CUT cobra que Lula aprove reajuste para aposentadorias e fim do fator previdenciário

Segunda, 24 Maio 2010 21:00
O fim do fator corrige uma série de injustiças iniciadas em 1999, durante o governo FHC..

Imprensa da FUP, com informações da CUT

Em nota pública, a Executiva Nacional da CUT reitera ao presidente Lula que sancione o reajuste de 7,7% para as aposentadorias acima do salário mínimo e também o fim do fator previdenciário. O reajuste vai beneficiar mais de oito milhões de aposentados e pensionistas brasileiros e atuar como mais um importante instrumento de recuperação da renda do trabalhador. O fim do fator previdenciário corrige uma série de injustiças iniciadas em 1999, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB/DEM).  

“Deixamos claro, igualmente, que somos contrários à proposta de idade mínima, mencionada por alguns parlamentares como alternativa ao fator previdenciário. A idade mínima penalizaria quem começa a trabalhar bastante jovem”, ressaltam os dirigentes da CUT.

“O atual debate em torno das aposentadorias acima do mínimo poderia ter tido um resultado mais amplo e profundo, indo além do reajuste do período e criando uma política de valorização permanente das aposentadorias e pensões, a exemplo da que conquistamos para o salário mínimo – que atende 18,3 milhões de aposentados, ou 69% do total, além de outros 25 milhões de brasileiros que dele dependem direta ou indiretamente. Infelizmente, essa discussão estacionou no Congresso, desde o ano passado.

Queremos uma mesa de negociação permanente, com a participação de governo e entidades representativas dos aposentados, para construção de uma política de valorização não só das aposentadorias, mas das condições de vida dos idosos.

Não deixaremos de apresentar propostas e pressionar pela criação dessas políticas”, conclui a Executiva Nacional da CUT.

Publicado em Últimas Notícias

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.