Trabalhadores da Elfe aprovam Acordo Coletivo 2021/2022

Sexta, 20 Agosto 2021 16:41

Após três propostas rejeitadas em cinco meses de negociação, trabalhadores da Elfe aprovam por ampla maioria contraproposta do Acordo Coletivo de Trabalho 2021/2022. A decisão foi tomada em assembleias deliberativas presenciais e virtuais nos dias 17, 18 e 19 de agosto, nas bases administrativas e operacionais da empresa.

Nesta negociação, a categoria conquistou 6,94% de reajuste para salários até R$ 4.000,00, retroativo ao mês de abril (salário março). Aos trabalhadores que recebem acima de R$ 4.000,00, foi garantida uma parcela fixa de R$ 120,00, excluído os cargos com piso de engenheiro já reajustados em fevereiro de 2021. A empresa também assegurou o pagamento das diferenças salariais em 3 parcelas, iguais e consecutivas, como Abono Salarial.

Antecipando as lutas do ano que vem, a diretoria do SINDIPETRO-RN em negociação com a empresa, já garantiu mediante a contraproposta de ACT aprovada e assinada, um reajuste de 80% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC para o Acordo de 2022/2023.

O novo Acordo também contemplou reajustes de 6,94% sobre os benefícios, com retroativo ao mês de abril. Porém, os não associados ao SINDIPETRO-RN, vão receber apenas 5% sobre os benefícios para o mesmo período dos associados. A empresa informou que o pagamento das diferenças dos benefícios será pago até 3 parcelas iguais e consecutivas.

Outro ponto muito importante aprovado pelos trabalhadores foi que as demais cláusulas do ACT anterior vão se manter inalteradas. A decisão assegura os avanços conquistados ao longo dos anos pela categoria, sindicatos e FUP.

Participaram das assembleias deliberativas o Diretor da FUP e Secretário-Geral do SINDIPETRO-RN, Pedro Lúcio e os dirigentes sindicais, Elfrásio Paulino, Jorge Luíz, Manoel Assunção, Marcos Brasil, Rafael Matos, Pedro Idalino e o coordenador geral do sindicato, Ivis Corsino.

[Da imprensa do Sindipetro RN]

Publicado em Setor Privado

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.