“Hoje a Petrobrás serve ao mercado financeiro, que não ouve o choro de uma criança com fome”, afirma coordenador da FUP na Câmara 

Quarta, 24 Novembro 2021 21:26
Foto: Reprodução TV Câmara. Foto: Reprodução TV Câmara.

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, participou nesta quarta-feira (24) de uma Audiência Pública na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados sobre a política de preços da Petrobrás. 

[Da Imprensa da FUP]

Na audiência, solicitada pelo deputado Zé Neto (PT-BA), foi discutido o Projeto de Lei 9187/2017, que limita os reajustes dos combustíveis à variação da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O projeto é de autoria do ex-deputado Marco Maia (PT-RS) e relatado por Neto. Na abertura da Audiência, o relator afirmou: “Não é especulação que vai garantir o desenvolvimento do Brasil. É a produtividade. E para ter produtividade é preciso ter estabilidade”. Essa estabilidade, segundo o deputado, está relacionada com a Petrobrás e sua política: “Não se pode tirar a Petrobrás do controle público e do interesse público, ela foi construída com recursos do povo brasileiro. O petróleo era um insumo do nosso desenvolvimento. Primeiro a empresa precisa olhar para dentro do país, garantir o abastecimento e promover o desenvolvimento das cadeias produtivas da nação”.

Dependência ilusória 

Segundo dados apresentados durante a audiência pelo coordenador técnico do Ineep (Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), William Nozaki, os aumentos de preços dos derivados, nos postos, nos últimos doze meses, foram de 53% para a gasolina, 51% para o diesel e 40% para o GLP (gás de cozinha). No governo Bolsonaro, ocorreram 112 reajustes na gasolina (um a cada 9 dias),102 aumentos no diesel (1 a cada 10 dias) e 21 altas no GLP (uma a cada 50 dias).

Em meio a isso, a Petrobrás reduziu a carga de produção de refino, levando ao aumento das importações de derivados, a preços de PPI. As refinarias da Petrobrás podem refinar 2,4 milhões de petróleo por dia, mas, por decisão da gestão da empresa, elas estão refinando abaixo dessa capacidade. Nozaki disse que, “desde que o PPI foi implantado em 2016, as refinarias tiveram a carga de produção reduzida e operam hoje com uma média de 75% de sua capacidade total. Com isso, o Brasil passou a importar cada vez mais derivados. 

Para Nozaki, “é preciso que o Brasil sendo o nono maior produtor de petróleo do mundo, se comporte como tal, e não como se fosse necessariamente um país que depende de importações”. Mário Dal Zot, presidente da Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobrás (Anapetro), disse que a atual política da gestão da Petrobrás é um “tiro no pé”: “ a empresa está se desfazendo do seu patrimônio. Hoje vai dar lucro, mas amanhã não, pois está indo na contramão do mundo. As grandes empresas petroleiras estão se colocando firmes desde o processo de exploração de petróleo, sua distribuição e rumo a toda a cadeia de transição energética e energias renováveis, a Petrobrás faz o contrário”. 

De costas para o povo

O coordenador Geral da FUP, Deyvid Bacelar, abriu sua intervenção dizendo: “Temos que discutir política de preço de combustíveis sabendo que o Brasil é autossuficiente, e tem refinarias para refinar esse petróleo”. 

O que está por trás é uma decisão política e uma mudança no rumo estratégico da Petrobrás. “Com a adoção do PPI, em outubro de 2016, a Petrobrás deixou de atuar como um instrumento da política energética do Estado brasileiro - que deveria ter como objetivos garantira segurança de abastecimento, o crescimento econômico e o acesso energético aos mais vulneráveis - para se tornar uma empresa que está estritamente voltada para a sua acumulação interna de capital e pagamento de dividendos a acionistas”, acrescentou Bacelar. Para ele, “estamos vendo um verdadeiro assalto ao povo brasileiro”.

Bacelar condensou numa frase o quanto a política atual da petrobrás vira as costas para o povo brasileio: “Hoje a gestão da Petrobrás dirigida por Silva e Luna, que não é nem nacionalista nem patriota, serve ao mercado financeiro, e o mercado não ouve o choro de uma criança com fome. O mercado não sente a dor da dona de casa, do caminhoneiro, do taxista, do motorista de aplicativo, dos entregadores. O mercado não sente a dor da queimadura de quem hoje cozinha com lenha ou com álcool”. A apresentação do Coordenador geral da FUP aparece em anexo, e sua intervenção pode ser assistida aqui: 

 

O projeto

Discutido na Audiência, o Projeto de Lei  9187/2017, é de autoria do ex-deputado Marco Maia (PT-RS) e é relatado pelo deputado Zé Neto (PT-BA), que já tem um substitutivo para apresentar. O projeto limita os reajustes dos combustíveis à variação da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A proposta também determina que os reajustes só poderão ser feitos de forma mensal ou anual, desde que respeitado esse limite. A audiência pública serviu para buscar mais contribuições para o texto, que deve entrar na pauta de votações na CDEICS. A audiência pública na Câmara dos Deputados teve por objetivo buscar mais contribuições para o texto, que deve entrar na pauta de votações na CDEICS. Participaram da audiência o gerente geral de comercialização no mercado interno da Petrobrás, Sandro Paes Barreto, a diretora do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), Valéria Lima, o presidente da Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobrás (Anapetro), Mário Dal Zot, o vice-diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (Aepet), Cláudio da Costa Oliveira, o consultor técnico na área de gás e petróleo Paulo César Ribeiro Lima, entre outros.

 

Última modificação em Sexta, 26 Novembro 2021 15:38

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.