Garis vão "até o Supremo" para obter indenização de Boris Casoy

Segunda, 03 Maio 2010 21:00
O advogado Luis Eduardo Salles Nobre — que representa os 815 garis que impetraram com ações contra a Band e o apresentador Boris Casoy...

Vermelho

O advogado Luis Eduardo Salles Nobre — que representa os 815 garis que impetraram com ações contra a Band e o apresentador Boris Casoy — vai recorrer de decisão da Justiça carioca que negou indenização ao grupo. Na última sexta-feira (30), o Juizado Especial Cível do Rio de Janeiro negou pedido de indenização feito pelos garis por conta de comentários de Boris Casoy.

Para o juiz Brenno Mascarenhas, não houve ofensa à categoria em declaração feita pelo jornalista às vésperas do réveillon de 2009. Durante o Jornal da Band de 31 de dezembro, sem saber que estava sendo gravado, o reacionário Boris comentou de forma preconceituosa e infame uma mensagem de ano novo protagonizada por dois garis.

“Que merda... dois lixeiros desejando felicidades... do alto de suas vassouras. O mais baixo da escala de trabalho”, soltou o apresentador. Um dia depois, após intensa repercussão, o jornalista pediu desculpas pela declaração. Na Justiça, Casoy classificou a declaração de "gafe".

Na avaliação do juiz, apenas os dois personagens citados no vídeo poderiam entrar com ação por danos morais contra o apresentador, o que não aconteceu. Mesmo ao negar a indenização, Casoy disse que a declaração revela "constrangedor preconceito" do jornalista.

Nobre disse que vai "até o Supremo" (STF), caso seja necessário, para obter indenização aos garis. Ao colunista Lauro Jardim, da Veja Online, disse que entrará com recurso no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) para pedir reavaliação do caso.

Caso não consiga novo julgamento no TJ, o advogado afirma que irá recorrer até ultima instância, no caso o Supremo Tribunal Federal, por entender que houve ofensa à categoria no comentário de Casoy.

 

 

 

Publicado em Últimas Notícias

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.