Corrida contra o tempo na luta pelos campos terrestres

Quarta, 05 Maio 2010 21:00
O Comitê em Defesa da Bahia continua desenvolvendo várias atividades em prol da manutenção dos campos terrestres...

Com informações do Sindicato dos Químicos e Petroleiros da Bahia

O Comitê em Defesa da Bahia continua desenvolvendo várias atividades em prol da manutenção dos campos terrestres operados pela Petrobrás na Bahia e no Nordeste. No dia 04/05, foi realizada uma Audiência Publica, na Câmara de Vereadores de Alagoinhas. No dia 02/05, às 10h30, foi exibido pela TV Aratu (Canal 4-SBT), o programa de TV “Campos Terrestres da Petrobrás - uma luta em defesa da Bahia, do Nordeste e do Brasil”. No dia 23/04, foi realizada uma grande caminhada pelas ruas do centro de Salvador. 

Além disso, em Brasília, a FUP e seus sindicatos estão fazendo o corpo a corpo junto aos parlamentares, em especial, senadores para evitar que os relatórios dos projetos sobre capitalização da Petrobrás e partilha sejam votados com alterações. Dirigentes do  Sindicato dos Químicos e Petroleiros da Bahia estão distribuindo material e dialogando com os parlamentares. Durante a votação na Câmara, o projeto de capitalização da Petrobrás sofreu uma alteração no relatório final que coloca em risco os campos terrestres operados pela estatal. 

 O texto original do projeto de partilha também foi modificado pelos deputados, para incrementar a participação de empresas de pequeno e médio porte na exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás. Sutis e perversas, essas alterações aprovadas na Câmara comprometem a proposta do governo federal de ampliar o controle do Estado na indústria nacional de petróleo, se contrapondo ao modelo privatista herdado dos tucanos e demos. Através do Senador Paulo Paim (PT/ RS), a Federação viabilizou a apresentação de emendas supressivas, que retiram dos projetos do governo os textos que colocam em risco os campos operados pela Petrobrás

Publicado em Últimas Notícias

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.