que a empresa teve prejuízo no último ano, para justificar essa cruel decisão de fechar a empresa e demitir todos os funcionários não se sustenta, tendo em vista os lucros de 15 bilhões auferidos no ano de 2019 e que proporcionou a distribuição de 2,6 bilhões de remuneração aos seus acionistas, enquanto o prejuízo da empresa de fertilizantes foi de R$ 250 milhões, menos de 10% do que foi distribuído aos acionistas.

Além disso, parte desse prejuízo alegado pela Petrobrás advém da própria política da empresa em atrelar todos os seus preços ao dólar e aos preços praticados no mercado internacional. Ou seja, a decisão da Petrobrás fez com que os insumos utilizados pela Fabrica de Fertilizantes Nitrogenados fossem atingidos pela alta do dólar e dos preços internacionais do mercado de combustíveis. Porém, tudo isso poderia ser superado por outras medidas administrativas que viabilizem a manutenção da empresa, e a manutenção dos empregos diretos e indiretos se a Petrobrás aplicasse nesse caso o conceito de empresa integrada que rege todo o seu complexo industrial.

Não bastasse isso, a decisão da Petrobrás é desastrosa para o estado do Paraná e toda a região, tendo em vista os milhares de empregos que são gerados por outras empresas que dependem da produção da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados para continuar existindo.

A deliberação unilateral da Petrobrás também representa uma afronta e mais um ataque aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras porque desrespeita o Acordo Coletivo assinado com a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e os Sindicatos que prevê a obrigatoriedade de negociação nos casos de demissões em massa.

A CUT entende que essa decisão é mais uma das muitas que vêm sendo tomadas no sentido de destruir a empresa Petrobrás e entregar o patrimônio nacional para as empresas multinacionais estrangeiras que é o objetivo final desse desgoverno. Por isso, vamos utilizar de todos os meios legais, de mobilização, pressão e negociação junto às autoridades estaduais e judiciárias para impedir mais essa atrocidade contra os trabalhadores e trabalhadoras da Petrobrás e das suas empresas subsidiárias. Principalmente nesse momento em que o país já arca com o peso de mais de 11 milhões estão desempregados. O Brasil não precisa de mais desemprego.

Executiva Nacional da CUT

Publicado em Movimentos Sociais
Página 7 de 10

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram