Encerraram-se na noite desta sexta-feira, 11, as assembleias deliberativas promovidas pelo SINDIPETRO-RN. As bases do Rio Grande do Norte votaram pela aceitação da última proposta de Acordo Coletivo apresentada pela Companhia.

Com início terça, dia 8, os fóruns deliberativos promovidas pelo Sindicato foram realizados por meio de 18 salas virtuais, as quais tinham capacidade de 1.800 participantes.

Por ampla maioria, de 78%, a decisão da categoria no RN foi de aprovar a proposta de ACT apresentada pela gestão da Petrobrás, na tentativa de preservar por mais dois anos os principais direitos da categoria petroleira, com uma cláusula de garantia de emprego em todo o Sistema até 31 de agosto de 2022.

[Via Sindipetro-RN]

Publicado em SINDIPETRO-RN

[Última atualização às 22h20]

A proposta de Acordo Coletivo de Trabalho apresentada pela gestão do Sistema Petrobrás já foi aprovado em 11 dos 12 sindicatos da FUP. O ACT preserva por dois anos a essência dos direitos históricos dos petroleiros e petroleiras, com uma cláusula de garantia de emprego, que dará fôlego à categoria para enfrentar a maior das batalhas, que é a defesa do Sistema Petrobrás.

Este foi o ponto decisivo para a definição do indicativo do Conselho Deliberativo da FUP de aceitação da última contraproposta feita pela empresa [saiba mais aqui].

As assembleias já foram concluídas no Espírito Santo, Pernambuco/Paraíba, Norte Fluminense, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Unificado de São Paulo, Rio Grande do Sul, Bahia, Paraná/Santa Catarina, Ceará/Piauí e Amazonas.

A última consulta à categoria nas bases da FUP será realizada este domingo, 13, em Duque de Caxias.  

Na Bahia, cujas parciais com trabalhadores da ativa já apontavam a aprovação do ACT, a consulta foi encerrada hoje, em assembleia virtual só com aposentados e pensionistas, cujo resultado também foi favorável ao indicativo da FUP de aceitação da proposta. 

Neste sábado, foram também concluídas as assembleias nos sindicatos do Paraná/Santa Catarina, Ceará/Piauí e Amazonas, onde o ACT foi aprovado por unanimidade. Veja o quadro abaixo.

Próximos passos

Na terça-feira, 15, no programa Encontro com a categoria, a FUP debaterá os próximos passos na luta contra a implantação da associação privada para gerir a AMS e a derrubada das resoluções 22 e 23 da CGPAR. Também serão discutidas estratégias de fortalecimento da campanha Petrobrás Fica e outras formas de resistência contra as privatizações no Sistema Petrobrás. O programa vai ao ar às 18h30, ao vivo, pelo canal da FUP no youtube, com transmissão também pelo facebook. 

Assembleias concluídas: 

Sindipetro Amazonas – ACT aprovado por 100% dos votantes

Sindipetro Ceará/Piauí - ACT aprovado por 68% dos votantes

Sindipetro Rio Grande do Norte – ACT aprovado por 78,35% dos votantes

Sindipetro Pernambuco/Paraíba –  ACT aprovado por 91,5% dos votantes

Sindipetro Bahia - ACT aprovado por 67% dos votantes

Sindipetro Espírito Santo –  ACT aprovado por 85% dos votantes

Sindipetro Minas Gerais – ACT aprovado  por 60% dos votantes

Sindipetro Norte Fluminense -  ACT aprovado por 65% dos votantes

Sindipetro Unificado de São Paulo –  ACT aprovado por 78,68% dos votos válidos

Sindipetro Paraná/Santa Catarina – ACT aprovado por 80,4% dos votantes

Sindipetro Rio Grande do Sul – ACT aprovado por 68,5% dos votantes

Assembleias em finalização:

Sindipetro Duque de Caxias – assembleias terminam domingo, 13. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

[FUP com informações dos sindicatos filiados]

Publicado em Sistema Petrobrás

A categoria petroleira de Minas Gerais aprovou a contraproposta apresentada pela empresa, informa o Sindipetro/MG. A decisão foi tomada nas assembleias virtuais realizadas entre 8 e 11 de setembro.

Para o coordenador do Sindicato, Alexandre Finamori, a luta não acabou e é preciso cobrar da empresa o cumprimento do acordo e continuar a mobilização contra a privatização da Petrobrás.

“Agora é focar nossas forças para defender a Petrobrás estatal e lutar contra seu desmonte, como também lutar contra o desmonte de todas as estatais. Além disso, é preciso que a base se mantenha vigilante e organizada. Pois, em um governo no qual o próprio presidente desrespeita a democracia e as leis, a empresa só vai respeitar o ACT com nossa mobilização constante”, afirma o coordenador.

Durante as assembleias foram discutidos os diversos pontos da contraproposta. Após amplos debates, a categoria pode realizar o voto qualificado e exercer sua decisão coletivamente.

A proposta aprovada prevê a manutenção da maioria das cláusulas do atual ACT por dois anos para todas as empresas do Sistema Petrobrás, incluindo uma cláusula de garantia de emprego, e a criação de um GT paritário para definir um regramento para o teletrabalho.

Por outro lado, houve o aumento do custeio da AMS por parte dos beneficiários e continuaremos lutando para derrubar a CGPAR.

Veja o resultado final:

– Votos Favoráveis 172 (60%)
– Votos Contrários 113 (39%)
– Abstenção 003 (1%)
– Total de votantes: 287

[Via Sindipetro-MG]

Publicado em SINDIPETRO-MG

Até a noite desta sexta-feira, 11, as assembleias para deliberar sobre a proposta de Acordo Coletivo de Trabalho apresentada pela gestão da Petrobrás e das subsidiárias já haviam sido concluídas em sete sindicatos da FUP: Espírito Santo, Pernambuco/Paraíba, Norte Fluminense, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Unificado de São Paulo e Rio Grande do Sul. Todas as bases referendaram o indicativo de aceitação do ACT.

As assembleias foram concluidas nesta sexta no Rio Grande do Norte, em Minas Gerais, no Unificado de SP e no Rio Grande do Sul. Veja o quadro abaixo.

Na Bahia, todas as assembleias com trabalhadores da ativa já foram concluídas, faltando apenas uma neste sábado, com aposentados e pensionistas. O resultado parcial é de aprovação do ACT.

No sábado, serão concluídas também as assembleias no Amazonas, Ceará/Piauí e Paraná/Santa Catarina.

Em Duque de Caxias, a consulta aos trabalhadores prossegue até domingo. 


> A proposta de ACT apresentada pela gestão da Petrobrás preserva por dois anos os principais direitos da categoria petroleira, com uma cláusula de garantia de emprego em todo o Sistema até 31 de agosto de 2022. Saiba mais sobre a proposta e o indicativo da FUP aqui.


Quadro nacional das assembleias

Sindipetro Amazonas – assembleias prosseguem até sábado, 12. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Ceará/Piauí - assembleias prosseguem até sábado, 12. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Rio Grande do Norte – ACT aprovado por 78,35% dos votantes

Sindipetro Pernambuco/Paraíba –  ACT aprovado por 91,5% dos votantes

Sindipetro Bahia - última assembleia acontece neste sábado, 12. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Espírito Santo –  ACT aprovado por 85% dos votantes

Sindipetro Minas Gerais – ACT aprovado  por 60% dos votantes

Sindipetro Duque de Caxias – assembleias prosseguem até domingo, 13. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Norte Fluminense -  ACT aprovado por 65% dos votantes

Sindipetro Unificado de São Paulo –  ACT aprovado 

Sindipetro Paraná/Santa Catarina – assembleias prosseguem até sábado, 12.  Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Rio Grande do Sul – ACT aprovado por 68,5% dos votantes

[FUP com informações dos sindicatos filiados | Foto: Terminal de Suape]

Publicado em Sistema Petrobrás

Das assembleias previstas para deliberar sobre a terceira contraproposta da gestão do Sistema Petrobrás, já foram realizadas 20. Portanto, falta apenas uma assembleia, a dos aposentados, aposentadas e pensionistas, que acontece nesse sábado (12) às 9h, via plataforma de videoconferência zoom.

O resultado parcial – A favor – 75,2% / Contra – 6,7% / Abstenções – 18,1% – aponta para a aprovação do indicativo da FUP, que é o de aceitação dessa última contraproposta da estatal.

Nacionalmente, a categoria também vem optando pela aceitação da contraproposta. Três sindicatos já concluíram as assembleias: Sindipetro-ES, com aprovação de 85%, Sindipetro-PE/PB, onde 91,5% dos trabalhadores aprovaram o ACT, seguindo o indicativo da FUP e o Sindipetro-NF, com aprovação do ACT por 65% dos votantes.

Nesta sexta, 11, mais quatro sindicatos da FUP encerram a consulta aos trabalhadores: RN, MG, Unificado SP e RS. As parciais também apontam a aprovação do indicativo de aceitação do ACT. Veja o quadro abaixo.

Na Bahia, Já foram realizadas assembleias com os trabalhadores e trabalhadoras da Rlam (turmas A, B, C, D, E e Adm), das unidades de Santiago, Miranga, Bálsamo, Buracica, PBIO, Termelétricas, Fafen, Temadre, Taquipe, Transpetros (Camaçari, Jequié, Salvador, Catu e Itabuna), EDIBA e Araças. Apesar das inúmeras tentativas feitas pela direção do Sindipetro, a assembleia da OP-CAN não pôde ser realizada, pois os ônibus chegaram vazios ao local de trabalho.

Após rejeitar as duas primeiras contrapropostas da gestão do Sistema Petrobrás, a categoria petroleira resolveu aprovar a terceira contraproposta seguindo o indicativo do Conselho Deliberativo (CD) da FUP, que após análise cuidadosa resolveu recomendar a aceitação da contraproposta. O CD levou em conta a conjuntura política e econômica atual, entendendo que houve alguns avanços importantes como a manutenção por mais dois anos das conquistas históricas da categoria petroleira no Acordo Coletivo de Trabalho, com garantia de emprego até 31 de agosto de 2022, o que significa que por dois anos não haverá demissão sem justa causa. Além de ter conseguido reduzir o aumento que a Petrobrás iria aplicar nas tabelas do grande risco da AMS, mantendo o regramento do plano de saúde no ACT.

[Via Sindipetro-BA]

Publicado em SINDIPETRO-BA
Quinta, 10 Setembro 2020 21:38

Petroleiros do NF aprovam Acordo Coletivo

Petroleiros e petroleiras da região encerraram há pouco, às 20h, o período de assembleia da Campanha Reivindicatória 2020. A categoria aprovou, por 65,1% dos votos, com 33,9% contrários e 1% de abstenção, em um universo de 3.491 votantes, o indicativo da FUP e do Sindipetro-NF de aceitação da contraproposta de Acordo Coletivo 2020-2022 feita pela gestão da Petrobrás.

Em razão da pandemia da covid-19, a consulta à categoria foi feita de modo remoto, com formatos de votações para filiados, não filiados e aposentados.

O coordenador do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra, avaliou que a aprovação do indicativo é importante “nesta conjuntura de incertezas e ataques aos trabalhadores promovido pelo governo e pela atual gestão da Petrobrás”, com garantia de direitos até 2022.

“Os petroleiros e petroleiras estão atentos e prontos para o embate caso a empresa tente descumprir alguma cláusula do que está sendo pactuado”, adverte Tezeu.

O movimento sindical petroleiro avalia que a conquista da preservação do Acordo Coletivo com validade de dois anos, com garantia da grande maioria dos direitos históricos da categoria, só foi possível em razão da grande organização dos trabalhadores, que realizaram uma grande greve em fevereiro de 2020 e mostraram ao governo Bolsonaro a capacidade de resistência dos petroleiros e petroleiras.

[Via Sindipetro-NF]

Publicado em SINDIPETRO-NF

Os trabalhadores e trabalhadoras do Sistema Petrobrás nas bases do Rio Grande do Norte seguem em grande maioria aprovando o indicativo da FUP – Federação Única dos Petroleiros, para aceitação da última proposta de Acordo Coletivo apresentada pela Companhia.

As deliberações tiveram início na manhã de terça-feira, dia 8, e prosseguem até a sexta, dia 11. Com possibilidade de abertura de novos fóruns de votação, nos dias 12 e 13, para atender aqueles que não conseguiram habilitar inscrição à tempo, em salas virtuais extras ou assembleias presenciais (com todo rito de segurança que a situação pandêmica exige), como explica o nosso EDITAL.

A decisão de aprovar esse acordo, não será nada fácil, e pode implicar em algumas perdas com relação a ACT’s anteriores, mas garantir por dois anos o emprego de milhares de trabalhadores da ativa, do plano de Assistência Médica – AMS para aposentados, bem como assegurar a manutenção de outros tantos direitos conquistados com muita luta durante os últimos anos, é uma necessidade primordial e está na mão da nossa categoria.

Por isso mesmo, a diretoria colegiada do SINDIPETRO-RN lembra que a participação de todos é fundamental para fortalecer o processo democrático e segurar a maioria dos direitos que ainda estão no Acordo Coletivo aos Trabalhadores da Petrobrás.

Não podemos confiar essa decisão ao judiciário. Pois em termos gerais, ela tem servido a interesses que não atendem à classe trabalhadora brasileira.

Por tanto, o Sindicato tem estimulado e criado ambiente virtuais para a participação massiva de trabalhadores nas assembleias, no intuito de seguir as recomendações de autoridades da saúde e dar total proteção com relação ao Covid-19.

Até o momento, 10 das 21 assembleias previstas para acontecer até o dia 11 já ocorreram, e a parcial gira em torno de 76% (setenta e seis porcento) de votos a favor da assinatura do acordo, enquanto a rejeição equivale à 24% (vinte e quatro porcento).

O coordenador geral interino do SINDIPETRO-RN, Rafael Matos , alerta para o risco da categoria ficar sem acordo e sem emprego no Estado. “Nós temos que garantir o que já temos e virar a página do Acordo Coletivo para poder centrar todos os nossos esforços na luta em defesa da Petrobrás, que atualmente ameaça deixar o Estado. Não podemos confiar que este ambiente seja favorável para a luta, ainda mais diante da conjuntura que está posta nacionalmente, que envolve o judiciário e ataca constantemente o pilar central da classe trabalhadora: que é o Sindicato”, afirmou ele.

“Mesmo que não seja a proposta dos nossos sonhos, essa manobra nos garante direitos e nos dá tempo para passar por esse momento sombrio que estamos vivendo no país”, complementa Rafael.

Como votar

Os petroleiros que quiserem participar das assembleias devem se inscrever na secretaria do Sindicato. Para isso elaboramos um card explicativo que está sendo amplamente divulgado no seio da categoria potiguar. Veja como funciona

[Via Sindipetro-RN]

Publicado em SINDIPETRO-RN

Nesta quinta-feira (10) são retomadas as assembleias virtuais promovidas pelo Sindipetro Paraná e Santa Catarina que debatem e deliberam sobre o indicativo do Conselho Deliberativo da FUP de aceitação da última contraproposta de Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) apresentada pela gestão do Sistema Petrobrás. 

Três sessões estão previstas para este dia e contemplam os trabalhadores do regime de horário administrativo da Repar e SIX, assim como os aposentados e pensionistas da base de representação do Sindicato. As assembleias prosseguem até sábado (12), quando será divulgado o resultado oficial.  

A contraproposta da empresa prevê, entre outros, a manutenção por mais dois anos dos direitos da categoria petroleira no ACT, com garantia de emprego até 31 de agosto de 2022, ponto fundamental para a proposição do Conselho Deliberativo da FUP. Confira aqui os principais pontos da nova proposta. 

Participação nas Assembleias

A proporção inversa tem caracterizado a participação dos petroleiros do PR e SC nas assembleias sobre o ACT, ou seja, quanto menor o número de trabalhadores em determinada unidade, maior o índice de presença nos debates coletivos da categoria. 

Enquanto locais de trabalho como Terminais de Distribuição da Transpetro, que concentram pequeno número de empregados, registram alto nível de participação; bases maiores, como a Repar e a SIX, têm baixa constância de inscritos. “Os debates em andamento dizem respeito à vida de todos os empregados do Sistema Petrobrás, sejam eles ativos ou aposentados, da holding ou das subsidiárias. Portanto, é preciso que mais trabalhadores participem das assembleias, pois o assunto é de interesse direto. Não permita que outros decidam por você”, afirma o presidente do Sindipetro PR e SC, Alexandro Guilherme Jorge.  

[Via Suindipetro-PR/SC]

Publicado em SINDIPETRO-PR/SC

Na reta final das assembleias, que começaram no dia 31/08, os petroleiros e petroleiras da Bahia estão aprovando o indicativo da FUP de aceitação da última contraproposta apresentada pela gestão do Sistema Petrobrás.  As assembleias terminam nesse sábado (12) e até o momento 76,4% votaram pelo fechamento do ACT, 18,2% são contrários e 5,4 % preferiram se abster de votar.

Nacionalmente, a categoria também vem optando pela aceitação da contraproposta.  Dois sindicatos já concluíram as assembleias: Sindipetro-ES, com aprovação de 85% e Sindipetro-PE/PB, onde   91,5% dos trabalhadores aprovaram o ACT, seguindo o indicativo da FUP.

Já foram realizadas assembleias com os trabalhadores e trabalhadoras da Rlam (turmas A, C, D,  E e Adm), das unidades de Santiago, Miranga, Bálsamo, Buracica, PBIO, Termelétricas, Fafen, Temadre, Taquipe, Transpetros (Camaçari, Jequié, Salvador, Catu e Itabuna), EDIBA e Araças.

Os petroleiros e petroleiras estão seguindo o indicativo do Conselho Deliberativo da FUP, que após análise cuidadosa resolveu recomendar a aceitação da contraproposta (após rejeitar as duas primeiras), levando em conta a conjuntura política e econômica atual e por entender que houve alguns avanços importantes como a manutenção por mais dois anos das conquistas históricas da categoria petroleira no Acordo Coletivo de Trabalho, com garantia de emprego até 31 de agosto de 2022, o que significa que por dois anos não haverá demissão sem justa causa. Além de ter conseguido reduzir o aumento que a Petrobrás iria aplicar nas tabelas do grande risco da AMS, mantendo o regramento do plano de saúde no ACT.

[Via Sindipetro-BA]

Publicado em SINDIPETRO-BA

[Última atualização: 11/09, 11h20]

Na reta final, as assembleias para deliberar sobre a proposta de Acordo Coletivo de Trabalho apresentada pela gestão da Petrobrás e das subsidiárias seguem aprovando o indictivo da FUP de aceitação. A consulta teve início no dia 31 de agosto nas bases da FUP e prossegue até domingo 13 de setembro. 

Com participação de 3.491 petroleiros e petroleiras, as assembleias do Sindipetro-NF foram concluídas na noite desta quinta, 10, com aprovação do ACT por 65% dos votantes.

Nesta sexta, 11, mais quatro sindicatos da FUP encerram a consulta aos trabalhadores: RN, MG, Unificado SP e RS. As parciais também apontam a aprovação do indicativo de aceitação do ACT. Veja o quadro abaixo.

No Espírito Santo, a proposta de ACT foi aprovada em assembleia virtual realizada no último dia 03, com 85% de aceitação dos trabalhadores.

Nas bases de Pernambuco e Paraíba, foram realizadas 17 assembleias entre os dias 31 de agosto e 8 de setembro, onde 91,5% dos votantes aprovaram o ACT, seguindo o indicativo da FUP. 


> A proposta de ACT apresentada pela gestão da Petrobrás preserva por dois anos os principais direitos da categoria petroleira, com uma cláusula de garantia de emprego em todo o Sistema até 31 de agosto de 2022. Saiba mais sobre a proposta e o indicativo da FUP aqui.


Quadro nacional das assembleias

Sindipetro Amazonas – assembleias prosseguem até sábado, 12. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Ceará/Piauí - assembleias de 10 a 12

Sindipetro Rio Grande do Norte – assembleias prosseguem até sexta, 11. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Pernambuco/Paraíba – assembleias concluídas e ACT aprovado por 91,5% dos votantes

Sindipetro Bahia - assembleias prosseguem até sábado, 12. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Espírito Santo – assembleia concluída e ACT aprovado por 85% dos votantes

Sindipetro Minas Gerais – assembleias prosseguem até sexta, 11. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Duque de Caxias – assembleias prosseguem até domingo, 13. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Norte Fluminense - assembleias concluídas e ACT aprovado por 65% dos votantes

Sindipetro Unificado de São Paulo –  assembleias prosseguem até sexta, 11. Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Paraná/Santa Catarina – assembleias prosseguem até sábado, 12.  Resultado parcial é de que o ACT está sendo aprovado

Sindipetro Rio Grande do Sul – assembleias prosseguem até sexta, 11

[FUP com informações dos sindicatos filiados | Foto: Replan]

Publicado em Sistema Petrobrás
Página 6 de 13

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.