Trabalhadores da Telsan rejeitam contraproposta da empresa e mantêm greve na Bahia

Quarta, 07 Julho 2021 18:03

Em uma assembleia virtual na noite de terça-feira (6), os trabalhadores dos contratos de monitoramento de campo e extração da Telsan rejeitaram a última proposta apresentada pela empresa e decidiram dar continuidade à greve por tempo indeterminado.

Bastante concorrida, a assembleia contou com a participação de 200 trabalhadores, que vêm mostrando uma grande capacidade de luta e união, enfrentando hoje (7), o segundo dia de greve, que é por tempo indeterminado, ou seja, até que as suas reivindicações sejam atendidas.

Já houve alguns avanços como o reajuste salarial de 5% a partir de 1º de julho e a manutenção do plano de saúde Hapvida, mas não o suficiente para que a greve seja encerrada. Os trabalhadores querem outras melhorias na proposta para que possam fechar o Acordo Coletivo 2021/2022, principalmente em relação aos tickets alimentação e refeição.


Leia também: Gerência da UN-BA pressiona trabalhadores da Telsan para que “furem” greve da categoria


O Sindipetro Bahia, como representante legítimo dos trabalhadores das empresas do setor privado de petróleo, vai continuar desempenhando o seu papel de defender os interesses e direitos da categoria (próprios ou terceirizados).

Só este ano, a entidade sindical fechou diversos acordos coletivos de trabalho deste segmento da categoria, após a realização de mobilizações e greves, a exemplo do acordo dos trabalhadores do contrato de manutenção da Perbras, fechado no mês de março, após dois dias de greve e o acordo dos trabalhadores da Conterp, no mês de junho, após um dia de greve.

O Diretor de Comunicação do Sindipetro, Radiovaldo Costa, que está organizando e acompanhando todo o movimento, destaca a participação ativa dos trabalhadores que “estão fortalecidos por estarem lutando em conjunto com o sindicato, fortalecendo, assim a entidade sindical”.

Radiovaldo ressalta que “o Sindipetro continua em negociação com a Telsan em busca de avanços para que seja possível encerrar a greve e fechar o Acordo Coletivo de Trabalho”.

Outra assembleia virtual acontece na noite desta quarta-feira (7) para analisar os rumos do movimento.

[Da imprensa do Sindipetro Bahia]

Publicado em Setor Privado

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.