Greve dos profissionais da Caixa Econômica segue por tempo indeterminado

Quarta, 06 Maio 2009 21:00
Como a direção da Caixa Econômica Federal não apresentou nada de novo em comparação...
CUT

Como a direção da Caixa Econômica Federal não apresentou nada de novo em comparação com a proposta que já havia feito em 22 de abril, a greve por tempo indeterminado deflagrada pelos empregados da carreira profissional (arquitetos - advogados - engenheiros - bancários de profissões constantes no RH 060) continua em todo o país. A nova proposta da empresa foi apresentada durante contato mantido na manhã do dia 5 com a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa). Os profissionais estão há dez dias com os braços cruzados.

Na proposta formalizada na última terça-feira (4) pela Caixa, fica mantida a tabela de 36 níveis, com piso de R$ 5.700,00 e teto de R$ 8.400,00. A proposta prevê ainda a migração para quem permanece no PCS de 1998, mas com a condição de que o empregado abra mão de eventuais ações judiciais consideradas colidentes e não esteja vinculado ao REG/Replan não-saldado. A migração se deria por aproximação salarial na tabela de 2006, com posterior ajuste para a nova tabela. O valor previsto na tabela seria retroativo a 1º de janeiro de 2009, com pagamento na folha de maio.

Na avaliação da CEE/Caixa, a empresa precisa evoluir nas discussões, para que o impasse seja resolvido. O coordenador da Comissão Executiva dos Empregados, Jair Pedro Ferreira, opina que a proposta apresentada ontem pela empresa não contempla o que os profissionais reivindicam e, por isso, orienta pela continuidade da mobilização por todo o país.

Deflagrada na semana passada, por assembléias ocorridas em diversas bases sindicais, a greve por tempo indeterminado conta com forte adesão em todos os segmentos profissionais e tem a solidariedade do conjunto dos empregados da Caixa. A paralisação é forte e coesa nas seguintes bases sindicais: Alagoas, Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campinas (SP), Campo Grande (MS), Chapecó (SC), Curitiba (PR), Espírito Santo, Fortaleza (CE), Feira de Santana (BA), Goiás, Juiz de Fora (MG), Londrina (PR), Mato Grosso, Natal (RN), Paraíba, Porto Alegre (RS), Recife (PE), Ribeiro Preto (SP), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São José do Rio Preto (SP), São José dos Campos (SP), São Paulo (SP), Sorocaba (SP), Sergipe, Sul Fluminense (RJ), Teresina (PI), Uberaba (MG) e Zona da Mata e Sul de Minas (MG).

 

Publicado em Últimas Notícias

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.