Indígenas comemoram vitória no STF

Quinta, 19 Março 2009 21:00
Terra Indígena Raposa Serra do Sol (RR) - Com uma comemoração tímida, que reuniu...

Agência Brasil

Terra Indígena Raposa Serra do Sol (RR) - Com uma comemoração tímida, que reuniu pouco mais de 100 pessoas até o início da noite, indígenas que vivem na Vila Surumu, na entrada da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, agradeceram com música e dança a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que confirmou hoje (19) a constitucionalidade da demarcação da reserva em área contínua.

“Foi uma decisão de acordo com a nossa luta e com o nosso trabalho pelo direito a esta terra. Estamos satisfeitos com a Justiça”, afirmou o tuxaua (cacique) macuxi Cristóvão Barbosa.

Na avaliação do tuxaua, a decisão do STF sobre a demarcação da Raposa Serra do Sol reconheceu os direitos de povos indígenas de várias etnias do Brasil. O líder indígena espera agora que a retirada dos não-índios da área seja feita com rapidez.


“Precisamos que sejam retirados o mais rápido possível, de 15 a 30 dias, no máximo, porque nós tememos o que pode acontecer por conta da morosidade na retirada dos invasores. Ficamos à mercê de conflitos e ameaças", afirmou.

Segundo Barbosa, algumas comunidades temem ataques e retaliações por parte dos produtores de arroz – que terão que deixar a terra. “Se antes disso [decisão do STF] já éramos ameaçados, imagine agora”, disse.

De acordo com o líder Martinho Macuxi, da coordenação do Conselho Indígena de Roraima (CIR), os indígenas não pretendem ocupar as propriedades antes da retirada oficial dos produtores que será realizada por meio de uma operação de desintrusão comandada pela Polícia Federal.

Além da comemoração comunitária da noite de hoje, os índios deverão organizar uma grande festa para celebrar a decisão do STF, provavelmente durante o chamado Abril Indígena, quando etnias do país realizam manifestações e reivindicam direitos para as comunidades, segundo informou Barbosa.
Publicado em Últimas Notícias

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.