Nesta quarta-feira, 15, tem início o 18º Congresso Nacional da FUP, realizado inteiramente em plataformas digitais, devido ao isolamento social em que estamos por conta da pandemia da covid-19. Pela manhã, os petroleiros irão eleger a tese guia, bem como a diretoria e o conselho fiscal da FUP, que assumirão o mandato 2020-2023.

A mesa de abertura do 18º Confup será conduzida pelo coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, e pela diretora Andressa Delbons e pelos diretores Fernando Maia, Paulo Neves e Emanuel Menezes. Os debates e votações serão realizados de forma virtual, com participação exclusiva das delegações eleitas e assessorias.

Às 15h, será realizado o painel “Conjuntura, democracia brasileira e desafios da esquerda”, com participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, da ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, do ex-coordenador da FUP, José Maria Rangel, das diretoras da federação, Cibele Vieira, Míriam Cabreira e Fafá Viana e do atual coordenador, Deyvid Bacelar.

O debate será transmitido pelos canais da FUP no Youtube e Facebook:

> https://www.youtube.com/fupbrasil

> https://www.facebook.com/fupetroleiros

Programação desta quarta:

Manhã

9h30 – Eleição da Mesa Diretora, do Regimento Interno e da Tese Guia [atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

10h45 - Eleição da Diretoria Colegiada da FUP e Conselho Fiscal para o período 2020-2023 [atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

11h30 - Posse da diretoria eleita e abertura do Congresso [atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

Tarde

15h – Painel “Conjuntura, democracia brasileira e desafios da esquerda” - com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

[transmissão ao vivo pelo Youtube e Facebook]


Acompanhe a programação completa e as atividades do 18º Confup pelo hotsite do congresso: https://18confup.com.br/


 

Publicado em 18 CONFUP

Entre 15 e 19 de julho, mais de 250 petroleiros e petroleiras eleitos nos congressos regionais participam do 18º Congresso Nacional da FUP, que, em função da pandemia da covid-19, será 100% virtual, com palestras, debates e votações nas plataformas digitais.

O primeiro dia do Confup, na quarta-feira, 15, será de eleição da tese guia e da nova diretoria e conselho fiscal da FUP, que assumirão o mandato 2020-2023. Essas atividades serão realizadas pela manhã, em modo virtual, com acesso exclusivo para as delegações eleitas e assessorias da FUP e dos sindicatos.

Na parte da tarde, os petroleiros receberão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, principal convidado do painel “Conjuntura, democracia brasileira e desafios da esquerda”, que será realizado às 15h, com transmissão ao vivo pelos canais da FUP no Youtube e Facebook. Junto com Lula no debate, estarão o ex-coordenador da FUP, José Maria Rangel, as dirigentes da federação, Cibele Vieira, Míriam Cabreira e Fafá Viana, além do atual coordenador, Deyvid Bacelar.

Com o tema “Democracia, Empregos e Revolução Digital”, o 18º Confup tratará de questões como as transformações no mundo do trabalho e os impactos das novas tecnologias, racismo estrutural, masculinidades, desregulamentação e privatizações no setor de óleo e gás, além das reivindicações que serão centrais no debate das pautas relativas ao Sistema Petrobrás.

Acompanhe a programação completa e as atividades do 18º Confup pelo hotsite do congresso: https://18confup.com.br/

 

Publicado em 18 CONFUP

Realizado de forma virtual, o XXXV Congresso Estadual dos Petroleiros encerrou neste sábado (11) reafirmando a necessidade da unidade da classe trabalhadora pela luta da manutenção dos direitos e de oposição ao modelo de gestão da Petrobrás e ao governo Bolsonaro. O diretor administrativo do Sindipetro-RS, Dary Beck Filho, destacou a importância da união dos petroleiros em apoio à luta categoria: "Este congresso deve apoiar todas as iniciativas que concorram para tirar os genocidas do poder e convoca a toda categoria petroleira a se somar nesta luta".

O evento foi realizado pela plataforma Zoom e contou com a participação de petroleiros(as) da ativa e aposentados (as), que através da tecnologia acompanharam as discussões das resoluções, da construção da pauta de reivindicações, além de elegerem os delegados e delegadas que participarão do XVIII Congresso Nacional da FUP, que acontece de forma virtual, de 15 a 19 de julho.


As discussões trazidas pelas resoluções apresentadas giraram em torno dos temas que mais afligem a categoria petroleira, como a conjuntura geopolítica internacional, o desmonte do Sistema Petrobrás, a retirada de direitos, a busca pelo fortalecimento da Petros, regulamentação, via act, do teletrabalho e reversão total das punições aplicadas após a greve: "A categoria deve rechaçar os ataque aos que fizeram greve e colocar como bandeira de luta nesta campanha a anistia a todos os punidos. O uso da categoria do seu direito legítimo de greve não pode ser motivo de punição", defendeu a diretora do Sindipetro-RS, Miriam Cabreira. Também foram referendadas as resoluções do Encontro das Mulheres Petroleiras da FUP, que serão encaminhadas para discussão no CONFUP , além da manutenção do ACT-2019-2020, com reajuste salarial e rejuste dos atuais benefícios.

Pauta Reivindicatória

1. Renovação do ACT 2019/2020, sendo:
a. Reajuste salarial e reajuste dos atuais benefícios;
b. Restabelecimento de Direitos - Inovações necessárias ao ACT, para manter ou
restabelecer direitos subtraídos pela Petrobrás: Banco de horas/Efetivo/HETT;
2. Teletrabalho – debate e construção de proposta;
3. AMS e Petros;
4. Bandeira de Luta - Anistia dos trabalhadores punidos nas greves de Nov/19 e Fev/20.

Leia Mais: Congresso dos Petroleiros e Petroleiras inicia os trabalhos com análise política e econômica

Assista o Painel de Conjuntura:
Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=p3i3iMf40Nc&feature=youtu.be
Facebook: https://www.facebook.com/sindipetro.rs/videos/1681944888630240/

[Via Sindipetro-RS]

Publicado em 18 CONFUP

Sobre a polêmica lançada a partir de decisão judicial que interveio no regramento do teletrabalho, imposto unilateralmente pela gestão da Petrobrás, a FUP e seus sindicatos fazem as seguintes considerações:

1 - Estamos iniciando a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho, que expira em 31 de agosto, ou seja, em menos de 60 dias.

2 - É no ACT que devemos estabelecer as regras do teletrabalho, assim como fazemos em relação a tudo o que diz respeito à vida laboral dos petroleiros (remuneração, regimes, jornadas, AMS, etc).

3 - São as reivindicações dos trabalhadores que garantiram as conquistas regradas pelo Acordo Coletivo, após intenso processo de negociação com a Petrobrás.

4 – Os petroleiros e petroleiras aprovaram nos congressos regionais dos sindicatos da FUP propostas para regrar o teletrabalho no Sistema Petrobrás. Entre os dias 15 e 19 de julho, o 18º Confup irá consolidar essas proposições em uma cláusula da pauta que será negociada com a empresa.

5 - A FUP e seus sindicatos, portanto, repudiam quaisquer imposições unilaterais de regras para o teletrabalho, sejam através da gestão da Petrobrás, ou por via judicial.

6 - Os trabalhadores são protagonistas de sua própria história e cabe a eles criar e defender as regras sob as quais vivem.

SOMOS FORTES!

SOMOS CUT!

Publicado em Sistema Petrobrás

Os petroleiros e petroleiras iniciam na próxima quarta-feira, 15, o 18º Congresso Nacional da FUP, que, em função da pandemia da covid-19, será 100% virtual, com palestras, debates e votações realizadas através de plataformas digitais. Além dos desafios impostos pela crise sanitária, cujas consequências no Brasil são ainda mais dramáticas por conta do desgoverno Bolsonaro, a categoria enfrenta o maior desmonte da história do Sistema Petrobrás, com impactos gravíssimos sobre o patrimônio da empresa, o desenvolvimento do país e os trabalhadores.

É em meio a este cenário complexo, que os petroleiros e petroleiras estarão reunidos ao longo da próxima semana, debatendo alternativas para reconstrução do país e do Sistema Petrobrás. Um debate que passa, necessariamente, pelo restabelecimento da democracia, que vem sendo sistematicamente atacada nos últimos anos, em uma sequência de acontecimentos fascistas que resultaram no golpe de 2016, na prisão política do ex-presidente Lula e na entrega do país à extrema direita.

Diante de tantos desafios, nada mais inspirador do que uma análise de conjuntura proferida pela maior liderança popular que o Brasil já teve. O 18º Confup reservará à categoria petroleira um debate ao vivo com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na tarde de quarta-feira, 15, onde serão abordados temas que estão na ordem do dia da classe trabalhadora e do povo brasileiro.

Confira a íntegra da programação do congresso e reserve já um espaço na agenda para as atividades que serão transmitidas pelos canais da FUP no Youtube e no Facebook.

 Programação do 18º Confup

 

15/07 - quarta-feira

Manhã

9h30 – Eleição da Mesa Diretora, do Regimento Interno e da Tese Guia.

[atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

10h45 - Eleição da Diretoria Colegiada da FUP e Conselho Fiscal para o período 2020-2023.

[atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

11h30 - Posse da diretoria eleita e abertura do Congresso.

[atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

Tarde

15h – Painel “Conjuntura, democracia brasileira e desafios da esquerda” - com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

[transmissão ao vivo pelo Youtube e Facebook]

16/07 - quinta-feira

Manhã

09h – Lançamento do livro do INEEP “Desinvestimento e desregulação da indústria de óleo e gás: o caso brasileiro e as lições internacionais” – com os pesquisadores William Nozaki, Rodrigo Leão e Eduardo Pinto.

[transmissão ao vivo pelo Youtube e Facebook]

Tarde

15h – Painel “Mundo do trabalho pós-pandemia: relações trabalhistas e novas tecnologias” – com a socióloga do trabalho Selma Venco, professora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); e a economista e doutora em desenvolvimento econômico, Marilane Teixeira, professora, pesquisadora do Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (Cesit/IE/Unicamp) e assessora sindical.

[transmissão ao vivo pelo Youtube e Facebook]

17h – Painel “Racismo estrutural e a classe trabalhadora” – com o historiador Flávio Gomes, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); a quilombola ativista da Via Campesina, Selma Dealdina; e a socióloga política, Katucha Bento, professora da Universidade de Leeds, no Reino Unido.

[transmissão ao vivo pelo Youtube e Facebook]

17/07 - sexta-feira

15h – Painel “Gestão Petrobras, relações sindicais e pendências das últimas negociações sob a mediação do TST” – com o assessor jurídico da FUP, Normando Rodrigues, e o assessor econômico e técnico do Dieese, Cloviomar Cararine.

[atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

17h – Painel “Masculinidades” – com Ruth Venceremos, Drag Queen do Distrito Drag e do coletivo LGBT Sem Terra; o petroleiro aposentado Hermes Rangel, facilitador do “E agora José?" - grupo socioeducativo de responsabilização de homens; e o advogado e gestor de projetos culturais, Gustavo Seraphin, idealizador do Fio da Conversa - iniciativa que investiga os fazeres manuais têxteis e as masculinidades.

[transmissão ao vivo pelo Youtube e Facebook]

18/07 – sábado

14h – trabalhos em grupo sobre ACT e pendências relativas a banco de horas/efetivo/HETT; novas tecnologias e teletrabalho; AMS e Petros; combate às privatizações.

[atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

19/07 – domingo

09h – plenária final para deliberar sobre pautas, calendários de lutas e moções.

[atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

11h – encerramento do Congresso Nacional da FUP.

[atividade fechada, somente para as delegações e assessorias]

Publicado em 18 CONFUP

[Da imprensa do Sindipetro-NF]

Cerca de 220 petroleiros e petroleiras, da ativa e aposentados participaram do XVI Congrenf – Congresso Regional dos Petroleiros e Petroleiras do Norte Fluminense que encerrou na sexta, 3 de julho. Por conta da pandemia, o Congresso foi todo realizado de forma virtual através de uma plataforma específica para congressos, inovando no formato de eventos realizados pelo sindicato até o momento.

Considerado como o evento mais importante da categoria petroleira do Norte Fluminense, o XVI Congrenf trouxe discussões como o crescimento do fascismo no mundo, a unificação da esquerda, a precarização do trabalho na era informacional, a luta de classes, a participação feminina na política, a reintegração da Petrobras e o seu papel na retomada da economia brasileira pós Covid-19.

Durante uma semana os delegados e delegadas do Congrenf assistiram três palestras fechadas por dia, atividades abertas no youtube e participaram de debates através de grupos no Whatsapp.  No dia 1 de julho aconteceu um bate-papo de Maria Frô e Tadeu Porto com Paulo Lima, o Galo, motoboy antifascista, Rodrigo Rodrigues, professor de história e atual presidente da CUT-DF e Fausto Augusto Júnior, diretor técnico do Dieese sobre a precarização do trabalho na Era Informacional e a organização destes trabalhadores em sua primeira greve nacional, que aconteceu no mesmo dia.

No último dia, o resultado dos grupos foi apresentado e referendado na plenária.  Também foram definidas as bandeiras de lutas que serão encaminhadas e eleitos os delegados e delegadas ao congresso da FUP (CONFUP), que acontece de 15 a 19 de julho, também de forma virtual e tem como tema  “Democracia, Emprego e Revolução Digital”.

“Agradecemos a participação de todos e todas com a certeza de termos oferecido discussões de alto nível e relevância para a classe trabalhadora e para o avanço do país!” – disse o Coordenador do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra.

Assista tudo o que rolou durante a semana: https://bit.ly/2NK89rH

Publicado em 18 CONFUP

Com o desafio de ampliar e fortalecer as lutas pela retomada da democracia e reconstrução do Sistema Petrobrás, os petroleiros e petroleiras realizam entre os dias 15 e 19 de julho o 18º Congresso Nacional da FUP, que será inteiramente virtual, com palestras, debates e votações realizados através de plataformas digitais.

O Confup é o principal fórum de deliberação da categoria, onde são discutidos e votados encaminhamentos políticos, pautas de reivindicações e planos de luta que foram aprovados durante os congressos estaduais, realizados pelos sindicatos filiados. O 18º Confup também irá eleger a nova diretoria da FUP para o período 2020-2023 e aprovar estratégias de luta para barrar as privatizações no Sistema Petrobrás e o desmonte do Acordo Coletivo de Trabalho.

Com o tema “Democracia, Empregos e Revolução Digital”, o Congresso da FUP discutirá questões que estão na ordem do dia dos trabalhadores e trabalhadoras, como saúde e segurança, efetivos, teletrabalho, tabelas de turno, AMS, Petros, liberdade e autonomia sindical, entre outros temas.

A defesa da democracia e dos direitos e conquistas sociais, que estão sob ataque em plena pandemia da covid-19, também pautará o debate dos petroleiros e petroleiras. “Precisamos construir uma frente de esquerda programática e uma coalização democrática mais ampla para derrubarmos esse governo antes que ele acabe com o Brasil e os brasileiros”, ressalta o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar.

O 18º Confup terá a participação de 280 trabalhadores eleitos nos congressos regionais, além de assessorias e convidados. As mesas temáticas e a programação completa serão divulgadas nos próximos dias.

[Da imprensa da FUP]

Publicado em 18 CONFUP

[Da imprensa do Sindipetro-BA]

O 9° Congresso d@s petroleiro@s da Bahia, realizado de forma virtual, vai entrar para a história da categoria pela inovação, organização, alcance e participação de petroleir@s da ativa, aposentados e pensionistas. Realizado através da plataforma zoom, devido à pandemia da covid-19, o evento chegou a reunir cerca de 100 petroleiros, que através do uso da tecnologia acompanharam as diversas palestras ao longo do dia e realizaram a votação das teses, escolhendo as reivindicações e bandeiras de lutas que serão encaminhadas ao congresso da FUP, que acontece na segunda quinzena de julho. O evento, que foi gravado, também foi transmitido através das páginas do facebook e youtube do Sindipetro.

As discussões trazidas pelas teses apresentadas giraram em torno dos temas que mais afligem a categoria petroleira como o desmonte do Sistema Petrobrás e a saída da estatal da Bahia, a retirada de direitos, a busca pelo fortalecimento da Petros e da AMS e as reiteradas tentativas de privatização da estatal com a colocação à venda de unidades como a PBIO e oito refinarias, entre elas a Refinaria Landulpho Alves. Além de discussões relacionadas à transformação digital e teletrabalho. Também foram referendadas as resoluções do Encontro das Mulheres Petroleiras da FUP, que serão encaminhadas para discussão no CONFUP.

Foi formada uma chapa única que em um momento posterior irá escolher os nomes d@s delegad@s que vão participar dos congressos, a exemplo do CONFUP e outros encontros.

O coordenador do Sindipetro, Jairo Batista, falou da satisfação da realização desse congresso feito de forma virtual. “Foi mais um desafio que superamos e sabemos que superar desafios sempre foi a marca da nossa categoria. Ao longo do dia adquirimos conhecimento e informações através das várias palestras proferidas e que nos darão subsídios para enfrentar a luta em defesa da Petrobrás, pelos direitos, a democracia e a soberania nacional”.

O evento foi encerrado com a apresentação do grupo Flor de Imbuia, formado em sua totalidade por mulheres e pioneiro na inserção da rabeca na cena de forró soteropolitana, sendo considerado o primeiro grupo de Forró de Rabeca de Salvador.

Acompanhe as palestras que aconteceram no turno da tarde

Novo Plano Petros (NPP) x Petros 3: diferenças e impactos na mudança de plano 

O conselheiro deliberativo eleito da Petros, Norton Almeida, fez um breve relato histórico da luta do Grupo de Trabalho da Petros (GT) para implantar o novo PED, com o objetivo de aliviar a situação dos participantes e assistidos que estavam pagando valores exorbitantes a título do equacionamento. Em relação ao PP3, o conselheiro disse que ainda não estão claros os critérios regulamentares que vão reger o PP3, mas ressaltou que a Contribuição Definida não é bom para os beneficiários, pois não há a renda vitalícia”.

O conselheiro deliberativo eleito, André Araújo, também vê o PP3 com bastante cautela. Se o beneficiário optar por migrar para o PP3 tem de estar ciente que vai ter de pagar à vista todos os dois equacionamentos e ainda o resíduo de 2015, cujo pagamento foi suspenso por força de liminar. Araújo ressaltou a atuação conjunta dos conselheiros eleitos que “tem sido bastante positiva na construção em favor dos interesses da Petros e dos participantes e assistidos que têm sido feita dentro do conselho”.

“AMS – Riscos e prejuízos com as mudanças pretendidas pela Petrobrás”

O diretor da FUP e do Sindipetro Bahia, Paulo César Martin (PC), falou sobre as mudanças unilaterais que a direção da Petrobrás vem tentando fazer em relação à AMS, que desde a sua criação em 1975, é um plano de autogestão, gerido pelo RH da própria empresa. Para ele a criação de uma associação privada para assumir a gestão da Assistência Multidisciplinar de Saúde trará muitos prejuízos para a categoria que “pode sofrer com a redução da qualidade do plano de saúde, a restrição dos atendimentos e o aumento absurdo dos seus descontos, até à sua total exclusão da AMS”. Para garantir esse e ouros direitos, precisamos intensificar a luta, pois a direção da Petrobrás está atacando de todas as formas, pois o que quer, entre outras coisas, é mudar a forma de custeio da AMS para 50 x 50 e tentar eliminar a tabela de custeio garantida no ACT para aumentar de forma exorbitante os valores pagos pelos mais velhos”.

Conheça algumas das resoluções e bandeiras de luta que foram aprovadas pelos delegados e que serão encaminhadas ao congresso da FUP:

– Manutenção do ACT

– Manter ou restabelecer direitos subtraídos pela Petrobrás, nas cláusulas referentes a Banco de horas, Efetivo, HETT, PLR e AMS, tomando como base os avanços sinalizados nas mediações do TST sobre esse tema.

– Reajuste salarial e reajuste dos atuais benefícios, com Reposição da inflação pelo índice de maior percentual, mais ganho real através da produtividade do setor, mensurada pelo DIEESE

-Realizar seminário de planejamento para definição da pauta de reivindicações dos trabalhadores do setor privado.

– Garantir, no contrato de trabalho, assistência médica para todos os trabalhadores do setor privado e seus dependentes.

– Foram aprovadas ainda várias ações para a garantia dos direitos previdenciários e de assistência à saúde dos trabalhadores, dos aposentados, das pensionistas e seus dependentes do Sistema Petrobrás.

– Regramento do TELETRABALHO, com a lista de pontos a serem considerados a seguir:

1- controle de adesão, garantindo a OPÇÃO do teletrabalho (i.e, não pode ser uma imposição da empresa e deve ser possível o retorno ao trabalho presencial por opção do(a) empregado(a)

2- garantia de condições ergonômicas para que os(as) trabalhadores(as) possam exercer o trabalho em casa

3- reparação do custo do trabalho (internet, luz, etc)

4- manutenção do controle de jornada por hora trabalhada e não por entrega.

Propor a criação de um fórum da FUP e da FNP, com a participação de seus sindicatos, para discutir o processo de reunificação das entidades sindicais – excetuando-se as forças políticas que se posicionaram contra o golpe de 2016. O fórum deve discutir também as questões estatutárias das entidades para que a reunificação possa ser feita.

Veja algumas das campanhas aprovadas

-Esclarecer sobre as vantagens, ganhos e segurança, para os beneficiários e para as empresas do Sistema Petrobrás, de manter a gestão da AMS no RH da Petrobrás.

-Prestar esclarecimento com relação ao equacionamento da AMS 2019, referente à manutenção da relação de custeio de 70%, Petrobrás e Subsidiárias X 30% beneficiários.

-Esclarecer sobre a necessidade de pagamento do resíduo do PED 2015 para a garantia do equilíbrio dos PPSPs

Bandeiras de luta

– Anistia dos trabalhadores punidos nas greves de Nov/19 e Fev/20

– Luta em defesa do Sistema  Petrobrás e contra as privatizações

– Participação no Movimento Fora Bolsonaro e em defesa da democracia

 Em breve divulgaremos no site do Sindipetro o caderno de resoluções do 9° congresso

Clique aqui e veja como foram as atividades do Congresso pela manhã

 

Publicado em 18 CONFUP

[Da imprensa do Sindipetro Bahia]

A comissão organizadora do 9° Congresso d@s Petroleir@s da Bahia está fazendo os últimos ajustes para que o evento, que será realizado nesse sábado (4), das 8h às 18h, atenda aos anseios dos delegados e delegadas inscritos e que possa ser palco de importantes discussões em um dos piores momentos vivenciados pela categoria petroleira, com as reiteradas tentativas do governo de extrema direita de Bolsonaro de privatizar a Petrobrás.

Devido à pandemia da covid-19, o congresso será realizado virtualmente através da plataforma de videoconferência zoom. Tod@s @s delegad@s vão receber em seus e-mails um manual com o passo a passo para participar do evento e os links de acesso às salas de reuniões. É muito simples. Quem ainda não tem familiaridade com a plataforma zoom basta seguir as instruções. No manual consta, inclusive, um link para baixar o aplicativo no celular, tablet ou computador.

Os links privativos que darão acesso às discussões sobre a pauta de reivindicações e outros assuntos, serão enviados apenas para aqueles (as) inscritos(as) no congresso. Mas no decorrer do dia acontecerão palestras sobre assuntos de grande interesse de toda a categoria petroleira e que serão abertas para o público. Nesse caso, vamos disponibilizar os links de acesso a essas palestras nas redes sociais do Sindipetro Bahia.

No encerramento do evento, teremos uma atração cultural. Será o grupo Flor de Imbuia, formado na sua totalidade por mulheres e pioneiro na inserção da rabeca na cena de forró soteropolitana, sendo considerado o primeiro grupo de Forró de Rabeca de Salvador. No repertório do Flor de Imbuia estão, além do já citado forró de rabeca: xote, maracatu, baião, cirandas, cocos, etc.

A comissão organizadora do congresso da categoria é composta pelos diretores Francisco Ramos, Gilson Sampaio, Radiovaldo Costa. Pela diretora Elizabete Sacramento e pelo coordenador do Sindipetro Jairo Batista.

Clique aqui para ver a programação do congresso

 

Publicado em 18 CONFUP

[Da imprensa do Sindipetro-PR/SC]

No último fim de semana, em 26 e 27 de junho, os petroleiros e petroquímicos se reuniram via plataforma virtual para construir coletivamente pautas de reivindicações dentro do tema “Democracia, Emprego e Revolução Digital do Trabalho”. Durante todo evento, desde a abertura (leia aqui) até seu desfecho, a tônica da categoria foi que o momento é de unidade. 

“Procuramos mostrar o cenário. Trazer equipes técnicas e oferecer todo suporte para construir reivindicações coletivas. Uma coisa é certa, os trabalhadores do Sistema Petrobrás, em sua maioria, não estão satisfeitos com a atual política da empresa”, disse Alexandro Guilherme Jorge, presidente do Sindipetro PR e SC. 

O alinhamento com a base foi responsável por construir itens de reivindicações dos petroleiros que serão levados ao XVIII Congresso Nacional da Federação Única dos Petroleiros na segunda quinzena deste mês.   

Encaminhamentos 

A programação de sábado (27) começou pela manhã com uma rodada de abordagens (leia aqui) sobre os temas do Congresso. Foram aprofundados itens como o Acordo Coletivo de Trabalho, o momento dos trabalhadores do Sistema Petrobrás e a conjuntura para fora das fronteiras da estatal. 

Depois os participantes se reuniram em salas virtuais específicas para os Grupos de Trabalho. Após os estudos e proposições, já no período da tarde, foram aprovados os encaminhamentos e os delegados para o CONFUP eleitos. 

Confira alguns destaques 

:: Os trabalhadores afirmam que a negociação tem que respeitar os ritos históricos da FUP para construção das pautas (primeiro nos Congressos Regionais, no Congresso Nacional e depois será levado os itens nacionalmente definidos); 

:: Luta permanente pela manutenção de todos os direitos dos trabalhadores e não permitir que a atual gestão dificulte a organização sindical; 

:: Entendimento que o teletrabalho é um desafio real. Uma “modalidade” que pela primeira vez é massificada na empresa e deve ser intensamente fiscalizado. Trata-se de uma nova fronteira de lutas por direitos e se tornou um tema relevante; 

:: AMS/PETROS => os trabalhadores farão oposição aos planos de privatização da Petrobrás e dentro deste contexto está a luta pela manutenção da Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) para ativos, aposentados e pensionistas da estatal; 

:: Defesa inegociável da democracia e das bandeiras de lutas contra as privatizações dos setores públicos e se somar a outras categorias criando participações mais amplas; 

:: Denunciar na mídia e nos canais oficiais das entidades de classe os desmandos da atual gestão da empresa; 

:: Fortalecer o trabalho de base, realizar campanhas de comunicação e diálogo com a sociedade. 

Moções 

:: Aprovada moção de anistia aos trabalhadores petroquímicos da Araucária Nitrogenados S/A (Ansa) e de retorno do funcionamento da Fafen-PR; 

:: Aprovadas moções de repúdio às medidas da Petrobrás no combate à pandemia; à postura diante das vítimas da Covid-19 na estatal; assim como em solidariedade às famílias e aos profissionais da saúde no combate ao novo coronavírus. 

Ao final do 7º Congresso Unificado dos Petroleiros e Petroquímicos os trabalhadores tiveram que ativar o áudio do computador ou do smartphone para ter um pouco mais de proximidade e escutar os aplausos dos participantes. Reflexo das adequações que a classe trabalhadora faz para cumprir seus cronogramas de atividades. A conclusão, após dois dias de debates e palestras, é que com unidade e formação política se constrói a resistência permanente contra o autoritarismo da atual administração da Petrobrás. 

A organização agradece todas e todos os participantes do Congresso Unificado, em especial às assessorias que vieram para ajudar nos Grupos de Trabalho: o advogado Adilson de Oliveira Siqueira (Escritório Normando Rodrigues Advogados e Associados); o advogado Sidnei Machado (assessor jurídico do Sindipetro PR e SC); os dirigentes André Santana (Sindipetro BA), Rafael Crespo (Sindipetro NF) e Norton Almeida (Conselheiro PETROS); e ao companheiro “Luizinho”, Luiz Antônio Alves de Azevedo (CUT-Nacional).

Publicado em 18 CONFUP
Página 3 de 5

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.